Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
 

Coluna do DC - 15/01

15 de janeiro de 2013 2

Foto: Ricardo Duarte

O impasse salarial

Informei aqui, ontem, que Grêmio e Avaí acertaram um acordo em que dividiriam o salário do meia Marquinhos. Acontece que o valor _ a metade do Avaí _ extrapola o teto estipulado pela direção do clube para a temporada 2013, que é de R$ 50 mil. O Avaí já caminhou com duas propostas ao meia para chegar muito próximo deste valor. Nesta segunda foram muitas conversas entre Marquinhos e seu procurador, Bruno Paiva, o presidente Zunino, o presidente Koff e o gerente, Júlio Rondinelli.

A ideia é tentar fazer com que o Grêmio aumente um pouco o valor que vai pagar ao jogador. A conta do Grêmio é de quanto vai economizar com a saída de Marquinhos, e quanto mais economizar, melhor.
A conta do Avaí é de quanto vai ter que investir no atleta. Algumas coisas são certezas: Marquinhos está louco pra voltar, o Avaí está louco para tê-lo de volta e o Grêmio não conta com ele.

O contexto da volta

A volta de Marquinhos extrapola o fator campo. É sempre bom lembrar que este é o último ano de administração do presidente João Nilson Zunino. No negócio entram alguns componentes emocionais, estratégicos e até políticos. Zunino e Marquinhos têm uma relação de pai pra filho. É claro que Marquinhos também está pesando tudo que envolve este final de administração de um presidente que o abraçou tantas vezes na Ressacada. É uma questão de estar junto neste momento final de administração. Para Zunino, Marquinhos seria uma grande tacada no sentido de deixar o clube forte e num patamar maior, que seria voltar à Série A. Os dois são grandes parceiros e um ajudaria o outro neste momento.

Eduardo Costa

A questão Eduardo Costa é bem mais simples. É uma negociação direta com o atleta, que quer voltar para casa. O volante está disposto a reduzir bastante o que pretendia ganhar para acertar com o Avaí. Só pra se ter uma idéia, o negócio deve fechar por um quarto daquilo que foi a primeira pedida do atleta. O clube também não ultrapassaria o teto estipulado para esta temporada. Eduardo Costa está com 30 anos, tem experiência internacional, e ainda tem muita bola pra jogar. Seria uma contratação expressiva para o Avaí pensando numa série B e num catarinense.

Cléber Santana

Mais um capítulo da negociação entre o meia e o Criciúma. O gerente de futebol do Criciúma, Rodrigo Pastana, esteve no Rio de Janeiro nesta segunda para levar detalhes da proposta que o Criciúma faz por ele neste momento. O Tigre pagaria luvas ao jogador e está oferecendo um salário que não chega ao pedido feito por Cléber, mas seria muito próximo do valor desejado por ele e próximo também das ofertas feitas por outros clubes a ele. Agora é esperar a resposta do atleta. A maior dificuldade no momento é a concorrência, que a cada dia aumenta mais. Agora, foram os times da Bahia também entraram na briga.

Comentários (2)

  • Marcelo diz: 15 de janeiro de 2013

    Cléber Santana não vai pro Criciúma, não quer time pequeno em seu currículo. Vai se aposentar e contar aos filhos e netos que jogou apenas em grandes clubes de torcidas apaixonadas: São Paulo, Atlético de Madri, Atlético Paranaense, Avaí e Flamengo. Provavelmente agora o Vitória-BA também.

    Dale Cléber, MAESTRO! 2014 estarás no Avaí novamente para mais uma série A.

  • Isabela Ramos. diz: 15 de janeiro de 2013

    Acho uma imprudencia a volta do Marquinhos, pois além de alto salário ( uma diferança muito grande entre os ourtros companheiros de equipe). Segundo, se ele fosse bom mesmo, qualquer clube da seria A, tinha feito uma proposta.
    aLÉM DE ELE SER UM PIPOQUEIRO AQUI NO AVAI, na hora “H” ele sem tira o dele da reta, ai esta com dor na perna, lesão disso, daquilo. Eu e muitos avainaos não gostamos da contratação

Envie seu Comentário