Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
 

As faltas táticas da Seleção

25 de junho de 2013 0

Um dos principais pontos do jogo da Seleção Brasileira de Luiz Felipe Scolari é matar a saída de bola do adversário com faltas. Contra a Itália, o Brasil fez 27 faltas contra 18 sofridas. E principalmente no primeiro tempo, quando teve um volume de jogo muito maior, a Seleção matou praticamente todas as jogadas italianas no início. É a velha e conhecida “falta tática” que sempre foi utilizada pelo treinador, desde os tempos de Criciúma. Não tenho nada contra isso, desde que seja feito de forma inteligente. Colocar Neymar pra dar esbarrões nos adversários não é inteligência. Assim como apelar para violência também não é, mas este não tem sido o caso.

Números 1ª fase

A Seleção Brasileira foi a que mais fez faltas na primeira fase, foram 67 segundo números da Fifa. Entre os semifinalistas, o Uruguai cometeu 52, a Itália, 51, e a Espanha, 30. O Brasil está acima da média, claramente pela estratégia adotada. A Itália e o Uruguai estão na média. Já a Espanha está muito abaixo porque não precisa fazer faltas, pois fica com a bola nos pés durante boa parte do jogo. Certamente o Brasil não vai ganhar o troféu Fifa Fair Play, mas tenho certeza que não é este que interessa. Os números apenas demonstram muito claramente o perfil do jogo aplicado pelo time de Felipão, que fez uma escolha tática para voltar a ser competitivo no momento. Está dando resultado.

E contra o Uruguai

A celeste joga praticamente com dois times separados: uma turma que marca e três atacantes de muito talento na frente. A estratégia de marcar a saída de bola e dar uma pressão inicial pode trazer bons frutos para a Seleção Brasileira. O Uruguai não tem uma boa saída, um bom primeiro passe. Se a Seleção pressionar a saída, a tendência é provocar o erro do adversário ou fazer com que ele rife a bola, dando os famosos chutões pra frente. O perigo está justamente na qualidade que existe no trio Suarez, Forlan e Cavani. Se a bola chegar lá na frente e não houver uma sobra adequada, a defesa brasileira pode ter problemas.

Envie seu Comentário