Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
 

Vejo evolução na Seleção Brasileira

18 de novembro de 2015 0

Enfim, alguma evolução coletiva marcou o último jogo da Seleção Brasileira na temporada. Com o desenho tático variando no mesmo jogo entre o 4 1 4 1, o 4 2 3 1, e o 4 3 3, e sem perder o sentido de unidade, com a entrada de Renato Augusto, com a fixação de Douglas Costa no time… foram mexidas feitas para o jogo contra o Peru, em Salvador, na terça-feira, que tornaram o jogo da Seleção mais encaixado.

Com show de Douglas Costa, Brasil venceu o Peru por 3 a 0
Catarinense Filipe Luis marca primeiro gol pela Seleção Brasileira

Ainda está longe de um coletivo com movimentos coordenados, de um time que realiza trocas de posições entre atletas durante uma partida, mas já é um passo significativo entre o que deixou de ser apresentado na Copa América e o que está sendo apresentado agora. Na Copa América o time jogava todo em função de Neymar, o que não ocorre agora. Aliás, Neymar foi o que destoou nas duas partidas – contra Argentina e Peru – porque ainda não achou o seu “novo” espaço no time, que está mais coletivo e ganhou personalidade e novas individualidades. William e Douglas Costa têm mostrado que estão acima da média dos jogadores bons. O ano acabou mostrando novidades positivas. Dunga também está mais flexível. Agora é só em Março e até lá muita coisa pode mudar, mas seria ótimo que a evolução deste final de ano tivesse reflexo no início do trabalho para a próxima temporada.

Envie seu Comentário