Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Posts com a tag "família"

Você deixaria sua família em troca de um emprego?

10 de março de 2014 0
Enquete do dia (Foto: Reprodução)

Enquete do dia (Foto: Reprodução)

A enquete do dia da Rádio Farroupilha (680 AM) é sobre troca de emprego.

Nossa ouvinte Juliana, do Cristo Redentor, está muito preocupada com seu marido, que está trocando de emprego. Ele trabalhava há 8 anos na mesma empresa, como motorista e, na semana passada, pediu demissão.

Agora, seu esposo será caminhoneiro e viajará por todo o Brasil, arriscando a vida para ganhar R$ 500,00 a mais. Juliana não sabe o que fazer, pois eles têm dois filhos pequenos, e seu marido ficará no mínimo 20 dias fora de casa a cada viagem que fizer.

Sérgio Zambiasi quer saber: você deixaria sua família em troca de um emprego?

O que você faria de descobrisse que seu marido é homossexual?

12 de fevereiro de 2014 0
(Foto: Reprodução)

(Foto: Reprodução)

A enquete de hoje da Rádio Farroupilha (680 AM) é sobre homens que se descobrem homossexuais.

O ouvinte, que pediu para ser chamado de João Carlos, mandou por e-mail seu desabafo. Ele é motorista de caminhão, casado, tem 35 anos, mas confessa que gosta de homens.

Ele conta que vivemos numa sociedade muito conservadora e preconceituosa e , por isso, tenho ele tem muito medo de se revelar, ou como dizem, sair do armário.

“Meu casamento não é ruim, tenho uma bela esposa, bonita e trabalhadora, mas a medida que o tempo passa, chego a conclusão que realmente gosto muito menos de mulher e mais de homens. Mas, o que fazer? Se eu sair do armário vou perder minha família, minha esposa gosta muito de mim e me respeita”, conta.

Ele tem medo de perder o emprego, perder os amigos e por aí vai. ele conta que tem medo do escândalo, seria terrível. “O que será que as mulheres pensam nisso?”, questiona.

Sérgio Zambiasi quer saber:  o que você faria de descobrisse que seu marido é homossexual?

Padrastos e madrastas devem se impor com enteados difíceis de lidar?

08 de janeiro de 2014 0
(Foto: Reprodução)

(Foto: Reprodução)

A enquete de hoje da Rádio Farroupilha (680 AM) é sobre relação entre madrasta/padrasto e enteados.

O ouvinte José Luiz, de Eldorado do Sul, vive um momento delicado em família. Ao ouvir a rádio ontem, atento a notícia da mãe desesperada com a filha rebelde, o ouvinte decidiu usar o Facebook de um colega para relatar a situação que acontece a sua casa.

Separado, ele está em um novo relacionamento há dois anos. A nova companheira dele é uma pessoa maravilhosa, doce, meiga, leve, não complica com nada, mas a sua filha, de 14 anos, é um guria muito difícil de lidar, quase impossível.

“Somos apaixonados, entre nós não existe problemas, mas a guria decididamente não gosta de mi. a mãe já conversou com ela, sem sucesso. Eu já tentei de todas as formas me aproximar dela, ser amigo, mas como resposta ganhei um ‘tu não é meu pai e tu não vai ficar no lugar dele’”, conta.

Ele revela que jé pensou em se separar, mas ama a sua companheira, não existe problema entre eles. Também já pensou em partir para a ignorância e se impor, mas teme que seja pior.

O que ouvinte deve fazer? Já passou por uma situação parecida?

Sérgio Zambiasi quer saber: Padrastos e madrastas devem se impor com enteados difíceis de lidar?

Mãe não aceita a namorada do filho adolescente. O que você faria no lugar dela?

13 de dezembro de 2013 0
(Foto: Reprodução)

(Foto: Reprodução)

A enquete de hoje da Rádio Farroupilha (680 AM) é sobre relacionamento entre mãe e filha.

A “Mãe Aflita”, moradora do bairro Cristo Redentor,  conta que criou seu filho único, hoje com  16 anos, até então sem conflitos e com muito amor. Mas, de uns meses para cá, estou me conflitando com meu filho e marido.

O menino, aos 15 anos, teve a sua primeira namorada, ela ia na casa deles, mas a noite ia embora, os pais vinham buscar. “Eu gostava muito da menina, mas meu filho desistiu dela, alegando que não a amava o suficiente e meu marido também não ia com a cara dela. Eles terminaram”, conta

Agora, o adolescente arranjou outra namorada, com 17 anos,  a qual a ouvinte acha meio piriguete pela maneira que se veste e se comporta. “Não vou com a cara dela, mas meu filho gosta e meu marido também. Mais uma vez sou ‘voto vencido’”, desabafa.

O problema surgiu quando de uns dias para cá quando o menino quis trazer a namorada para dormir na casa dos pais.  ” A gente não conhece a menina direito, ela é menos, não sabemos que são seus pais, os quais ela alega que moram no interior e diz morar com uma irmã e o cunhado numa cidade da grande Porto Alegre. Ela vem aqui para casa no final de semana e quer ficar por aqui, eu separo os dois e meu filho me chama de cafona, desatualizada, grossa. E o pior, meu marido está no lado dele”, diz.

A ouvinte está certa? O que você  se estivesse no lugar dela?

Sérgio Zambiasi quer saber:  mãe não aceita a namorada do filho adolescente. O que você faria no lugar dela?

Ouvinte desabafa: "Meu filho pôs meu marido na cadeia por estar cansado da violência em casa. Conto a verdade ou deixo assim?"

05 de dezembro de 2013 4
(Foto: Reprodução)

(Foto: Reprodução)

A enquete de hoje da Rádio Farroupilha (680 AM) é sobre violência familiar.

A ouvinte que pede para ser chamada de “Mãe Apavorada”, conta pelo Facebook a situação delicada que está vivendo na sua casa.

Aos 42 anos, trabalhadora, criou seus dois filhos praticamente sozinha, uma menina de 22 anos, que já saiu de casa, e um menino de 15 anos, que ainda mora com ela. Há quatro anos conheceu um homem com todas as recomendações, trabalhador, boas amizades e de família. Mas, de uns três anos para cá, ele passou a beber, se drogar e a vida deles virou um inferno.

Ele não para em serviço nenhum, batia nos animais de estimação e, o pior, batia na ouvinte e o seu filho. O adolescente, cansado das atitudes violentas do padrasto, sem o conhecimento da mãe, falou com um traficante de vila onde moram e pediu ajuda.

A primeira opção do traficante foi matar o padrasto, mas, o menino não aceitou. Então, eles combinaram do jovem por  um pacotinho de maconha nas coisas dele e sair de casa com a mãe. E foi isso que o menino fez.

“A polícia bateu aqui em casa, pegou meu marido e um pacote envolto a um plástico, com 450 gramas de maconha. Agora, ele me liga o presídio, tenta me pressionar, fala que está preso por um crime que não cometeu e me pergunta se foi eu que aprontei para ele”, conta.

Agora, a ouvinte está apavorada. “Já bati no meu filho, mas ele desabafou dizendo que fez isso por estar cansado de me ver sofrer com o meu marido e diz que não tem mais medo dele”, diz.

A ouvinte deve contar a verdade para o marido? O que você faria no lugar dela? Já passou por uma situação parecida?

Sérgio Zambiasi quer saber:  o que você faria no lugar da ouvinte? Contaria a verdade?

O que fazer quando a madrasta dá em cima do enteado?

29 de novembro de 2013 0
(Foto: Reprodução)

(Foto: Reprodução)

A enquete de hoje da Rádio Farroupilha (680 AM) é sobre relacionamento entre enteado e madrasta.

O ouvinte Marcos, do Guarujá, tem 27 anos e já está se encaminhando na vida. Faz faculdade, é independente, mora sozinho numa apartamento que comprou financiado.

Seus pais são separados, a mãe já se arrumou, casou novamente com um cara do bem, tranquilo, que a trata como uma rainha. Mas, seu pai arrumou uma senhora dez anos mais moça que ele, sem problemas, se não fosse uma “pirigue-loba”.

“Ela é um quarentona que se veste e se comporta como uma piriguete e não teria nada com isso se não fosse ela estar me assediando!”, revela.

Ele conta que começou a desconfiar  de aniversário da minha irmã, quando se pai apresentou a dita cuja à família. “Ela me tirou para dançar  e no meu ouvido disse ‘família bonita, hein?’. Me fiz desentendido e ela disse ‘você é lindinho,, tal pai, tal filho’, fiquei muito constrangido”, conta.

Ele ainda disse que há seis meses ela o aborda, tenta dar presentinhos, os quais nunca aceitou. “Já disse a ela que vou contar a situação para meu pai, mas ela fala que vai reverter a situação e dizer ara ele que quem dá em cima dela sou eu. Estou muito constrangido, não sei o que fazer”, diz.

O que você faria no lugar do ouvinte? Já passou por uma situação parecida?

Sérgio Zambiasi quer saber: o que fazer quando a madrasta dá em cima do enteado?

Você já teve problemas com seus enteados?

27 de novembro de 2013 0
(Foto: Reprodução)

(Foto: Reprodução)

A enquete de hoje da Rádio Farroupilha (680 AM) é sobre relacionamento entre madrasta e enteados.

A ouvinte Maria Luiza, da Vila Nova, mandou pelo Facebook seu desabafo. Aos 42 anos, separada há 5, vivia nos bailes ficando com um homem a cada final de semana, até que conheceu “o cara” em todos os sentidos, um homem do bem, estável, trabalhador, o qual provou de todas as maneiras que realmente é apaixonado por ela.

Decidimos morar juntos, aluguei minha casa e fui morar com ele. Depois de um ano juntos, estava tudo bem, até o filho dele sair da casa da mãe e ir para nossa casa”, conta a ouvinte.

O guri de 16 anos, por decisão judicial, foi morar com o casal  e a vida da ouvinte virou um inferno. “Ele não gostou de mim, me agride, me humilha e o pai dele não faz nada. Na verdade, o guri é ardiloso, pois na frente do pai é um doce, me trata como se a mãe dele. Quando o pai vira as costas, ele vira o demônio , me acusa do que não faço, fala que sou aproveitadora e oportunista”, diz.

A ouvinte conta que ele revira as roupas do pai, solta o cachorro, traz os amigos para dentro de casa e debocha da madrasta.

“Tento conversar com o pai dele e ele não se posiciona, só alega que eu não tenho que dar bolam que é coisa de guri“, desabafa a amiga.

O que você faria no lugar da ouvinte? Já passou por uma situação parecida?

Sérgio Zambiasi quer saber: Você já teve problemas com seus enteados?

 

O que fazer quando uma pessoa que você ama desiste de viver?

08 de novembro de 2013 1
(Foto: Reprodução)

(Foto: Reprodução)

A enquete de hoje da Rádio Farroupilha (680 AM) é sobre pessoas que desistem de viver.

A “esposa angustiada”, moradora de uma cidade do interior, revela que é uma esposa com o coração em pedaços. Seu marido está com está com fortes sintomas de câncer no fígado e não aceita ir no médico por nada nesse mundo. Está mal e para piorar, ainda bebe nos finais de semana e diz que é para “regular a pressão”.

“Sou uma mulher de apenas 40 anos, mas estou me sentindo uma velha de tanto sofrimento, de tanto desespero. Meu filho, que ama esse pai mais está em pânico, nem ele consegue convence o pai a buscar atendimento médico. A família há desistiu, restou-me essa luta sozinha com meu filho, mas até agora sem sucesso”, relata.

A ouvinte ainda diz que a sua rotina está alterada, hoje, sexta-feira, ela teria teste de direção, mas não consegue pensar me nada e nem dormir direito. “Meu marido é meu mundo, e do meu filho igualmente. Na verdade ele tem medo, pois o pai dele teve os mesmos sintomas e quando foi no médico, descobriu a doença e entrou em depressão e morreu sete meses depois”, conta a esposa.

Ela ainda diz que o marido frisa que quer ficar com ela e o filho mais um tempo, mas continua bebendo nos finais de semana. “Não sei o que faço, ele disse que está arrumando tudo para deixar pra nós, estamos com uma bomba relógio nas mãos”, diz.

O que você faria no lugar da ouvinte? Já passou por uma situação parecida?

Sérgio Zambiasi quer saber: o que fazer quando uma pessoa que você ama desiste de viver?

Ouvinte se envolveu com uma garota de programa e sua família não aceita. O que ele deve fazer?

04 de novembro de 2013 1
(Foto: Reprodução)

(Foto: Reprodução)

A enquete de hoje da Rádio Farroupilha (680 AM) é sobre relacionamento com uma garota de programa.

O ouvinte José Carlos, do bairro Partenon, disse pelo Facebook que está vivendo um momento delicado com sua família por causa da namorada.

Aos 42 anos, trabalhador, disciplinado, divorciado, com os filhos já grandes, é técnico em enfermagem, trabalha há 20 anps no mesmo hospital de Porto Alegre.

Numa determinada noite que ele estava de plantão, resolveu ir em um boate chique de Porto Alegre, convidado por um amigo, lugares que ele não costuma frequentar. Lá, ele conheceu uma dançarina, uma morena de parar o trânsito, doce, simpática, simples, comunicativa e foi a única que deu bola para ele na festa.

“Me apaixonei pela moça e passei a frequentar a boate, fazer programa com ela, coisa que nunca tinha feito na vida. MAs, no terceiro programa, falei que não tinha dinheiro para continuar saindo com ela e para minha surpresa, ela disse que eu não precisaria pagá-la, desde que eu aceitasse encontrar-me com ela fora da boate”, conta o ouvinte.

Desde então, eles passaram a se ver com frequencia, ele até pagou faculdade para ela, que aceitou a sugestão dele de largar a vida de prostituta. “Estamos apaixonados, estamos namorando, pois eu acredito nela. Mas, a minha família, especialmente meus irmãos e meus filhos, estão contra mim, contra o meu relacionamento, mas eu quero noivar com ela”, revela.

Agora, o ouvinte está se sentindo excluído do convívio familiar, está triste com a situação, pois acha que é preconceito está domando a sua família. A sua mãe, de 63 anos, é a única que não está contra o namoro.

O que você faria no lugar da ouvinte? Já passou por uma situação parecida?

Sérgio Zambiasi quer saber: Ouvinte se envolveu com uma garota de programa e sua família não aceita. O que ele deve fazer?

Você tem uma boa relação com a sua sogra? É uma boa sogra? Opine!

31 de outubro de 2013 1
(Foto: Reprodução)

(Foto: Reprodução)

A enquete de hoje da Rádio Farroupilha (680 AM) é sobre relacionamento de nora e sogra.

A ouvinte Marina, do bairro Cristo Redentor, em Porto Alegre, relata o problema difícil que está enfrentando na família. ” A esposa do meu filho nunca gostou de mim e, depois que seu filho faleceu , ela nunca mais deixou ver meus netos”.

A nora nunca teve simpatia pela ouvinte, agora, ela não me permite que ela veja e nem conviva com seus netos, ela dificulta de todas as formas, sempre tem uma desculpa para que eles não possam ver a avó.

“Meu filho sempre facilitou a convivência entre nós e os meus netos, mas ele morreu há um ano num acidente e desde então não vi mais eles. Tenho um casal de netos, um de 6 e outro de 4 anos, eles são minhas “joias”.

A ouvinte não sabe o que faz e gostaria de saber se existe uma lei que amparem as avós  no sentido de vermos e convivermos com os netos.

Você já passou por uma situação parecida? O que faria no lugar da ouvinte?

Sérgio Zambiasi quer saber: você tem uma boa relação com a sua sogra? É uma boa sogra? Opine!