Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Posts de novembro 2010

Pavê com molho de mirtilos ao vinho do Porto

30 de novembro de 2010 3

Foto Márcia Feijó

Pavê é o tipo de sobremesa que nunca passa despercebida. Em qualquer casa, em qualquer festa, alguém sempre vai perguntar: é pavê ou pra comer? Então, se não ficar gostoso, pelo menos já rendeu uma piada.

Pavê também é o tipo de sobremesa que parece complexa, mas que é muito simples de fazer. Ideal para fazer média posando de boa zoinheira. ;0)

Além disso, o doce comporta uma infinidade de variações. Cada um tem a sua própria receita. Pois no final de semana, inventei um pavê com alguns ingredientes que tinha em casa. Ficou bom, então divido a receita aqui com vocês.

Pavê com molho de mirtilos ao vinho do Porto

Ingredientes:

1,5 caixa de biscoitos do tipo Champagne (para um refratário com cerca de 23cm X 23cm X 5) 

Para o molho:

100g de mirtilos (1 caixinha)

1 xícara de açúcar

1/4 copo de água

2 colheres (sopa) de vinho do Porto

 

Para o creme de chocolate:

1/2 litro de leite

4 colheres (sopa) de amido de milho (maisena)

3 colheres (sopa) de cacau em pó*

4 colheres (sopa) de açúcar*

1 colher (sopa) de manteiga

 * Você pode usar chocolate em pó no lugar do cacau. Nesse caso, a medida fica assim: 4 colheres de chocolate e 2 de açúcar.

 

Para o creme branco:

1 lata de leite condensado

raspas de limão

1 colher (sopa) rasa de manteiga

 

Como fazer:

Molho:

Colocar os mirtilos, o açúcar e a água numa panela e levar ao fogo por cerca de 3 minutos. Acrescentar o vinho do Porto e deixar no fogo brando por mais 1 a 2 minutos.

Creme de chocolate:

Colocar todos os ingredientes numa panela e levar ao fogo brando, mexendo sempre até engrossar e formar um creme espesso.

Dica: O creme de chocolate precisar atingir o ponto de brigadeiro mole. Caso você precise acrescentar mais maisena, não deve fazer direto no creme quente. Dilua a maisena numa pouquinho de leite frio e acrescente este ao fogo. Do contrário, o creme irá “empelotar”, ou seja, a maisena vai formar bolotas e não dissolverá.

Creme branco:

Colocar os ingredientes numa panela e levar ao fogo brando, mexendo sempre para não grudar no fundo. Quando atingir o ponto de brigadeiro mole, pode desligar.

Montagem:

Ajeitar no fundo do prato uma camada de biscoitos. Regar com o líquido do molho. Colocar sobre eles o creme de chocolate. Ajeitar mais uma camada de biscoitos e regá-los novamente com o molho. Colocar sobre eles o creme branca e, por cima dele, o molho com as frutinhas e o restante do líquido. Deixar o pavê na geladeira até ficar bem firme.

 

 

Hoje é dia de Nhoque da Fortuna

29 de novembro de 2010 0

Reza a lenda que todo dia 29 do mês é dia de comer nhoque para ter sorte. Muitos restaurantes inclusive inseriram o Nhoque da Fortuna no cardápio. Entre amigas, durante algum tempo, mantivemos uma confraria do nhoque. Todo dia 29 nos reuníamos na casa de alguém e este alguém tinha a obrigação de prepará-lo com um molho especial. Não ficamos ricas, mas nos divertimos, trocamos receitas e rimos muito.

Como a proposta aqui do Feito em Casa  é cozinha prática, hoje não vou ensinar a fazer a massa do nhoque, mas um molho bem básico e muito gostoso para acompanhá-lo. Capaz de deixar gostosão mesmo aquele nhoque de supermercado em embalagem de plástico. Então, ainda dá tempo de comprar um saquinho (ou caixinha) e preparar o Nhqoue da Fortuna em casa.

Não esqueça de deixar uma nota de dinheiro embaixo do prato enquanto come. Segundo a superstição, você deve guardá-la na carteira até o dia 29 do mês seguinte.

Molho aromático

Ingredientes:

1/4 talo e alho-poró cortado em rodelas finas

3 tomates sem pele e sem sementes cortados em cubos pequenos

1 galhinho de tomilho

1 galhinho de alecrim

4 folhas de hortelã

6 folhas de manjericão

1 galhinho de sálvia

azeite de oliva

Como fazer:

Dê uma leve fritadinha no alho-poró com um fio de azeite. Acrescente o tomate picado e deixe cozinhar até este desmanchar bem. Coloque na panela os temperos higienizados previamente e desligue em seguida. Depois, é só colocar o molho sobre o seu nhoque cozido. Se preferir, com um pouco de queijo ralado. Bom apetite e muita sorte!



Natal na mesa e na cozinha

28 de novembro de 2010 1

Fotos divulgação

Está encantadora a coleção da Lepper para este Natal. A linha tem toalhas  e trilhos de mesa, além de panos de copa que são umas fofuras, com biscoitos de gengibre, pinheirinho, Papai Noel e bolas coloridas. Algumas estampas parecem ter sido feitas com técnica artesanal de aplicação.

Entre as toalhas  há opções para mesas de 4 a 10 pessoas. Tanto nelas quanto nos trilhos, destacam-se o verde e vermelho tradicionais da época. Há ainda um modelo em reda branco, ideal para as ceias de final de ano.

 


 



 

 

Horta com potes de sorvete

27 de novembro de 2010 2

Em setembro fiz um post falando sobre hortas caseiras. Um leitor, Alexandre da Silva Vieira, deixou seu comentário contando que transforma potes de sorvete em vasos para sua pequena horta. Uma ideia excelente que é um ótimo exemplo de reciclagem, além de dar um fim aos potes que se acumulam na despensa nesta época do ano.

O Alexandre mandou para mim a foto de sua horta. Para usar os potes, basta fazer furinhos na parte inferior.

Da esquerda para direita: tomilho, hortelã, tomilho, pimenta, manjericão (2), manjericão roxo (2), alecrim (2) e tomilho. Foto arquivo pessoal

Panetone de frutas vermelhas

26 de novembro de 2010 5

Foto Márcia Feijó

Já que a origem do panetone é um caso de amor, como contei num post anterior, aqui vai uma receita que batizei de Meu Coração é Vermelho. Isto porque, no lugar das tradicionais passas de uvas e frutas cristalizadas variadas, coloquei no recheio apenas frutas vermelhas cristalizadas.

Ele também é uma homenagem aos meus companheiros colorados. Em especial para um que está de aniversário hoje, meu pai Carlos Alberto.

Ah! Que tal fazer um no dia 18 de dezembro para comer assistindo ao Mundial?

Panetone Meu Coração é Vermelho

Ingredientes:

200ml de água

1 ovo

120 g de margarina

1,5 colher (chá) de sal

240 g de açúcar

1,5 colher (chá) de essência de baunilha (ou de panetone)

4 colheres (chá) de leite em pó

600g de farinha de trigo

2 colheres (chá) de fermento biológico seco

200g de frutas vermelhas cristalizadas

1 forma de papel tamanho médio

Você também vai precisar de uma leiteira para assar o panetone.

Como fazer:

Coloque 100g de farinha, o fermento e um pouco de água numa vasilha, misture e deixe descansar por 15 minutos.

Depois do descanso, acrescente os outros ingredientes, amassando. Deixe as frutas por último. Misture-as na massa e sove-a bem. Coloque a massa numa vasilha, cubra com um pano e deixe descansar por mais ou menos 30 minutos.

Coloque a forma de papel dentro de uma leiteira.

Retire a massa da vasilha e ajeite-a na forma. Deixe a massa em local naturalmente aquecido até que ela aumente bem de tamanho.

Faça um corte em cruz na parte de cima do panetone e coloque para assar em forno médio (180 graus) até dourar.


Dica: se o dia estiver frio, aqueça um pouco o forno, delisgue e deixe a massa crescer lá dentro.



Gingerbread para decorar a porta no Natal

25 de novembro de 2010 6

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Na semana passada, mostramos aqui no blog como decorar biscoitos de gengibre, em parceria com a Oficina Culinária. Agora vamos mostrar como fazer bonecos de feltro no formato do tradicional Gingerbread, para pendurar na maçaneta da porta.  Quem ensina como fazer é a professora de Artes Aplicada Dayse Kammers.

No vídeo você pode conferir o passo a passo. Os moldes estão logo abaixo. É só ampliar e copiar.


 

 

Material necessário:

 20 cm de feltro

25 cm de soft branco (ou de outra cor, para a parte de cima o chapéu)

15 cm de soft vermelho (ou de outra cor, para a aba do chapéu, punhos e gravata)

2 botões pretos abaloados com pé (sem furo)

2 botões cor-de-rosa com dois furos

linah de bordado preta

retalho de tecido de algodão vermelho

200g de plumante (algodão para enchimento)

2 metros de trancelim branco

linha de pipa (linha 10)

linha comum vermelha

agulhas para confecção de bonecas (bem reforçadas)

tesoura

fita métrica

cola quente

Medidas:

Corpo - 1 retângulo de 20cm X 60cm

Chapéu – 1 círculo de 25cm de diâmetro

Aba do chapéu – 1 retângulo de 6cm X 29cm

Nariz – 1 círculo de 5 cm de diâmetro

Gravata – 2 retângulos de 11cm X 7 cm mais uma tira para fazer o n[o

Punhos – 4 retângulos de 20cm X 6 cm

Dica: você também pode mudar o molde do corpo do boneco, fazendo-o fechado.

A Dayse é artesã há 20 anos. Ela dá aula de Artes Aplicadas na loja Isabela Artes (Rua Altamiro Phillipi, 36, sala 4 Campinas, São José), onde foi gravado este vídeo. Os encontros são às segundas, quartas e sextas, das 14h às 17h30min. As aulas retornam no mês de janeiro e o contato para marcar ou obter mais informações é (48) 3035-5601.

Dayse também ministra um curso no Centro de Cultura e Eventos da UFSC. Este é gratuito e tem duração de três meses. A produção dos participantes dos cursos deste ano estarão em exposição nos dias 7, 8 e 9 de dezembro, no local.

Para agendar aulas particulares, o telefone da Dayse é (48) 9109-0031.



Uma casa para quem ama o Natal

24 de novembro de 2010 0

Fotos divulgação

Preparar a decoração da casa para o Natal ainda é um ritual muito importante para inúmeras famílias.Quem afirma são as empresárias Rosa e Koka Rigon, mãe e filha, especialistas no assunto. Há 7 anos elas montam a Casa do Papai Noel by Roka, que em 2010 está instalada pela terceira vez no shopping Iguatemi Florianópolis (subsolo – entrada ao lado do Chopp Brahma).

- Natal é família. É reunir amigos, familiares que estão longe. O clima natalino fica dentro das pessoas. É uma época muito feliz – define Koka.

De acordo com a lojista, os artigos mais procurados são ursinhos, galhinhos de azevinho, laços e fitas. Ela explica ainda que também há tendências de decoração de Natal, como na moda. Entre as atuais, conforme Koka, estão os tons nude. Entre as novidades também há os artigos lúdicos, que relembram a infância. Ela aponta como um dos principais xodós da loja os enfeites com movimento, que representam circo ou carrossel com riqueza detalhes.

O estilo vintage é outra tendência, com enfeites em vidro, como era comum há décadas, mas agora com formas mais modernas. Borboletas de todas as cores também estão entre os artigos bastante procurados.

Nas cores reinam o verde, o vermelho e o dourado, tradicionais da época; embora as opções sejam as mais variadas possíveis, incluindo lilás e azuis.

Há ainda detalhes que deixam a decoração com jeitinho de casa de avó, como os biscoitos decorados com glacê para pendurar na árvore.

- Tem cara de vó porque os netos vão tirando da árvore e comendo – afirma Rosa.

Foto Márcia Feijó

A Casa do Papai Noel by Roka é um verdadeiro paraíso para quem curte o Natal. Na loja há desde pequenos enfeites que você pode usar para criar a decoração da árvores de Natal ou guirlandas a seu gosto, até pinheiros que se estendem até o teto inteiramente decorados.

Rosa montou especialmente para o Feito em Casa um exemplo de guirlanda que pode ser montada com os artigos da loja.

Para esta peça você vai precisar de:

Foto Márcia Feijó

1 guirlanda pequena de galhos de pinheiro – R$ 27,80

1 saco de bolinhas vermelhas – R$ 4

1 saco de enfeites texturizados dourados (sinos, tambores, pacotinhos de presente, bolinhas, pinhas) – R$ 10

2 ursinhos – R$ 10 (cada)

1,20m de fita natalina – R$ 2 (por metro)

 



 

 

 

Panetone, um pão feito "por" amor

23 de novembro de 2010 1

Foto Genaro Joner 

Eu amo pães; e entre todos eles, o panetone. Chegava a ficar contando os meses para a época em que eles surgiam. Agora que aprendi a fazer, volta e meia me dou uma desculpa para antecipar o Natal em casa e colocar algum panetone no forno.

Fiquei ainda mais apaixonada por eles há alguns anos, quando descobri versões de sua origem. Guardei dentro de um livro de receitas a parte da embalagem do panetone (infelizmente já não lembro a marca) que trazia impressa esta bela história de amor.

O texto contava que, no século 15, um jovem milanês da família Atellini apaixonou-se pela filha do padeiro, de nome Toni. Para conquistar o sogro, ele foi trabalhar na padaria. Acabou por inventar um pão naturalmente fermentado que trazia frutas na massa, muito delicada.

O pão virou sucesso na padaria do Toni, virou o “pane de Toni”, e mais tarde: panetone. E o Toni ficou rico…

No tetxo, há outra versão muito parecida. Mas nesta os protagonistas apaixonados têm nome: Ughetto e Adalgisa. A história teria ocorrido entre 1300 e 1400 e os dois pombinhos se casam no final.

Uma terceira versão diz que a invenção é de Gian Galeazzo Visconti, primeiro duque de Milão e mestre-cuca. teria sido preparado pela primeira vez em 1395, para uma festa.

Com todo respeito ao senhor Visconti, prefiro ficar com as versões mais apaixonadas.

Receitas portuguesas, com certeza

23 de novembro de 2010 2

Hoje, no caderno Variedades do Diário Catarinense, há uma matéria apresentando o livro As Receitas das Famílias Portuguesas, da culinarista lusitana Filipa Vacondeus. Aqui vão duas receitinhas oferecidas aos leitores pela editora Lua de Papel.

 O livro tem 240 págs e custa R$ 29,90.  

Fotos Nicolas Lemonier e Vasco Emídio, Lua de Papel, divulgação

  

Camarões ao alho com pimentão


Ingredientes:
24 camarões médios
6 colheres de sopa de azeite
1 cabeça de alho
2 pimentões vermelhos
4 pimentas vermelhas secas
3 colheres de sopa de suco de limão
3 colheres de sopa de vinho branco
3 colheres de sopa de coentro picado
sal grosso

Como fazer:
Limpe a cabeça de alho e ponha-a em uma frigideira grande com as pimentas vermelhas partidas, os pimentões cortados em tirinhas e o azeite. Lave os camarões e retire as cascas, deixando cabeças e caudas, e tempere-os apenas com sal grosso e suco de limão e reserve. Leve a frigideira ao fogo. Quando a cabeça de alho começar a fritar e os pimentões a murchar, despeje os camarões e salteie-os até começarem a dourar. Regue com o vinho branco, deixe cozinhar cerca de quatro minutos. Então, retire do fogo e adicione coentro picado. Sirva bem quente.

 

 

 

Suflê de bacalhau

Ingredientes:

80 g de bacalhau

½ litro de leite

4 ovos

4 colheres de sopa, bem cheias, de farinha de trigo

1 colher de sopa de manteiga

suco de limão

sal

pimenta-do-reino

 

Como fazer:

Cozinhe o bacalhau, limpe-o bem, retirando peles e espinhas, e passe-o duas vezes pela máquina de moer ou triture-o ligeiramente na centrífuga. Dilua a farinha em um pouco de leite frio e, em seguida, adicione o leite restante e a manteiga e leve ao fogo, mexendo sem parar até a farinha cozinhar e formar um creme liso.Tempere com sal, pimenta-do-reino e gotas de suco de limão. Junte o bacalhau e as gemas e bata bem para incorporar. Bata as claras em neve, incorpore-as delicadamente no preparado anterior e despeje tudo em uma forma refratária ou em forminhas individuais, previamente untadas com manteiga. Leve ao forno aquecido a 200ºC, cerca de 20 minutos, ou até crescer e dourar.


Cozinhando no shopping

22 de novembro de 2010 0

Foto divulgação

Na sexta-feira fui conhecer a Villa Gourmet Minichefs, que está instalada no Beiramar Shopping até o próximo dia 30. No local, um espaço muito lúdico, a culinarista Ana Luiza Favaretto e duas monitoras atendem crianças de 4 a 12 anos. De segunda a sábado há várias oficinas onde a criançada aprende a fazer saladas, sucos, pães, biscoitos, entre outras coisas.

São receitas simples do dia a dia, incrementadas com alimentos mais saudáveis, conforme a filosofia desta franquia, que é o projeto caçula do Shopping das Franquias. A Villa está sendo apresentada em diversas cidades do país e chega agora a Santa Catarina. A primeira loja será aberta em São Paulo, no início do ano que vem, após dois anos de desenvolvimento e laboratórios.

A monitora Luciana Bischoff explica que, durante a exposição da Minichefs em Florianópolis, mais de 90% das crianças que participaram de oficina retornaram para uma segunda aula. A média de idade mais frequente é entre 5 e 8 anos.

O que as crianças mais gostam de fazer na Minichefs? Pizzas, pães, biscoitos, tudo o que exige colocar a mão na massa literalmente, segundo a culinarista Ana Luiza.

A iniciativa de participar geralmente não parte das mães, mas delas.

- Muitas pedem para as mães para virem, como um presente – conta Luciana.

E as mães também gostam, claro, porque as crianças têm na Minichefs um contato agradável com alimentos saudáveis que muitas vezes eles não topam ingerir em casa. Além disso, levam seu livro de receitas para casa.

- Muitas vezes as mães não têm tempo de preparar uma refeição saudável e as crianças perdem o hábito de comer alimentos nutritivos, feitos em casa. Em muitas famílias já não é comum preparar o almoço em casa, ter este momento de confraternização. A gente procura resgatar um pouco isso – afirma Luciana.


Confira aqui a programação semanal:

Segunda-feira: viagem a o mundo das frutas, verduras e legumes (2h)

Terça-feira: lanches leves e saladas (2h)

Quarta-feira: sucos e sobremesas (2h)

Quinta-feira: pães e bolos (2h)

Sexta: receitas natalinas (2h)

Sábado: Top 10 Receitas Minichefs (4h)

Os horários das oficinas, de segunda a sexta, são das 10h às 12h, das 14h às 16 e das 17h às 19h. Aos sábados, das 14h às 18h.

As aulas de segunda a sexta custam R$ 65.

A aula de sábado custa R$ 100.

Reservas podem ser feitas no local (Praça de Eventos no Beioramar Shopping, Rua Bocaiúva, 2468, Florianópolis) ou pelo telefone (48) 7811-4265.

Mais informações sobre a franquia: atendimento@minichefs.com.br


No dia 30, às 19h, haverá uma solenidade de formatura, com direito a diploma e paraninfo, para todas as crianças que passaram pelas oficinas em Florianópolis.