Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Posts na categoria "Livros"

Cupcake de paçoca para festa junina

25 de junho de 2012 0

Conheço um senhor porto-alegrense que adora amendoim, principalmente em doces como paçoca, rapadura e pé de moleque. Ele chega a ter um pequeno estoque numa parte pouco usada do armário de louças da sua casa. Logo que vi uma receita de cupcake de paçoca de amendoim no livro O Mundo dos Cupcakes, da Carole Crema, pensei nele.

É uma opção diferente e bem interessante para os festejos desta época do ano. Resolvi testar a receita, mas fiz algumas alterações tanto nos ingredientes quanto no modo de preparar. O resultado ficou bem legal e compartilho aqui com vocês. A receita abaixo não é a original, mas indica o jeito como preparei.

Foto Márcia Feijó

 

Cupcake de paçoca de amendoim 

Ingredientes para a massa:

80g de manteiga sem sal em temperatura ambiente

3 ovos (Carole indica 2 ovos e 1 gema, mas achei que a massa ficou muito seca)

1,5 xícara de paçoca de amendoim desmanchada (despedace com as mãos até ficar sem pedaços embolotados)

3/4 de xícara de farinha de trigo peneirada

1/2 xícara de açúcar

1 colher (chá) de fermento em pó

1/2 colher (chá) de sal

 

Ingredientes para a cobertura – ganache fino

100g de chocolate meio amargo

1 colher (sopa) de manteiga sem sal

3 colheres (sopa) de creme de leite

1 xícara de paçoca de amendoim desmanchada

Dica: a receita do livro de Carole Crema para ganache fino indica usar glucose de milho, mas eu não usei

 

Como fazer a massa:

Numa tigela, misture a paçoca desmanchada, a farinha de trigo peneirada, o fermento e o sal. Reserve.

Em outra tigela, desmanche bem a manteiga. Acrescente os ovos, o açúcar  e bata até ficar homogêneo.

Junte as duas misturas e bata novamente até ficar homogêneo.

Preaqueça o forno a 180 graus.

Enquanto isso, coloque as forminhas de papel dentro das formas de alumínio ou silicone.

Depois, preencha as forminhas até cerca de 3/4 do volume total.

Leve ao forno por cerca de 20 minutos até que a massa tenha crescido e esteja dourada.

Dica:

Procure não abrir o forno nos primeiros 10 minutos. Mas depois que a massa estiver crescida, se tiver dúvida se ela está pronta ou não, abre o forno e espete um dos bolinhos com um palito de madeira (de dente). Se o palito sair seco, é porque o bolinho está assado.

 

Retire os bolinhos das formas de alumínio (ou silicone) e coloque para esfriar.

Depois de completamente frios, você pode aplicar a cobertura.

 

Como fazer a cobertura:

Pique o chocolate em pedaços pequenos e coloque numa tigela de cerâmica com a manteiga.

Numa panela pequena ou caneca, leve o creme de leite ao fogo e aqueça até ferver.

Jogue o creme de leite fervendo sobre o chocolate e misture vigorosamente até que os pdeaços e a manteiga estejam bem desmanchados, tornando-se uma calda grossa.

Esparrame ganache sobre a superfície do cupcake e depois polvilhe com paçoca de amendoim desmanchada.

Se quiser deixar seus cupcakes juninos ainda mais bonitinhos, use wrappers de cartolina com estampa xadrez para envolvê-los.

 

Veja aqui como transformar seu cupcake de milho verde num miniarraial.

 

 

 

 

 

 

Cookies com gosto de mistério

20 de junho de 2012 2

São três ingredientes: suspense, romance e receitas. Com eles, a escritora Joanne Fluke cria uma boa distração para os dias de frio. O Mistério do Chocolate é o primeiro livro de uma série protagonizada por Hannah Swensen lançado no Brasil, pelo selo Lua de Papel.

Reprodução internet

Neste volume, Hannah é apresentada como a proprietária de uma loja de cookies em uma pequena cidade dos Estados Unidos. Um dos moradores é encontrado morto dentro de um veículo, coberto por seus biscoitos, nos fundos do seu estabelecimento. Movida por sua curiosidade e perspicácia, ela começa a investigar o caso por conta própria.

Os capítulos são permeados por receitas de cookies que geralmente têm algum vínculo com aquela parte da história – Hannah tem o hábito de usar suas delícias para extrair confissões ou acalmar as pessoas – ou estão relacionados com personagens em evidência no capítulo. Como não se trata exatamente de um livro de culinária, recomendo alguma cautela ao tentar reproduzir as receitas. Testei algumas e percebi certos probleminhas como ingrediente que não está na descrição do modo de fazer. Mas nada que atrapalhe muito o resultado final.

Ao final do livro, você encontra um aperitivo do próximo volume, ainda não lançado no Brasil.

A minha dica é a seguinte: faça a massa. Coloque no forno. Enquanto espera assar, tome uma xícara de chá e saboreie o livro.

O Mistério do Chocolate, de Joanne Fluke, Lua de papel, 256 págs., R$ 29,90

 

 Foto Márcia Feijó

 

Cookies de chocolate

Ingredientes

1 xícara de manteiga

1 xícara de açúcar refinado

1 xícara de açúcar mascavo

2 colheres (chá) de bicabornato de sódio

1 colher (chá) de sal

2 colheres (chá) de baunilha

2 ovos batidos (pode ser batidos com garfo)

2,5 xícaras de farinha de trigo (sem peneirar)

2 xícaras de flocos de milho esmigalhados (simplesmente esmigalhe com as mãos)

1 a 2 xícaras de gotas de chocolate

Como fazer

Preaqueça o forno a 190ºC.

Derreta a manteiga, acrescente os açúcares e mexa.

Adicione o bicabornato de sódio, o sal, a baunilha e os ovos batidos. Misture bem.

Acrescente, então, a farinha de trigo e mexa.

Acrescente os flocos de milho e as gotas de chocolate e misture tudo muito bem.

Modele a massa com os dedos em bolas do tamanho de nozes e coloque-as numa forma besuntada (de manteiga) (cabem até 12 numa forma de tamanho padrão).

Aperte-as ligeiramente com uma espátula besuntada ou com farinha de trigo.

Asse os cookies a 190ºC por 8 a 10 minutos.

Deixe-os esfriar na forma por dois minutos, depois remova-os para um suporte aramado (o suporte é importante – faz com que fiquem torradinhos).

Dica: use uma assadeira na altura média no forno.

Comentário: testei a receita sem os flocos de milho. São estes cookies aí da foto. Deu certinho também.

Vovó sabe tudo

13 de junho de 2012 2

Mesmo com perfil no Facebook e a caixa de e-mails bombando, as avós de hoje ainda são guardiãs da sabedoria popular. Elas sempre têm na manga um truque para se livrar daquela mancha que não sai. E na maioria das vezes o resultado é bem melhor do que o dos milhares de produtos que lotam as prateleiras do supermercado.

A escritora Lee Faber, avó dos novos tempos, resolveu compilar o que aprendeu com outras representantes da classe. A Sabedoria das Avós é o livrinho ideal para quem está se tornando responsável pelo seu próprio lar e ainda não se defende muito bem em questões de limpeza e organização. Mas também pode ser útil para quem já está na profissão “do lar” há mais tempo. Sempre é bom ter este tipo de publicação por perto (eu os guardo na cozinha, junto com os de culinária), para consultas de emergência, quando um cálice de vinho vira sobre o sofá ou uma xícara de café cai no tapete.

O livro é dividido nos seguintes capítulos: Dicas para o Lar, Remédios, Culinária e cozinha: o básico, Receitas, Plantas e animais de estimação, conselhos sobre crianças, As famílias e o convívio diário. Os dois últimos são os mais diferentes em relação a este tipo de publicação. Lee extrapola a tríade cozinha/limpeza/plantas e entra na seara dos conselhos pessoais. O texto parece muito com aquele papo de chá da tarde que rola quando uma mulher procura a sua mãe (ou outra mulher mais experiente) para saber o que fazer em situações que repetem geração após geração.

Meu subtítulo preferido, o último do livro, é Fazendo presentes artesanais. Tudo a ver aqui com o bloguinho e com a minha própria concepção de ser avó.

Reprodução

A Sabedoria das Avós – Dicas eternas para facilitar seu dia a dia, de Lee Faber. Trad. Marcela Miller. Casa da Palavra, 160 págs. R$ 29,90

Simpatias para quase tudo

18 de janeiro de 2012 5

Nenzinha Machado Salles é autora de um best-seller da vida doméstica: Sebastiana Quebra-galho. Recentemente, outro livro seu chegou às prateleiras: Simpatias da Eufrázia. A mulher que dá nome ao título, aliás, foi a inspiradora da obra mais famosa de Nenzinha.

Divulgação

Na nova produção, a autora apresenta uma série de “soluções” populares para os mais diversos problemas. Grande parte delas, claro, não passam de superstições. Como o versinho indicado para quem sofre de azia: “D. Maria tem três filhas: uma lava, outra cose a outra… cura azia.”

Entre as dicas de Nenzinha há, ainda, certas ações que fazem sentido. E outras que, mesmo sem sentido, tem sua eficiência comprovada pela prática. Exemplo: chupar gelo para passar enjoo de gravidez.

Difícil mesmo é achar na cidade alguns dos “ingredientes” que ela recomenda, como cana de açúcar verde. O livro indica também, algumas ações absurdas, como passar cinza quente nas costas de um afogado. O problema é achar a tal cinza em meio ao socorro.

Algumas simpatias são mais, outras menos conhecidas aqui pelo sul do país. E o livreto, no final das contas, é eficiente para fazer rir, além de resgatar uma faceta muito interessante da cultura brasileira.

PS.: Se alguém a seu lado engasgar de rir lendo as Simpatias da Eufrázia, é só bater nas costas e dizer: “São Brás e caroço, engole a carne e deixa o osso.”

 

Simpatias da Eufrázia, de Nenzinha Machado Salles. Viva Livros, 142 págs. R$ 14,90

Receita do Pão da Amizade - para fazer e compartilhar

20 de dezembro de 2011 6

Em uma matéria na edição de hoje do DC, falo sobre ele. O título é Pão da Amizade. Conta a história de uma moça muito triste, vivendo numa cidade pequena, que recebe de alguém não identificado uma massa de pão com uma receita de como prepará-la e a indicação de que ela deve ser dividda com outras pessoas. A partir desse fio condutor, a narrativa entrelaça a vida de vários personagens, principalmente mulheres.

Quando li, não resisti e coloquei a mão na massa. O livro traz a receita, que preparei e dividi com algumas amigas. Aqui, compartilho com vocês a receita do Pão da Amizade.


Massa do Pão da Amizade


Ingredientes:

7g (1 saquinho) de fermento biológico

1/4 de xícaras de água morna

1 xícara de farinha de trigo

1 xícara de açúcar

1 xícara de leite

Como fazer:

Numa tigela pequena, dissolva o fermento na água. Deixe descansar por 10 minutos.

Numa vasilha de vidro, plástico ou cerâmica (não usar metal), misture bem a farinha e o açúcar.

Acrescente lentamente o leite e a mistura de fermento dissolvido. Cubra de leve (sem lacras) e deixe repousar, em temperatra ambiente, até ficar com bolhas. Esse é o Dia 1 do ciclo a seguir (abaixo).

O que fazer com a massa depois de preparada (esta é  a parte que você tem que repassar para as amigas junto à massa básica)


Ciclo de 10 dias

Dia 1 – Prepare a massa básica (ou no caso de ter ganho a massa, não faça nada).

Dia 2 – Esprema o saco.

Dia 3 – Esprema o saco.

Dia 4 – Esprema o saco.

Dia 5 – Esprema o saco.

Dia 6 – Acrescente ao saco 1 xícara de farinha de trigo, 1 xícara de açúcar e 1 xícara de leite.

Dia 7 – Esprema o saco.

Dia 8 – Esprema o saco.

Dia 9 – Esprema o saco.

Dia 10 – Siga as instruções abaixo:

Despeje todo o conteúdo numa vasilha. Acrescente: 1,5 xícara de farinha de trigo, 1,5 xícara de açúcar, 1,5 xícara de leite.

Meça quatro porções da massa, de uma xícara cada uma, e coloque em sacos com fechamento hermético de 4kg.

Guarde um dos sacos para você e dê os outros a três amigos, junto com a receita. Não esqueça de assinalar para o seu amigo em que dia do estágio está a massa quando for repassar a ele.

Fotos Márcia Feijó


Dicas:

1. A vasilha e os utensílios para misturar os ingredientes não podem ser de metal, pois ele interfere na fermentação.

2. A massa não precisa ser refrigerada. Mas você pode congelar para segurar o processo de fermentação.

3. Se entrar ar no saco, solte-o.

4. Você pode guardar a sua parte da massa ou assá-la no dia em que fizer a divisão.


Receita para assar o Pão da Amizade


Ingredientes:

3 ovos

1 xícara de óleo

1/2 xícara de leite

1 xícara de açúcar

1/2 colher (chá) de extrato de baunilha

2 colheres (chá) de canela

1,5 colher (chá) de fermento

1/2 colher (chá) de sal

1/2 colher (chá) de bicarbonato de sódio

2 xícaras de farinha de trigo

1 a 2 caixas de pudim instantâneo (de qualquer sabor)

Opcional: 1 xícara de amêndoas ou de passas de uva


Como fazer:

Misture todos os ingredientes à massa do pão fermentada. Reserve.

Unte duas formas grandes com manteiga. Reserve.

Numa vasilha, misture mais 1/2 xícara de açúcar e 1,5 xícara de canela. Polvilhe as formas untadas com parte desta mistura.

Despeje a massa de maneira uniforme, nas duas formas, e salpique o restante da mistura de açúcar com canela em cima.

Asse durante uma hora, ou até que o pão solte completamente das laterais. Se tiver dúvida, teste espetando a massa com um palito. Se ele sair sequinho, ela está pronta.

O Pão da Amizade na verdade se parece mais com um bolo, na consistência. E como vocês podem ver na foto no topo do post, assei parte em forminhas de papel, comos e fossem muffins. Ficaram deliciosos!


Foto Márcia Feijó

Bom apetite! Pense em mim quando estiver comendo, principalmente se ficar bom.


Peras bêbadas

04 de novembro de 2011 0

Hoje o caderno Gastronomia do Diário Catarinense publica a receita O Frango e a Preguiça, apresentada no livro Senhor Prendado, de João Baptista da Costa Aguiar. O artista gráfico adotou a culinária como hobby, criou um site para compartilhar suas experiências e agora lança seu primeiro livro de receitas.

E aqui vai mais uma:

Reproduçãodo livro Senhor Prendado, foto João Baptista da Costa Aguiar

Peras bêbadas

Ingredientes:

peras Williams maduras, ainda firms e com a haste

açúcar

canela em pau

cravos-da-índia

vinho tinto seco

 

Como fazer:

Descasque as peras com cuidado, mantendo a haste.

Numa panela, derreta o açúcar, coloque a canela, os cravos e espere caramelizar. Refogue as peras nesse caramelo, envolvendo-as completamente. Cubra as peras com vinho tinto e deixe-as cozinhando imersas até ficarem macias. Retire e coe a calda do cozimento. Reserve.

Quando as peras estiverem frias, passe para uma compoteira ou tigela. Cubra com a calda. Vede o recipiente com filme plástico e deixe na geladeira por, no mínimo, três dias, para que as peras absorvam o gosto da calda.

Sirva com sorvete de creme.

 

Serviço do livro:

Senhor Prendado, de João Baptista da Costa Aguiar

Editora Leya, 400 págs., R$ 99,90

Reprodução de capa do livro


Como surgiu o Ovo de Páscoa

19 de abril de 2011 0

 

 Foto Daniela Xu

 

No caderno Variedades de hoje há um comentário sobre os livros O Clube das Chocólatras e A Dieta das Chocólatras, dois romances de Carole Matthews sobre um grupo de mulheres que se reúne para comer chocolate quando pelo menos uma delas se vê em apuros emocionais.

ReproduçãoHá ainda algumas informações sobre o livro Chocolate – Por que gostamos tanto?, recém-lançado por Ana Paula Brasil e André Modenesi. Este último traz várias informações, bastante diversificadas, sobre o chocolate, sua origem, fabricação e consumo.

A relação com a saúde, entrevistas com chocólatras famosos e um quiz irresistível que define se você é refinado, seletivo, guloso ou curioso na hora de enfrentar esta iguaria.

 

 

Para quem gosta de cozinha e informação também há um capítulo delicioso que conta a origem de algumas sobremesas à base de chocolate. Inclusive, mostra como surgiu o ovo de Páscoa.

Uma bela história para contar a seus filhos, que reproduzimos aqui:

 


A Páscoa é o Natal dos chocolates. É quando a indústria mais vende, os fabricantes lançam suas novidades e fazem suas apostas. Existem pequenas fábricas brasileiras em que as vendas na Páscoa representam 80% do faturamento anual.

Em muitas culturas antigas, ocidentais e orientais, o ovos era um presente comum, em geral distribuído em festas pagãs que marcavam o início da primavera, que no hemisfério norte acontece em março. nas mitologias anglo-saxã e germânica, a deusa da primavera e do renascimento chamava-se Ostera (“Páscoa”, em inglês, Easter, e e, em alemão, Osterns).

Em tais festas pagãs, os ovos eram pintados com motivos que faziam alusão à natureza, como flores, frutos e animais. Em algum momento, esses ovos passaram a ser esvaziados e preenchidos com confeitos.

Entre os séculos XVII e XIX, os nobres europeus presenteavam amigos e parentes com ovos feitos de metais nobres e incrustrados com pedras preciosas. Um grande artista dessa Páscoa requintada foi o joalheiro russo Peter Carl Fabergé (1846-1920), que ganhou celebridade após receber encomendas dos czares da Rússia.

retornando ao mundo plebeu, o ovo de chocolate, de acordo com uma das versões mais correntes, foi uma invenção inglesa – embora a França dispute essa honra -, surgindo assim que a tecnologia de fabricação permitiu que se moldasse o chocolate. os ovos de Páscoa, que eram preenchidos com doces, passaram a ser inteiramente comestíveis.

Chocolate - Por que gostamos tanto? História, ciência e confissões de chocólatras famosos, de Ana Paula Brasil e André Modenesi. Casa da Palavra. 104 págs. R$ 34




Sebastiana cura ressaca

07 de março de 2011 1

Reprodução internet

O livro Sebastiana Quebra-Galho, de Nenzinha Machado Salles (editora Civilização Brasileira), também traz várias dicas sobre como lidar com a famigerada ressaca.

Uma delas eu não recomendaria: tomar um copo de cerveja em jejum (ora pois, D. Sebastiana, como assim?)

Outra sugestão dela: comer ostras cruas em jejum. Ela diz que são tiro e queda (devem ser mesmo, especialmente se a pessoa for alérgica).

Mais uma: chupar dois ovos crus, fazendo um furinho neleas ( desse jeito a senhora vai matar o vivente, D. Sebastiana!)

 

No capítulo dos chás, D. Sebastiana fica mais boazinha.

Para enjôo, ela recomenda poejo, losna e hortelã.

Para indigestão, camomila.

Para mal estar do fígado, boldo, folhas de alcachofra e losna.

Para vômitos, sálvia, funcho e hortelã.

A vencedora da promo Como Pregar um Botão

04 de março de 2011 0

Divulgação

A vencedora da promoção Como Pregar um Botão é Sheila Pessi, de Biguaçu (SC).

A resposta:  

 

Coisa dificil passar roupa, elas sempre queimam. Se lavo roupa, sempre aparece manchas.No fogão, a comida quando não queima fica salgada demais. As agulhas são minhas inimigas, sempre me furam o dedo. Para não fazer bainha de calça eu passo a tesoura (tá na moda). Sou um desastre!! Esse livro é a minha salvação

Ela receberá um exemplar do livro Como Pregar um Botão – E Outras Coisas Úteis que sua Avó Sabia Fazer, de Erin Bried, editado pela Civilização Brasileira.


Meninos e meninas, muito obrigada pela participação!


Sheila, é só passar na redação do DC, nos horários estipulados pelo regulamento, e buscar seu prêmio.


Conhecimentos do tempo da avó

03 de março de 2011 0

Quer ganhar um exemplar do livro Como Pregar um Botão – E Outras Coisas Úteis que sua Avó Sabia Fazer, de Erin Bried? Ainda está em tempo.

É só responder a uma frase e concorrer. Veja aqui como participar.