Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Posts na categoria "Jardim"

Receita da Tainha Fresca

14 de maio de 2012 4

Este post é do ano passado, mas em tempos de tainha, vale a pena repetir:

Foto Márcia Feijó

- A minha é das grandes, com ova, viu moço?

- Eu quero duas menores. Tem da limpa?

- O senhor pode tirar a cabeça? Mas eu quero levar junto, pro pirão.

O Mercado Público de Florianópolis fervilhava, ao fim da manhã do último sábado, com o povaréu todo tentando garantir a tainha do final de semana. Com ova, sem ova, limpa, com escama, grande ou pequena. A preferência do freguês varia na hora de escolher o peixe.

No momento de fazer, mais ainda. Bastou postar aqui, dias atrás, umas dicas sobre como preparar a tainha, e vários leitores contriburam com propostas mais ou menos ortodoxas.

Na verdade, nem era só o Mercado que fervilhava, todo o Largo da Alfândega era um grande convite ao paladar. Ao lado, havia a feira livre, com suas verduras, frutas, ervas, embutidos, biscoitos. E mais adiante, havia a Feira do Mel. Almoço e sobremesa garantidos, com produtos saudáveis e a preços menores.

Minha filha, nascida na era dos supermercados e que nunca havia presenciado este tipo de feira, achou tudo muito “medieval”, mas divertido. O caçula fez cara feia para um caldo de cana, de início, mas acabou cedendo à provinha e se esbanjando no líquido adocicado. Aproveitou já para petiscar umas bolachas coloniais. Eu e o Jacy matamos as saudades das feiras de nossa infância.

O resultado do passeio de sábado pelo Largo da Alfândega foi uma bela tainha assada, ontem, acompanhada de pirão, molho de camarão, arroz branco e salada verde. Já para a minha manezinha que não come tainha, um salmão grelhado especial, mas também lá do mercado.


Tainha Fresca*

Ingredientes:

1 tainha limpa (óbvio)

folhas de louro secas

alfavaca fresca

tomilho seco

manjericão seco

sal temperado com alho (ou sal + um dente de alho)

limão


Para o pirão:

1 cabeça da tainha

4 copos de água

extrato de tomate

sal a gosto

farinha de mandioca


Como fazer:
Temperar a tainha, regar com o sumo do limão e reservar. Forrar a assadeira com papel alumínio. Retirar a cabeça da tainha (guardar para fazer o caldo do pirão) e colocá-la na assadeira. Levar ao forno cuidando de tempos em tempos para não deixar secar demais.

Gente, o leitor Carlos me alertou que a explicação de como temperar o peixe não está clara. Então, é o seguinte: pode simplesmente espalhar os temperos (louro, alfavaca, tominho e manjericão) e sal no peixe, depois regar com o sumo do limão por cima. Ou, como eu gosto de fazer, misturar temperos e sal num potinho, adicionar bastante suco de limão e depois regar o peixe, por dentro e por fora, com este caldo temperado.

Nos primeiros minutos, gosto de deixar um pedaço de papel alumínio sobre o peixe também. Mas depois de meia hora, é preciso tirá-lo para permitir que a pele seque e fique douradinha.

Leva cerca de 1 hora para assar em fogo médio, se a tainha tiver um tamanho de médio a grande (o tempo vai depender da potência do forno).


Como fazer o pirão:

Coloque a cabeça do peixe para ferver em cerca de 4 copos de água. Depois que estiver cozida, adicione sal e uma colher de extrato de tomate ao caldo. Retire a cabeça da panela e reserve o caldo.

Deixe para finalizar o pirão  quando a tainha estiver prestes a ir para a mesa. Com o fogo ligado, despeje a farinha de mandioca aos poucos mexendo vigorosamente para não embolotar.

Se por acaso a farinha embolotar, um jeito de recuperar o pirão é usar um mixer de mão para desmanchá-la. Retire o pirão da panela, bata levemente num recipiente plástico e retorne-o à panela.


* A receita ganhou o nome de Tainha Fresca porque foi temperada com várias ervas. E a tradição local manda que a tainha seja temperada apenas com sal e limão.


Quer mais dicas sobre tainha? Confira aqui.

 

A mudança da jabuticabeira

14 de novembro de 2011 12

Foto Márcia Feijó

No último verão, ao retornar das férias, minha família cometeu uma loucurinha. Trouxemos conosco, no carro abarrotado, uma pequena jabuticabeira. Nascida na cidade de Ampére (PR), onde as jabuticabeiras ainda guardam o sabor da infância, ela veio parar dentro de um vaso, numa sacada de São José. Em princípio, sentiu muito a mudança. Perdeu todas a folhas. Ficou nua. Chegamos a pensar que ela morreria.

Naquela sacada, o vento castiga. O sol é forte durante as tardes. E, por maior que seja o vaso, não parece o suficiente para uma jabuticabeira. Mesmo achando que ela não resistiria, continuamos a regar. Colocamos o vaso numa posição onde o vento não era tão forte, mas o sol continuava generoso. Enfim, as adaptações necessárias e possíveis.

A alegria foi geral, há poucos meses, quando minúsculas folhas voltaram aos poucos a brotar. Há quatro semanas, alguém observou que pequenas florzinhas também surgiram em seu tronco.

E, há quatro dias, num olhar meio apressado, encontrei uma bolinha verde, firme e forte, agarrada no tronco, onde antes havia uma florzinha. Se vierem outras – e eu acredito que virão – nossos filhos também terão a oportunidade de sentir o sabor da infância da terra onde o pai deles viveu a sua, nem que seja na sacada do apartamento.



Há sol? Coloque as roupas nele

29 de junho de 2011 0

Neste inverno frio que chegou, cada vez que um solzinho apontar, coloque seus casacos e blusões de lã em cabides e espalhe-os por todas as áreas de sol que você estiver disponíveis – mesmo que você more num apartamento. Os raios solares vão fritar os ácaros dessas peças.

Reserve apenas uma área da casa. Arrede  a cadeira mais confortável para o espaço de sol reservado, pegue um livro, sente-se e relaxe. Os raios irão mandar fritasr as teias de aranhas do sue cérebro também!

Se tiver um notebook, puxe para perto mas nem pense em usá-lo para trabalhar. Apenas deixe rolar os vídeos abaixo:




Em tempo: o solzinho que havia hoje pela manhã já era, mas fica a dica para quando ele retornar.

 

Café, um pretinho mais do que básico

24 de maio de 2011 0

Não vivo sem café. Tenho que me segurar para não abusar desse pretinho que é básico na minha vida.

Além de ser delicioso, o café tem mil e uma utilidades domésticas. Por exemplo, serve para ajudar a amenizar maus odores da geladeira. Basta deixar dentro dela um potinho com um pouco de pó (ou borra) – mas a tampa precisa ser furada. 

A borra tambén serve para afastar formigas e lesmas da sua horta ou jardim. Experimente colocar um pouquinho nas bordas dos vasos ou floreiras.

Dia desses também descobri que dá para fazer lindas florees de… filtro de papel para coar café (depois de usado, aliás).

E hoje, que é Dia do Café, vai aqui uma receitinha para transformá-lo em algo ainda mais delicioso. Ela foi ensinada pelo chef Roberto Kisz, em uma oficina promovida pela Mavalério na loja Toque Final, em Florianópolis.

Foto Márcia Feijó


Bombom cookie de café

Ingredientes:

250g de cobertura em gotas para derreter sabor chocolate branco Mavalério

10g de café solúvel

125g de cookies em pedaços sabor chocolate Mavalério

Como fazer:

1. Em um recipiente, derreta a cobertura amarga em banho-maria ou micro-ondas.

1. Adicione o café solúvel, misture bem e acrescente os cookies em pedaços.

3. Utilizando uma colher de sopa, despeje o conteúdo em formas de plástico para chocolate (na foto, a sugestão tem o formato de sementes de cacau). Se preferir, pingue pequenas quantidades sobre uma folha de papel manteiga, criando formas irregulares.

4. Leve para gelar por 10 minutos. Sirva gelado.













Conheça as flores de maio

19 de maio de 2011 0

Reproduções internet

Quem disse que friozinho chegando não é sinônimo de casa florida? Assim como a Poinsétia vira estrela no mês de dezembro, a flor-de-maio torna-se uma das mais procuradas nas floriculturas nesta época do ano, que coincide com sua floração. Débora Balão, gerente da Casa Verde Kobrasol, explica que os fãs dessa planta geralmente a colecionam e gostam de ter um exemplar de cada cor em casa. De modo semelhante como ocorre com as violetas.

Alguns detalhes ajudaram a torná-la popular. A flor-de-maio é fácil de cultivar e tem ótima adaptação em apartamentos – ou dentro de casa. Ela se dá bem em vasos, gosta de local protegido de chuva e de sol forte, de acordo com Débora. Pertence à família dos cactus e suas folhas suculentas retém líquido, exigindo pouca rega.

Ela também é conhecida como flor-de-seda, devido a suas pétalas quase transparentes. As cores mais comuns são branco, rosa, vermelho e tons amarelados, como o champagne. A floração tem boa duração – praticamente todo o inverno.

Outra peculiaridade da flor-de-maio é a facilidade com que se reproduz. De acordo com Débora, a muda pega a partir de qualquer folhinha. Justamente devido a esta reprodução farta, é bom mantê-la num vaso um pouco maior do que o seu tamanho. Quando perceber que ela já ocupou o espaço de sobra, é bom separar as mudas. E que tal presentear as amigas com elas?

Inauguração da Tok & Stok Florianópolis

25 de março de 2011 2

Um convite me deixou bem feliz hoje pela manhã. É para a inauguração da loja Tok & Stok em Florianópolis, no dia 30, próxima quarta-feira. A loja tem 3 mil metros quadrados e fica na SC 401, no trevo da Rodovia Virgílio Várzea, pouco antes de chegar ao Floripa Shopping.

Fiquei sabendo que a loja ia abrir numa filial de Porto Alegre. Estava a passeio na cidade e fui até lá só para comprar as peças da coleção assinada pelo estilista Ronaldo Fraga, que mostrei aqui há alguns meses.

Depois de fazer a compra, um vendedor me avisou que a estava por abrir uma filial em Floripa. Mas ainda bem que eu não esperei. Meus pratinhos com estampa de bolacha são um mimo.

Sebastiana cura ressaca

07 de março de 2011 1

Reprodução internet

O livro Sebastiana Quebra-Galho, de Nenzinha Machado Salles (editora Civilização Brasileira), também traz várias dicas sobre como lidar com a famigerada ressaca.

Uma delas eu não recomendaria: tomar um copo de cerveja em jejum (ora pois, D. Sebastiana, como assim?)

Outra sugestão dela: comer ostras cruas em jejum. Ela diz que são tiro e queda (devem ser mesmo, especialmente se a pessoa for alérgica).

Mais uma: chupar dois ovos crus, fazendo um furinho neleas ( desse jeito a senhora vai matar o vivente, D. Sebastiana!)

 

No capítulo dos chás, D. Sebastiana fica mais boazinha.

Para enjôo, ela recomenda poejo, losna e hortelã.

Para indigestão, camomila.

Para mal estar do fígado, boldo, folhas de alcachofra e losna.

Para vômitos, sálvia, funcho e hortelã.

Cure a ressaca com as dicas da vovó

06 de março de 2011 1

Foto divulgação

Para quem abusou na festa de Carnaval e agora está curtindo a maior ressaca, há várias dica populares que vêm direto da horta da vovó (que, obviamente, não dispensam a consulta médica em casos mais graves).

Uma dessas dicas é o chá de carqueja.

 Geralmente recomendada nesta ocasiões, a erva é bastante amarga – levando a pensar que as mães e avós ofereciam este chá aos beberrões só para fazê-los penar um pouco mais.

Mas a carqueja é uma conhecida protetora das células do fígado contra a ação do álcool, ajudando na desintoxicação.

Faça uma infusão forte e tome ainda quente (ou morna) sem açúcar.

Foto Antônio Pacheco


Outra recomendação que encontrei para a cura caseira de ressaca é fazer um chá com folhas de alcachofra (sem açúcar). Estas folhas também poderiam ser simplesmente mastigadas.


Foto Adair Sobczak

Na hora da ânsia de vômito, uma dica é chupar um pedaço de canela em pau.

Dá para preparar a canela antes da hora do aperto também. Deve-se colocá-la num copo de água fervida e já esfriada. Beber após meia hora deixada de molho.

Foto Ricardo Wolffenbüttel

Cheirar ou chupar um limão é outra sugestão se estiver prestes a chamar o Hugo.

Se a bebedeira provocou azia, espremer o limão num copo de água e tomar sem açúcar. Ou fazer chá como duas ou três folhas de limoeiro (também sem açúcar).


Como vocês podem perceber, a cura da ressaca é bem amarga.

 

Leia mais dicas para curar ressaca aqui.


As múltiplas finalidades do capim-limão

20 de janeiro de 2011 3

Ando enamorada pelo capim-limão (tanto que plantei uma muda em um vaso da minha mini-horta de sacada). Não nada mais refrescante para os dias de calor.


Dias atrás postei aqui a receita de um suco maravilhoso usando esta erva. E agora testei uma receita muito legal de massa para cupcake, que peguei no livro O Mundo dos Cupcakes, de Carole Crema.

Não caprichei muito na cobertura (usei apenas corante verde limão num glacê real básico), mas o sabor ficou excelente.

Foto Márcia Feijó


Hoje andei lendo mais um pouco sobre o capim-limão e descobri que não é exatamente a mesma coisa que a erva-cidreira, como eu havia falado no post sobre o suco. Apesar do uso, aroma e formato semelhante, a cidreira teria um sabor um pouco mais acentuado, conforme o que apurei.

Conforme o Guia A-Z de Plantas – Condimentos, de Paula Negraes (editora BEI), o capim-limão é originário da Índia; popular na culinária da Tailândia, Vietnã, Camboja e das ilhas da Indonésia. É usado para temperar aves, peixes, frutos do mar e saladas. Para a saúde, seria calmante e digestivo, ajudando a eliminar gases.

No Guia Horta & Pomar, da Casa Dois Editora, descobri que ele também serve para aliviar cólicas menstruais e gripes. Apesar de, nestes casos de saúde, eu sempre recomendar muuuuita cautela.

O guia Segredo das Ervas, da Nova Cultural, explica que sachês com folhas de capim-limão picadas perfumam armários e afastam os insetos.

Como regar as plantas corretamente

17 de janeiro de 2011 0

 

 

 

As férias acabaram e estou de volta à redação do Diário Catarinense. Cheia de novidades aprendidas neste período de descanso, claro.

Uma delas é relacionada à jardinagem. Eu tinha o hábito de molhar as plantas colocando água no pratinho. Em dezembro fiz uma entrevista com a engenheira agrônoma Patrícia Batista, da Floricultura Eden Garden, e aprendi que o método é equivocado. Se a planta não tiver raiz comprida esta não irá chegar até à água.

O certo, de acordo com a Patrícia, é colocar a água diretamente na terra do vaso evitando molhar as folhas, para que não apodreçam.

Mas sempre verifique antes se a planta precisa de água, mesmo nestes dias de muito calor. Como verificar? Coloque o dedo na terra e perceba se ela ainda está úmida. Se estiver, ainda não precisa ser regada.




 

 

 

Floricultura Eden Garden

Onde: Rodovia Admar Gonzaga, 3715, Itacorubi, Florianópolis

Fone: (48) 3334-3810

E-mail: floriculturaedengarden@hotmail.com