Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Posts na categoria "Bate-papo"

Receita da Tainha Fresca

14 de maio de 2012 4

Este post é do ano passado, mas em tempos de tainha, vale a pena repetir:

Foto Márcia Feijó

- A minha é das grandes, com ova, viu moço?

- Eu quero duas menores. Tem da limpa?

- O senhor pode tirar a cabeça? Mas eu quero levar junto, pro pirão.

O Mercado Público de Florianópolis fervilhava, ao fim da manhã do último sábado, com o povaréu todo tentando garantir a tainha do final de semana. Com ova, sem ova, limpa, com escama, grande ou pequena. A preferência do freguês varia na hora de escolher o peixe.

No momento de fazer, mais ainda. Bastou postar aqui, dias atrás, umas dicas sobre como preparar a tainha, e vários leitores contriburam com propostas mais ou menos ortodoxas.

Na verdade, nem era só o Mercado que fervilhava, todo o Largo da Alfândega era um grande convite ao paladar. Ao lado, havia a feira livre, com suas verduras, frutas, ervas, embutidos, biscoitos. E mais adiante, havia a Feira do Mel. Almoço e sobremesa garantidos, com produtos saudáveis e a preços menores.

Minha filha, nascida na era dos supermercados e que nunca havia presenciado este tipo de feira, achou tudo muito “medieval”, mas divertido. O caçula fez cara feia para um caldo de cana, de início, mas acabou cedendo à provinha e se esbanjando no líquido adocicado. Aproveitou já para petiscar umas bolachas coloniais. Eu e o Jacy matamos as saudades das feiras de nossa infância.

O resultado do passeio de sábado pelo Largo da Alfândega foi uma bela tainha assada, ontem, acompanhada de pirão, molho de camarão, arroz branco e salada verde. Já para a minha manezinha que não come tainha, um salmão grelhado especial, mas também lá do mercado.


Tainha Fresca*

Ingredientes:

1 tainha limpa (óbvio)

folhas de louro secas

alfavaca fresca

tomilho seco

manjericão seco

sal temperado com alho (ou sal + um dente de alho)

limão


Para o pirão:

1 cabeça da tainha

4 copos de água

extrato de tomate

sal a gosto

farinha de mandioca


Como fazer:
Temperar a tainha, regar com o sumo do limão e reservar. Forrar a assadeira com papel alumínio. Retirar a cabeça da tainha (guardar para fazer o caldo do pirão) e colocá-la na assadeira. Levar ao forno cuidando de tempos em tempos para não deixar secar demais.

Gente, o leitor Carlos me alertou que a explicação de como temperar o peixe não está clara. Então, é o seguinte: pode simplesmente espalhar os temperos (louro, alfavaca, tominho e manjericão) e sal no peixe, depois regar com o sumo do limão por cima. Ou, como eu gosto de fazer, misturar temperos e sal num potinho, adicionar bastante suco de limão e depois regar o peixe, por dentro e por fora, com este caldo temperado.

Nos primeiros minutos, gosto de deixar um pedaço de papel alumínio sobre o peixe também. Mas depois de meia hora, é preciso tirá-lo para permitir que a pele seque e fique douradinha.

Leva cerca de 1 hora para assar em fogo médio, se a tainha tiver um tamanho de médio a grande (o tempo vai depender da potência do forno).


Como fazer o pirão:

Coloque a cabeça do peixe para ferver em cerca de 4 copos de água. Depois que estiver cozida, adicione sal e uma colher de extrato de tomate ao caldo. Retire a cabeça da panela e reserve o caldo.

Deixe para finalizar o pirão  quando a tainha estiver prestes a ir para a mesa. Com o fogo ligado, despeje a farinha de mandioca aos poucos mexendo vigorosamente para não embolotar.

Se por acaso a farinha embolotar, um jeito de recuperar o pirão é usar um mixer de mão para desmanchá-la. Retire o pirão da panela, bata levemente num recipiente plástico e retorne-o à panela.


* A receita ganhou o nome de Tainha Fresca porque foi temperada com várias ervas. E a tradição local manda que a tainha seja temperada apenas com sal e limão.


Quer mais dicas sobre tainha? Confira aqui.

 

Como separar o lixo reciclável

06 de janeiro de 2012 0

Reprodução internet

Na quarta-feira postei aqui uma dica sobre lixeiras diferenciadas para separar o lixo reciclável. Pois há um detalhe muito importante sobre este assunto. As categorias Metal, Vidro, Plástico, Papel paracem muito claras. Mas no dia a dia, nem sempre a gente consegue perceber o que é realmente reciclável e o que não é. Encontrei esta listinha no Guia de Limpeza Urbana distribuído pela Prefeitura de São José que ajuda muito na definição:

Metal - lastas de alimentos e bebidas, tampinhas, arames, pregos, fios, objetos de chumbo, cobre, alumínio, bronze, ferro e zinco

Vidro -  garrafas, potes, jarros, vidros de conserva, vidros de produtos de limpeza, frascos em geral

Plástico - garrafas, tubos, potes, frascos, baldes, bacias, brinquedos, isopor (EPS), canos, saquinhos de leite

Papel - jornais, listas telefônicas, folhetos, revistas, folhas de rascunho, cadernos, papéis em ebrulho, caixas de papelão, caixas de leite e sucos

 

Dicas importantes:

Vale lembrar que este material deve passar por uma higienização básica antes de ser colocado no lixo reciclável. Retire os restos de alimentos e outros detritos orgânicos.

Objetos cortantes ou perfurantes devem ficar dentro de embalagens seguras ou embrulhados em jornal.

 

O que não é reciclável:

embalagens de aerosol, esponjas de aço, latas de material misto, cristais, lâmpadas fluorescentes, espelhos, cerâmicas, tubos de TV, porcelanas, tomadas, cabos de panela, embalagens laminadas de alimentos, carbono, guardanapos, celofane, adesivos, fotografias e papel higiênico

 


Separe seu lixo adequadamente

04 de janeiro de 2012 2

Começou 2012 e é hora de colocar a vida em ordem. Que tal começar pelo seu lixo?

Há cerca de 10 anos, ter duas latas de lixo na cozinha ou na área de serviço, para separar material descartado orgânico e reciclável, era uma novidade. Hoje, infelizmente ainda não se pode nem dizer que este hábito esteja totalmente disseminado, mas ele já não basta. É necessário dar um passo adiante na questão. E parece que um novo hábito já começa a entrar nas nossas casas.

Há pouco tempo encontrei, no supermercado que costumo frequentar, uma série de recipientes para o lixo doméstico, em cores diversificadas e com a indicação de conteúdo a que se destinam estampada: orgânico, papel, plástico, metal e vidro. A intenção é usá-los para uma separação mais minuciosa do lixo, já dentro de casa.

Há poucos meses, também, o síndico do condomínio onde moro distribuiu uma circular informando sobre a adaptação do prédio à Lei 12.305, de 2010, instituindo a Política Nacional de Resíduos Sólidos.

A legislação trata, inclusive, do lixo doméstico, passando a ser obrigatória a separação dos resíduos sólidos, e sua disponilização adequada para coleta. Portanto, esta separação, como bem disse o síndico na cartinha, precisa começar dentro dos apartamentos.

Andei pesquisando e encontrei na internet uma série de outros recipientes apropriados para fazer a separação adequada do descarte. Em tamanhos menores e mais práticos do que o que já se vê em locais públicos.

Então, aqui vai uma galeria de opções.

 



 



 


 




E, claro, se a ideia é preservar, você também pode adaptar as próprias lixeiras que já tiver em casa. Basta colar nelas um adesivo com a nomenclatura.

Para ajudar, o colega Lucas Abreu criou para nós algumas opções que você pode imprimir, adesivar e depois colar nas suas lixeiras.



 

 

 


Comece 2012 sem ressaca

01 de janeiro de 2012 0

Bebemorou todas na virada do ano? O blog Feito em Casa dá uma ajudinha para você levantar desse sofá e começar 2012 com mais energia.

Aqui vão algumas dicas para curar ressaca.

Feliz Ano-novo para você e para nós. E que 2012 seja repleto de receitinhas gostosas, coisinhas fofas feitas à mão, jardins floridos e cheios de ervas cheirosas e tudo mais o que a gente precisa para que a felicidade seja feita em casa.

Ingredientes da sorte para o Réveillon

31 de dezembro de 2011 0

Alguns ingredientes não podem faltar na ceia do Réveillon. Não somente pelo sabor mas porque são considerados verdadeiros amuletos para o ano que começa.

Reprodução internet

Um deles é a lentilha. Na minha família, não só se come uma deliciosa lentilha cozida, como era costume da minha avó distribuir aos netos alguns grãos, dentro de um saquinho d e tecido (chamado “breve”) que deveriam ser mantidos dentro da carteira de dinheiro, para atrair mais.

A carne de suíno também é tradicional na ceia de final de ano. Isto porque o porco “fuça” para a frente. Da mesma forma não é considerado sinal de bom agouro comer aves, que ciscam para trás. A relação é com o andar para frente ou para trás, no ano que começa.

Há pouco descobri que peixes como salmão, atum e bacalhau também são considerados bons para a data. São peixes chamados de corajosos, pelo tipo de água que enfrentam. Assim, trazem a força para driblar as dificuldades.

Reprodução internet

Em casa sempre consumimos nozes, avelãs e castanhas nesta época do ano. E elas também têm um significado interessante. São relacionadas à fartura e ao sucesso.

De Portugal importamos a superstição relacionada à uva. Varia a indicação o número de grãos que devem ser ingeridos bem na hora da virada, mas a dica mais comum é comer 12, um para cada mês do ano. Se estiver na beira no mar, aproveite para pular um onda a cada grão. Dentro de casa, pule com o pé direito.

Reprodução internet

Romã é outra frutinha da sorte. Também deve-se comer os grãos. E, assim como a uva e a lentilha, outra recomendação é guardar as sementes secas na carteira.

Evite excessos na ceia de Natal e Ano-Novo

16 de dezembro de 2011 2

 

Época de festas geralmente é também a de cometer pequenas loucuras contra a nossa própria saúde. A soma de alimentos calóricos, bebidas alcoólicas e doces em profusão é um verdadeiro coquetel molotov no organismo.

Mas também não precisa passar as festas beliscando uma folha de rúcula e sentindo-se uma rena. Com bom senso, é possível aproveitar o banquete sem arrepender-se ou temer as consequências.

Daniel Magnopni, cardiologista e nutrólogo do HCor, de São Paulo, listou algumas dicas importantes para fazer sua ceia mais saudável.

 

- Coma e prove o que sentir vontade, porém tome cuidado com os excessos.

- Beba bastante líquidos, como água e chás. Lembre-se que os sucos também possuem calorias.

- Cuidado com o excesso de álcool e conheça os seus limites.

- Evite sal e cuidado com os aperitivos.

- A gordura saturada e a gordura animal devem ser evitadas.

- Evite pratos com molhos e cremes, pois eles podem estar contaminados devido a exposição da temperatura ambiente, que pode causar distúrbios intestinais.

- Cuidado com os energéticos que podem alterar o ritmo cardíaco.

- No final das festas abuse de frutas, que hidratam e melhoram a digestão.

- Faça pequenas e leves refeições durante o dia. Evite deixar de se alimentar, pois a ausência de líquidos e alimentos pode provocar fraquezas, tonturas e mal-estar.

- Não belisque os alimentos enquanto estiver preparando a ceia, assim evitamos as calorias extras.

- Prepare-se com antecedência. Procure diminuir a ingestão de açúcar e adote uma alimentação light duas semanas antes das festas. Evite ao máximo as carnes vermelhas e os pães.

- Procure preencher o prato com um tipo de carne branca, metade com saladas e o restante com acompanhamentos saudáveis. Escolha apenas um tipo de sobremesa e opte pelas por frutas que auxiliam na digestão, como é o caso do abacaxi.

- Entre todas as opções de carnes existentes para as comemorações de fim de ano, de preferência para as assadas e grelhadas. Se possível retire a pele, pois ela é rica em gorduras e calorias.

- Evite os molhos à base de maionese, prefira os feitos com iogurte.

- Entre as opções de frutas natalinas prefira as frutas frescas (melão, melancia, uva, kiwi, morango), pois são menos calóricas.


A mudança da jabuticabeira

14 de novembro de 2011 12

Foto Márcia Feijó

No último verão, ao retornar das férias, minha família cometeu uma loucurinha. Trouxemos conosco, no carro abarrotado, uma pequena jabuticabeira. Nascida na cidade de Ampére (PR), onde as jabuticabeiras ainda guardam o sabor da infância, ela veio parar dentro de um vaso, numa sacada de São José. Em princípio, sentiu muito a mudança. Perdeu todas a folhas. Ficou nua. Chegamos a pensar que ela morreria.

Naquela sacada, o vento castiga. O sol é forte durante as tardes. E, por maior que seja o vaso, não parece o suficiente para uma jabuticabeira. Mesmo achando que ela não resistiria, continuamos a regar. Colocamos o vaso numa posição onde o vento não era tão forte, mas o sol continuava generoso. Enfim, as adaptações necessárias e possíveis.

A alegria foi geral, há poucos meses, quando minúsculas folhas voltaram aos poucos a brotar. Há quatro semanas, alguém observou que pequenas florzinhas também surgiram em seu tronco.

E, há quatro dias, num olhar meio apressado, encontrei uma bolinha verde, firme e forte, agarrada no tronco, onde antes havia uma florzinha. Se vierem outras – e eu acredito que virão – nossos filhos também terão a oportunidade de sentir o sabor da infância da terra onde o pai deles viveu a sua, nem que seja na sacada do apartamento.



Para comer com os olhos

06 de outubro de 2011 3

Meus queridos amigos, estou saindo em férias. Como não sei se conseguirei postar algo nos próximos 15 dias, já deixo de presente para vocês estes vídeos lindos. Quem me deu a dica foi minha amigona Rafaela Giordano. Chega a ser indecente…

Espero voltar cheia de ideias para mostrar aqui no blog. Um beijo!


Recette filmée : Cupcakes from ))) datafone on Vimeo.

Making of do risoto do Mutley

15 de julho de 2011 1

Bom, quem acompanha o Facebook já deve estar sabendo do boato de que a minha cozinha foi invadida, há alguns dias, por um certo colega de trabalho chamado Fábio Bianchini, vulgo Mutley. E é verdade.

A relação de quem gosta de cozinhar com sua área de trabalho é muito intensa. Então devo dizer que cedê-la para o cidadão (não exatamente conhecido pelos seus dotes culinários) demandou uma certa coragem. Mas para minha total perplexidade, a cozinha continua lá, no lugar de sempre, depois de ter passado por sua maior prova de fogo. Isto porque além do Mutley cozinhando, teve aula de malabarismo, gravação de vídeo e instalação de estúdio fotográfico. Tudo ao mesmo tempo agora rolando na minha lindinha. Aliás, a função começou já no supermercado, que também ficou intacto, diga-se de passagem.

Foto Felipe Carneiro

Brincadeiras à parte, gente, o risoto preparado pelo Mutley para a edição de hoje da Revista de Inverno ficou um primor. Uma delícia. Confesso que tentei repetir no final de semana e não ficou tão bom.

Foto Felipe Carneiro

Coisa do acaso? Talento nato? Ou será que o chef Gusteau, da animação Ratatouille, é quem tinha razão?

Reprodução internet

Fico com a última opção. E para comprovar que mesmo métodos bem pouco ortodoxos podem resultar num prato não só delicioso como lindo, leiam a Revista de Inverno e assistam ao vídeo no site www.clicrbs.com.br/guiadeinverno.



PS.: Sem dúvida uma tarde de risos, além de risotos, ao lado dos colegas Fábio Bianchini, Felipe Carneiro e Erich Casagrande. Pena que o autor da ideia, Fabiano Moraes, editor da Revista de Inverno, não pode ir junto. A cozinha Feito em Casa está às ordens, meninos.

Erich e Fábio Bianchini em clique de Felipe Carneiro

Congelei, mas já voltei

08 de julho de 2011 3

Reprodução

A minha amiga e leitora Vicky está perguntando em comentário no post abaixo se eu congelei, pois estou há uma semana sem postar ;0)

Olha, acho que nem durante as minhas férias fiquei tanto tempo ausente. E já estava mal de tanta saudade aqui do bloguinho. A explicação é que estou como interina na coluna da Juliana Wosgraus, no caderno Variedades do DC. E este trabalho, mais umas demandas caseiras, simplesmente consumiram o meu tempo nos últimos dias.

Mas já estou de volta meninada!

E Vicky, em homenagem a você, o próximo post vai ter gengibre entre os ingredientes.

Beijim!