Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Posts na categoria "Comportamento"

Receita da Tainha Fresca

14 de maio de 2012 4

Este post é do ano passado, mas em tempos de tainha, vale a pena repetir:

Foto Márcia Feijó

- A minha é das grandes, com ova, viu moço?

- Eu quero duas menores. Tem da limpa?

- O senhor pode tirar a cabeça? Mas eu quero levar junto, pro pirão.

O Mercado Público de Florianópolis fervilhava, ao fim da manhã do último sábado, com o povaréu todo tentando garantir a tainha do final de semana. Com ova, sem ova, limpa, com escama, grande ou pequena. A preferência do freguês varia na hora de escolher o peixe.

No momento de fazer, mais ainda. Bastou postar aqui, dias atrás, umas dicas sobre como preparar a tainha, e vários leitores contriburam com propostas mais ou menos ortodoxas.

Na verdade, nem era só o Mercado que fervilhava, todo o Largo da Alfândega era um grande convite ao paladar. Ao lado, havia a feira livre, com suas verduras, frutas, ervas, embutidos, biscoitos. E mais adiante, havia a Feira do Mel. Almoço e sobremesa garantidos, com produtos saudáveis e a preços menores.

Minha filha, nascida na era dos supermercados e que nunca havia presenciado este tipo de feira, achou tudo muito “medieval”, mas divertido. O caçula fez cara feia para um caldo de cana, de início, mas acabou cedendo à provinha e se esbanjando no líquido adocicado. Aproveitou já para petiscar umas bolachas coloniais. Eu e o Jacy matamos as saudades das feiras de nossa infância.

O resultado do passeio de sábado pelo Largo da Alfândega foi uma bela tainha assada, ontem, acompanhada de pirão, molho de camarão, arroz branco e salada verde. Já para a minha manezinha que não come tainha, um salmão grelhado especial, mas também lá do mercado.


Tainha Fresca*

Ingredientes:

1 tainha limpa (óbvio)

folhas de louro secas

alfavaca fresca

tomilho seco

manjericão seco

sal temperado com alho (ou sal + um dente de alho)

limão


Para o pirão:

1 cabeça da tainha

4 copos de água

extrato de tomate

sal a gosto

farinha de mandioca


Como fazer:
Temperar a tainha, regar com o sumo do limão e reservar. Forrar a assadeira com papel alumínio. Retirar a cabeça da tainha (guardar para fazer o caldo do pirão) e colocá-la na assadeira. Levar ao forno cuidando de tempos em tempos para não deixar secar demais.

Gente, o leitor Carlos me alertou que a explicação de como temperar o peixe não está clara. Então, é o seguinte: pode simplesmente espalhar os temperos (louro, alfavaca, tominho e manjericão) e sal no peixe, depois regar com o sumo do limão por cima. Ou, como eu gosto de fazer, misturar temperos e sal num potinho, adicionar bastante suco de limão e depois regar o peixe, por dentro e por fora, com este caldo temperado.

Nos primeiros minutos, gosto de deixar um pedaço de papel alumínio sobre o peixe também. Mas depois de meia hora, é preciso tirá-lo para permitir que a pele seque e fique douradinha.

Leva cerca de 1 hora para assar em fogo médio, se a tainha tiver um tamanho de médio a grande (o tempo vai depender da potência do forno).


Como fazer o pirão:

Coloque a cabeça do peixe para ferver em cerca de 4 copos de água. Depois que estiver cozida, adicione sal e uma colher de extrato de tomate ao caldo. Retire a cabeça da panela e reserve o caldo.

Deixe para finalizar o pirão  quando a tainha estiver prestes a ir para a mesa. Com o fogo ligado, despeje a farinha de mandioca aos poucos mexendo vigorosamente para não embolotar.

Se por acaso a farinha embolotar, um jeito de recuperar o pirão é usar um mixer de mão para desmanchá-la. Retire o pirão da panela, bata levemente num recipiente plástico e retorne-o à panela.


* A receita ganhou o nome de Tainha Fresca porque foi temperada com várias ervas. E a tradição local manda que a tainha seja temperada apenas com sal e limão.


Quer mais dicas sobre tainha? Confira aqui.

 

Como separar o lixo reciclável

06 de janeiro de 2012 0

Reprodução internet

Na quarta-feira postei aqui uma dica sobre lixeiras diferenciadas para separar o lixo reciclável. Pois há um detalhe muito importante sobre este assunto. As categorias Metal, Vidro, Plástico, Papel paracem muito claras. Mas no dia a dia, nem sempre a gente consegue perceber o que é realmente reciclável e o que não é. Encontrei esta listinha no Guia de Limpeza Urbana distribuído pela Prefeitura de São José que ajuda muito na definição:

Metal - lastas de alimentos e bebidas, tampinhas, arames, pregos, fios, objetos de chumbo, cobre, alumínio, bronze, ferro e zinco

Vidro -  garrafas, potes, jarros, vidros de conserva, vidros de produtos de limpeza, frascos em geral

Plástico - garrafas, tubos, potes, frascos, baldes, bacias, brinquedos, isopor (EPS), canos, saquinhos de leite

Papel - jornais, listas telefônicas, folhetos, revistas, folhas de rascunho, cadernos, papéis em ebrulho, caixas de papelão, caixas de leite e sucos

 

Dicas importantes:

Vale lembrar que este material deve passar por uma higienização básica antes de ser colocado no lixo reciclável. Retire os restos de alimentos e outros detritos orgânicos.

Objetos cortantes ou perfurantes devem ficar dentro de embalagens seguras ou embrulhados em jornal.

 

O que não é reciclável:

embalagens de aerosol, esponjas de aço, latas de material misto, cristais, lâmpadas fluorescentes, espelhos, cerâmicas, tubos de TV, porcelanas, tomadas, cabos de panela, embalagens laminadas de alimentos, carbono, guardanapos, celofane, adesivos, fotografias e papel higiênico

 


Separe seu lixo adequadamente

04 de janeiro de 2012 2

Começou 2012 e é hora de colocar a vida em ordem. Que tal começar pelo seu lixo?

Há cerca de 10 anos, ter duas latas de lixo na cozinha ou na área de serviço, para separar material descartado orgânico e reciclável, era uma novidade. Hoje, infelizmente ainda não se pode nem dizer que este hábito esteja totalmente disseminado, mas ele já não basta. É necessário dar um passo adiante na questão. E parece que um novo hábito já começa a entrar nas nossas casas.

Há pouco tempo encontrei, no supermercado que costumo frequentar, uma série de recipientes para o lixo doméstico, em cores diversificadas e com a indicação de conteúdo a que se destinam estampada: orgânico, papel, plástico, metal e vidro. A intenção é usá-los para uma separação mais minuciosa do lixo, já dentro de casa.

Há poucos meses, também, o síndico do condomínio onde moro distribuiu uma circular informando sobre a adaptação do prédio à Lei 12.305, de 2010, instituindo a Política Nacional de Resíduos Sólidos.

A legislação trata, inclusive, do lixo doméstico, passando a ser obrigatória a separação dos resíduos sólidos, e sua disponilização adequada para coleta. Portanto, esta separação, como bem disse o síndico na cartinha, precisa começar dentro dos apartamentos.

Andei pesquisando e encontrei na internet uma série de outros recipientes apropriados para fazer a separação adequada do descarte. Em tamanhos menores e mais práticos do que o que já se vê em locais públicos.

Então, aqui vai uma galeria de opções.

 



 



 


 




E, claro, se a ideia é preservar, você também pode adaptar as próprias lixeiras que já tiver em casa. Basta colar nelas um adesivo com a nomenclatura.

Para ajudar, o colega Lucas Abreu criou para nós algumas opções que você pode imprimir, adesivar e depois colar nas suas lixeiras.



 

 

 


Comece 2012 sem ressaca

01 de janeiro de 2012 0

Bebemorou todas na virada do ano? O blog Feito em Casa dá uma ajudinha para você levantar desse sofá e começar 2012 com mais energia.

Aqui vão algumas dicas para curar ressaca.

Feliz Ano-novo para você e para nós. E que 2012 seja repleto de receitinhas gostosas, coisinhas fofas feitas à mão, jardins floridos e cheios de ervas cheirosas e tudo mais o que a gente precisa para que a felicidade seja feita em casa.

A mudança da jabuticabeira

14 de novembro de 2011 12

Foto Márcia Feijó

No último verão, ao retornar das férias, minha família cometeu uma loucurinha. Trouxemos conosco, no carro abarrotado, uma pequena jabuticabeira. Nascida na cidade de Ampére (PR), onde as jabuticabeiras ainda guardam o sabor da infância, ela veio parar dentro de um vaso, numa sacada de São José. Em princípio, sentiu muito a mudança. Perdeu todas a folhas. Ficou nua. Chegamos a pensar que ela morreria.

Naquela sacada, o vento castiga. O sol é forte durante as tardes. E, por maior que seja o vaso, não parece o suficiente para uma jabuticabeira. Mesmo achando que ela não resistiria, continuamos a regar. Colocamos o vaso numa posição onde o vento não era tão forte, mas o sol continuava generoso. Enfim, as adaptações necessárias e possíveis.

A alegria foi geral, há poucos meses, quando minúsculas folhas voltaram aos poucos a brotar. Há quatro semanas, alguém observou que pequenas florzinhas também surgiram em seu tronco.

E, há quatro dias, num olhar meio apressado, encontrei uma bolinha verde, firme e forte, agarrada no tronco, onde antes havia uma florzinha. Se vierem outras – e eu acredito que virão – nossos filhos também terão a oportunidade de sentir o sabor da infância da terra onde o pai deles viveu a sua, nem que seja na sacada do apartamento.



Há sol? Coloque as roupas nele

29 de junho de 2011 0

Neste inverno frio que chegou, cada vez que um solzinho apontar, coloque seus casacos e blusões de lã em cabides e espalhe-os por todas as áreas de sol que você estiver disponíveis – mesmo que você more num apartamento. Os raios solares vão fritar os ácaros dessas peças.

Reserve apenas uma área da casa. Arrede  a cadeira mais confortável para o espaço de sol reservado, pegue um livro, sente-se e relaxe. Os raios irão mandar fritasr as teias de aranhas do sue cérebro também!

Se tiver um notebook, puxe para perto mas nem pense em usá-lo para trabalhar. Apenas deixe rolar os vídeos abaixo:




Em tempo: o solzinho que havia hoje pela manhã já era, mas fica a dica para quando ele retornar.

 

Está sem namorado hoje? Faça provas de Santo Antônio!

12 de junho de 2011 0

Reprodução internet

Não esqueçam que é hoje à noite é o momento certo de fazer as provas de Santo Antônio que ensinei aqui hein?! Quem sabe ele não tem um namorado na manga para você?

E também tem uns jeitinhos de convencer o Santo Casamenteiro a te arrumar um alguém especial. Veja aqui.

 

Provas de Santo Antônio Casamenteiro

10 de junho de 2011 2

Reprodução internet

A noite do próximo domingo será de comemoração para quem tem namorado. Mas quem não tem também pode se divertir. Na minha adolescência, esta era a ocasião em que fazíamos uma espécie de festa do pijama só para garotas. A véspera do Dia de Santo Antônio era a noite em que, antigamente, se fazia uma série de “provas” – ou seja, simpatias – para adivinhar qual seria o nosso futuro. Principalmente em relação aos relacionamentos amorosos, já que ele é o Santo Casamenteiro. E minha mãe é expert no assunto. Então, nessas noites nós ríamos, comíamos e sonhávamos muito.

Então, que tal reunir as amigas e relembrar esta tradição? Para ajudar, aqui vão algumas dicas de “provas”.

1. Aliança no copo

Pegue uma aliança e amarre na ponta de um barbante. Encha um copo de água e coloque sobre a mesa. Segure o barbante firme sobre o copo, mirando o meio, com uma mão. E, com a outra, segure a aliança. Quando soltar a aliança conte quantas vezes ela bate nas bordas do coppo. Quantas vezes bater são os anos que faltam para você se casar.

Não vale ficar batendo de propósito nas bordas para atrsara o casório, hein!!

2. Cera da vela na água

Encha uma bacia de água. Acenda uma vela e pingue a cera. Analise bem o desenho que se formar pois trata-se de uma pista do que irá acontecer com você em breve.

Alternativa: use uma gema de ovo no lugar da cera quente.

O problema é entender o que a vela (ou o ovo) quis dizer quando a imagem não passa de um borrão.

3. O barquinho vai de encontro ao futuro

Na mesma bacia de água, cole nas bordas papéis os nomes dos seus “candidatos” a namorado.  Faça um pequeno barco de papel e solte na bacia. Santo Antônio irá soprá-lo até que ele atraque junto ao nome certo. Uma alternativa é usar palavras como “viagem”, “casamento”, “trabalho”, “filhos” e descobrir que área terá destaque em breve.

Dica: se colocar apenas coisas boas, já fica com o futuro garantido de qualquer jeito :0)

4. Faca na bananeira

À meia-noite, cravar uma faca numa bananeira. No outro dia pela manhã a seiva terá desenhado na lâmina a inicial do homem com quem você irá se casar.

Bom, esta defintivamente caiu em desuso. Mesmo  que você acredite que uma bananeira vai lhe garantir um marido, hoje em dia ninguém iria sair a esta hora da noite procurando bananeira sei lá aonde, e correndo o risco de ter seu futuro reduzido por algum maluco de plantão.

Uma alternativa mais segura é deixar a tal faca no sereno e conferir no outro dia o que Santo Antônio escreveu nela. (Não, gente, não adianta checar o e-mail, o Facebook ou até o Orkut. Santo Antônio é do tempo em que se deixava mensagens em lâminas de facas mesmo.)


Nestas noites, chegava num ponto que a festa invariavelmente descambava para a mãe contando algumas histórias bem assombradas a respeito dessas provas… e a gurizada se pelando de medo.

Uma dessa histórias (tudo sempre tinha se passado com alguma amiga de infância dela) era a da prova em que a a garota tinha que ficar na frente do espelho à meia-noite para enxergar alguma mensagem do além. E a imagem refletida era algo pavoroso (por via das dúvidas, nunca tente fazer esta).


E, quando a mãe nos tocava para a cama, porque já estava realmente muito tarde, vinha a última prova.

5. O homem certo pra você está embaixo do seu travesseiro

Escreva o nome de homens que você conhece em pequenos papéis. Dobre e coloque-os embaixo do travesseiro. Durma sobre eles, sonhe com os anjos e nam,anhã seguinte, ao acordar, retire um dos papéis. è só ler e descobrir quem será o seu futuro marido.

(Esta é muito simples e a minha preferida. Nunca deu certo, mas eu adorava fazer!)


Bem, ninguém vai acreditar nisso tudo. Mas com uns petiscos gostosos e uma bebidinha quente (se as solteiras em questão forem maiores de idade, claro), a festinha vai ser divertida de qualquer maneira.


Muito bem-vividos

04 de maio de 2011 8

Foto Márcia Feijó

Na segunda-feira fui aprender a fazer bem-casados com a professora Valderez, da Oficina Culinária (e eles estão aí na foto acima). Estes doces voltaram a ser comuns nos casamentos, depois de um período quase esquecidos. E por uma razão muito especial, seu significado.

As duas metades dos bem-casados devem, tradicionalmente, ser feitas uma a uma. Elas simbolizam os dois indivíduos que se unem. No meio, vai um recheio doce, e eles ainda são banhados numa calda de açúcar bem leve e crocante (afinal, que casamento sobrevive sem uma boa dose de doçura e um tanto de crocância?).

Mas os bem-casados não precisam ser servidos somente em casamentos. Eles caem bem como oferta aos convidados ou servidos na mesa de doces em outras ocasiões festivas. Nestas, assumem os nomes de bem-sucedidos, bem-nascidos, bem-comemorados; e podem ser recheados com cremes alternativos além do doce de leite.

Há exatos 15 anos eu não servi bem-casados aos meus convidados porque ainda não conhecia esta história. Como fã de tradições regadas a açúcar :0), eu certamente teria encomendado ou até mesmo feito alguns, se conhecesse. Mas hoje tenho motivos de sobra para dividir uns bem-vividos com a outra metade do meu bem-casado.

Sobre o curso, gravamos um vídeo mostrando como fazer os bem-casados. Uma delícia. E em breve vamos mostrar tudo aqui no blog.

Feliz Dia da Doméstica! Para ela e para você, se conseguiu uma

27 de abril de 2011 3

Reprodução internet

Acabei de saber que o hoje é Dia da Doméstica! Gente, se você tiver uma e estiver contente com o trabalho dela (e), abrace-a (o) muito e acenda uma vela em agradecimento para seu santo protetor . E não esqueça de observar bem os direitos dela (e). Se não souber quais são, vai uma dica aqui.

Não há profissional competente mais difícil de se encontrar em Florianópolis/São José – seja diarista ou mensalista – do que nesta área. Eu já passei por tantos percalços em busca de uma boa empregada doméstica que daria para escrever um livro – ou fazer outro blog – só sobre este assunto. No ano passado, por exemplo, fiquei dois meses e meio em busca de uma. Passei por duas agências. Perdi as contas de quantas entrevistas e testes fiz.

Quando converso com outras pessoas que necessitram deste profissional, ouço exatamente as mesmas questões. As candidatas que aparecem não possuem um preparo ou simplesmente não gostam do que fazem. E, acreditem, é preciso gostar, sim, ter talento, aptidão e muita paciência – esta, de ambos os lados, claro. Não fiquem pensando que só é empregada doméstica quem não conseguiu fazer outra coisa na vida. É preciso valorizar um trabalho que a gente muitas vezes não conseguiria fazer tão bem.

E trata-se de uma relação delicada esta entre patrões e empregados domésticos, que mescla intimidade e profissionalismo. Um contrato de trabalho, sim, mas onde o contratado passa o dia – se não a noite também – na sua casa e na maioria das vezes cuida de seus bens mais preciosos: seus filhos.