Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Posts com a tag "Cozinha"

Cada cupcake vira um miniarraial

22 de junho de 2012 2

Hoje há vários bolinhos nas páginas centrais do caderno Gastronomia do Diário Catarinense, editado por mim. Para acompanhar, vai aqui uma receita de cupcakes bem apropriada para a época, para relembrar:

 Fotos Márcia Feijó

Que tal tornar a mesa de Festa Junina ainda mais divertida transformando cada cupcake num miniarraial? O trabalho maior é fazer as bandeirinhas e florzinhas de pasta americana, mas a receita dos bolinhos de milho verde não tem segredo algum.

Cupcake arraial

Ingredientes:

400g de milho verde (se for em lata, corresponde ao conteúdo de 2 unidades)

1/2 copo de água

1/2 xícara de óleo

1 lata de leite condensado

3 ovos

260g de farinha de trigo

3 colheres (sopa) de coco ralado

1 colher (sopa) de fermento em pó


 

 

 

Como fazer:

Bater o milho com a água no liquidificador. Coar e retornar o creme ao aparelho. Bater novamente acrescentando o óleo, o leite condensado e os ovos.

Transferir o conteúdo para um recipiente fundo e acrescentar a o coco ralado, a farinha e o fermento. Bater à mão até a massa ficar bem homogênea.

Forrar formas de alumínio próprias para cupcake com as forminhas de papel e despejar a massa em cada umja até encher cerca de 3/4 de cada uma.

Assar durante cerca de 25 minutos. Deixar esfriar bem antes de montar a cobertura.

Rendimento: 24 bolinhos


 

 

Como montar o arraial:

Corte pedaços de tecido de 3cm X 1,5 cm, aproximadamente. Dobre-os ao meio formando dois quadrados unidos e corte as pontas transformando-os em bandeiras. Passe pedaços de linha de pesponto ou de crochê em cada duas bandeirinhas. Enrole os dois lados da linha que estiverem sobrando em palitos de madeira, que farão as vezes de mastros. Dê nós para que a linha não se solte.

A grama a as flores são feitas de pasta americana.

Para a grama, abra a pasta americana verde com um rolo de massa e corte círculos usando a boca de um copo, no tamanho do topo de seus bolinhos.

Para fazer as flores, una cinco bolinhas pequenas de pasta americana vermelha (ou cor-de-rosa), formando as pétalas, e coloque no centro uma outra bolinha de pasta laranja (ou amarela).

Coloque os círculos de grama sobre o bolinho, espete os mastros com as bandeirinhas e acrescente a flor ao pé de um dos palitos.

Dica: se quiser que a pasta americana seque, você deve fazer a grama e as flores com dois dias de antecedência e guardar fora da geladeira. Na hora de colar a flor sobre a grama, a umedeça um pouquinho na parte inferior e pressione levemente.

****************************************************************

 Se você não quiser fazer a cobertura, pode ter certeza que só os bolinhos assados em forminhas coloridas já deixam a mesa da Festa Junina mais divertida.


Receita de catchup caseiro (servido em embalagem monstruosa)

23 de fevereiro de 2012 1

Foto Márcia Feijó

 

Cachorro quente com catchup é algo que passa pela nossa mesa pelo menos uma vez a cada 10 dias. Principalmente naquelas noites de sexta-feira ou domingo, quando não sobrou energia para preparar um jantar cpmpleto. Em 80% das vezes, o molho do cachorro é feito em casa. E agora, o catchup também. Nunca imaginei que fosse tão simples fazer.

Ingredientes:

1 lata de 340g de extrato de tomate (de preferência que seja bem consistente)

1/2 medida da mesma lata de vinagre de vinho tinto

1/2 medida da mesma lata de açúcar

1 colher (café) de sal

1/4 colher (café) de pimenta do reino (ou mais, se preferir)

1 colher (sopa) de molho de pimenta vermelha

1 colher (sopa) de curry

 

Como fazer:

Misture todos os ingredientes numa vasilha.

Passe água quente em um recipiente e encha com o catchup.

Está pronto para usar.

Rendimento: 2 potes

 Foto Márcia Feijó

As divertidas tampas dos frascos, para catchup e mostarda, eu encontrei no Empório Casa em Florianópolis (a loja fica logo depois do elevado Angeloni Capoeiras, antes de passar por baixo do túnel que leva à São José). São importadas, da marca Evriholder. Mas cuidado, pois elas não se encaixam em qualquer frasco. A Ketchup Kritter entrou na embalagem da marca Hemmer. Já a Mustard Monster, mais larga, só coube naquelas do tipo bisnaga.

 
Empório Casa:
Av. Gov. Ivo Silveira, 3290 – Capoeiras – Florianópolis – Santa Catarina – (48) 3244 1600
Horário de funcionamento: de segunda à sexta-feira das 9h às 19hs; aos sábados das 9h às 14hs
Site: www.lojaemporiocasa.com.br

Pesquisando na internet achei mais modelos, mas estes ainda não encontrei à venda por aqui.

  

 

Reprodução internet

 

Reprodução internet

Um belo panetone para a ceia de Natal

16 de dezembro de 2011 5

Fotos Márcia Feijó

O caderno Gastronomia, encartado no Diário Catarinense de hoje, mostra como fazer a decoração deste panetone, na seção Nós Testamos

Você pode comprar um panetone comum no supermercado ou na padaria e transformá-lo no centro das atenções da sua ceia. Mas se preferir fazer sua própria massa, aqui vai uma receitinha.

Tradicional, ela leva frutas cristalizadas. Mas é possível substituí-las por passas de uva, nozes ou castanhas picadas.

E se você quiser, também pode variar a decoração usando cobertura de chocolate com creme de leite e detalhes em pasta americana.

 

Panetone de frutas cristalizadas 

Ingredientes:

200ml de água

1 ovo

120 g de margarina

1,5 colher (chá) de sal

240 g de açúcar

1,5 colher (chá) de essência de baunilha (ou de panetone)

4 colheres (chá) de leite em pó

600g de farinha de trigo

2 colheres (chá) de fermento biológico seco

200g de frutas cristalizadas

1 forma de papel tamanho médio

Como fazer:

Coloque 100g de farinha, o fermento e um pouco de água numa vasilha, misture e deixe descansar por 15 minutos.

Depois do descanso, acrescente os outros ingredientes, sovando bem. Deixe as frutas por último. Misture-as na massa e sove mais um pouco. Coloque a massa numa vasilha, cubra com um pano e deixe descansar por mais ou menos 30 minutos.

Coloque a forma de papel dentro de uma forma aproprida para panetone. Se não tiver, use uma leiteira.

Retire a massa da vasilha e ajeite-a na forma. Deixe a massa coberta, em local naturalmente aquecido até que ela aumente bem de tamanho.

Faça um corte em cruz na parte de cima do panetone e coloque para assar em forno médio (180 graus) até dourar (cerca de 40 minutos)


Dica: se o dia estiver frio, aqueça um pouco o forno, delisgue e deixe a massa crescer lá dentro.

 

E que tal fazer minipanetones decorados para a criançada?


Sopa de Mandioquinha no Pão

22 de julho de 2011 1
 Fotos Márcia Feijó


 

 Mandioquinha salsa, batata baroa, batata salsa, batata fiuza, batata aipo, aipim branco, cenoura amarela e salsa. Ela é conhecida pelos mais diversos nomes no Brasil. Rica em vitaminas do complexo B e em saias minerais, como potássio e ferro, ela não era muito bem cotada até um tempo atrás. Mas atualmente, é presença contsnate nos supermercados e verdureiras do Centro-Sul do país, onde seu cultivo é elevado.

Macia e fácil de cozinhar – ela se desmancha compeltamente – é o ingrediente perfeito para tornar uma sopa mais cremosa ou para um belo purê. Ela também pode ser a estrela de um prato que aquece até a alma neste inverno: a sopa no pão.

Sopa de Mandioquinha no Pão 

 Ingredientes:

1 kg de mandioquinha

3 copos de água

1 colher (sopa) de gengibre em pó

cebolinha picada a gosto

sal a gosto

4 pães italianos de tamanho médio

Como fazer:

Primeiro prepare os pães. Com uma faca afiada, desenhe um quadrado no topo de cada um e faça o corte profundo seguindo estas linhas, mas procurando não chegar até a base. Retire o quadrado do miolo e forme uma tampa com ele, cortando fora o excesso. Com as mãos, escave o miolo do pão tomando cuidado para não deixar finas demais a base e as paredes. Repita a operação em todos os pães e reserve-os.

Descasque a mandioquinha e corte em rodelas. Coloque para cozinhar na água, de preferência em caçarola funda, com cerca de meia colher de sopa de sal. Quando ferver, diminua um pouco o fogo para não grudar no fundo, e procure amassar os pedaços para que a mandioquinha desmanche totalmente, virando um creme. Acrescente o gengibre e, se precisar, mais sal. Deixe no fogo mais um ou dois minutos. Em seguida, adicione a cebolinha picada e desligue. Coloque uma porção de sopa no interior de cada pão e feche com a tampa para servir.

Rendimento: 4 porções

 

Quer ver a receita da Sopa de Ervilha no Pão? Clique aqui

 


 


 


 


 












Arraial bom sempre tem maçã do amor

22 de junho de 2011 5

Uma das coisas mais legais das festas juninas, para mim, é a maçã do amor. Sempre achei meio misteriosa aquela cobertura vitrificada. Imaginava que seria muito complicado fazê-la, mas descobri que não é tão difícil assim.

O mistério, na verdade, é o vinagre, que ajuda a deixar a calda semelhante ao vidro, lisinhas, brilhante e endurecida. E  jamais mexê-la com a colher, para não perder o ponto e ficar granulada.

Também requer certa habilidade, para cobrir as maçãs rapidamente antes que a calda endureça. Mas nada que, com alguma paciência, qualquer leigo não seja capaz de fazer.

Foto Márcia Feijó

Aqui vai a receitinha: 

 


 


 

Maçã do Amor

Ingredientes:

250 g de açúcar

125 ml de água

1 colher (sopa) de vinagre

1/2 colher (chá) corante vermelho em pó

6 maçãs pequenas

6 palitos de picolé

1 colher (sopa) de óleo

 

Como fazer:

Lave e seque bem as maçãs. Espete-as com 1 palito de picolé (não deixe-o frouxo) e reserve.

Com o óleo, unte 1 assadeira de alumínio com espaço de sobra para as 6 maçãs.

Coloque a água ,açúcar, vinagre e o corante em uma panela com alça. Cozinhe em fogo médio até dissolver o açúcar.

Para misturar o conteúdo, segure a panela pelas alças e chacoalhe levemente. Não use colher para mexer, pois isto deixará a calda açucarada.

Quando ferver, diminua o fogo e cozinhe por mais 25 minutos, aproximadamente.

Para testar se o ponto está bom, mergulhe a ponta de um dos palitos na calda e pingue sobre a assadeira untada. Em poucos segundos ela deve endurecer e, pressionada, irá quebrar como vidro.

Desligue o fogo e mergulhe cada maçã na calda, virando-a para que ela fique totalmente coberta. Escorra rapidamente dentro da panela e coloque sobre a assadeira para secar. 

Dica: é importante já deixar as maçãs preparadas com o palito espetado, pois a calda, após desligada, endurece rapidamente.

Se preferir, embale com saquinhos plásticos e feche com um laço de fita.



 







O que fazer com o mel que cristalizou?

07 de junho de 2011 3

Aqui vai uma dica legal dicas sobre mel enviada pela equipe da Feira do Mel de Florianópolis, que começa amanhã, no Largo da Alfândega, no Centro da Capital:

:-P  Com a chegada do frio, o mel costuma ficar cristalizado e endurecer. Para melhorar a consistência e facilitar o consumo é preciso descristalizá-lo. Basta colocar o mel em banho maria a 40°C (calor suportável quando se põe a mão dentro da água) e mexer lentamente. Mas, é bom ficar atento, se a temperatura ficar muito alta o mel pode perder algumas propriedades.

A Feira abre amanhã, das 10h às 18h, e segue até sábado. Na quinta e na sexta o horário é das 8h às 18h. E no sábado é das 8h às16h.


Duas experiências com limão

13 de maio de 2011 3

Descobri umas dicas legais sobre limão. Se você corta a fruta e usa só uma parte, acaba perdendo a outra. Pois, mesmo guardada na geladeira, ela fica com um gosto amargo e logo resseca.

Uma das dicas é guardar o limão dentro de um pratinho com um pouco de água. A outra guardar a metade dentro de um prato sob uma xícara emborcada.

Coloquei em prática os testes dos dois métodos ontem à noite. Hoje pela manhã as duas metades guardadas realmente conservaram o sumo sem aumentar o amargor e sem ressecar.

 

Emergência bacalhau. Como dessalgar de hoje para amanhã?

21 de abril de 2011 0

Se você deixou para comprar o bacalhau do almoço de amanhã na última hora, como eu, e não achou a opção já dessalgada, está com problemas. O dessalgue normal de uma posta com altura média leva cerca de 24 horas. Então, você vai precisar apressar a operação.

Um dos métodos que se encontra pesquisando rapidamente na internet é deixar sob fio de água constante por 12 horas. O quê?? Qualquer um que pense ecologicamente vai achar esta alternativa horrível.

Deixar dessalgar fora da geladeira é outra opção rápida, mas o bacalhau pode estragar se estiver quente.


O livro Sebastiana Quebra-Galho também ensina um truque para quem esqueceu que precisava colocar o bicho de molho. De acorda com ele, é preciso levá-lo  ao fogo e aferventar com bastante água e de 2 a 4 colheres de sopa de sal (tem certeza Sebastiana???), de acordo com a quantidade de bacalhau. Depois escorrer , escaldar em água fria e tornar a levbar ao fogo com bastante água fria e sem o sal (é né…) para nova fervura. Escorre de novo e verificar o sal. se necessário dar mais fervuras sempre com água pura e sem sal. Alguém quer testar essa?


Eu vou fazer o que a minha amiga Keli me ensinou: trocar a água de tempos em tempos, entre hoje e amanhã. Também ajuda cortá-lo em postas menores, embora o determinante seja a altura da posta e não sua largura, conforme o que achei na minha googlada.

Há ainda uma opção de emergência se, amanhã, você perceber que o sal continua demasiado: cobrir o bacalhau com leite e fervê-lo.

Boa sorte para você e para mim. Depois conto se deu certo.

Se a meta for fazer o bacalhau para o jantar, fica mais fácil. O bacalhau desfiado leva apenas 6 horas para dessalgar pelo método normal, mergulhado em água gelada.


Cursos com o chef Vilmar Turnes

01 de abril de 2011 0

Em maio, o chef Vilmar Turnes também irá ministrar cursos de culinária. São aulas expositivas com degustação que serão no Espaço Gourmet SCA Mobiliário Contemporânea (Av. Mauro Ramos, 1690, Centro, Florianópolis), sempre às segundas e terças, das 19h às 22h.

As inscrições devem ser feitas pelo e-mail vturnes@gmail.com ou pelos telefones (48) 8405-0540 e (48) 9622-4547.

Agenda

Módulo 1 – Mediterrâneo – dias 2 e 3 de maio

Antepastos, risoto, nhoque de semolina recheado com linguiça Blumenau, nhoque de abóbora com molho vermelho, semifredo com zabaione e torrone


Módulo 2 – A arte da panificação – dias 9 e 10 de maio

Pães recheados, baguetes, pão italiano, pães doces, pães integrais, focaccia, pães achatados


Módulo 3 – Botequim – dias 16 e 17 de maio

Escondidinho, filé mignon com massa folhada, camarão empanado no coco, bruschettas, gazpacho picante


Módulo 4 – Contemporâneo – dias 23 e 24 de maio

Carpaccio de pupunha e vieiras, brandade de bacalhau com cogumelos frescos, cozimento em baixa temperatura (bacalhau, ostras), sorbet de manjericão, purês modernos, reduções diversas


Módulo 5 – Confeitaria - dias 30 e 31 de maio

Massas base (sucre), recheios variados, trufas de chocolate com limão e mel, tarte de maçã e creme brulée, brownies com recheio de cheesecake, profiteroles, merengues
 

Veja mais opções de cursos aqui e  aqui.





 

Xô cheiro de fritura!

28 de fevereiro de 2011 0

O óleo essencial da Linha Relax Interlar, que mencionei no post de ontem, por ser concentrado, age rapidamente para eliminar cheiros desagradáveis da cozinha. Mas você também pode experimentar uma solução natural: ferver cascas de laranja.

O vapor que emana delas ajuda a afastar estes odores malignos que impregnam o cozinha após fritar um bifinho ou famigeradas batatinhas.

Coloque as cascas numa panela e ferva tudo por alguns minutos. Se tiver em casa, acrescente ainda alguns cravos e um pau de canela.

Aliás, esta dica não é eficiente só com cheiro de fritura. Testei ontem na cozinha de casa depois de uma farta produção de tempero caseiro (que tem alho entre seus ingredientes). O cheiro ruim “evaporou” rapidinho e sobressaiu-se um agradável aroma de laranja com canela e cravo em toda casa.