Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Posts com a tag "Dicas"

Comece 2012 sem ressaca

01 de janeiro de 2012 0

Bebemorou todas na virada do ano? O blog Feito em Casa dá uma ajudinha para você levantar desse sofá e começar 2012 com mais energia.

Aqui vão algumas dicas para curar ressaca.

Feliz Ano-novo para você e para nós. E que 2012 seja repleto de receitinhas gostosas, coisinhas fofas feitas à mão, jardins floridos e cheios de ervas cheirosas e tudo mais o que a gente precisa para que a felicidade seja feita em casa.

Tem lanço de tainha no Gastronomia

01 de julho de 2011 0

Foto Márcia Feijó

Hoje é dia de tainha no caderno Gastronomia do DC e não custa lembrar aqui algumas dicas sobre este e outros peixes.

- Se a tainha não estiver eviscerada, ou seja, limpa, ela só irá durar no máximo dois dias na geladeira. Limpa, guardada no congelador, inteira ou em postas, a durabilidade é muito maior.

- Guarde o peixe ainda não limpo embrulhado em papel alumínio, para o cheiro dele não se espalhar pela geladeira.

- Tainha fresca é muuuito melhor. Mas se você a manteve congelada, descongele dentro da própria geladeira, cerca de 6 horas antes de prepará-la.

- Outros temperos recomendados para pratos à base de peixe: coentro e estragão.

- Carne de peixe “pega” tempero muito rápido. Portanto, é bom não deixá-la marinando. Tempere e coloque em pouco tempo no forno.

- Depois de usar a panela para cozinhar o peixe, ferva nela água com folhas de chá para tirar o cheiro.

- Ferver uma caneca de água com tiras de casca de laranja também ajuda a tirar op cheiro de peixe da cozinha.


Aqui no blog também tem dicas de como escolher o peixe, mais informações sobre o preparo e a receita da Tainha Fresca.


Chegou mais tainha. Fica de olho nas dicas

09 de junho de 2011 0

Apareceu mais tainha na Ilha, ontem, desta vez na Barra da Lagoa. Nada menos do 15 toneladas. Então, ficam valendo as dicas deste post e as colaborações dos leitores – desde os mais tradicionais até as propostas mais gourmet.

 


Truques para um bom macaron

04 de abril de 2011 6

A Graziela deixou um comentário aqui no blog, no final de semana, contando que ela tem perdido a segunda fornada de macarons. A quantidade de massa da receita precisa ser feita em duas fornadas. No começo, eu também estava perdendo a segunda fornada. Eles rachavam, demoravam um mundo para assar e ainda ficavam crus no meio.

A dica da mestra Valderez é a seguinte: não deixar a massa por muito tempo no recipiente em que ela foi batida. O certo é já colocar toda no saco de confeitar e distribuir as bolinhas sobre os tapetes de silicone. Mas isto demanda que você tenha pelo menos dois tapetes de silicone.

Eu experimentei fazer assim, no sábado, e melhorou batante.

Tem uma outra dica especial: usar a grade inferior do forno – assim eles não demoram tanto para assar na parte debaixo.

Agora, quanto à regulagem do forno convencional, tem mesmo que ir testando e sentindo os resultados. Como o meu parte de 180 graus, eu asso com a porta entreaberta, travada por uma colher de pau, nos primeiros 15 minutos. No restante do tempo, abro mais um pouquinho (uma mão aberta). E vou virando a assadeira de tempos em tempos, para que os do fundo não rachem e os da frente não fiquem crus.

Confira aqui a receita de macaron.

Macaron: um francês cheio segredos

25 de março de 2011 29

Contei que fiz um curso de macarons na Oficina Culinária. Agora passo a receita e algumas dicas da professora. Mas adianto que o melhor mesmo é aprender assistindo ao vivo o trabalho de alguém que entende do assunto, como a Valderez Costa, que nos deu aula. Então, voilá!

Massa básica de macaron

Ingredientes:

110g (1/2 xícara de chá) de claras de ovo – corresponde a 3 claras

130g (3/4 de xícara de chá) de açúcar refinado

100g (1 xícara de chá) de farinha de amêndoaspeneirada

130g (1 xícara de chá) de açúcar de confeiteiro

corante me gel na cor que preferir

Como fazer:

Coloque na panela as claras de ovo e o açúcar refinado. Leve ao fogo brando (150 graus) mexendo sempre até dissolver totalmente o açúcar. Não deixe aquecer demais. Teste com as pontas dos dedos (pegue um pouco da mistura com o polegar e indicador e esfregue um no outro)  para perceber se o açúcar dissolveu bem.

Fotos Márcia Feijó

Transfira esta mistura para o recipiente da batedeira e bata até ficar consistente, formando picos, como na foto.


Adicione a farinha de amêndoas e o açúcar de confeiteiro, previamanete misturados. Mexa bem até que a massa escorra quando você levantar o batedor ou garfo. Acrescente o corante. Coloque a massa num saco de confeitar com bico perlé médio (é aquele com um furo só, mas não muito fininho).

Faça bolinhas do tamanho de uma moeda de R$ ,050 numa assadeira forrada com uma manta de silicone (a mais famosa é da marca Silpat, nome pelo qual é geralmente conhecida). Deixe bom espaço entre as moedinhas. A massa cresce um pouquinho eassim, não grudará. A distância também facilita na hora da retirada.

Coloque a assadeira sobre outra maior – ou sobre uma do mesmo tamanho de costas para ela – para levar ao forno.

Se quiser, nesta etapa pode acrescentar chocolate ou açúcar cristal com glitter comestível dourado sobre a massa. Fica lindo!


O forno. Aí é que mora o perigo. Os macarons devem ser assados em fogo baixíssimo – 160 graus nos primeiros 15 minutos e 130 graus daí em diante. De você tem forno elétrico, tudo bem. Mas se não tem, o truque é o seguinte: assar com o forno entreaberto para que a temperatura não suba demais. Nisso, eu demorei um tempão para assá-los. Mas, em compensação, eles não racharam. É o que acontece quando a temperatura sobe além do que é devido. Use a grade debaixo do fogão.


Se a porta do seu forno não trava, use uma colher de pau para impedir de fechar.


Dica da Valderez: se alguns biscoitinhos racharem (Só alguns? Você pode se considerar uma principiante de sorte então) use-os na parte de baixo do macaron para ninguém notar. (Claro, todo mundo olha, pega e leva direto para a boca sem titubear!)


Quando achar que a massa está assada, levante delicadamente a ponta do silicone. Se eles desgrudarem facilmente e estiverem lisinhos, é porque estão OK. Se estiverem moles embaixo, deixe no forno mais um pouco.





Retire as moedinhas do silicone cuidadosamente para não quebrar (são tão delicados…) e deixe as metades dos macarons esfriarem. Parta para o recheio. Um dos mais usados é o ganache de chocolate, branco ou preto. Ou um creme de manteiga. Você pode testar bebidas e diversos outros ingredientes para mudar o sabor. Sempre prestando atenção para não alterar a consistência, pois você não vai querer um creme duro demais ou escorrendo do seu macaron, né?. Você também pode usar corante em gel para deixar o creme na mesma cor dos biscoitinhos. Ou contrastando com eles.

Entenderam porque eu fiquei das 18h às 23h30min na cozinha sábado passado? Mas valeu a pena.

PS.: Os macarons podem ser congelados até 3 meses.

 

Leia mais sobre macarons aqui e aqui.


Oficina Culinária

Endereço: Avenida dos Buritis, 327, Parque São Jorge, Florianópolis

Fone: (48) 3334-0372

Site: www.oficinaculinariafloripa.com.br

E-mail: contato@oficinaculinariafloripa.com.br

O primeiro macaron ninguém esquece

25 de março de 2011 33

Fotos Márcia Feijó


Contei na semana passada que tinha participado de uma oficina para aprender a fazer macarons. Morria de curiosidade a respeito destes doces muito populares na França mas nascidos na Itália (leia o post abaixo), coloridos, lindos e deliciosos. Já havia pesquisado receitas na internet, mas elas me pareciam meio complexas. Além disso, receitas da rede geralmente não revelam os truques mais preciosos.

Pois eu tinha razão. De tudo o que eu já havia lido a respeito, nada foi tão revelador quanto a aula da Valderez, da Oficina Culinária. Mas fiquei apavorada com a ideia de repetir tudo sozinha. O processo é cheio de detalhes. E é preciso respeitá-los.

No sábado acordei cheia de coragem. Peguei um ônibus na companhia dos meus dois pimpolhos e fui para o centro de Floripa, na loja da D. Ana Spinoza (Mercado Público), comprar os tapetes de silicone necessários para assar os ditos macarons. Claro que já aproveitei e comprei mais umas coisinhas: uma forma de torta com fundo falso, forminhas de pão de mel quadradas, cortador de biscoito em forma de coelho e canetinhas par desenhar em biscoitos (gente, aquele lugar é uma perdição para quem gosta de cozinhar!)

Enfim, como já tinha garantido a farinha de amêndoas antes, no final da tarde de sábado me joguei na cozinha. Meninada, a sessão foi longa: das 18h às 23h30min, mais especificamente, ao lado do fogão – não dá para descuidar dos bichinhos no forno.

 

O resultado foi o das fotos no topo e no pé deste post. Fiz duas fornadas: uma verde limão e a outra roxo bruxinha.

Domingo, trouxe amostras do primeiro teste de macarons aqui no jornal. Parece que fui aprovada.

Logo posto a receita, dicas e segredinhos.

Veja aqui como fazê-los.





Os 9 mandamentos de um bom peixe

24 de março de 2011 0
O Caminhão do peixe começou a circular ontem pelos bairros de São José. Foto Charles Guerra
Chega março, Quaresma, quase indo para a Páscoa, bate aquela vontade de comer um peixinho. E já que falamos sobre o projeto Caminhão do Peixe, no post abaixo, acredito que seja uma boa hora para desvendar o grande mistério que nada ao redor deles: como escolher um bom peixe.


Pode parecer algo complicado para os leigos, mas existem algumas regras que podem ajudar a fazer a coisa certa.
Então, vão aqui a tábua dos 9 mandamentos para a escolha de um bom peixe.
Fica frio aí


Em primeiro lugar, os peixes devem ser mantidos sob refrigeração ou envoltos em uma espessa camada de gelo, mesmo que sejam frescos.

Encare-o de frente

Os olhos de um peixe fresco jamais se encolhem nas órbitas. Eles devem estar brilhantes e salientes, sem pontos brancos no centro.

Saradão é bem melhor

Se tiver um saquinho de plástico à mão, coloque na mão e verifique a textura. A carne deve ter elasticidade e não soltar dos ossos facilmente.

Pele descamando não

As escamas também devem estar resistentes, além de parcialmente transparentes e brilhantes.

Tudo vermelho

Aproveite e investigue as brânquias. Vermelho é a cor delas. Se perceber um líquido pastoso (muco), isto não é bom sinal.

Meta a mão nas guelreas dele

Um peixe de boa procedência oferecerá resistência a este seu ato invasivo. A pele sobre as guelreas deve ser rígida e também devem estar vermelhas na parte interna, com vasos sanguíneos cheios.

Era um peixe sem máculas

A pele precisa ser úmida e também demonstrar elasticidade. Sem manchas, cortes ou furos.

Gélido e sem frescuras

As mesmas dicas valem para o peixe congelado. Confira ainda se a embalagem não contém acúmulo de líquido e se o peixe não está mole – sinal de que está descongelando ou foi descongelado.

Diga-me onde vives e te direi quão congelado estás

Observe ainda o balcão frigorífico. Se tiver água ou gelo concentrado em alguns pontos, é porque este não teve a temperatura ideal mantida. Ou seja, ficou desligado ou com temperatura inadequada quando não tinha movimento no mercado.


Confira a programação do Caminhão do Peixe no post abaixo.


Conhecimentos do tempo da avó

03 de março de 2011 0

Quer ganhar um exemplar do livro Como Pregar um Botão – E Outras Coisas Úteis que sua Avó Sabia Fazer, de Erin Bried? Ainda está em tempo.

É só responder a uma frase e concorrer. Veja aqui como participar.

Promoção Como Pregar um Botão

25 de fevereiro de 2011 1

DivulgaçãoSemana passa recebi o release de um livro aqui na redação. O texto de apresentação da autora era assim:

Erin Bried é redatora da revista Self, na qual escrever sobre saúde, nutrição e psicologia, e é responsável pelos eprfis de celebridades como Angelina Jolie, cameron Diaz, jennifer Aniston, Sheryl Corw, entre outras. Bried foi editora de importantes revistas femininas como Glamour e Condé Nast Women’s SAports & Fitness. Mora no Brooklyn, em Nova York, onde cultiva tomates na saída de emregência da sua casa, faz cachecóis de tricô para pessoas queridas e come uma torta caseira no café da manhã sempre que possível.

Nunca cheguei perto da Angelina Jolie, mas acredito piamente que é possível cultivar tomates - há mudas recentes na minha sacada. Este é o espírito aqui do Feito em Casa, não?

O livro é ótimo e, como achei que os leitores do blog também iam gostar, consegui com a editora Civilização Brasileira um exemplar para fazermos uma pequena promoção.

Se você quer ganhar um exemplar de Como Pregar um Botão,  responda à pergunta:

Qual a tarefa doméstica que você acha mais difícil de executar e por quê?

Basta clicar aqui e responder. A resposta mais criativa leva o livro. 

Mas atenção: tem que entrar no link da promoção para responder. Respostas que entrarem como comentário no blog nãos erão consideradas.
 
 
Serviço do livro:

Como Pregar um Botão _ E Outras Coisas Úteis que sua Avó sabia Fazer, de Erin Bried. Trad. Doralice Lima. Civilização Brasileira. 322 págs. R$ 37,90







Single food - mesa para um

27 de setembro de 2010 2

Reprodução internet

Recebi um pedido especial da minha colega Jacqueline Iensen. Ela mora sozinha e me sugeriu que publicasse algumas receitas para solteiros, com porções únicas.

Conversando sobre isto, percebemos que a maioria das receitas que a gente encontra são mesmo de porções maiores, para no mínimo quatro pessoas. São raras as receitas de comidinhas gostosas com dosagem bem pequena de ingredientes.

Então, a pedido da Jacque vou tentar garimpar um cardápio com pratos rápidos, práticos e para uma só pessoa. O nome nós até já escolhemos. Depois da finger food e da confort food, vem aí a single food. :lol:

A primeira coisa a ter em mente é que, mesmo cozinhando para um só, vale a pena caprichar. Tanto no conteúdo quanto na decoração. E na colocação da mesa também.

Na época em que eu era solteira, sempre me diverti cozinhando para mim. E posso atestar: o cheirinho de uma comida caseira faz com que você logo deixe de ter que cozinhar para um e passe a cozinhar para dois (se for essa a intenção, claro…) No meu caso, atraiu um vizinho que há 14 anos virou marido. :lol:

Se alguém tiver alguma dica de receita de uma só porção, é só enviar.