Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
 

Perfil de Ruth Coutinho

21 de março de 2016 0

A história de Ruth Coutinho está diretamente conectada à educação. A blumenauense, que cresceu brincando na rua de carrinho de rolimã e de bicicleta, começou sua vida escolar no Colégio Sagrada Família. Depois de concluir o então ensino Normal, foi se descobrindo como professora, pois adorava ensinar.
Durante sua caminhada profissional, a educadora sembre buscou tornar seu espaço pedagógico diferenciado, construindo jogos educativos e diversas atividades lúdicas que serviam para os alunos interagirem, compartilharem e aprenderem. Retornou aos bancos escolares para a graduação em Pedagogia, pós em Psicopedagogia Institucional/Clínica, Educação Especial e Inclusiva e Neuro/Psicopedagogia.
Logo que se aposentou construiu uma casa onde pudesse desenvolver um atendimento para crianças que necessitassem de ajuda. Nasceu então, nove anos atrás, o Espaço Educativo Vivendo e Aprendendo, no bairro Salto.
Para Ruth, “lidar com pessoas com alguma necessidade é trabalhar com amor, paciência e sem esmorecer, acreditando que apesar das dificuldades todo o indivíduo tem algo de positivo para nos mostrar”.
Uma história linda de vida.

Hobby: cozinhar! A arte de cozinhar me fascina. São tantas misturas e sabores diferentes, é prazeroso fazer um prato para ser degustado pela família e amigos.

Lugar Inesquecível: Gramado e região. É a paisagem, a natureza, flores que encantam a todos os que lá vivem e chegam para conhecer.

Música: Unforgetable, dueto de Natalie Cole e Nat King Cole.

Mania: adoro tomar chimarrão numa roda de conversa.

Filme: A Teoria de Tudo.

Não vive sem: a família. Lar, aconchego, diálogo. Tudo é vida!

Sonho: um sonho que me acalenta é ver a inclusão ser aceita em todos os níveis sociais… Sei que estamos longe disso, mas pequenos passos já foram dados.

Caos: a política do nosso país. Gente que tem o dever de cuidar do Brasil está cuidando acima de tudo dos próprios interesses, enriquecendo com o dinheiro do povo.

Comida preferida: uma comida que muito aprecio é o matambre recheado, acompanhado de macarronada caseira que a minha mãe fazia.

Cidade em que moraria: Curitiba, com o seu clima e a diversidade cultural lá existente.

Ser professora é: aprender a aprender, é educar a emoção, é acreditar na vida e no futuro, é semear diariamente e colher com paciência, é realizar a mais nobre e bela missão – a de educar e ensinar.

Lembrança que guarda de seu tempo no Colégio Santo Antônio: alunos, colegas, pais, encontros e muitos ensinamentos a respeito de educação que levo para o meu dia a dia. Não poderia deixar de citar um mestre, uma pessoa inesquecível, o frei Pascoal.

Como vê a relação entre o aluno de hoje e o professor? Atualmente, com raras exceções, a aluno olha para o professor com pena, descaso, não o vê com o devido respeito.

Qual o objetivo do Espaço Educativo Vivendo e Aprendendo? Oportunizar um trabalho especializado para todos os indivíduos, com ou sem necessidades educativas especiais, amparando estas necessidades bem como a de suas famílias e escola, através de um ensino diferenciado, preventivo e motivador.

Quais os recursos que usam no ensino das crianças? Na terapia psicopedagógica, privilegiamos os jogos educativos como um recurso a mais, pois ensinam, desenvolvem e estimulam o cérebro a pensar e a tomar decisões.

Quantos alunos hoje frequentam o espaço? Atualmente estamos com 15 alunos na terapia psicopedagógica e três no apoio pedagógico na área de Matemática.

Quem pode frequentar as aulas? Todas as pessoas de três a 90 anos. É um atendimento psicopedagógico específico nas dificuldades apresentadas pelo aluno no momento da avaliação. O primeiro passo, quando conversamos com o responsável pelo aluno, é encaminhá-lo para uma avaliação. O atendimento é realizado duas a três vezes por semana, dependendo da necessidade do aluno. Além disso temos a culinária terapêutica, oficina oferecida a indivíduos que precisam aprender a fazer sozinhos sua rotina diária, fazendo com que este aluno se torne mais autônomo.

Qual o maior desafio para manter uma escola assim? Nossos atendidos são aqueles que tempos atrás estavam fora da escola. Precisamos trabalhar com estas especificidades e acreditamos num trabalho que sempre proporcionará ganhos ao aluno, ainda que em casos mais sérios, pequenos ganhos. Nós trabalhamos sempre com possibilidades, sem comparações e sem medir o tempo.

A comunidade poderia ajudar de algum modo? Poderia sim. Muitas crianças com grandes dificuldades poderiam estar sendo atendidas. Quem sabe pessoas de boa vontade possam adotar um aluno.

Conselho: a melhor escola é o lar, onde a criatura deve receber as bases do sentimento e do caráter. As escolas têm o dever de instruir, mas só a família pode edificar o homem do amanhã.

Frase: “Educar é ser um artesão da personalidade, um poeta da inteligência, um semeador de ideias”, de Augusto Cury.

Ruth Coutinho foto Patrick Rodrigues

Ruth Coutinho foto Patrick Rodrigues

Dê sua opinião

comentários

Envie seu Comentário

%d blogueiros gostam disto: