Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros
Capa ZH ZH Blogs Assine agora

Posts de October 2011

Aproximando pessoas

29 de October de 2011 0

Chegou o dia da travessia, e esse dia veio generoso, carregado de sol.
Reavivando lembranças de outrora e ligando partidas e chegadas, aproximando
cidades que se miram em jornadas que se cruzam em si próprias.
Vontades se fizeram e encurtaram distâncias,
os sonhos já não singram mais em águas distantes
mas navegam de Guaíba a Porto Alegre.

Tadeu Vilani

Tadeu Vilani

Tadeu Vilani

Tadeu Vilani

Tadeu Vilani

Tadeu Vilani

Tadeu Vilani

Tadeu Vilani

Tadeu Vilani


Bookmark and Share

"Yellow Submarine"

28 de October de 2011 1

Enquanto o trânsito tranca o tempo, mergulhamos a procura de imagens e cenas do cotidiano que transbordam ao nosso redor.

Jean Schwarz

Bookmark and Share

Prêmio Vladimir Herzog

26 de October de 2011 1

O Prêmio Vladimir Herzog de Anistia e Direitos Humanos foi criado em 1977, dois anos após o assassinato do jornalista Vladimir Herzog nos porões da ditadura, com o objetivo de estimular os jornalistas, numa época de forte censura, a denunciar os abusos que eram então cometidos. Hoje, o prêmio continua sua missão, premiando reportagens que estimulam a luta pela cidadania, denunciando todo o tipo de violação aos Direitos Humanos.

O colega Valdir Friolin ganhou Menção Honrosa em fotografia nesta edição 2011 do prêmio. As imagens premiadas foram publicadas aqui no FOCOBLOG.

Abaixo o Friolin recebendo a Menção em São Paulo na última segunda – feira.

Foto - Tiago Queiroz/AE

Bookmark and Share

Em mesa… A beleza!

25 de October de 2011 0

Fox/Divulgação

Nos contos de fada, somente os puros de coração podem enxergar o lindo príncipe no sapo feio. Talvez sejamos verdadeiramente humanos ao acreditarmos que a beleza não está tanto nos olhos quanto no coração de quem tem a sensibilidade de ver. Como diria Platão, “o que é bonito, é bom”. Portanto, o inverso vale o mesmo.

O Bonito ou o belo é o bom. Portanto, a verdade, em qualquer forma e situação, é que irá definir o que realmente é belo por natureza, embora essas verdades algumas vezes não sejam atraentes, pois testam nossos conceitos. Mas, assim mesmo, será bela pela sua essência. Quem já não ouviu aquele ditado “quem ama o feio, bonito lhe parece?” O autor, embora desconhecido, já sabia que a beleza nos aflige, perturba algumas vezes e leva até à raiva.

Existem pessoas que, se fôssemos descrever, teriam de testa baixa e nariz caído a bocas cheia de dentes irregulares e acavalados. Porém, essa pessoa com tantas imperfeições tem nela uma poderosa beleza e cativa e encanta as mentes, fazendo com que outros se apaixonem por ela.

Charles Cherra

Por isso, definir a beleza… Seria mais fácil dissecar uma bolha de sabão. Ao natural, isso se repete a cada segundo, mas é o que não ocorre no mercado da beleza. Pessoas pouco convidativas para um dialogo de convivência estão nas mais famosas capas. Elas são belas e desejadas. Fascinam e atraem os mais diversos olhares e servem como formato difuso da realidade bela. Todos querem ficar o mais próximo possível do que está ditando o modismo do mercado belo. Há anos isso já acontece sem essa pretensão. Em uma situação macabra, mulheres que viviam na corte de Luis XVI, mas não eram tão íntimas do rei, pintavam veias azuis no pescoço e no ombro para enfatizar o dito sangue nobre.

Visualizamos as belezas impostas nas novelas com homens e mulheres esculturais, nos telejornais com seus apresentadores usando roupas novas e em programas em que corpos exageradamente perfeitos se exibem em uma vitrine e ditam o amanhã. A verdadeira beleza não está nesses lugares “perfeitos”. Na maioria das vezes, parece lindo e maravilhoso, mas pode não ser verdadeiramente belo.

Mas, ao mesmo tempo, em um asilo aqui perto, voluntárias pintam e penteiam uma senhora de 85 anos, que se prepara para receber visitas que, ao chegarem, lhe dizerm: “Nossa, como a senhora está linda!”.

Bookmark and Share

Anjo

24 de October de 2011 0

Philly Mayer era uma criança saudável e feliz, e então, antes de seu primeiro aniversário, Philly, de repente parou de andar. Sua capacidade motora começou a se deteriorar.
Depois de uma série de testes e perturbação emocional sem fim, os médicos diagnosticaram Philly com atrofia muscular espinhal, uma doença genética que ocorre em um número estimado de 1 em cada 6 mil nascimentos e deixa a coluna subdesenvolvida. Seus pais foram informados de que ele não viveria até os sete anos.
Esta é uma história da determinação de uma família para dar seu filho uma vida inteira e vital. No meio de um grande fardo, uma criança pequena – com uma oferta aparentemente infinita de amor – pode ser a bênção que mantém uma família unida.

A family is determined to give their disabled son a whole and vital life. In the midst of a great burden, one small child – with a seemingly endless supply of love – is the blessing that holds a family together. See the project at http://mediastorm.com/training/a-thousand-more

Dá pra carregar legendas em português no botão CC do player.

Bookmark and Share

Dia de caça

22 de October de 2011 37

O fotógrafo Ronaldo Bernardi flagrou o felino abocanhando o pardal, pode parecer cruel, mas é a lei da natureza.

Ronaldo Bernardi

Ronaldo Bernardi

Ronaldo Bernardi

Ronaldo Bernardi

Ronaldo Bernardi

Ronaldo Bernardi

Ronaldo Bernardi

Bookmark and Share

Não vai mudar tanto assim

21 de October de 2011 0

Reprodução National Geographic

Em uma daquelas reflexões sobre a profissão, lembrei de uma tarde chuvosa no interior do Estado. Naquele dia resolvi parar embaixo de uma marquise, enquanto esperava a chuva diminuir. E vi que logo ali havia um sebo, com revistas antigas e outras coisas mais. Como a natureza lá fora não dava trégua, entrei, afinal de contas, ainda estava com tempo.

Vi algumas revistas amarelas em uma pequena prateleira. Eram edições antigas em inglês da National Geographic Magazine. Obviamente, peguei o bolo todo para olhar. Foi quando ao levantar a segunda, vi que a terceira revista estava virada com a capa para baixo. Folheando de trás para frente, me surpreendi ao ver uma foto.

A curiosa imagem que ainda hoje me faz pensar muito é mesma foto que vi ha anos atrás, uma visão que fez com que eu escolhesse a fotografia como meio de vida. Uma foto simples, mas que mostra como o fotojornalismo deve ser íntimo e preocupado com o que acontece no mundo em qualquer circunstância. Em um momento de muitas discussões a respeito do jornalismo ela dá uma sensação que, apesar da tecnologia, algumas coisas no modo de fazer jornalismo não mudaram tanto assim, ao menos não devem.

Bookmark and Share

Feridas abertas pelo temporal

19 de October de 2011 0

É tempo de comemoração. O fotógrafo Valdir Friolin, de Zero Hora, recebeu Menção Honrosa no Prêmio Vladimir Herzog. O trabalho premiado foi a série Tragédia, ganância do poder público, publicada aqui no Focoblog.

Friolin registrou as imagens na Sexta-feira Santa, 22 de maio.  Logo após as fortes chuvas que cairam sobre as regiões dos Vales e Metropolitana de Porto Alegre, o fotógrafo acompanhou a tragédia durante mais de 18 horas. São cenas que representam a dor e desespero de parentes, amigos e moradores dos municípios de Novo Hamburgo e Igrejinha.

A menção foi a primeira recebida pelo Focoblog. Que venham outras!

Valdir Friolin

Valdir Friolin

Valdir Friolin

Valdir Friolin

Valdir Friolin

Valdir Friolin

Valdir Friolin

Valdir Friolin

Valdir Friolin

Valdir Friolin

Valdir Friolin

Valdir Friolin

Bookmark and Share

O detalhe

16 de October de 2011 0

A belíssima imagem do Ricardo Duarte, congelada hoje, no jogo em que o Internacional de Kléber (foto) derrotou o Avaí. Jogo válido pelo campeonato brasileiro série A.

Ricardo Duarte

Bookmark and Share

Qual o idioma da fotografia?

14 de October de 2011 0

Durante o tempo em que o  fotógrafo sueco permaneceu em  Istambul,  a barreira dos idiomas foi derrubado. Bladh conheceu a família Kaplans durante um passeio com um amigo pelos subúrbios da cidade, consequentemente despertou-lhe o interesse pela vida daquelas pessoas. Segundo o fotógrafo a  situação de vida desesperadora falou por si. “Eu os encontrei  em vários lugares, vivendo em condições precárias, sem eletricidade, água potável ou saneamento”, diz ele.  As dificuldades diárias dos Kaplans falaram com Bladh o idioma universal e fizeram o fotógrafo captar imagens durante 9 anos. E então? Qual o idioma da fotografia? Numa Fotografia o único idioma existente é o sentimento.

Stefan Bladh

Stefan Bladh

Stefan Bladh

Bookmark and Share