Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros
Capa ZH ZH Blogs Assine agora

As coisas como podem (e como devem) ser

26 de March de 2014 0

Ricardo Chavestexto e fotos: Ricardo Chaves | publicado na coluna Reflexo (15/03/2014)

Vem de longe minha admiração e estima pelos uruguaios e seu país. O Uruguai é uma pequena nação latino- americana. Nem por isso, ao que me parece, sua população carrega algum tipo de complexo de inferioridade. Ao contrário, tem orgulho da sua terra, do que são e fazem, na justa medida, sem os arroubos de arrogância tão comuns aos seus vizinhos ao sul e ao norte.

Ricardo ChavesRetornei há pouco de Montevidéu, onde inaugurei uma modesta mostra retrospectiva da minha trajetória de 40 anos como fotojornalista. Confesso que sabia muito pouco sobre o Centro Municipal de Fotografia (CMDF) mantido pela Intendencia (prefeitura) até receber o convite para lá expor. Vi de perto o trabalho que realizam e não exagero ao recomendar às nossas autoridades e aos aguerridos batalhadores pela implantação da Fototeca do Palacinho, ou do Instituto de Fotografia e Artes Visuais de Canela, que sigam o exemplo dos uruguaios.

O CMDF se dedica a conservar, documentar, gerar, investigar e difundir imagens fotográficas de interesse para uruguaios e latino- americanos. Criado em 2002, o Centro guarda um acervo, em permanente crescimento, de 100 mil fotografias históricas e 30 mil fotografias contemporâneas. Estimula a realização de trabalhos fotográficos e a produção de livros de fotografia. Além da sala de exposições na sede, existem três galerias permanentes, a céu aberto, exibindo exposições temporárias de fotógrafos uruguaios ou estrangeiros.

Ricardo ChavesO fotógrafo Daniel Sosa, diretor da entidade e principal responsável pela sua criação, afastou- se da câmera, mas aprofundou ainda mais a sua relação com a fotografia para gerir uma estrutura que envolve 30 pessoas. Revelando todo o seu entusiasmo, ele se empenha agora em abrir definitivamente as portas da nova sede na Avenida 18 de Julio, próximo à Praça Independência. Trata- se de um edifício art déco de três pisos, um terraço e um auditório ( no subsolo) que está em fase final de primorosa restauração.

Ali vai morar a memória uruguaia.

Ricardo Chaves

Bookmark and Share

Envie seu Comentário