Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Largada de Massa e barbeiragem de Maldonado são destaque no TOP 5 do Bahrein

08 de abril de 2014 9
Foto Patrick Baz / AFP

Foto Patrick Baz / AFP

Chegou a hora de conhecer o resultado do nosso TOP 5, que estreia no Blog nesta temporada. Agradeço pela mais uma vez grandiosa participação de vocês desde domingo para definir os destaques da corridaça no Bahrein.

E os mais votados foram a brilhante largada de Felipe Massa — que costurou entre os rivais e pulou de sétimo para terceiro — e o toque de Pastor Maldonado (Lotus) em Esteban Gutiérrez (Sauber), fazendo o mexicano capotar.

Não conhece o TOP 5? Então, confira abaixo um resumo e o resultado, claro! O balanço sempre será divulgado nas terças-feiras após cada corrida. O próximo é no Bahrein, no dia 6.

1. Piloto com melhor desempenho (Troféu “Esse é galo!”)
2. Piloto com pior desempenho (Troféu “Mas é um guri de apartamento!”)
3. Momento mais marcante (Troféu “Que barbaridade, tchê!”)
4. Momento mais frustrante (Troféu “Bah, essa é de cair os butiá do bolso!”)
5. Melhor ultrapassagem (Troféu “Maizá índio véio!”)

top5_bahrein

Vídeo revela o segredo que faz a Mercedes dominar o começo do campeonato de F-1

08 de abril de 2014 6
Foto Marwan Naamani / AFP

Foto Marwan Naamani / AFP

Um segundo mais rápido por volta. A média é assustadora, mas real. A arracanda da Mercedes impressiona. Parece outra categoria, tamanha vantagem. E qual é o segredo? Pois reportagem da britânica Sky Sports mostra qual é o diferencial dos alemães neste início de campeonato.

Se em 1992 a Williams surpreendeu com a suspensão ativa e em 2009 a Brawn GP disparou rumo ao título com o difusor duplo, desta vez o “pulo do gato” está no motor. Mais precisamente no desenho interno, com a diferente disposição da turbina e do compressor de ar.

Nigel Mansell na Williams "de outro mundo", em 1992

Nigel Mansell na Williams “de outro mundo”, em 1992

A grande diferença é que, nos carros da Mercedes, o compressor de ar está localizado na frente, e não na parte traseira do motor. Parece algo simples, mas não é. O rearranjo interno resulta, por exemplo, em mais eficiência do carro, maior potência e menos consumo de combustível.

O projeto ainda garante menor arrasto aerodinâmico — com a redução do tamanho das entradas de ar laterais, por exemplo — e um modelo equilibrado, por mudanças como a possibilidade de trazer a caixa de marchas mais para frente, melhorando o centro de gravidade do carro.

Veja o vídeo apresentado pelo ex-piloto e atual comentarista Martin Brundle

Pontuais, as mudanças ajudam a entender como Lewis Hamilton e Nico Rosberg abriram 33 segundos para os rivais ao longo do GP do Bahrein e, após o safety car, conseguiram ficar 23 segundos à frente do terceiro colocado Sergio Pérez com apenas 10 voltas até a bandeirada.

Em tempo: as outras equipes que usam motores Mercedes dispõe da mesma unidade de força dos alemães, mas não tiveram o mesmo tempo que a equipe de fábrica para combinar essa “vantagem” com o projeto aerodinâmico do carro — a Mercedes trabalha nisso há dois anos.

Foto Patrick Baz / AFP

Foto Patrick Baz / AFP

E tem mais: tudo indica que o domínio persistirá, uma vez que terminou em 28 de fevereiro o prazo para homologação dos motores para a temporada. Portanto, se em 2009 a Red Bull conseguiu emparelhar a disputa com a Brawn, desta vez não há como copiar sem mexer neste projeto, o que resultaria em uma quebra de regulamento.

Portanto, amigos, uma coisa é certa: salvo uma catástrofe, temos uma campeã de construtores garantida e dois candidatos ao título: Hamilton e Rosberg. Que culpa eles têm? Nenhuma. O fato é que a mudança era conhecida por todos há um bom tempo e a “sorte” da Mercedes é ter visão, planejamento e qualidade.

Confira o resultado do Bolão após o GP do Bahrein

07 de abril de 2014 7

Boa tarde fãs dos autinhos! Depois de uma corrida incrível no Bahrein, é hora de conferir os resultados do Bolão. Assim como na F-1 atual, temos um líder isolado após a terceira prova da temporada.

Confira os critérios:

Pole position: Nico Rosberg (Mercedes) — 15 pontos
1º colocado: Lewis Hamilton (Mercedes) — 25 pontos
2º colocado: Nico Rosberg (Mercedes) — 18 pontos
3º colocado: Sergio Pérez (Force India) — 15 pontos
4º colocado: Daniel Ricciardo (Red Bull) — 12 pontos
5º colocado: Nico Hulkenberg (Force india) — 10 pontos
Equipe com mais pontos: Mercedes (43) — 10 pontos
Último colocado: Adrian Sutil (Sauber) — 10 pontos
Colocação do Felipe Massa:
7º — 20 pontos

Principais destaques

— Ninguém acertou o Sergio Pérez como terceiro colocado

— Só o Adalberto acertou Adrian Sutil como último colocado

— 13 acertaram o sétimo lugar de Felipe Massa

Vencedores da etapa

— Arian Fagundes, Bernardo Dutra, Bruz, Luiz Waclaw, Mailan Moraes e Welisnei França, com 73 pontos

Acesse a classificação atualizada

Schumacher estaria respondendo a vozes e se comunicando com os olhos, diz imprensa europeia

07 de abril de 2014 3

Schumi 3

Internado há mais de três meses, Michael Schumacher dá sinais animadores de recuperação. Depois de a porta-voz do ex-piloto confirmar que o alemão tem sinais de “consciência e despertar”, a imprensa europeia revelou que Schumi já faz contato visual e reage a vozes.

Os relatos são dos jornais Gazzetta dello Sport (Itália) e Bild (Alemanha). Segundo as reportagens, Schumacher estaria respondendo a estímulos de vozes e se comunicando com os olhos — um ótimo sinal de recuperação do acidente de esqui em dezembro passado.

Ex-piloto da Ferrari e amigo da família, Jean Alesi disse à revista suíça Speedweek ter visitado Schumacher algumas vezes. E revelou mais detalhes do estado de saúde do heptacampeão:

— Primeiro, o Michael só respondia à dor, quando era beliscado, por exemplo, mas isso também podia ser uma reação inconsciente do corpo. Durante minha última visita, percebi que ele estava começando a mudar para melhor. Senti, junto com a família, um pouco de alívio. É fabuloso, mesmo que o caminho de volta à vida ainda seja longo.

Schumacher — homenageado no fim de semana no GP do Bahrein com o nome de uma curva e uma faixa com os dizeres “nosso pensamentos e orações estão contigo, Michael” — sofreu uma grave lesão na cabeça após cair enquanto esquiava, nos Alpes franceses.

TOP 5 - Vote nos destaques do GP do Bahrein

06 de abril de 2014 0

Depois do espetacular GP do Bahrein, participe  da nossa grande novidade do ano, o TOP 5, e escolha os destaques da terceira etapa do campeonato da Fórmula-1.

Com nomenclatura típica gaudéria, o troféu terá, após cada corrida, três indicados por categoria. A votação vai até segunda-feira. Na terça-feira, divulgo o resultado.

Após duelo espetacular, Hamilton supera Rosberg e vence no Bahrein. Massa dá azar e só é sétimo

06 de abril de 2014 12
Patrick Baz / AFP

Patrick Baz / AFP

Na melhor corrida da Fórmula-1 dos últimos tempos, Lewis Hamilton deu um show no Bahrein. Ao vencer superando companheiro Nico Rosberg em um duelo espetacular, deu pinta de campeão.
Depois de uma largada incrível, Felipe Massa flertou com o pódio. Mas, na hora decisiva da corrida, o brasileiro deu azar com a entrada de um safety car e foi apenas o sétimo.

Tão logo as luzes vermelhas se apagaram, Massa pulou de sétimo para terceiro. Conteve o ímpeto das Force India, mas logo sucumbiu devido ao desgaste dos pneus. Por duas vezes, esteve atrás do companheiro Valtteri Bottas, mas não conseguiu superá-lo na pista.

Ao mudar a estratégia e parar mais cedo nos boxes, Massa voltou à frente do finlandês. Mas depois de um imprudente Pastor Maldonado (Lotus) fazer Esteban Gutiérrez (Sauber) capotar ao tocá-lo na lateral, um safety car atrapalhou Felipe.

Marwan Naamani / AFP

Marwan Naamani / AFP

Com os carros próximos um do outro, Massa acabou mais se defendendo de Bottas do que atacando o tetracampeão Sebastian Vettel. Na única tentativa de ultrapassar o alemão, foi fechado e quase parou fora da pista. Pelo desempenho, porém, o sétimo lugar foi decepcionante.

Outra vez, Massa foi vítima do azar — o mesmo que o fez sair precocemente do GP da Austrália e que o atormentou várias vezes na Ferrari. A boa notícia é que voltou a superar Bottas, ainda mais depois de receber ordem para deixá-lo passar uma semana antes.

Marwan  Naamani / AFP

Marwan Naamani / AFP

As ultrapassagens deram o tom de uma corrida intensa e que se tornou ainda mais bela com a noite no deserto e a espetacular iluminação articial do Bahrein. Por várias vezes, colegas de equipe se degladiaram na pista. Limpas, as disputas foram incríveis e sem interferência dos chefes.

Na surpreendente Force India, o mexicano Sergio Pérez superou Nico Hulkenberg e garantiu um inesperado pódio. Já na Red Bull, Vettel foi ultrapassado com facilidade pelo ousado Daniel Ricciardo. Enquanto isso, a Ferrari foi uma decepção e cansou de ver rivais sumindo do espelho e empurrando Kimi Raikkonen e Fernando Alonso para trás.

Lá na frente, com um domínio imbatível, as Mercedes foram impecáveis. Depois do safety car, Rosberg — com pneus mais novos — atacou Hamilton. O duelo foi limpo e espetacular. Em uma pilotagem incrível, o britânico segurou no braço, venceu a segunda consecutiva e diminuiu para 11 pontos a diferença para o alemão no campeonato, esquentando o duelo interno pelo título.

Patrick Baz / AFP

Patrick Baz / AFP

Outros destaques

— Ao cruzar a bandeirada em nono, à frente de Raikkonen, Alonso comemorou. Embora a festa pareceu ter sido pela vitória no duelo interno, o motivo foi outro: uma ironia ao fraquíssimo carro dos italianos.

— No meio da prova, a Red Bull deu ordem velada para Vettel abrir caminho para Ricciardo. E, surpreendentemente, o alemão acatou. O australiano não só andou mais rápido como mostrou que não chegou ao time tetracampeão para ser mero coadjuvante.

— Ao não darem ordem para os pilotos aliviarem nas disputas na pista, Mercedes, Force India e Williams deram aval ao que todos esperam ver em uma corrida de carros: que vença o melhor.

Os 10 primeiros

1 — Hamilton (Mercedes)
2 — Rosberg (Mercedes)
3 — Pérez (Force India)
4 — Ricciardo (Red Bull)
5 — Hulkenberg (Force India)
6 — Vettel (Red Bull)
7 — Massa (Williams)
8 — Bottas (Williams)
9 — Alonso (Ferrari)
10 — Raikkonen (Ferrari)

Próxima corrida: 20 de abril, na China

Massa confia no retrospecto para superar Bottas e pôr fim à polêmica no Bahrein

05 de abril de 2014 0

massa_bahrein
Fortalecido após receber um pedido de desculpas da Williams mesmo tendo ignorado a ordem dos boxes para deixar o companheiro Valtteri Bottas passar, Felipe Massa chega ao Bahrein ainda mais convicto do que fez há uma semana, na Malásia.

Mas engana-se quem pensa que o episódio foi superado. O finlandês ficou mordido e fará de tudo para superar o brasileiro. A favor de Massa, além da confiança renovada, está o retrospecto: duas de suas 11 vitórias foram no circuito de Sakhir.

E há outro motivo que promete tornar ainda mais acirrado o duelo interno neste domingo: o desempenho da Williams. Na pré-temporada, o time inglês chegou a superar a hoje imbatível Mercedes justamente no Bahrein. Claro que os carros evoluíram desde lá, mas o clima seco e as longas retas são um trunfo — que pode virar pesadelo se houver nova disputa.

Na primeira entrevista que deu ao chegar ao Oriente Médio, Felipe confessou que, ao ouvir a repetida frase “faster than you” (mais rápido do que você) — idêntica à mensagem recebida para deixar Fernando Alonso vencer o GP da Alemanha de 2010, pela Ferrari —, teve vontade de rir:

_ Foram as mesmas palavras, deu vontade de rir na hora. Era a segunda corrida na equipe, não esperava ouvir aquilo. A equipe entendeu que foi um erro e concordou que não vai acontecer de novo.

massa_bahrein_2
O brasileiro também reiterou que, caso volte a receber uma mensagem com o mesmo teor, não vai obedecer. Apesar do pedido de desculpas dado pela chefe-adjunta Claire Williams, o pai e chefão dela, Frank, pensa diferente. Perguntado sobre a disputa interna, deixou um recado subentendido à dupla:

— Os pilotos competem pela equipe e não para eles próprios.

É por isso que, após a desobediência, Massa precisa acelerar. Afinal, Bottas é um piloto com extraordinário potencial e vai dar trabalho, sim. Também será preciso ter resultados consistentes porque, no momento, Felipe está oito pontos atrás do finlandês. Como exigirá preferência se não superá-lo no campeonato? Terá de mostrar, na pista, que é realmente o piloto número um da escuderia.

Para isso, um bom desempenho no Bahrein — que terá sua primeira corrida noturna em 10 edições — é vital para embalar uma sequência positiva. Na Austrália, faltou sorte à Massa. Na Malásia, a chuva do treino, associada a um erro de estratégia, custou caro.

Agora, é a vez de pisar fundo no deserto, onde já venceu em 2007 e 2008. É apenas a terceira do ano, mas talvez essa seja a corrida mais crucial para o futuro dele na Williams.

Relembre outras ordens de equipe controversas

Hoje sim, hoje não

Era Dia das Mães no Brasil. Na Áustria, Rubens Barrichello largou na pole e liderou toda a corrida. A temporada de 2002 ainda estava na primeira metade. Faltando poucas voltas para a vitória, porém, o companheiro Michael Schumacher se aproximou perigosamente.

A distância diminuiu, mas Rubinho entrou na reta final à frente. Narrador da TV Globo, Cléber Machado comemorou em tom provocativo, fazendo referência às ordens de equipe que já haviam prejudicado o brasileiro contra o até então tetracampeão:

— Hoje sim, hoje sim…Hoje não.

Barrichello freou a poucos metros da bandeirada, mandado pela equipe. Schumacher venceu e foi vaiado como nunca na carreira. No pódio, visivelmente embaraçado, entregou a taça de vencedor a Rubinho e o fez subir no lugar mais alto. Dali em diante, o brasileiro virou eterno número dois na escuderia até 2005, quando foi para a Honda.

“Fernando é mais rápido do que você”

Felipe Massa retomava aos poucos a carreira após o grave acidente sofrido na Hungria, em 2009. Era líder do GP da Alemanha quando ouviu a mensagem pelo rádio:

— Fernando é mais rápido do que você. Você entendeu a mensagem?

De olho no título de 2010 para o espanhol, cujo desempenho no campeonato superava o de Massa, a escuderia viu ali a chance de obter pontos preciosos. Para os fãs brasileiros, no entanto, o episódio era mais uma afronta da Ferrari. Só que a expectativa de que Felipe fosse se rebelar foi em vão.

Massa cedeu a vitória para Fernando Alonso e, desde então, passou a ser fiel escudeiro do bicampeão. Ao deixar a Ferrari, no ano passado, revelou que aquele foi o pior momento na equipe desde 2006, quando estreou ao lado de Michael Schumacher substituindo o compatriota — e também submisso — Rubens Barrichello.

Rebeldia ao “Multi 21″

A Red Bull dominava o início do campeonato de 2013. Na Malásia, a vantagem era tanta que a vitória já estava assegurada muito antes da bandeirada. À frente, Mark Webber seguiu orientação do time e diminuiu o giro do motor, para evitar um eventual problema mecânico.

Mas o então tricampeão Sebastian Vettel, não. Pelo contrário, acelerou. Chegou a receber pelo rádio uma mensagem do time com o código cifrado “Multi 21″, cujos números faziam referência a quem deveria terminar na frente (no caso, o 2 de Webber).

Irritado por ter de desistir da vitória, o alemão descumpriu a ordem. Atacou o australiano e, após um duelo acirrado e limpo por pelo menos três curvas, ultrapassou, para desespero dos chefes. O episódio consolidou Vettel como número um e afundou a carreira de Webber, que acabou se aposentando no fim do ano.

Mercedes domina, Rosberg fatura pole e Massa, em sétimo, é superado por Bottas no Bahrein

05 de abril de 2014 2
Foto Marwan Naamani / AFP

Foto Marwan Naamani / AFP

Atualizada às 13h55min

Se alguém esperava que o domínio da Mercedes reduziria com a evolução das equipes rivais, o treino classificatório no Bahrein provou que era pura especulação. O time dominou o treino e fez nova dobradinha, desta vez com Nico Rosberg à frente de Lewis Hamilton.

Como já se esperava, as retas mais longas e a temperatura elevada ajudaram a Williams, que
colocou os dois carros no Q3. No primeiro duelo após a polêmica ordem de equipe na Malásia, Valtteri Bottas — terceiro — levou a melhor sobre Felipe Massa, que foi apenas o sétimo após errar na volta decisiva.

Será fundamental que Felipe reaja na largada, senão vai ficar complicado. A corrida é crucial na disputa interna do time. E vale lembrar que Bottas está oito pontos à frente do brasileiro no campeonato. Entre os primeiros, destaque para o quarto lugar de Sergio Pérez, com a Force India.

Com um desempenho fraco outra vez, a Ferrari segue apenas como coadjuvante no Q3. A novidade foi ver Kimi Raikkonen superando Fernando Alonsso. A McLaren, que começou bem na Austrália, mostrou um desempenho intermediário no Bahrein, com Jenson Button à frente do novato Kevin Magnussen.

Lá atrás, destaque para o desempenho pífio da Lotus e a eliminação de Sebastian Vettel no Q2, com o companheiro Daniel Ricciardo em terceiro (o australiano, porém, cumprirá punição e perde 10 posições, saindo apenas em 13º). A corrida promete, tanto pelo duelo das Mercedes pela vitória quanto para ver quem completará o pódio.

Q1 — Iluminação incrível e Lotus decepcionante

bahrein_iluminacao

O grande destaque foi para a primeira visão do circuito de Sakhir à noite. Com 495 postes e 5 mil lâmpadas, o visual ficou sensacional. A décima edição do GP promete ser histórica!

Na pista, o treino iniciou com domínio da Mercedes, botando mais de um segundo para as rivais logo de saída. Depois, Force India — liderada por Nico Hulkenberg — e Williams se impuseram, com pneus mais macios. No duelo interno do time inglês, deu Bottas.

Dentre os seis eliminados, nenhuma surpresa. Afinal, a Lotus fora já virou rotina. Romain Grosjean, com cronômetro zerado, garantiu a última vaga e eliminou o companheiro Pastor Maldonado,  com nove milésimos de vantagem. E olha que o francês ainda teve um atrito com Adrian Sutil (Sauber), que o fechou em uma das retas e deve ser punido.

Q2 — Massa e Bottas no mesmo milésimo e Vettel eliminado

williams_massa

No Q2, a Mercedes se impôs com naturalidade, desta vez com Rosberg à frente de Hamilton. Um oceano depois, veio Ricciardo, mostrando outra vez consistência. Massa ficou empatado no cronômetro com Bottas, em mais um duelo acirrado entre os dois pilotos da Williams.

A grande surpresa foi a eliminação de Vettel, alegando problemas na troca de marchas. Foi a segunda vez que o tetracampeão ficou fora do Q3 nesta temporada. Apesar de ter ido bem na primeira etapa, Hulkenberg foi eliminado, enquanto Sergio Pérez avançou com a Force India. Outro destaque foi o novato russo Daniil Kvyat, que superou Jean-Eric Vergne na Toro Rosso.

O grid no Bahrein

1 — Rosberg (Mercedes) — 1:33:185
2 — Hamilton (Mercedes)
3 — Bottas (Williams)
4 — Pérez (Force India)
5 — Raikkonen (Ferrari)
6 — Button (McLaren)
7 — Massa (Williams)
8 — Alonso (Ferrari)
9 — Magnussen (McLaren)
10 — Vettel (Red Bull)
11 — Hulkenberg (Force India)
12 — Kvyat (Toro Rosso)
13 — Ricciardo (Red Bull)
14 — Jean-Eric Vergne (Toro Rosso)
15 — Esteban Gutiérrez (Sauber)
16 — Romain Grosjean (Lotus)
17 — Maldonado (Lotus)
18 — Sutil (Sauber)
19 — Kobayashi (Caterham)
20 — Bianchi (Marussia)
21 — Ericsson (Caterham)
22 — Chilton (Marussia)

Largada: 12h (meio-dia) de domingo

"Gordinho", piloto da Sauber vai evitar beber líquido no deserto do Bahrein para carro ir mais rápido

04 de abril de 2014 1

sutil_sauber
Parece piada, mas não é. Adrian Sutil anunciou nesta sexta-feira que vai correr no Bahrein sem líquido no carro. O piloto da Sauber acredita isso o ajudará a perder peso e diminuir a desvantagem que alega estar enfrentando neste começo de temporada.

Com as novas unidades de potência, o peso do piloto acaba influenciando no desempenho do carro. Apesar de isso não ser um fator tão decisivo quanto Sutil argumenta, o alemão diz considerar o efeito injusto e quer passar uma hora e meia dentro do cockpit sem se hidratar:

— Nós (pilotos mais pesados) temos de perder muito peso. Não há muito que podemos perder, no entanto, então não podemos sequer malhar, porque precisamos perder os músculos menores. É uma situação difícil, considero injusto.

Com 82 quilos, o alemão é um dos mais pesados do grid atual. Chateado, ele também lamentou o fato de a habilidade ser secundária, em seu entender, à balança:

— Pilotos pequenos podem comer quando eles querem, mas nós somos naturalmente mais pesados e acabamos sendo punidos em meio segundo por volta ou até mais. Não porque os menores são melhores pilotos, eles são mais leves. Não deveria ser assim.

Depois de um 11º na Austrália e de ter abandonado na Malásia — onde revelou ter bebido chá para tentar diminuir os efeitos —, o alemão acredita que vai melhorar, apesar de admitir o risco de desmaio e desidratação. Isso que é fome. Por resultados, claro.

Só para relembrar: em outubro do ano passado, Lewis Hamilton (Mercedes) disse não levar tão a sério o padrão de peso. E fez uma brincadeira sobre a necessidade de ter entre 60 a 65 quilos, considerado o ideal diante do novo regulamento da categoria:

— Peso cerca de 74kg. Cheguei a 68kg ano passado (2012), mas ganhei mais três quilos. E não me pediram para emagrecer. Inclusive, quero ganhar mais um quilo de músculo. Só chego a 65kg se cortar minhas bolas fora!

Batismo de curva com nome de Schumacher, pedido de desculpas da Williams e abecedário da Red Bull estão nos melhores da semana

04 de abril de 2014 0

De homenagem à pedido de desculpa, com direito a “aulinha” da Red Bull, a seção Pit Wall, que traz todas as sextas-feiras um resumo com os principais destaques da semana na F-1, está repleta de atrações. Confira:

Homenagem no Bahrein: circuito batiza curva com o nome de Michael Schumacher.

Claire Williams pede desculpas aos pilotos e fãs da equipe por ordem a Felipe Massa.

Red Bull lança série, em vídeo, com abecedário da Fórmula-1.