Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Campanha alerta sobre riscos de cordões de cortina e persianas para crianças

23 de junho de 2016 0

Por Sibeli Fagundes

Crédito: arquivo pessoal.

Às vezes, nem nos damos conta do perigo   Foto: arquivo pessoal, Milena Schoeller

Começou hoje uma campanha mundial da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico para alertar sobre o perigo de as crianças se machucarem e até morrerem com cordões de cortinas e persianas. A mobilização envolve mais de 20 países, incluindo o Brasil.

Só nos Estados Unidos, acidentes com essas ‘cordinhas’ foram responsáveis por cerca de 200 mortes, de 1996 a 2012. No Brasil, em 15 anos, foram relatados 540 casos de enforcamento. A estatística brasileira não determina o que levou ao acidente. No entanto, especialistas avaliam que a realidade aqui deve ser bastante semelhante à norte-americana.

CURTA NOSSA PÁGINA NO FACEBOOK

SIGA O FRALDA CHEIA NO TWITTER

O objetivo com a campanha “Cordões em persianas e cortinas: perigo para todas as crianças” é aumentar a conscientização do risco e incentivar o registro dos acidentes. No Brasil, a coordenação da mobilização é do Inmetro, com apoio da ONG Criança Segura e do Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor. Para a coordenadora nacional da organização não-governamental, Gabriela Guida de Freitas, o fato do País não especificar o acidente de estrangulamento com o cordão de persianas e cortinas nas estatísticas atrapalha na divulgação e conhecimento dos pais da existência do perigo.

O maior risco de acidente é com crianças entre zero e 6 anos de idade. Mas segundo o Inmetro, a maior parte dos casos registrados estão na faixa dos 4 anos. O laço dos cordões, em altura acessível é o maior risco ao enforcamento. O instituto irá aprofundar o estudo sobre os riscos oferecidos pelo produto para avaliar se cabe adotar alguma medida regulatória adicional.

Dicas da ONG Criança Segura e Inmetro para que a criança não tenha acesso aos cordões:

- cortar o cordão, deixando duas cordas paralelas
- usar enroladores, que são vendidos em lojas infantis
- não deixar móveis próximos a cortina
- ter sempre um adulto monitorando a criança,

Casos de sufocamento com cordões, assim como outros acidentes de consumo, devem ser registrados no Sistema Inmetro de Monitoramento de Acidentes de Consumo, que são usados como base de atuação das entidades de defesa do consumidor e para medidas regulatórias. Quem quiser participar da campanha nas redes sociais, a hashtag no País é #cortinasegura.

Saiba mais:

Prevenção de Acidentes na Infância: dicas e orientações

Envie seu Comentário