Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Bela Gil diz que episiotomia arruinou sua vida sexual por um ano; entenda o que é esse procedimento!

29 de setembro de 2016 2

Por Marcela Panke

Reprodução / YouTube

Reprodução / YouTube

A apresentadora Bela Gil anda dominando as timelines! Recentemente, disse, em seu canal no Youtube, que a episiotomia feita no parto da primeira filha, Flor, de 7 anos, arruinou a sua vida sexual por um ano (assista ao vídeo no final deste post)! O segundo filho, Nino, 3 meses, nasceu em um parto humanizado, feito em casa.

Aproveitando o gancho, o blog foi conversar com o professor da PUCRS e diretor da Sociedade de Ginecologia e Obstetrícia do Rio Grande do Sul (Sogirgs), Gustavo Steibel, sobre episiotomia. Por experiência própria, digo que a recuperação após esse procedimento não é exatamente tranquila. Os primeiros dias são de bastante desconforto local, fica difícil até para sentar. Leva alguns meses até que a sensibilidade diminua.

Para esclarecer: a episiotomia é um procedimento cirúrgico usado para aumentar a abertura vaginal durante o parto, com um corte no períneo. Segundo artigo disponível no site da Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia (Febrasgo), a episiotomia é frequentemente utilizada: levantamento feito em 2003 em hospitais de onze países (Argentina, Brasil, Bolívia, Chile, República Democrática do Congo, Equador, Índia, Tibet, Uruguai, Venezuela e Zâmbia), mostrou que a taxa de episiotomia foi superior a 90% entre mulheres no primeiro parto.

CURTA NOSSA PÁGINA NO FACEBOOK

SIGA O FRALDA CHEIA NO TWITTER

SIGA DICAS DE MÃE NO INSTAGRAM

Voltando à conversa com o Dr. Gustavo Steibel, ele me contou um pouco da história dessa prática, que começou por volta de 1.800, por iniciativa de um médico alemão:

“Não era pra arruinar a vida sexual de ninguém. Naquela época, que não tinha cesárea, muitos partos levavam à ruptura do períneo. Foi quando se percebeu que, se fosse feito um corte para o lado, em vez de rasgar em vários lugares, rasgaria só ali, e a sutura evitaria ruptura de bexiga, de intestino…”

O Dr. Gustavo me comentou que, por observação, os médicos entenderam que a episiotomia era uma boa opção e a prática começou a se tornar comum na Europa e Estados Unidos, tanto que em 1970 a episiotomia era o procedimento cirúrgico mais feito no mundo!

Episiotomia para quem?

Entretanto, nos últimos anos a medicina começou a revisar a literatura e a avaliar que talvez a episiotomia não tivesse tanto benefício quanto se acreditava, que não havia motivo para fazer em todas as mulheres para prevenir as lacerações e que o procedimento machucava o períneo.

“A discussão agora é em quem se faz a episiotomia. Em pacientes em que é necessário o uso fórceps, por exemplo, em principio o procedimento seria benéfico. Também há indicação quando o bebê está em sofrimento. Nesse caso, a episiotomia abrevia o período expulsivo”.

Violência obstétrica?

O professor da PUCRS e diretor da Sogirgs destaca que hoje, na Câmara dos Deputados, tramita um projeto de lei que considera a episiotomia uma “violência obstétrica”. O Dr Gustavo Steibel refuta essa expressão: “nenhum médico quer machucar a paciente, muito pelo contrário. Hoje a gente acredita na episiotomia seletiva. O ideal é que a paciente converse com o seu médico”.

Questionei ele também sobre o porquê da recuperação pós-parto ser delicada, com desconforto, dor e sensibilidade. Ele explicou:

“Infelizmente a episiotomia acaba sendo mais profunda que uma laceração espontânea, afeta músculo e mucosa, e o músculo, quando cicatriza, fica mais dolorido. Na maioria das pacientes, há sensibilidade local de seis meses ao primeiro ano. Depois que a cicatrização se acomoda, a mulher tende a não sentir mais dor”.

https://www.youtube.com/channel/UCxLGtaRtLfIFim2fnqH89Gw

 

Leia também:

Como fica o sexo depois dos filhos?

9 fatos que ninguém conta sobre o parto

Cuidados com a mãe no pós-parto

Bela Gil ingeriu a placenta do último parto, em maio deste ano

Filho de Bela Gil nasce em parto normal na banheira nos EUA

Pesquisa mostra que homens sentem saudades da vida sexual antes dos filhos

Comentários (2)

  • byCi diz: 30 de setembro de 2016

    Quando é que essa mulher vai parar de falar bobagens e ainda ter toda essa repercussão? E ainda colocam a opinião de um médico (homem)? Ele já pariu?Perguntem para outra mulher o que ela sente. Tive parto normal e não passei por nenhum destes problemas, nem anestesia fiz. A recuperação não é igual para todas as mulheres, é óbvio. A opinião de uma não serve como padrão. Essa sub celebridade (só aparece por ser filha de quem é só prega sandices. Condena a pasta de dentes (esses dentes brancos dela deve ser por causa da cúrcuma né…), come placenta, e agora essa? Lamentável quem dá espaço pra essa doida….

  • Rafa diz: 30 de setembro de 2016

    Pessoal ainda dá mídia pra esta lunática sub.. por favor, como se a opinião dela valesse pra todas na mesma situação.. e como falou a moça aí, como que um médico homem vai saber da intensidade da dor? vai me passar o cachorro que na graduação aprende inclusive conceito e prática de dor? gente, quem tem nº no CREMERS e na OAB não é Deus.

Envie seu Comentário