Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Pais ficam furiosos por escola enviar bilhetes dizendo que filhos estão obesos

21 de março de 2017 5

Por Sibeli Fagundes

Reprodução/Mirror

Reprodução/Mirror

Você ficaria furiosa se a escola do seu filho enviasse um bilhete com um alerta sobre o sobrepeso ou obesidade dele? Os pais de estudantes de uma escola primária de Plymouth, na Inglaterra, ficaram. As crianças têm quatro anos de idade e foram avaliadas seguindo regras do serviço público de saúde do Reino Unido.

Na avaliação enviada aos pais, havia as medidas da criança a avaliação do IMC (índice de massa corporal). Também indicava o serviço de saúde para que pudessem procurar auxílio.

O pai de Roxanne, Martin John Tall, considerada com excesso de peso, desabafou. Disse que ficou chocado e questionou que a atitude da escola, que poderia desencadear um complexo em uma criança tão nova sobre o peso dela.

Reprodução/facebook

Reprodução/facebook

Kelly Franklin, mãe de Jake, também ficou indignada. Disse que o filho, além de ter passado recentemente por um cirurgia no cérebro (nasceu com Sagittal Craniosynostosis, que provoca o fechamento das placas ósseas do crânio mais cedo ) e tem outras doenças, que afetam o processamento sensorial, além de déficit de atenção.

Olhando as fotos das crianças, nenhuma parece obesa. No entanto, pela calculadora de IMC, estão realmente acima do peso, mas nada que não possa ser revertido facilmente. A escolas, inclusive, pede atenção à alimentação e à prática de atividade física.

Quando meu filho tinha 4 anos, o pediatra também alertou que estava acima do peso. Quem o via, enxergava um criança magra (o excesso era pequeno, mas havia). Eu dei atenção ao alerta e cuidei mais ainda da alimentação dele. Hoje, está dentro da normalidade.

Talvez tenha havido falta de sensibilidade da escola. Procurada pelo jornal Mirror, a direção não se pronunciou.

Leia também:

Brasil tenta frear obesidade infantil

Comentários (5)

  • Haroldo diz: 21 de março de 2017

    O IMC foi um método desenvolvido — pasmem, não por um nutricionista ou médico, mas por um físico, para poder obter um índice médio de massa corpórea populacional. Serve para analisar o peso médio de uma população. Muita gente comparando entre si, e não uma pessoa apenas.

    As pessoas erroneamente utilizam o IMC para avaliar nível de obesidade, mas não tem nada a ver. Serve para analisar peso médio populacional. As pessoas tem composição corporal diferente.

    Por exemplo, sabe-se que os negros tem esqueletos mais densos, e uma porcentagem menor de gordura corporal. Asiáticos tem estatura menor. Algumas pessoas tem mais músculo (que pesa até mais que gordura), outras carregam mais líquido no corpo, etc etc.

    Ou seja, o IMC médio de um país asiático como o Japão vai ser menor que de um país como o Brasil, e não quer dizer que necessariamente o Brasil é mais gordo, só quer dizer que a composição corpórea é diferente.

  • Ali diz: 21 de março de 2017

    Isso prova como não só os brasileiros são ignorantes.

  • Susumu Kodai diz: 21 de março de 2017

    A escola cumpriu com a sua obrigação. Os pais agiram como pais modernos, que fecham os olhos para tudo que se refira aos seus “anjinhos”.

  • Luis diz: 21 de março de 2017

    Se o bilhete era para os pais, não vejo como causaria complexo na criança (a menos que fizessem questão de mostrar e falar para eles). Se a medição é de acordo com as normas do sistema de saúde, questionem o governo, não a escola. Ela apenas cumpriu o seu dever e fez um favor aos pais. Os outros problemas da criança, são outros problemas e a escola não tem culpa deles. Se não se atentarem à alimentação, vai ter mais um. Um dos meus está abaixo do peso, por estes índices de IMC, e estamos tentando de tudo para que entre na faixa de peso normal. Pais responsáveis agradecem alertas. Se quiserem averiguar, tanto melhor para os filhos. Se não quiserem, desconsiderem o “absurdo” e não nos venham com xurumelas.

  • Alberto diz: 21 de março de 2017

    No Brasil iram chamar Maria do Rosário e “Direitos dos Manos”, que “absurdo” isso!

Envie seu Comentário