Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Posts na categoria "Consumidor"

Papinha infantil é proibida pela Anvisa

21 de março de 2017 0

Por Elisandra Borba

Foto: Ricardo Duarte

Foto: Ricardo Duarte

Está proibida a venda e fabricação dos produtos da marca Papa no Prato. A Agência Nacional de Vigilância Sanitária determinou a suspensão porque a empresa não possui registro na Anvisa. Os alimentos são vendidos pela internet e não há informações sobre o fabricante, segundo a agência.

Os alimentos fazem sucesso com as mães, pois são produzidos, segundo a empresa, com produtos orgânicos e saudáveis, selecionados cuidadosamente. No entanto, a Anvisa exige que os alimentos de transição para lactentes e crianças de primeira infância tenham registro para que possam atestar a segurança dos produtos.

 

Termômetros de mercúrio serão proibidos a partir de 2019

10 de março de 2017 0

Por Elisandra Borba

Foto: Divulgação Anvisa

Foto: Divulgação Anvisa

Produtos médicos que utilizam mercúrio não poderão mais ser fabricados ou vendidos a partir de janeiro de 2019. A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA) aprovou as medidas para retirar do mercado produtos como termômetros, medidores de pressão corporal e liga de amálgama não encapsulado em odontologia, que utilizam mercúrio na composição. Também ficará proibida a utilização destes produtos em serviços de saúde.

Em junho do ano passado a Anvisa havia lançado uma consulta pública para pedir a ajuda da população sobre as formas para cumprir o compromisso do governo brasileiro firmado em convenção mundial para o controle do uso e redução de emissões e liberações do mercúrio para a natureza. Nesta semana, a diretoria Colegiada da Anvisa aprovou as mudanças.

Substitutos do mercúrio

Para os medidores de febre, o mais indicado é utilizar os termômetros digitais. Um levantamento realizado no ano passado mostrou que 63 produtos digitais foram registrados na Anvisa, enquanto apenas dois à base de mercúrio obtiveram registro.

Sobre os medidores de pressão, 42 registros foram concedidos para produtos que não utilizam a coluna de mercúrio, contra um medidor com mercúrio.

Como proceder em casa

Quem tem termômetro de mercúrio em casa não precisa descartar. Os termômetros digitais vêm substituindo os termômetros com mercúrio há alguns anos, no entanto, como é um produto sem prazo de validade é possível que algumas pessoas ainda tenham este tipo de artigo em casa. A quantidade de mercúrio presente em termômetros de uso caseiro não chega a ser comprometedora, segundo a Agência, mas em caso de acidentes é importante tomaralgumas precauções:

-Não permita que crianças brinquem com as bolinhas de mercúrio.

-Utilize luva e máscara e recolha com cuidado os restos de vidro em toalha de papel e coloque em recipiente resistente à ruptura, para evitar ferimento e feche hermeticamente.

-Localize as “bolinhas” de mercúrio e junte-as com cuidado utilizando um papel cartão ou similar. Recolha as gotas de mercúrio com uma seringa sem agulha. As gotas menores podem ser recolhidas com uma fita adesiva.

-Transfira o mercúrio recolhido para o recipiente de plástico duro e resistente, feche hermeticamente e cole um rótulo indicando o que há no recipiente.

-Recipientes que acondicionem mercúrio líquido ou seus resíduos contaminados devem estar armazenados com certa quantidade de água (selo hídrico) que cubra esses resíduos, para minimizar a formação de vapores de mercúrio.

-Identifique o recipiente, escrevendo na parte externa “Resíduos tóxicos contendo mercúrio”.

-Não use aspirador, pois isso vai acelerar a evaporação do mercúrio, assim como contaminar outros resíduos contidos no aspirador.

-Coloque o recipiente em uma sacola fechada.

-Entre em contato com o serviço de limpeza urbana do seu município ou órgão ambiental (Estadual ou Municipal) para saber como proceder a entrega do material recolhido.

A proposta de texto será publicada no Diário Oficial da União nos próximos dias e estará disponível para contribuições no Portal da Anvisa.

 

Quais gastos com os filhos podem ser declarados no Imposto de Renda?

02 de março de 2017 3

Por Milena Schoeller

Foto: Maykon Lammerhirt / Agencia RBS

Foto: Maykon Lammerhirt / Agencia RBS

Começou nesta quinta-feira (02) o prazo para a entrega da Declaração do Imposto de Renda. E o blog conversou com o contador Diogo Chamun, presidente do Sindicato das Empresas de Serviços Contábeis do RS. Veja abaixo as principais orientações para não cair na malha fina:

Quem pode ser declarado como dependente?

Podem ser dependentes, para efeito do imposto sobre a renda:
- Filho(a) ou enteado(a), até 21 anos de idade, ou, em qualquer idade, quando incapacitado física ou mentalmente para o trabalho;
- Filho(a) ou enteado(a), se ainda estiverem cursando estabelecimento de ensino superior ou escola técnica de segundo grau, até 24 anos de idade.

Ainda:
- Companheiro(a) com quem o contribuinte tenha filho ou viva há mais de 5 anos, ou cônjuge;
- Irmão(ã), neto(a) ou bisneto(a), sem arrimo dos pais, de quem o contribuinte detenha a guarda judicial, até 21 anos, ou em qualquer idade, quando incapacitado física ou mentalmente para o trabalho;
- Irmão(ã), neto(a) ou bisneto(a), sem arrimo dos pais, com idade de 21 anos até 24 anos, se ainda estiver cursando estabelecimento de ensino superior ou escola técnica de segundo grau, desde que o contribuinte tenha detido sua guarda judicial até os 21 anos;
- Pais, avós e bisavós que, em 2016, tenham recebido rendimentos, tributáveis ou não, até R$ 22.847,76;
- Menor pobre até 21 anos que o contribuinte crie e eduque e de quem detenha a guarda judicial;
- Pessoa absolutamente incapaz, da qual o contribuinte seja tutor ou curador.

Os filhos devem ser informados na declaração do imposto de renda do pai, da mãe, ou dos dois?

Os filhos podem ser declarados como dependentes tanto pelo pai quanto pela mãe, porém somente um dos dois pode declarar.

Se o pai informou o dependente ao longo da ano para ter um desconto menor de IR do salário, pode alterar isso na hora da declaração, inserindo o dependente na declaração da mãe, por exemplo?

Nesse caso, o dependente deve ser informado na declaração do pai, sob pena de ser cobrada diferença do IR calculado no decorrer no ano.

Quais documentos dos filhos/dependentes devem ser informados?

Apenas devem ser informados a data de nascimento e o número do CPF para os filhos com 12 anos ou mais (até declaração passada era 14 anos).

Se a criança é dependente dos avós, ou de outros familiares, os pais devem informar isso na declaração?

Não. O dependente somente deve ser informado pelo contribuinte que o sustenta.

E como fica a situação de enteados?

O enteado segue os mesmos critérios dos filhos.

E se os pais são divorciados, como declarar os filhos?

Os filhos serão declarados, e suas despesas correspondentes, por aquele que ficar com a guarda. Contudo, se os dependentes também receberam rendimentos na forma de pensão do ex-cônjuge, por exemplo, esses rendimentos deverão ser tributados em conjunto com os rendimentos do contribuinte.

Que tipo de gastos com os filhos podem ser deduzidos do IRPF?
- Despesas médicas
- Despesas com educação
- Pensão alimentícia, em decorrência de decisão judicial
- Contribuição para a previdência social e privada.
- Dependente – valor fixo (R$ 2.275,08)
- Contribuição previdenciária do empregado doméstico.

O que pode ser considerado gasto com saúde? Remédios e vacinas entram nesta conta?

Gastos com dentistas, psicólogos, fisioterapeutas, terapeutas ocupacionais, fonoaudiólogos, hospitais, e as despesas provenientes de exames laboratoriais, serviços radiológicos, aparelhos ortopédicos e próteses ortopédicas e dentárias.
Vacinas e medicamentos não podem ser deduzidos, salvo se estiverem na conta do hospital.

Qual o limite para dedução de cada tipo de gasto?

- Despesas com educação: Limite anual de R$ 3.561,50 por cada membro da família.
- Contribuição a previdência privada: Até 12% da renda tributável podem ser deduzidas da base de cálculo do IR. Para isso, é necessário que o contribuinte recolha INSS.
- Dependente – valor fixo anual R$ 2.275,08
- Contribuição previdenciária do empregado doméstico: Limite R$ 1.093,77

Não há limite para as despesas médicas.

O limite é para cada filho ou o total?

As despesas com educação e a dedução por dependente estão vinculadas a quantidade de filhos, portanto, serão multiplicadas pelo número de filhos.

Gastos com educação incluem apenas escolas regulares? Cursos de idiomas são incluídos? E Escolinhas de esportes (futebol, lutas marciais, etc) ou escolas de música? E cursos pré-vestibular?

São dedutíveis a educação infantil (creches e as pré-escolas), o ensino fundamental, o ensino médio, a educação superior e educação profissional (técnico e o tecnológico). Portanto os cursos de idiomas, academias, pré-vestibular e aulas particulares não são dedutíveis.

Se o dependente vai estudar no exterior, este gasto pode ser deduzido?

Sim, desde que em estabelecimentos de ensino regular, comprovadas por meio de documentação hábil, observados os requisitos e o limite previstos na legislação.
Os pagamentos efetuados em moeda estrangeira devem ser convertidos em dólares dos EUA,  em seguida, em reais mediante utilização do valor do dólar dos EUA, fixado para venda pelo Banco Central do Brasil para o último dia útil da primeira quinzena do mês anterior ao do pagamento.

O contribuinte que paga a instrução de neto, bisneto, irmão, primo ou sobrinho pode deduzir essas despesas?

Sim, desde que o beneficiário esteja na condição de dependente (detenha a guarda judicial, até 21 anos, ou em qualquer idade, quando incapacitado física ou mentalmente para o trabalho).
No caso de irmão, neto ou bisneto sem arrimo dos pais, com idade de 21 a 24 anos, a dedução é possível se o dependente ainda estiver cursando estabelecimento de ensino superior ou escola técnica de 2º grau, desde que o contribuinte tenha detido sua guarda judicial até os 21 anos.
No caso de primo ou sobrinho, pode ser feita a dedução somente quando esse se enquadrar como menor pobre e desde que o contribuinte o crie e eduque, até que complete 21 anos e detenha sua guarda judicial.

Qual idade limite do dependente para deduções de gastos com ele?

A idade limite é 21 anos, ou, em qualquer idade, quando incapacitado física ou mentalmente para o trabalho. Porém se ainda estiver cursando estabelecimento de ensino superior ou escola técnica de segundo grau, até 24 anos de idade.

O que os pais não podem esquecer na hora de fazer a declaração para evitar a malha fina?

O fundamental é ter todos documentos em mãos, principalmente comprovantes de despesas médicas e eventual rendimento dos filhos (emprego ou estágio), para não ocorrer informações incorretas e por consequência “cair” na malha fina da Receita Federal. Também é importante buscar auxilio de uma assessoria contábil que possui o domínio desse tema.

CURTA NOSSA PÁGINA NO FACEBOOK

SIGA O FRALDA CHEIA NO TWITTER

SIGA DICAS DE MÃE NO INSTAGRAM

Leia Também

Agora é lei: advogadas que têm filhos podem pedir suspensão de prazos processuais

Pesquisa revela que a chegada dos filhos aumenta brigas entre casais

Como proteger nossos filhos?

Universidade aprova redução de jornada a servidores com filhos de até 2 anos

Pais devem aproveitar promoções, mas com cuidado

21 de fevereiro de 2017 0

Por Milena Schoeller

Foto: Maykon Lammerhirt / Agencia RBS

Foto: Maykon Lammerhirt / Agencia RBS

Termina no próximo domingo (26) o já tradicional Liquida Porto Alegre. E desde que começou, pais têm compartilhado nas redes sociais diversas promoções, desde produtos de higiene, como fraldas e lenços, até roupas e acessórios para os pequenos. Por isso, o blog traz algumas dicas elaboradas pelo Procon de Porto Alegre para que os pais possam comprar com tranquilidade:

CURTA NOSSA PÁGINA NO FACEBOOK

SIGA O FRALDA CHEIA NO TWITTER

SIGA DICAS DE MÃE NO INSTAGRAM

1) Pesquisa

O consumidor deve sempre fazer uma pesquisa prévia de preços, já que há grande diferença no valor entre uma loja e outra, ou entre a internet e a loja física. Além disso, tente saber qual era o preço antes das promoções, para saber se o valor realmente vale.

2) Nota Fiscal

Na hora da compra, a pessoa sempre deve exigir a nota fiscal, pois é o documento que garante a troca do produto ou reparo do serviço adquirido.

3) Testes

O Procon recomenda, ainda, fazer o teste de funcionamento do produto na loja para constatar se está em perfeitas condições de uso. Se a mercadoria for entregue em casa, é necessário inspecioná-la, conferindo a voltagem do aparelho, entre outros.

4) Compra pela internet ou telefone

O cliente tem o direito de desistir da compra efetuada até sete dias após a entrega da mercadoria, podendo receber o valor gasto, mesmo que o produto não apresente defeito. Certifique-se de que o site é de confiança.

5) Trocas

No caso das trocas de produtos comprados em lojas físicas, o Procon salienta que a troca não é obrigatória se o produto não apresentar falhas. O consumidor pode perguntar antes da compra se o fornecedor aceita promover a troca do produto sem defeito, por questão de tamanho, por exemplo.

Leia Também

Não deixe as crianças em casa na hora de comprar o material escolar

Diferença de preços do material escolar em Porto Alegre chega a 1500%

Ovos de páscoa com brinquedos sem certificação podem ser perigosos para as crianças

Mães acham que filhos são discriminados por não terem produtos da moda

Enxoval do bebê – o que preciso comprar?

Estudo revela que cinco em cada dez pais são influenciados pelos filhos na hora de comprar presentes de natal

Rede de Supermercados disponibiliza carrinhos de compras adaptados para mães de crianças com deficiência

Alimentos e bebidas terão alerta sobre presença de lactose

07 de fevereiro de 2017 0

Por Sibeli Fagundes

Medida traz mais segurança Divulgação/Anvisa

Medida traz mais segurança Divulgação/Anvisa

Aos poucos, a legislação está se adaptando à restrição de certos tipos de alimentos que causam alergias ou intolerâncias a algumas pessoas. Agora, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária estipulou que a declaração da presença de lactose será obrigatória nos alimentos com mais de 100 mg de lactose para cada 100 gramas ou mililitros do produto. Ou seja, qualquer produto que contenha o ingrediente em quantidade acima de 0,1% deverá trazer a expressão “Contém lactose” em seu rótulo.

O limite de 100 mg foi definido com base na experiência de outros países que já adotam esta regulação há bastante tempo, como Alemanha e Hungria. De acordo com a Anvisa, esse limite tem se mostrado seguro para as pessoas com intolerância à lactose.

CURTA NOSSA PÁGINA NO FACEBOOK

SIGA O FRALDA CHEIA NO TWITTER

SIGA DICAS DE MÃE NO INSTAGRAM

Os fabricantes de alimentos poderão também empregar a expressão “baixo teor de lactose” nos casos em que a quantidade de lactose for reduzida para valores entre 100 mg e 1 g por 100 g ou mililitros do alimento pronto conforme instruções do fabricante.

Com a instituição dessas regras, o mercado brasileiro de alimentos terá três tipos de rotulagem para a lactose: “zero lactose” ou “baixo teor”, para os produtos cujo teor de lactose tenha sido reduzido e “contém lactose”, nos demais alimentos com presença desse açúcar.

Mas isso não é para já e não abrange todos locais. A indústria tem até 24 meses para se adaptar e esgotar os estoques já existentes. Estabelecimentos que preparam os alimentos, sejam eles sem embalagens ou embalados no próprio ponto de venda a pedido do consumidor, não estão obrigados a informarem sobre o conteúdo de lactose.

O que é lactose?
A lactose é o principal açúcar presente no leite de mamíferos. Quando alimentos contendo lactose são ingeridos, esse açúcar é processado pela enzima lactase e transformada em glicose e galactose. Na maioria das pessoas, a atividade da lactase diminui após o desmame e leva as pessoas a se tornarem menos tolerante à enzima com o passar dos anos.
Os principais sintomas da intolerância são abdominais, como dor e distensão, flatulência, diarreia, náusea, vômitos ou constipação. A intolerância é diferente das alergias. Nesse último caso as reações do organismo podem ser mais graves e o limite de ingestão não tem como ser definido.

Leia também:

Alergia à Proteína do Leite de Vaca tem cura!

Intolerância à Lactose e Alergia à Proteína do Leite de Vaca são a mesma coisa?

Dieta de Exclusão: algumas dicas para quem tem filho APLV

Pesquisa aponta benefício na inclusão de leite e ovos na alimentação do bebê

Pediatras pedem liberação de injeção de adrenalina para alérgicos

Nestle é condenada a pagar indenização após criança ter reação alérgica a ingrediente não informado na embalagem

Como fazer bolo integral!

Veja como reaproveitar material escolar de forma criativa

24 de janeiro de 2017 0

Por Elisandra Borba

Foto: Diogo Sallaberry

Foto: Diogo Sallaberry

O início do ano é complicado para os pais. Tem que pagar impostos, como IPTU e IPVA; matrícula/rematrícula na escola; comprar material escolar, uniforme… Não há bolso que aguente. Já falamos nesta semana sobre como conscientizar as crianças na hora de comprar material novo. Hoje vamos falar sobre reaproveitamento.

Reaproveitar materiais não é apenas economia para o bolso. Gera responsabilidade social e ambiental para as crianças. Podemos aproveitar este momento também para exercitar a criatividade e proporcionar uma renovação dos objetos de maneira criativa. Veja as dicas da Mercur, empresa que produz material escolar.

1) Personalize cadernos de capa lisa, que são mais baratos

Os cadernos com capas de cores lisas custam menos do que cadernos de marcas ou personagens. A dica é personalizar os cadernos com fotos, recortes de revista e desenhos (colados na capa), ou, ainda, encapando-os com tecido e cola. Serão modelos únicos na sala de aula.

2) Limpe canetas, lápis de cor e demais materiais de desenho e/ou escrita

Tudo o que restou no estojo do ano passado pode ser testado, limpo e reaproveitado no ano seguinte. Esta limpeza pode ser realizada com álcool e uma flanela. Você pode lavar seus estojos e completá-los com o que estiver faltando. Utilizar os materiais até o final da vida útil é uma excelente forma de ser sustentável.

3) Aquarela feita com canetas hidrográficas secas

Você pode desmontar a caneta, retirar o refil/carga de dentro e deixar de molho na água, separando cada cor em um pote diferente. Se quiser guardar a tinta, escolha um pote com tampa e a deixe de molho por algumas horas. Você terá uma tinta muito semelhante a aquarela. Utilize com pincel.

4) Pastas renovadas

Pastas já utilizadas que estão com um aspecto mais gasto, podem ser revigoradas com a colagem de adesivos de sua preferência e serem utilizadas por mais tempo.

5) Faça apliques em mochilas e estojos

Você pode comprar desenhos e bordados e aplicá-los em sua mochila ou estojo. Existem muitas opções para aplicar em diferentes tipos de superfície. Essa é uma forma interessante de dar uma cara nova a antigos materiais. O mesmo pode ser feito utilizando botons para agregar o sentido que você desejar a seu estojo ou mochila.

6) Novo caderno

Folhas limpas de cadernos do ano que passou, podem ser unidas às de outros cadernos e transformadas em uma nova encadernação.

7) Agendas antigas viram blocos de rascunho

As agendas podem ser reutilizadas como blocos de rascunho, pois sempre ficam páginas em branco que podem, dessa forma, ser reaproveitadas.

8) Giz de cera com cara de novo

Existem muitas técnicas que ensinam a reaproveitar pedaços muito pequenos de giz de cera. Basta separá-los por cores, colocar os pedaços de giz em formas de silicone ou de metal e levar ao forno. O tempo de derretimento depende muito do tamanho dos pedaços de giz. Geralmente, entre 3 e 7 minutos é suficiente. Quando o giz estiver totalmente derretido, retire do forno e aguarde esfriar. Pronto, você terá novos giz de cera com formatos inusitados e feitos por você.

Aproveite as dicas e use a criatividade. Convide as crianças para participar da confecção dos materiais e crie um momento especial com elas. Você estará estreitando laços e gerando um cidadão mais consciente.

Leia também:

Não deixe as crianças em casa na hora de comprar o material escolar

Diferença de preços do material escolar em Porto Alegre chega a 1500%

Lista de Material Escolar: saiba o que pode e o que não pode ser pedido

Não deixe as crianças em casa na hora de comprar o material escolar

23 de janeiro de 2017 0

Por Elisandra Borba

Foto: Diorgenes Pandini

Foto: Diorgenes Pandini

Você leu certo: Não deixe seu filho em casa para comprar o material escolar. Até hoje, sempre ouvimos que os filhos devem ficar em casa no dia das compras, mas esta orientação está mudando. Em um contexto de crise financeira, é importante que as crianças estejam conscientes da situação em que vivem. A dica é da assessora pedagógica do Sindicato do Ensino Privado do Rio Grande do Sul (SINEPE/RS), Naime Pigatto.

A especialista destaca que o papel da família é mostrar às crianças a necessidade de economizar: “É preciso ensinar que nem sempre o material mais brilhoso ou chamativo é o melhor, fazer com que as crianças comparem os produtos e escolham de forma mais consciente. A educação financeira começa em casa”, explica Naime.

Uma dica da assessora pedagógica é organizar com antecedência a lista do que precisa ser comprado, com um limite de valor para cada item. Aproveitar os materiais do ano anterior também podem ajudar na economia. Materiais mais duradouros, como estojos, réguas, canetas, lápis de cor e borrachas, por exemplo, não precisam ser substituídos todos os anos. Até mesmo cadernos usados, com folhas em branco, podem ser reutilizados (as folhas em branco de vários cadernos podem ser retiradas da espiral e agrupadas num novo). Encapar cadernos e livros garantem uma boa conservação e a possibilidade de reaproveitamento no ano seguinte, orienta o Sinepe.

O Sindicato destaca ainda que os pais podem buscar informações nas escolas ou com associações de pais, que costumam saber sobre feiras de materiais e uniformes. Brechós de uniformes costumam ser uma boa opção aos pais. Livros didáticos usados também podem ser adquiridos de alunos que não necessitam mais das publicações.

A assessora do SINEPE/RS lembra que materiais de uso coletivo são de competência da escola, e não devem ser pedidos em listas escolares. A respeito dos livros didáticos, Naime alerta que devem estar de acordo com o novo acordo ortográfico. “E se a edição não for atual, que seja a mais próxima possível daquela solicitada pela escola.”

Divulgamos há alguns dias que a diferença de preços do material escolar em Porto Alegre chega a 1500%. Por isso, a regra é sempre pesquisar.

Diferença de preços do material escolar em Porto Alegre chega a 1500%

16 de janeiro de 2017 0

Por Milena Schoeller

Foto: Lívia Stumpf / Agencia RBS

Foto: Lívia Stumpf / Agencia RBS

Muitos pais já receberam das escolas a lista de material escolar deste ano. E pra tentar ajudar na hora das compras, fiscais do Procon visitaram livrarias e supermercados em Porto Alegre. Eles foram a 15 estabelecimentos em diferentes regiões da cidade, e compararam os preços de 39 itens. A variação encontrada em alguns produtos chega a 1500%, o que reforça que os pais devem pesquisar antes de comprar, pois a economia pode ser significativa em alguns itens:

- Isso se deve muito em razão da marca e da especificidade do produto, mas que pode significar, na soma da lista, uma grande diferença no valor final da compra – ressalta o diretor-executivo do Procon Porto Alegre, Cauê Vieira.

Clique aqui para acessar a lista completa, locais pesquisados e preços.

Os fiscais também compararam os preços deste ano com os valores do ano passado. A variação média de preços encontrados oscilou pouco acima da inflação, com alguns itens apresentando aumento superior a 190%, como no caso do caderno de 96 folhas. Já outros itens apresentaram redução de preço próxima a 70%, como, por exemplo, a tinta têmpera de 15 ml.

O Procon também orienta com relação aos produtos pedidos pelas escolas, já que os colégios não podem determinar a marca específica de produtos. Além disso, o consumidor não é obrigado a comprar todos os itens da lista:

- Os pais não precisam comprar tudo de uma vez, podem adquirir as mercadorias aos poucos, de acordo com a necessidade, pois, por exemplo, 500 folhas de papel ofício não serão utilizadas em um único mês – afirma Cauê Vieira.

São de responsabilidade da escola os materiais de uso coletivo, produtos de limpeza, material de higiene para os banheiros, como álcool, desinfetantes e papel higiênico. Cabe aos pais a compra de material de uso pessoal, como livros, cadernos, folhas de ofício, cartolinas, lápis, canetas, lenços de papel, tesouras, apontadores, etc.

CURTA NOSSA PÁGINA NO FACEBOOK

SIGA O FRALDA CHEIA NO TWITTER

SIGA DICAS DE MÃE NO INSTAGRAM

Leia Também

Lista de Material Escolar: saiba o que pode e o que não pode ser pedido

Exigência de pagamento antecipado de matrícula é prática abusiva

Como escolher a escola do filho?

O primeiro dia na escola grande! Dicas para a adaptação dos pequenos

Mensalidade varia 89% nas melhores escolas de Porto Alegre pelo Enem

Câmara aprova educação financeira no currículo das escolas municipais da Capital

Três ideias de brinquedos sem custo para fazer com as crianças para as férias

Pais se assustam com brinquedo que parece dizer palavrão

02 de janeiro de 2017 0

Por Elisandra Borba

Foto: divulgação

Foto: divulgação

Um brinquedo muito popular entre as crianças no hemisfério norte e que também está à venda no Brasil, tem assustado pais, que juram que o brinquedo fala um palavrão. Trata-se de um ovo que eclode  durante a brincadeira. O brinquedo responde ao toque humano e emite sons. Alguns vídeos estão sendo compartilhados e os pais acreditar que o bicho fala “f ** k me, um xingamento em inglês.

Há quem ouça “hug me”, que significa “me abrace”. Outros acreditam que o brinquedo repete coisas que ouve, mas a empresa criadora do brinquedo nega e diz que ele tem seus sons próprios. Apesar do susto, muita gente tem brincado com a assunto e comparado os Hachimals com os personagens Gremlins, famoso filme dos anos 80, em que os animais se rebelavam quando entram em contato com água, luz forte ou se alimentados depois da meia-noite.

Foto: divulgação

Foto: divulgação

A maior rede de televisão do Canadá tratou do assunto com uma ampla reportagem.

No Brasil o brinquedo está em fase de pré-venda e custa em torno de R$ 500.

Black Friday: aproveite as melhores promoções para o seu filho, mas sem cair em ciladas

23 de novembro de 2016 0

Por Milena Schoeller

Foto: Ronald Mendes / Agencia RBS

Foto: Ronald Mendes / Agencia RBS

Sexta-feira ocorre a edição de 2016 da tão esperada Black Friday. Eu já listei até mesmo os presentes de Natal que quero dar para os meus dois guris, em busca de preços mais baixos. Mas é bom que os pais aproveitem ainda a quarta e quinta para pesquisar quanto os produtos estão custando antes da promoção, para não cair em armadilhas. Esta é uma das orientações do Procon. Nas edições anteriores da promoção, o Procon Porto Alegre registrou mais 100 reclamações sobre a Black Friday. A maioria das reclamações alegava maquiagem no preço final de venda:

- Ocorreu com frequência a atitude de fornecedores aumentarem os preços antes de ocorrer a Black Friday e, no dia da promoções, oferecerem o desconto equivalente ao aumento efetuado, fato que ficou conhecido popularmente como a metade do dobro. – Afirma o diretor-executivo do Procon, Cauê Vieira.

As lojas pela internet costumam ter preços melhores. Já economizei muito em brinquedos comprando online. Mas o consumidor deve se certificar antes se os sites são de boa procedência. Neste link do Procon de São Paulo há a lista dos sites que não são considerados confiáveis.

Dicas

O Procon Porto Alegre também orienta que os pais verifiquem se o site das empresas tem formas de contato alternativos, com indicação obrigatória de endereço físico e telefone de contato.  Nas compras online, o consumidor deverá preferencialmente optar pelo pagamento via cartão de crédito, uma vez que o cancelamento dessas compras, em caso de qualquer problema, é mais fácil de ser feito do que em compras realizadas por boletos. Da mesma forma, nas comprar realizadas pela internet aplica-se o direito de arrependimento, pelo qual o consumidor pode desistir da compra em até sete dias a contar do recebimento do produto, devolvendo o produto em perfeito estado para receber o seu dinheiro de volta, direito este não previsto para as compras realizadas nos estabelecimentos comerciais, quando o consumidor tem contato direto com a mercadoria.

CURTA NOSSA PÁGINA NO FACEBOOK

SIGA O FRALDA CHEIA NO TWITTER

SIGA DICAS DE MÃE NO INSTAGRAM

Leia Também

Câmara aprova educação financeira no currículo das escolas municipais da Capital

Proteste sugere recall de três modelos de cadeira de alimentação para bebês

Teste: Apenas um modelo de carrinho de bebê é considerado de boa qualidade

Papinha pronta da Nestlé não tem pedaços de vidro

Médicos gaúchos alertam para risco de traumatismo craniano em crianças que usam andadores

Principais marcas de refrigerantes deixam de vender a escolas com alunos de até 12 anos