Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Posts na categoria "Cuidados"

Agora é lei: depoimento de crianças e adolescentes vítimas ou testemunhas de violência tem de ser protegido

04 de abril de 2017 0

Por Sibeli Fagundes

17926878 criança

Crianças e adolescentes, vítimas ou testemunhas de violência, têm o direito à proteção especial em depoimentos. A lei, de autoria da deputado Maria do Rosário, foi sancionada hoje pelo presidente Michel Temer, na abertura do 9º Global Child Forum on South America, em São Paulo.

O texto prevê que não haverá contado algum, nem mesmo visual, com o acusado. As vítimas passam a ser acompanhados por profissionais especializados em saúde, assistência social e segurança pública. Será criado um serviço de atendimento para denúncias de abuso e de exploração sexual.

Quem violar a lei está sujeito a pena que varia de um a quatro anos de prisão.

Apesar de a lei ter sido sancionada hoje, não entra em vigor imediatamente. O governo deverá normatizar o texto em 60 dias. Depois, Estados e Municípios têm  mais 180 dias para adequação.

A lei entra em vigor mesmo, um ano após a publicação.

Pais ficam furiosos por escola enviar bilhetes dizendo que filhos estão obesos

21 de março de 2017 5

Por Sibeli Fagundes

Reprodução/Mirror

Reprodução/Mirror

Você ficaria furiosa se a escola do seu filho enviasse um bilhete com um alerta sobre o sobrepeso ou obesidade dele? Os pais de estudantes de uma escola primária de Plymouth, na Inglaterra, ficaram. As crianças têm quatro anos de idade e foram avaliadas seguindo regras do serviço público de saúde do Reino Unido.

Na avaliação enviada aos pais, havia as medidas da criança a avaliação do IMC (índice de massa corporal). Também indicava o serviço de saúde para que pudessem procurar auxílio.

O pai de Roxanne, Martin John Tall, considerada com excesso de peso, desabafou. Disse que ficou chocado e questionou que a atitude da escola, que poderia desencadear um complexo em uma criança tão nova sobre o peso dela.

Reprodução/facebook

Reprodução/facebook

Kelly Franklin, mãe de Jake, também ficou indignada. Disse que o filho, além de ter passado recentemente por um cirurgia no cérebro (nasceu com Sagittal Craniosynostosis, que provoca o fechamento das placas ósseas do crânio mais cedo ) e tem outras doenças, que afetam o processamento sensorial, além de déficit de atenção.

Olhando as fotos das crianças, nenhuma parece obesa. No entanto, pela calculadora de IMC, estão realmente acima do peso, mas nada que não possa ser revertido facilmente. A escolas, inclusive, pede atenção à alimentação e à prática de atividade física.

Quando meu filho tinha 4 anos, o pediatra também alertou que estava acima do peso. Quem o via, enxergava um criança magra (o excesso era pequeno, mas havia). Eu dei atenção ao alerta e cuidei mais ainda da alimentação dele. Hoje, está dentro da normalidade.

Talvez tenha havido falta de sensibilidade da escola. Procurada pelo jornal Mirror, a direção não se pronunciou.

Leia também:

Brasil tenta frear obesidade infantil

Termômetros de mercúrio serão proibidos a partir de 2019

10 de março de 2017 0

Por Elisandra Borba

Foto: Divulgação Anvisa

Foto: Divulgação Anvisa

Produtos médicos que utilizam mercúrio não poderão mais ser fabricados ou vendidos a partir de janeiro de 2019. A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA) aprovou as medidas para retirar do mercado produtos como termômetros, medidores de pressão corporal e liga de amálgama não encapsulado em odontologia, que utilizam mercúrio na composição. Também ficará proibida a utilização destes produtos em serviços de saúde.

Em junho do ano passado a Anvisa havia lançado uma consulta pública para pedir a ajuda da população sobre as formas para cumprir o compromisso do governo brasileiro firmado em convenção mundial para o controle do uso e redução de emissões e liberações do mercúrio para a natureza. Nesta semana, a diretoria Colegiada da Anvisa aprovou as mudanças.

Substitutos do mercúrio

Para os medidores de febre, o mais indicado é utilizar os termômetros digitais. Um levantamento realizado no ano passado mostrou que 63 produtos digitais foram registrados na Anvisa, enquanto apenas dois à base de mercúrio obtiveram registro.

Sobre os medidores de pressão, 42 registros foram concedidos para produtos que não utilizam a coluna de mercúrio, contra um medidor com mercúrio.

Como proceder em casa

Quem tem termômetro de mercúrio em casa não precisa descartar. Os termômetros digitais vêm substituindo os termômetros com mercúrio há alguns anos, no entanto, como é um produto sem prazo de validade é possível que algumas pessoas ainda tenham este tipo de artigo em casa. A quantidade de mercúrio presente em termômetros de uso caseiro não chega a ser comprometedora, segundo a Agência, mas em caso de acidentes é importante tomaralgumas precauções:

-Não permita que crianças brinquem com as bolinhas de mercúrio.

-Utilize luva e máscara e recolha com cuidado os restos de vidro em toalha de papel e coloque em recipiente resistente à ruptura, para evitar ferimento e feche hermeticamente.

-Localize as “bolinhas” de mercúrio e junte-as com cuidado utilizando um papel cartão ou similar. Recolha as gotas de mercúrio com uma seringa sem agulha. As gotas menores podem ser recolhidas com uma fita adesiva.

-Transfira o mercúrio recolhido para o recipiente de plástico duro e resistente, feche hermeticamente e cole um rótulo indicando o que há no recipiente.

-Recipientes que acondicionem mercúrio líquido ou seus resíduos contaminados devem estar armazenados com certa quantidade de água (selo hídrico) que cubra esses resíduos, para minimizar a formação de vapores de mercúrio.

-Identifique o recipiente, escrevendo na parte externa “Resíduos tóxicos contendo mercúrio”.

-Não use aspirador, pois isso vai acelerar a evaporação do mercúrio, assim como contaminar outros resíduos contidos no aspirador.

-Coloque o recipiente em uma sacola fechada.

-Entre em contato com o serviço de limpeza urbana do seu município ou órgão ambiental (Estadual ou Municipal) para saber como proceder a entrega do material recolhido.

A proposta de texto será publicada no Diário Oficial da União nos próximos dias e estará disponível para contribuições no Portal da Anvisa.

 

Grávidas podem tomar vacina contra a febre amarela?

07 de março de 2017 0

Por Sibeli Fagundes

 

Foto: Rafaela Martins / Agencia RBS

Foto: Rafaela Martins / Agencia RBS

A recomendação de especialistas é de evitar a vacina e também ir a regiões endêmicas. No entanto, se a viagem a esses lugares for inevitável, a gestante deve tomar a vacina, devido ao risco significante de a febre amarela levar à morte.

A vacina é preparada a partir de um vírus vivo, atenuado. A febre amarela é uma doença infecciosa severa com alta morbidade e mortalidade. O risco da vacina para a saúde embrio-fetal é desconhecido. Por isso, o American College of Obstetricians and Gynecologists classifica a imunização como contra-indicada na gestação, exceto se a exposição da gestante em áreas endêmicas é inevitável.

Um estudo realizado no Brasil em 2007, avaliando 304 recém-nascidos de mães que receberam a vacina da febre amarela na gravidez, concluiu que a imunização com a vacina para febre amarela não aumenta o risco de malformações maiores.

As informações são do site gravidez-segura.org , mantido pelo Sistema Nacional de Informação sobre Agentes Teratogênicos,  projeto de extensão do Departamento de Genética e do Programa de Pós-Graduação em Genética e Biologia Molecular da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS).

Antes de tomar uma decisão, discuta os prós e contras com seu obstetra.

Leia também:
Saiba se o seu filho precisa fazer a vacina contra a Febre Amarela
Tire suas dúvidas sobre a Febre Amarela

Pais devem aproveitar promoções, mas com cuidado

21 de fevereiro de 2017 0

Por Milena Schoeller

Foto: Maykon Lammerhirt / Agencia RBS

Foto: Maykon Lammerhirt / Agencia RBS

Termina no próximo domingo (26) o já tradicional Liquida Porto Alegre. E desde que começou, pais têm compartilhado nas redes sociais diversas promoções, desde produtos de higiene, como fraldas e lenços, até roupas e acessórios para os pequenos. Por isso, o blog traz algumas dicas elaboradas pelo Procon de Porto Alegre para que os pais possam comprar com tranquilidade:

CURTA NOSSA PÁGINA NO FACEBOOK

SIGA O FRALDA CHEIA NO TWITTER

SIGA DICAS DE MÃE NO INSTAGRAM

1) Pesquisa

O consumidor deve sempre fazer uma pesquisa prévia de preços, já que há grande diferença no valor entre uma loja e outra, ou entre a internet e a loja física. Além disso, tente saber qual era o preço antes das promoções, para saber se o valor realmente vale.

2) Nota Fiscal

Na hora da compra, a pessoa sempre deve exigir a nota fiscal, pois é o documento que garante a troca do produto ou reparo do serviço adquirido.

3) Testes

O Procon recomenda, ainda, fazer o teste de funcionamento do produto na loja para constatar se está em perfeitas condições de uso. Se a mercadoria for entregue em casa, é necessário inspecioná-la, conferindo a voltagem do aparelho, entre outros.

4) Compra pela internet ou telefone

O cliente tem o direito de desistir da compra efetuada até sete dias após a entrega da mercadoria, podendo receber o valor gasto, mesmo que o produto não apresente defeito. Certifique-se de que o site é de confiança.

5) Trocas

No caso das trocas de produtos comprados em lojas físicas, o Procon salienta que a troca não é obrigatória se o produto não apresentar falhas. O consumidor pode perguntar antes da compra se o fornecedor aceita promover a troca do produto sem defeito, por questão de tamanho, por exemplo.

Leia Também

Não deixe as crianças em casa na hora de comprar o material escolar

Diferença de preços do material escolar em Porto Alegre chega a 1500%

Ovos de páscoa com brinquedos sem certificação podem ser perigosos para as crianças

Mães acham que filhos são discriminados por não terem produtos da moda

Enxoval do bebê – o que preciso comprar?

Estudo revela que cinco em cada dez pais são influenciados pelos filhos na hora de comprar presentes de natal

Rede de Supermercados disponibiliza carrinhos de compras adaptados para mães de crianças com deficiência

Um ano após epidemia de zika, governo decide distribuir repelente a gestantes

17 de fevereiro de 2017 0

Por Sibeli Fagundes

 Risco a partir do terceiro trimestre de gestação é considerado insignificante

Sem repelente, risco de contrair zika vírus é maior

Um ano (!!!!)  após a epidemia de zika e o crescimento expressivo dos casos de microcefalia em recém-nascido relacionada ao vírus , o governo federal decidiu distribuir repelentes para gestantes beneficiárias do Bolsa Família em todo o Brasil. As informações são da Agência Brasil.

De acordo com o Ministério do Desenvolvimento Social e Agrário, a partir de março (!!!!) , mais de 484 mil gestantes do programa receberão os repelentes. Ao todo, serão distribuídos 15,9 milhões de frascos. Serão sete lotes, sendo que o último será distribuído em dezembro.

“Na primeira etapa, serão entregues quase 1 milhão de unidades. As prefeituras ficarão responsáveis por escolher a melhor forma de distribuição – ou no Centro de Referência de Assistência Social [Cras] ou na unidade de saúde”, diz nota divulgada pelo ministério.

Em 2015 e 2016 foram notificados 10,2 mil casos de crianças nascidas com alterações no crescimento e desenvolvimento relacionadas à infecção pelo vírus zika no Brasil, sendo 2,2 mil confirmados. Neste período, foram concedidos 1,9 mil Benefícios de Prestação Continuada (BPC) para pessoas com microcefalia.

Leia também:

Como as grávidas podem se proteger do mosquito transmissor da zika

Estudo brasileiro relaciona zika vírus com surdez em bebês

Pesquisa mostra que efeitos do zika vírus vão além da microcefalia

Evitar a proliferação do Aedes aegypti é a melhor forma de prevenção

9 dicas para proteger seu filho das picadas de mosquito!

Meu filho foi picado por mosquitos: e agora? Que sintomas exigem atenção?

Alimentos e bebidas terão alerta sobre presença de lactose

07 de fevereiro de 2017 0

Por Sibeli Fagundes

Medida traz mais segurança Divulgação/Anvisa

Medida traz mais segurança Divulgação/Anvisa

Aos poucos, a legislação está se adaptando à restrição de certos tipos de alimentos que causam alergias ou intolerâncias a algumas pessoas. Agora, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária estipulou que a declaração da presença de lactose será obrigatória nos alimentos com mais de 100 mg de lactose para cada 100 gramas ou mililitros do produto. Ou seja, qualquer produto que contenha o ingrediente em quantidade acima de 0,1% deverá trazer a expressão “Contém lactose” em seu rótulo.

O limite de 100 mg foi definido com base na experiência de outros países que já adotam esta regulação há bastante tempo, como Alemanha e Hungria. De acordo com a Anvisa, esse limite tem se mostrado seguro para as pessoas com intolerância à lactose.

CURTA NOSSA PÁGINA NO FACEBOOK

SIGA O FRALDA CHEIA NO TWITTER

SIGA DICAS DE MÃE NO INSTAGRAM

Os fabricantes de alimentos poderão também empregar a expressão “baixo teor de lactose” nos casos em que a quantidade de lactose for reduzida para valores entre 100 mg e 1 g por 100 g ou mililitros do alimento pronto conforme instruções do fabricante.

Com a instituição dessas regras, o mercado brasileiro de alimentos terá três tipos de rotulagem para a lactose: “zero lactose” ou “baixo teor”, para os produtos cujo teor de lactose tenha sido reduzido e “contém lactose”, nos demais alimentos com presença desse açúcar.

Mas isso não é para já e não abrange todos locais. A indústria tem até 24 meses para se adaptar e esgotar os estoques já existentes. Estabelecimentos que preparam os alimentos, sejam eles sem embalagens ou embalados no próprio ponto de venda a pedido do consumidor, não estão obrigados a informarem sobre o conteúdo de lactose.

O que é lactose?
A lactose é o principal açúcar presente no leite de mamíferos. Quando alimentos contendo lactose são ingeridos, esse açúcar é processado pela enzima lactase e transformada em glicose e galactose. Na maioria das pessoas, a atividade da lactase diminui após o desmame e leva as pessoas a se tornarem menos tolerante à enzima com o passar dos anos.
Os principais sintomas da intolerância são abdominais, como dor e distensão, flatulência, diarreia, náusea, vômitos ou constipação. A intolerância é diferente das alergias. Nesse último caso as reações do organismo podem ser mais graves e o limite de ingestão não tem como ser definido.

Leia também:

Alergia à Proteína do Leite de Vaca tem cura!

Intolerância à Lactose e Alergia à Proteína do Leite de Vaca são a mesma coisa?

Dieta de Exclusão: algumas dicas para quem tem filho APLV

Pesquisa aponta benefício na inclusão de leite e ovos na alimentação do bebê

Pediatras pedem liberação de injeção de adrenalina para alérgicos

Nestle é condenada a pagar indenização após criança ter reação alérgica a ingrediente não informado na embalagem

Como fazer bolo integral!

Cômoda cai em cima de menino, que é salvo por irmão gêmeo

03 de janeiro de 2017 0

Por Sibeli Fagundes

Imagens foram vistas milhões de vezes - Reprodução Facebook

Imagens foram vistas milhões de vezes – Reprodução Facebook

Quem nunca pegou o filho fazendo uma traquinagem perigosa? É só piscar e pah! O perigo está em coisas que nem imaginamos. Nos Estados Unidos, os irmão gêmeos de dois anos,  Bowdy e Brock,  estavam se aventurando na cômoda e a brincadeira por pouco não terminou em tragédia. Os pais acabaram postando a imagem nas redes sociais para alertar sobre o perigo. Ricky e Kayli Shoff estavam em outro cômodo e não ouviram o barulho do móvel caindo, nem de choro. Quando foram ao quarto e viram a cômoda caída, foram conferir a câmera de segurança. E se depararam com isso:

“Fiquei um pouco hesitante em postar isso, mas acho que não é apenas para despertar a atenção, mas também é incrível”, disse Shoff no post do Facebook. “Nós somos tão gratos pelo laço que esses irmãos gêmeos compartilham. Nós sabemos que Bowdy não estava sozinho tirando a cômoda de Brock e nos sentimos abençoados por ele estar bem”.

Após o incidente,  eles parafusaram a cômoda na parede.

HPS atende 35 casos de acidente com crianças por dia em Porto Alegre

03 de janeiro de 2017 0

Por Elisandra Borba

Foto: Marina Pagno

Foto: Marina Pagno

O Hospital de Pronto Socorro, referência para atender situações de trauma em Porto Alegre, recebeu somente no ano passado 12739 crianças de zero a dez anos, vítimas de algum tipo de acidente. De acordo com a enfermeira da área de políticas públicas pra crianças e adolescentes da Secretaria da Saúde, Tais Soares Felden, os casos mais comuns envolvem afogamentos e sufocamentos, eletricidade, queimaduras, acidentes de trânsito e quedas.

A especialista destaca que os pais precisam estar atentos para mudanças simples em casa que podem evitar os acidentes. Grades ou telas nas janelas são fundamentais, mesmo que em locais térreos. Não colocar móveis próximo a janelas também ajuda a evitar que as crianças tenham acesso aos locais perigosos. As quedas são as principais responsáveis por lesões, inclusive irreversíveis.

As tomadas precisam estar com proteção. Capas plásticas são facilmente encontradas em ferragens a um custo bem baixo. Cerca de R$ 030 por peça. As panelas devem estar com os cabos para dentro. Garfos e facas também são perigosos. Remédios e produtos de limpeza devem ficar fora do alcance das crianças.

Outro tipo de acidente são os afogamentos que podem acontecer até mesmo em baldes ou bacias de água. Objetos colocados dentro do nariz ou ouvido também são comuns na infância.

Além de manter o local seguro, a enfermeira acredita que os pais precisar alertar as crianças sobre os perigos iminentes desde cedo: “os pais precisam conversar com as crianças”, conclui Tais.

Ouça a entrevista completa durante o programa Gaúcha Repórter:

Como evitar e tratar as brotoejas nas crianças?

30 de dezembro de 2016 0

Por Marcela Panke

Foto: Sirli Freitas / Agencia RBS

Foto: Sirli Freitas / Agencia RBS

As brotoejas, aquelas bolinhas vermelhas, são bem comuns no verão. Para entender melhor o que são, como evitar e qual o tratamento indicado, o blog recorreu à médica dermatologista pediátrica e integrante da Sociedade de Pediatria do Rio Grande do Sul, Ana Elisa Kiszewski Bau. Confira as orientações:

FRALDA CHEIA – O que é brotoeja?

DRA ANA ELISA – A brotoeja é o nome popular da miliária. É bastante comum nos meses de verão e mais frequente em crianças pequenas.

FRALDA CHEIA - O que causa a brotoeja?

DRA ANA ELISA - O excesso de transpiração pode levar a obstrução e inflamação dos ductos sudoríparos écrinos (parte da glândula que produz o suor), causando a brotoeja. Em geral, isso ocorre na vigência de sudorese excessiva por calor e umidade extremas (clima tropical, incubadoras e febre).

Os lactentes são particularmente suscetíveis pela imaturidade da glândula sudorípara écrina.

FRALDA CHEIA - Quais são os sintomas mais comuns?

DRA ANA ELISA - O sinal encontrado são numerosas pápulas eritematosas (minúsculas bolinhas vermelhas) que medem de 1 a 4 mm de diâmetro. O sintoma mais frequente é o prurido (as lesões podem causar coceira).

As lesões se localizam principalmente no dorso superior, região do pescoço, e tórax superior.

Há uma tendência a resolução espontânea após alguns dias (principalmente se ocorrer mudança do clima), mas em alguns casos, as lesões podem durar várias semanas.

FRALDA CHEIA - Como tratar e como evitar? Medidas caseiras como uso de maizena ou aveia podem ser utilizadas?

DRA ANA ELISA - Medidas para evitar o excesso de sudorese devem ser estimuladas como utilizar ar condicionado, usar somente roupas de algodão leves, tomar vários banhos ao dia (somente com água) e limitar a atividade física.

O uso de maizena ou talco líquido pode ajudar, mas não irá resolver o problema se as outras medidas não forem tomadas simultaneamente.

Caso as lesões persistam apesar desses cuidados, alguns medicamentos podem ser utilizados com prescrição médica.

Leia também:

Dermatite de fraldas: o que é, como prevenir e como tratar?

Amido de milho para assadura de bebê funciona

#FornoGrandeDoSul – Com a previsão de temperaturas escaldantes, veja como aliviar o calor das crianças

9 dicas para proteger seu filho das picadas de mosquito!