Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Posts na categoria "Educação"

Veja como reaproveitar material escolar de forma criativa

24 de janeiro de 2017 0

Por Elisandra Borba

Foto: Diogo Sallaberry

Foto: Diogo Sallaberry

O início do ano é complicado para os pais. Tem que pagar impostos, como IPTU e IPVA; matrícula/rematrícula na escola; comprar material escolar, uniforme… Não há bolso que aguente. Já falamos nesta semana sobre como conscientizar as crianças na hora de comprar material novo. Hoje vamos falar sobre reaproveitamento.

Reaproveitar materiais não é apenas economia para o bolso. Gera responsabilidade social e ambiental para as crianças. Podemos aproveitar este momento também para exercitar a criatividade e proporcionar uma renovação dos objetos de maneira criativa. Veja as dicas da Mercur, empresa que produz material escolar.

1) Personalize cadernos de capa lisa, que são mais baratos

Os cadernos com capas de cores lisas custam menos do que cadernos de marcas ou personagens. A dica é personalizar os cadernos com fotos, recortes de revista e desenhos (colados na capa), ou, ainda, encapando-os com tecido e cola. Serão modelos únicos na sala de aula.

2) Limpe canetas, lápis de cor e demais materiais de desenho e/ou escrita

Tudo o que restou no estojo do ano passado pode ser testado, limpo e reaproveitado no ano seguinte. Esta limpeza pode ser realizada com álcool e uma flanela. Você pode lavar seus estojos e completá-los com o que estiver faltando. Utilizar os materiais até o final da vida útil é uma excelente forma de ser sustentável.

3) Aquarela feita com canetas hidrográficas secas

Você pode desmontar a caneta, retirar o refil/carga de dentro e deixar de molho na água, separando cada cor em um pote diferente. Se quiser guardar a tinta, escolha um pote com tampa e a deixe de molho por algumas horas. Você terá uma tinta muito semelhante a aquarela. Utilize com pincel.

4) Pastas renovadas

Pastas já utilizadas que estão com um aspecto mais gasto, podem ser revigoradas com a colagem de adesivos de sua preferência e serem utilizadas por mais tempo.

5) Faça apliques em mochilas e estojos

Você pode comprar desenhos e bordados e aplicá-los em sua mochila ou estojo. Existem muitas opções para aplicar em diferentes tipos de superfície. Essa é uma forma interessante de dar uma cara nova a antigos materiais. O mesmo pode ser feito utilizando botons para agregar o sentido que você desejar a seu estojo ou mochila.

6) Novo caderno

Folhas limpas de cadernos do ano que passou, podem ser unidas às de outros cadernos e transformadas em uma nova encadernação.

7) Agendas antigas viram blocos de rascunho

As agendas podem ser reutilizadas como blocos de rascunho, pois sempre ficam páginas em branco que podem, dessa forma, ser reaproveitadas.

8) Giz de cera com cara de novo

Existem muitas técnicas que ensinam a reaproveitar pedaços muito pequenos de giz de cera. Basta separá-los por cores, colocar os pedaços de giz em formas de silicone ou de metal e levar ao forno. O tempo de derretimento depende muito do tamanho dos pedaços de giz. Geralmente, entre 3 e 7 minutos é suficiente. Quando o giz estiver totalmente derretido, retire do forno e aguarde esfriar. Pronto, você terá novos giz de cera com formatos inusitados e feitos por você.

Aproveite as dicas e use a criatividade. Convide as crianças para participar da confecção dos materiais e crie um momento especial com elas. Você estará estreitando laços e gerando um cidadão mais consciente.

Leia também:

Não deixe as crianças em casa na hora de comprar o material escolar

Diferença de preços do material escolar em Porto Alegre chega a 1500%

Lista de Material Escolar: saiba o que pode e o que não pode ser pedido

Como escolher a escola do filho?

07 de dezembro de 2016 0

Seis dicas para os pais que estão em busca de uma escolinha

Por Milena Schoeller

Foto: Diogo Sallaberry / Agencia RBS

Foto: Diogo Sallaberry / Agencia RBS

Algumas crianças entram mais cedo, outras mais tarde, mas o certo é que em algum momento os pais vão se deparar com esta pergunta: qual será a melhor escola para o meu filho? Normalmente, os pais sempre procuram conhecer antes as instituições, para terem certeza de que os filhos ficarão bem, independente da idade. Por isso, o blog reproduz aqui uma série de dicas da Pastoral da Criança:

CURTA NOSSA PÁGINA NO FACEBOOK

SIGA O FRALDA CHEIA NO TWITTER

SIGA DICAS DE MÃE NO INSTAGRAM

1- Ambiente limpo e arejado: o local pode ser simples, mas precisa estar limpo e bem arejado, para que as crianças tenham ar puro. Visitar os banheiros da escola pode ser uma maneira rápida de verificar o cuidado com a limpeza. Também observar a frequência da higienização destes banheiros, das mesas e cadeiras, e se, de maneira geral, o ambiente está organizado. É bom conferir se as janelas são amplas e possuem telas de proteção. E verificar ainda se os materiais pedagógicos, jogos e brinquedos, são lavados com regularidade.

2 – Segurança: durante a visita à escola, observe pontos como muros, grades, alambrados, se as janelas têm telas, se as tomadas são cobertas, e se os produtos de limpeza são mantidos fora do alcance das crianças. Verifique como a escola recebe os visitantes: pergunte se estranhos podem entrar na escola. Também informe-se como é realizada a “entrega” da criança. Por questão de segurança, as crianças só devem ser entregues para pessoas autorizadas.

3- Alimentação: verifique se o cardápio é preparado com orientação de nutricionista, e se os lanches oferecidos são saudáveis. Caso a criança leve o lanche de casa, prefira comidas mais saudáveis, como frutas, bolo caseiro, e sucos. A obesidade infantil tem sido uma das principais preocupações da Organização Mundial de Saúde (OMS) e da Pastoral da Criança.

4- Estrutura: a escola é um espaço de aprendizado e convivência, e não precisa ter a estrutura de um clube. Observe se existe um local apropriado para a prática de atividades ao ar livre e esportes, salas apropriadas para aulas de música, por exemplo, e biblioteca. Verifique também os locais específicos para o descanso (sono) e para a alimentação. Os espaços devem ser ventilados, iluminados, e com proteção contra o sol forte.

5- Professores e quantidade de crianças: municípios e estados têm resoluções diferentes sobre a quantidade ideal de crianças por professor. O Conselho Nacional de Educação orienta que cada professor deve cuidar, no máximo, de seis a oito crianças de até 2 anos; de 15 crianças até 3 anos e de 20 crianças de 4 a 6 anos. Esses números levam em consideração as características do espaço físico e das crianças. Durante a visita à escola, procure observar a relação dos professores com os alunos. Eles são atenciosos? Parecem dedicados?

6- Proposta pedagógica: Mais do que cuidar das crianças, a educação infantil também deve seguir o aspecto educativo. Pesquisas mostram que a frequência à creche e à pré-escola causam efeitos positivos na vida das crianças. Verifique se a proposta pedagógica adotada na escola está de acordo com o que você espera para a educação do seu filho.

Perguntas Básicas que devem ser feitas pelos pais na hora da escolha de uma creche ou escola

- A instituição tem autorização de funcionamento expedida pela Secretaria Municipal de Educação?
- A instituição tem proposta pedagógica em forma de documento?
- Reuniões e entrevistas com familiares são realizadas em horários adequados à participação das famílias?
- Há reuniões com familiares pelo menos três vezes por ano?
- Os familiares recebem relatórios sobre as vivências, produções e aprendizagens pelo menos duas vezes ao ano?
- A instituição permite a entrada dos familiares em qualquer horário?
- Existe local adequado para receber os pais ou familiares? E para o aleitamento materno?
- As professoras têm, no mínimo, a formação em nível médio, magistério?
- As salas de atividades e ambientes internos e externos são agradáveis, limpos, ventilados, e tranquilos, com acústica que permite uma boa comunicação?
- O lixo é retirado diariamente dos ambientes internos e externos?
- A instituição protege todos os pontos potencialmente perigosos do prédio para garantir a circulação segura das crianças e evitar acidentes?

O que os pais devem observar após o começo das aulas?

- Observe o comportamento da criança quando ela chega na instituição (alegria, timidez ou choro).
- Observe diária e atentamente, enquanto estiver conversando com a criança, seu olhar, seus gestos, e sua fala. Suas reações podem ajudar a avaliar o estado físico e emocional.
- Observe as reações da criança ao ver seus colegas, isso pode demonstrar como está a relação com a turma.
- Observe as produções e o material que ela traz da instituição.

Leia Também

O primeiro dia na escola grande! Veja dicas para uma boa adaptação.

Colocar o filho na creche, sim ou não?

Colocar o filho na creche, sim ou não? – parte 2

Menino chora ao vivo quando repórter pergunta se sentirá saudades da mãe na escola

Conheça o Estatuto da Primeira Infância

Escolas de Porto Alegre poderão denunciar ao Conselho Tutelar crianças sem vacinação em dia

Câmara aprova educação financeira no currículo das escolas municipais da Capital

Suspensa exigência do uso de cadeirinha em vans de transporte escolar

Projeto quer punir pais que não participam de reuniões nas escolas dos filhos

Escola de Princesas causa polêmica nas redes sociais

14 de outubro de 2016 0

Por Marcela Panke

Foto: divulgação

Foto: divulgação

Com o lema “O sonho de toda menina é tornar-se uma princesa”, a psicopedagoga Nathalia de Mesquita fundou a Escola de Princesas em 2013 em Uberlândia, em Minas Gerais. A instituição vem causando bastante polêmica nas redes sociais, pela discussões envolvendo machismo e estereótipos. Existem unidades em Minas e em breve, será inaugurada uma sede em São Paulo.

CURTA NOSSA PÁGINA NO FACEBOOK

SIGA O FRALDA CHEIA NO TWITTER

SIGA DICAS DE MÃE NO INSTAGRAM

A escola é voltada a meninas com idade entre 4 e 15 anos. Os cursos são divididos em módulos. Confira os detalhes dos cursos neste link. A decoração da escola é toda baseada no cor-de-rosa, seja nas paredes, nas mesas, nos móveis, nos objetos e nos uniformes.

Foto: divulgação

Foto: divulgação

A escola tem o objetivo de transmitir os valores de uma princesa, como humildade, solidariedade e bondade, além de ensinar regras de etiqueta, de culinária e dicas para organização da casa. Há lições também de auto-estima e equilíbrio emocional, oratória, boas maneiras e postura.

Confira a entrevista que a fundadora da Escola de Princesas concedeu ao programa Timeline, da Rádio Gaúcha, na manhã desta sexta-feira (14):

Leia também:

Mãe dá lição em vídeo após filho cortar o cabelo em função do preconceito

Disforia de gênero em crianças: saiba o que é e como identificar

Comportamento das crianças pode ser um indicativo que algo não vai bem

Pais que não pagam pensão em dia podem ficar sem Carteira de Habilitação

Justiça nega indenização para mulher que engravidou após laqueadura

Comportamento das crianças pode ser um indicativo que algo não vai bem

10 de outubro de 2016 0

Por Elisandra Borba

Foto: Reprodução

Foto: Reprodução

Pare de acreditar nas pessoas que dizem que tudo é normal. Este é um apelo que eu, como mãe, faço a vocês. Ninguém melhor que os pais para conhecerem seus filhos e identificar se há algo errado. E se você está se questionando se é normal, é porque talvez saiba que não é. Não significa que seu filho tenha uma doença grave ou tenha que ser medicado, mas talvez ele precise de uma atenção especial.

A médica neuropediatra e especialista em desenvolvimento infantil, Dra. Karina Weinmann, destaca seis características que devem ser analisadas:

Fazer xixi na cama: A enurese noturna (urinar na cama durante a noite depois dos 4 anos) pode estar ligada à situações de estresse (chegada de um irmão, mudança de escola, separação dos pais), como também a outros problemas, como o transtorno de déficit de atenção e hiperatividade (TDAH). Pode ainda ter relação a alterações orgânicas, como o mecanismo fisiológico responsável pela micção.

Pesadelos: De acordo com a Associação Brasileira do Sono, de 20 a 30% das crianças entre 5 e 12 anos têm pelo menos um pesadelo a cada 6 meses. Entretanto, se essa média aumentar de uma hora para outra, pode ser um alerta de que a criança pode estar passando por uma situação difícil, como bullying na escola, ou alguma mudança na vida familiar, por exemplo.

Choro sem motivo: Uma criança que chora sem motivo aparente pode estar demonstrando apenas que precisa de mais atenção dos pais. Entretanto, o choro é a primeira forma de comunicação da criança e é como ela consegue expressar seus sentimentos de raiva, frustração, medo e angústia. O ideal é conversar com a criança e intervir o quanto antes. Em alguns casos, quando o choro é excessivo e persistente, e está ligado a outros sintomas, pode ser sinal de depressão infantil.

Mau desempenho escolar repentino: Se a criança era uma excelente aluna e de repente as notas começaram a baixar, é preciso analisar o que está acontecendo de forma global. As causas podem ser diversas, como o excesso de atividades, problemas com os amigos, bullying ou ainda dificuldades no âmbito familiar.

Perda do interesse em coisas que gostava: A dificuldade ou a incapacidade de se motivar ao realizar atividades antes prazerosas (anedonia ou perda do prazer) é um sinal importante quando se manifesta em uma criança. Acontece quando a criança se mostra mais quieta, prefere ficar sozinha a brincar com os amigos e reclama que tudo é chato.

Rebeldia sem causa: A maioria das crianças gosta de contrariar os pais para conseguir o que quer e de questionar o porquê das coisas. Mas, crianças que reagem de forma muito agressiva quando são contrariadas, têm resistência em aceitar regras, argumentam com os adultos de forma incansável e não reconhecem a responsabilidade perante o mau comportamento, precisam ser avaliadas. Esses comportamentos podem indicar a presença do Transtorno Opositor Desafiador (TOD).

Sempre que suspeitar que algo não vai bem, consulte um especialista. Se não se satisfizer com o que ouvir, procure outro. Confie em seu instinto.

CURTA NOSSA PÁGINA NO FACEBOOK

SIGA O FRALDA CHEIA NO TWITTER

SIGA DICAS DE MÃE NO INSTAGRAM

Leia também:

E quando a criança é teimosa? Veja dicas de especialistas

Como lidar com as birras do seu filho

Afinal, apesar dos boatos, a Peppa e outros desenhos deseducam as crianças?

Você sabe por que o Príncipe William sempre se abaixa para falar com o filho?

Castigo para criança pequena? Saiba quando é válido

Meu filho não sabe dividir!

Como dividir a atenção entre os filhos!

Fonte: Sobre a NeuroKinder Cuidado infantil

Aluno deficiente agredido em escola será indenizado pelo Estado

22 de setembro de 2016 0

Por Sibeli Fagundes

Para a Justiça, Estado foi omisso Foto: meramente ilustrativa/Arquivo TJRS

Para a Justiça, Estado foi omisso
Foto: ilustrativa/Arquivo TJRS

Um estudante da Escola Estadual Irmã Branca, em Lajeado, conseguiu reparação na justiça por agressões físicas e psicológicas que sofreu dentro do colégio. O Estado terá de pagar R$ 1.695 por danos materiais e R$ 8 mil por danos morais. Os valores serão corrigidos.

Nos anos de 2011 e 2012, quando cursava o ensino fundamental, o garoto sofreu ações violentas por parte de colegas de classe sem a intervenção dos responsáveis pela escola. Ele usa uma prótese na perna direita e contou que foi empurrado por outros alunos em várias oportunidades. Em uma das vezes, durante o intervalo das aulas, foi agredido por três colegas. Além de ferimentos na cabeça e um dente quebrado, a prótese foi danificada. Segundo o depoimento, ele também foi chamado de diversos apelidos depreciativos sem que ninguém fizesse nada.

Após ser condenado no primeiro julgamento, o Estado recorreu, negando que tivesse sido omisso. O Tribunal de Justiça não aceitou o argumento.

Leia mais:

Estado terá de indenizar família de menino morto em acidente na escola

 

Afinal, apesar dos boatos, a Peppa e outros desenhos deseducam as crianças?

12 de setembro de 2016 5

Por Elisandra Borba

Foto: Divulgação

Foto: Divulgação

E a vítima da vez é a Peppa Pig. Sensação entre as crianças, a porquinha ácida e por vezes mal-educada foi “vítima” de um boato que circulou pela internet na semana passada. O post, milhares de vezes compartilhado, dizia que um cientista de Havard estudou os efeitos do desenho em crianças e que ele seria responsável por problemas psicológicos graves. Um site, que desvenda boatos, foi atrás da informação e descobriu que é mais uma das brincadeiras da internet. O pesquisador citado nem mesmo existe.

A publicação gerou discussões ávidas em grupos de mães no Facebook. Desde as que tem um verdadeiro horror ao desenho e não permitem que s filhos assistam, até mães que defenderam que os desenhos de infâncias passadas eram ainda mais agressivos que os atuais.

Pra quem não conhece, a Peppa é uma porquinha que vive com os pais e um irmão em uma casa no alto de um morro. A principal diversão dela é pular em poças de lama. O pai da Peppa é o típico homem que acha que está tomando as melhores decisões, mas acaba se estrepando no final. Já vi um episódio em que a Peppa chama o pai dela de bobinho, o que causou o pavor de alguns pais. O irmão dela, George, odeia qualquer tipo de legume e salada e adora bolo de chocolate. A mãe da Peppa trabalha em casa, no computador – mesmo que pareça que ela está apenas jogando um game que caça ovos de galinha. A melhor amiga de Peppa é a Suzy, uma ovelha que gosta que tudo seja feito do jeito dela, ficando chateada quando isto não acontece. Os outros personagens podem ser qualquer coisa. A professora da escola pode virar a atendente de alguma loja ou o médico pode ser o motorista de um ônibus. Dependendo da vontade do autor do episódio.

De uns anos para cá, as discussões em torno do que é politicamente correto ganharam força. Desenhos que assistíamos nos anos 80/90, como Tom & Jerry ou Pica Pau, foram para a lista negra do que é indicado para crianças. Para comprovar a preocupação com essas questões, destaco aqui um trecho de uma das músicas infantis mais antigas que conheço que é a “Atirei o pau no gato”. Numa versão mais recente, foi acrescentada a versão “não atire o pau no gato, porque isso não se faz…”

Para a psicóloga Débora Fava, especialista em comportamento infantil, os desenhos animados podem servir como modelos para comportamentos sociais. O tempo de exposição, no entanto, é determinante, segundo a especialista: “A polêmica sobre a Peppa Pig levanta questões a respeito principalmente da característica da porquinha de tentar sempre ter a razão ou de ser contrária a diversas situações (teimosia). Em contrapartida, ensina palavras mágicas e otimismo por exemplo. À medida que o adulto perceber algo não assertivo na Pepa, pode aproveitar o momento para conversar de forma lúdica sobre o “certo” e o “errado” com os seus filhos ainda pequenos e assim ensinar estratégias de solucionar determinada situação mais assertivamente. Desenhos como os de super-heróis e diversos encontrados em canais infantis fechados, podem ser ainda mais instigantes de maus comportamentos e padrões de personalidade não saudáveis”, explica Débora. A psicóloga completa alertando que os pais devem reduzir ao máximo o tempo da criança à TV, além de serem modelos adequados para os filhos, “exercendo um excelente papel como educadores sociais”.

Acho importante que se discuta o que é certo e o que é errado, mas concordo com a especialista e gosto da ideia de explicar para a criança o que ela pode ou não fazer. Uma vez ouvi um pai dizer que não se importa quando o filho vê coisas erradas na televisão, pois ele tem ali a chance de explicar para o filho que ele não pode repetir determinadas atitudes. Penso que na minha família vai funcionar desta forma. Sem tabus, mas com muito diálogo. No entanto, respeito muito quem optou pela outra forma de educação, guardando o acesso a determinadas situações para trabalhar mais tarde, com mais maturidade por parte da criança. Ambas as decisões me parecem válidas. O que não é concebível é que os pais não pensem na educação dos filhos. A forma escolhida será a melhor para cada caso.

CURTA NOSSA PÁGINA NO FACEBOOK

SIGA O FRALDA CHEIA NO TWITTER

SIGA DICAS DE MÃE NO INSTAGRAM

Leia também:

Sociedade de Pediatria do RS orienta que pais não proíbam acesso a tecnologias

Três ideias de brinquedos sem custo para fazer com as crianças para as férias

Você sabe por que o Príncipe William sempre se abaixa para falar com o filho?

Sabe como lidar com as birras do seu filho?

Sarah Kallies: “Com licença, vou passar este creme tóxico no meu filho”

Quantas vezes discriminamos até crianças pela aparência?

Mães buscam voluntárias para ajudar estudantes a realizarem o Enem

11 de setembro de 2016 0

Por Elisandra Borba

Reprodução

Reprodução Facebook

O projeto Mães no Enem está mobilizando voluntárias em todo o país para auxiliar estudantes que não tem onde deixar os filhos durante a realização das provas do Exame Nacional do Ensino Médio, em novembro deste ano. A campanha está sendo realizada no Facebook, na página Mães no Enem.

A idealizadora é a Fernanda Vicente, que é mãe e ativista das causas femininas. Ela explica que o projeto surgiu a partir de uma corrente no Facebook em que mulheres se disponibilizavam a ajudar estudantes com filhos nos dias de prova. Ela compartilhou a publicação e logo recebeu diversas mensagens de outras pessoas que gostariam de fazer o mesmo. Fernanda, então, criou uma página na rede social e organizou os contatos. Há cerca de dois meses do exame, o projeto conta com mais de 200 voluntárias em 19 estados. No Rio Grande do Sul tem até o momento apenas quatro voluntárias.

Para participar, as voluntárias se cadastram, preenchendo uma ficha de cadastro, cópia do RG, CPF e comprovante de residência. Tudo fica sob sigilo, mas é importante para a segurança das crianças. O nome da voluntária é disponibilizado online, junto com a cidade em que mora e o Facebook. As mães entram em contato com as voluntárias.

CURTA NOSSA PÁGINA NO FACEBOOK

SIGA O FRALDA CHEIA NO TWITTER

SIGA DICAS DE MÃE NO INSTAGRAM

maes do enem

Leia também:

Banco de Leite do Hospital Presidente Vargas pede doações

Shopping de Porto Alegre dá livros de graça para alunos que tirarem nota 10

26,5% dos adolescentes de Porto Alegre já experimentaram cigarro

Sete dicas aprendidas pelos pequenos para economizar energia elétrica em casa

Fonte: Agência Brasil

 

Você sabe por que o Príncipe William sempre se abaixa para falar com o filho?

31 de agosto de 2016 12

Conheça o método de educação utilizado na família real britânica

Por Milena Schoeller

Reprodução Youtube

Reprodução YouTube

Já tinha me chamado a atenção que na maior parte das fotos de momentos da família real britânica, o Príncipe William aparece agachado, ao falar com o filho, o fofo Príncipe George. Há, inclusive, um vídeo, assistido milhares de vezes e difundido pelas redes sociais, onde a Rainha Elizabeth chama a atenção do príncipe, que está agachado falando com o filho, nas comemorações dos 90 anos da monarca, em junho: “Stand up, William” (Fique de pé, William).

Nesta semana, uma reportagem do jornal europeu El País explica os motivos: se trata de um método de educação. É a Escuta Ativa. O blog conversou com especialistas para explicar aos nossos leitores do que se trata, quais as vantagens, e dar dicas para quem quer aplicar as técnicas.

A psicóloga Débora Fava, especialista em comportamento infantil, explica que a escuta ativa não é simplesmente uma técnica. É, na verdade, um conceito que envolve uma comunicação bidirecional com crianças:

- Na prática, implica em manter uma postura corporal condizente com a situação, adequar a altura do interlocutor à altura da criança, usar um tom de voz claro, e investir em conteúdos da fala relevantes, positivos e instrutivos. A Escuta Ativa promove o bom vínculo da criança com o adulto. Ela é capaz de se sentir entendida e merecedora de uma atenção positiva. Esses e outros aspectos ajudam a criança a desenvolver maior autoconfiança, disciplina e melhor autoestima.

O médico do Comitê de Desenvolvimento e Comportamento da Sociedade de Pediatria do Rio Grande do Sul, Renato Santos Coelho, reforça que o método faz com que pais e filhos fiquem mais conectados:

- Temos dois ouvidos para escutarmos, mais do que falarmos, para estar realmente conectado ao outro quando este fala. A nossa conduta é o modelo para eles, muito mais do que apenas o diálogo, mas é um bom começo iniciar pela escuta. Quando o Príncipe se agacha para falar com o filho é isto, termina a posição que o põe em condição inferiorizada, e valoriza o que o filho perguntou, valoriza o diálogo.

O pediatra também ressalta que o método ajuda para que a criança aprenda a ouvir. E é sempre importante explicar tudo aos pequenos, mesmo para os bebês:

- Eu falo, por exemplo, com os bebês durante o exame físico, dizendo a eles o que eu vou fazer, porque tenho a convicção que ele me entende, não na semântica, mas no significado.

A psicóloga Débora Fava explica que não é necessário que os pais estejam 100% do tempo disponíveis a ouvir a criança, mas que sejam capazes de informar isso a elas como por exemplo “eu quero muito conversar sobre isso que você precisa falar comigo, assim que eu terminar de responder esses e-mails de trabalho, eu poderei te ouvir”.

CURTA NOSSA PÁGINA NO FACEBOOK

SIGA O FRALDA CHEIA NO TWITTER

SIGA DICAS DE MÃE NO INSTAGRAM

Leia Também

Aos dois anos, príncipe George vira selo postal pela primeira vez

Princesa Charlotte completa um ano

Como dividir a atenção entre os filhos!

Castigo para criança pequena? Saiba quando é válido

Como lidar com as birras do seu filho

Meu filho não sabe dividir!

Shopping de Porto Alegre dá livros de graça para alunos que tirarem nota 10

15 de agosto de 2016 0

Por Elisandra Borba

Foto meramente ilustrativa Fotógrafo - Tadeu Vilani

Foto meramente ilustrativa
Fotógrafo – Tadeu Vilani

Alunos que comprovarem terem tirado nota máxima em provas serão gratificados com um livro. A promoção é do Shopping Total, em Porto Alegre e é valida para estudantes de todas as idades que apresentarem provas com nota 10 ou com o peso máximo. A escola deve carimbar as provas para atestar que estão completamente certas.

Para receber o prêmio, os alunos devem procurar a Livraria Cameron, dentro do shopping, que fica na avenida Cristóvão Colombo, 545. O aluno pode escolher o título que desejar, dentro das opções apresentadas pela livraria.

O objetivo, segundo a organização da promoção é estimular o desenvolvimento e a cultura, além de valorizar a leitura e principalmente os bons desempenhos.

A promoção é válida enquanto durarem os estoques.

Divulgação

Divulgação

CURTA NOSSA PÁGINA NO FACEBOOK

SIGA O FRALDA CHEIA NO TWITTER

SIGA DICAS DE MÃE NO INSTAGRAM

Leia também:

Hora do conto, momento fundamental para o desenvolvimento das crianças

Lista de Material Escolar: saiba o que pode e o que não pode ser pedido

O primeiro dia na escola grande!

Alunos da rede pública ganham jogos para aprender sobre o Aedes

Escola de Canoas é condenada por transferir aluno com hiperatividade

Castigo para criança pequena? Saiba quando é válido

Sete dicas aprendidas pelos pequenos para economizar energia elétrica em casa

Senado aprova dança, música e teatro no currículo da educação básica

Três ideias de brinquedos sem custo para fazer com as crianças para as férias

18 de julho de 2016 0

Por Elisandra Borba

Foto: Divulgação Sesc-SC

Foto: Divulgação Sesc-SC

Época de férias escolares e os pais precisam de ideias para manter as crianças entretidas e gastando energia. Com a crise financeira, muita gente não poderá viajar este ano ou ainda terá que encontrar ideias que envolvam menos gastos. Com criatividade isto pode deixar de ser um problema e ainda gerar mais interação e diversão entre pais e filhos. Confira algumas dicas de brinquedos que podem ser feitos em casa e são muito fáceis. As ideias são do educador e terapeuta financeiro, Reinaldo Domingos:

Boliche

- 10 Garrafas PET do mesmo tamanho
- Papel ou tinta colorida
- Fita adesiva
- Canetinha hidrocor

Como fazer: encha a garrafa PET com algum material como areia, papel ou pedrinhas. Lacre com fita adesiva e coloque números de 1 a 10 nas garrafas (com um papel colorido e fita adesiva). Posicione os pinos em pé, formando um triângulo. Tome distância, utilize uma bola de tênis e tente derrubar o maior número de pinos possíveis. Faça os cálculos de sua pontuação, somando o número anotado nas garrafas derrubadas. Quem fizer o maior número de pontos, vence!

Vai e Vem

- 2 garrafas PET de 2 litros cada
- Dois barbantes de varal – 3 metros de comprimento
- Fita adesiva
- 4 pedaços de madeira, para servir como haste para os participantes da brincadeira segurarem
- Papelão, papel camurça, papéis coloridos
- Tesoura e cola

Como fazer: cortar as garrafas ao meio e depois encaixar as partes de cima uma na outra, passe a fita adesiva para assegurar que elas não vão se soltar durante a brincadeira. Em seguida, passe os barbantes de varal pelo corpo do brinquedo, sem deixar que eles se cruzem. Faça pequenos rolinhos com o papelão e junto com a haste de madeira, fixe nas extremidades para impedir que as garrafas batam nas mãos de quem estará jogando. Por fim, faça figura coloridas e cole pelo vai e vem.

Jogo da Velha

- 1 bandeja de isopor de frios
- 6 Tampas de garrafa PET
- Caneta permanente
- Tinta preta e branca

Como fazer: na bandeja de frios, faça o risco do jogo da velha com o pincel permanente, sendo duas linhas na vertical e duas linhas na horizontal. Pinte as tampinhas, metade de preto, metade de branco, para identificá-las e deixe-as secando. Depois de secas o seu jogo da velha já está pronto. É hora de se divertir!

Há algum tempo a gente havia ensinado outras brincadeiras para fazer com as crianças. Confira aqui e em dia de chuva estas aqui!

CURTA NOSSA PÁGINA NO FACEBOOK

SIGA O FRALDA CHEIA NO TWITTER

Você tem ideias de brinquedos ou brincadeiras para fazer com as crianças? Mande para a gente.

Leia também:

Brincadeiras que quero ensinar a meus filhos

Sete dicas aprendidas pelos pequenos para economizar energia elétrica em casa

Você brinca com seu filho? Esta é a Semana Mundial do Brincar!

PUC inaugura playground para crianças com acesso gratuito em Porto Alegre

Sociedade de Pediatria do RS orienta que pais não proíbam acesso a tecnologias

Como estimular os bebês: atividades desde recém-nascido até um ano

Atividades para crianças em dia de chuva