Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Posts com a tag "bebê"

Avó é a 'culpada' pela invasão de crianças em entrevista ao vivo na TV

11 de março de 2017 1

Por Sibeli Fagundes

Foto: reprodução youtube

Foto: reprodução youtube

O vídeo viral das duas crianças entrando no cômodo em que o pai dava uma entrevista ao vivo para a BBC tem uma explicação agora. A avó da dupla e mãe do entrevistado Robert Kelly, Ellen Kelly, contou o motivo ao jornal Daily Mail.

Morando em Cleveland, Ohio, ela e o marido Joseph usam o Skype para falar com o filho, a nora Jung-a Kim, e Marion, de quatro anos, e James, nove meses. Ellen acredita que as crianças ouviram o pai falando e acharam que ele estava conversando com os avós e, por isso, protagonizaram a cena hilariante.

Robert Kelly mora na Coreia do Sul, é especialista em política sul-coreana e estava dando entrevista sobre o impeachment da presidente Park Geun-hye.

A mulher que aparece no vídeo, chamada de “ninja” por vários internautas, e confundida com uma babá também, é a esposa dele, Jung-a Kim, ex-professora de ioga.

reprodução blog asiansecurityblog

Leia também:
Entrevistado é surpreendido por filhos durante transmissão ao vivo na TV

Grávidas podem tomar vacina contra a febre amarela?

07 de março de 2017 0

Por Sibeli Fagundes

 

Foto: Rafaela Martins / Agencia RBS

Foto: Rafaela Martins / Agencia RBS

A recomendação de especialistas é de evitar a vacina e também ir a regiões endêmicas. No entanto, se a viagem a esses lugares for inevitável, a gestante deve tomar a vacina, devido ao risco significante de a febre amarela levar à morte.

A vacina é preparada a partir de um vírus vivo, atenuado. A febre amarela é uma doença infecciosa severa com alta morbidade e mortalidade. O risco da vacina para a saúde embrio-fetal é desconhecido. Por isso, o American College of Obstetricians and Gynecologists classifica a imunização como contra-indicada na gestação, exceto se a exposição da gestante em áreas endêmicas é inevitável.

Um estudo realizado no Brasil em 2007, avaliando 304 recém-nascidos de mães que receberam a vacina da febre amarela na gravidez, concluiu que a imunização com a vacina para febre amarela não aumenta o risco de malformações maiores.

As informações são do site gravidez-segura.org , mantido pelo Sistema Nacional de Informação sobre Agentes Teratogênicos,  projeto de extensão do Departamento de Genética e do Programa de Pós-Graduação em Genética e Biologia Molecular da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS).

Antes de tomar uma decisão, discuta os prós e contras com seu obstetra.

Leia também:
Saiba se o seu filho precisa fazer a vacina contra a Febre Amarela
Tire suas dúvidas sobre a Febre Amarela

Bebê 'roqueiro' surpreende pais durante ultrassom fazendo sinal

01 de março de 2017 0

Por Sibeli Fagundes

Pais ficaram surpresos com o gesto Reprodução/Facebook

Pais ficaram surpresos com o gesto Reprodução/Facebook

Muitos pais já se emocionaram ao fazer ultrassom durante a gravidez, e alguns ficaram surpresos com alguns gestos ou posição da criança. Para um casal de Utah, nos Estados Unidos, o filho fez um sinal digamos, inusitado. Makelle Ahlin e o marido Jared, estavam acompanhando as imagens do bebê quando ele apareceu fazendo o sinal típico dos roqueiros, principalmente dos fãs de heavy metal.

“Eu acho que o bebê definitivamente gosta de música”, brincou a mãe. Makelle disse ainda que a primeira vez que o bebê chutou ela estava ouvindo Edward Sharpe e os Zeros Magnéticos e os Lumineers em Spotify. E, segundo ela, sempre há música na casa e ele costumam fazer festas com sons pops no porão para os outros dois filhos.

Ainda assim, ela disse à rede de TV norte-americana CBS News que está surpresa ao ouvir estranhos chamarem o filho de “punk rocker”.

“É tão surreal para nós, mas estamos amando este pequeno rockstar!”

Um ano após epidemia de zika, governo decide distribuir repelente a gestantes

17 de fevereiro de 2017 0

Por Sibeli Fagundes

 Risco a partir do terceiro trimestre de gestação é considerado insignificante

Sem repelente, risco de contrair zika vírus é maior

Um ano (!!!!)  após a epidemia de zika e o crescimento expressivo dos casos de microcefalia em recém-nascido relacionada ao vírus , o governo federal decidiu distribuir repelentes para gestantes beneficiárias do Bolsa Família em todo o Brasil. As informações são da Agência Brasil.

De acordo com o Ministério do Desenvolvimento Social e Agrário, a partir de março (!!!!) , mais de 484 mil gestantes do programa receberão os repelentes. Ao todo, serão distribuídos 15,9 milhões de frascos. Serão sete lotes, sendo que o último será distribuído em dezembro.

“Na primeira etapa, serão entregues quase 1 milhão de unidades. As prefeituras ficarão responsáveis por escolher a melhor forma de distribuição – ou no Centro de Referência de Assistência Social [Cras] ou na unidade de saúde”, diz nota divulgada pelo ministério.

Em 2015 e 2016 foram notificados 10,2 mil casos de crianças nascidas com alterações no crescimento e desenvolvimento relacionadas à infecção pelo vírus zika no Brasil, sendo 2,2 mil confirmados. Neste período, foram concedidos 1,9 mil Benefícios de Prestação Continuada (BPC) para pessoas com microcefalia.

Leia também:

Como as grávidas podem se proteger do mosquito transmissor da zika

Estudo brasileiro relaciona zika vírus com surdez em bebês

Pesquisa mostra que efeitos do zika vírus vão além da microcefalia

Evitar a proliferação do Aedes aegypti é a melhor forma de prevenção

9 dicas para proteger seu filho das picadas de mosquito!

Meu filho foi picado por mosquitos: e agora? Que sintomas exigem atenção?

Não há perigo em comer durante o trabalho de parto

13 de fevereiro de 2017 0

Por Sibeli Fagundes

Não é preciso passar fome quando está dando à luz Foto: Carlos Macedo / Agencia RBS

Não é preciso passar fome quando está dando à luz
Foto: Carlos Macedo / Agencia RBS

Quem já teve filho ou está perto de ter um deve ter ouvido a recomendação para ir ao hospital em jejum, se possível, na hora do parto. Isso pode virar passado. Um novo estudo está mostrando que a proibição de mulheres em trabalho de parto se alimentarem ou beberem pode ser abandonada. Mas nada de ‘comer um boi’ antes de ir para o hospital, viu?

De acordo com um dos autores da revisão publicada na revista “Obstetrics and Gynecology”, Vincenzo Berghella, da Universidade Thomas Jefferson, na Filadélfia, Estados Unidos, a análise mostrou que mulheres que puderam comer antes de dar à luz tiveram um trabalho de parto mais curto (em média 16 minutos) do que aquelas que ficaram restritas a gelo e água. O estudo, porém, não pode provar que a comida fez com que a mulher desse à luz antes.

De acordo com reportagem da agência de notícias Reuters, a preocupação com o assunto surgiu na década de 1940, quando um estudo concluiu que mulheres que davam à luz sob anestesia geral tinham risco de inalar alimentos no estômago e se engasgar.

 “Se estamos bem hidratados e temos quantidade adequada de carboidrato em nosso corpo, nossos músculos funcionam melhor”, disse Berghella. O útero de uma mulher é em grande parte feito de músculo.

Hoje, o uso de anestesia geral durante o parto é muito menos comum, mas as diretrizes ainda recomendam evitar alimentos sólidos durante o parto, segundo os pesquisadores.

Além de observar  a reação de mulheres que puderam comer durante o parto e aquelas que não ingeriram alimentos, foram analisados 10 estudos que, juntos, observaram 3.982 gestantes dando à luz, nenhuma delas com risco de cesariana.

As mulheres com dietas menos restritivas não tiveram maior risco de outras complicações, incluindo vômitos ou asfixia, durante o uso da anestesia geral.

Leia também:

Mãe de primeira viagem tem bebê de 6kg por parto normal

Vereadores da Capital rejeitam proposta que permitia presença de doulas em partos

Como prevenir o parto prematuro

Quais são as dúvidas mais comuns sobre parto normal? Confira e esclareça aqui!

Alimentos e bebidas terão alerta sobre presença de lactose

07 de fevereiro de 2017 0

Por Sibeli Fagundes

Medida traz mais segurança Divulgação/Anvisa

Medida traz mais segurança Divulgação/Anvisa

Aos poucos, a legislação está se adaptando à restrição de certos tipos de alimentos que causam alergias ou intolerâncias a algumas pessoas. Agora, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária estipulou que a declaração da presença de lactose será obrigatória nos alimentos com mais de 100 mg de lactose para cada 100 gramas ou mililitros do produto. Ou seja, qualquer produto que contenha o ingrediente em quantidade acima de 0,1% deverá trazer a expressão “Contém lactose” em seu rótulo.

O limite de 100 mg foi definido com base na experiência de outros países que já adotam esta regulação há bastante tempo, como Alemanha e Hungria. De acordo com a Anvisa, esse limite tem se mostrado seguro para as pessoas com intolerância à lactose.

CURTA NOSSA PÁGINA NO FACEBOOK

SIGA O FRALDA CHEIA NO TWITTER

SIGA DICAS DE MÃE NO INSTAGRAM

Os fabricantes de alimentos poderão também empregar a expressão “baixo teor de lactose” nos casos em que a quantidade de lactose for reduzida para valores entre 100 mg e 1 g por 100 g ou mililitros do alimento pronto conforme instruções do fabricante.

Com a instituição dessas regras, o mercado brasileiro de alimentos terá três tipos de rotulagem para a lactose: “zero lactose” ou “baixo teor”, para os produtos cujo teor de lactose tenha sido reduzido e “contém lactose”, nos demais alimentos com presença desse açúcar.

Mas isso não é para já e não abrange todos locais. A indústria tem até 24 meses para se adaptar e esgotar os estoques já existentes. Estabelecimentos que preparam os alimentos, sejam eles sem embalagens ou embalados no próprio ponto de venda a pedido do consumidor, não estão obrigados a informarem sobre o conteúdo de lactose.

O que é lactose?
A lactose é o principal açúcar presente no leite de mamíferos. Quando alimentos contendo lactose são ingeridos, esse açúcar é processado pela enzima lactase e transformada em glicose e galactose. Na maioria das pessoas, a atividade da lactase diminui após o desmame e leva as pessoas a se tornarem menos tolerante à enzima com o passar dos anos.
Os principais sintomas da intolerância são abdominais, como dor e distensão, flatulência, diarreia, náusea, vômitos ou constipação. A intolerância é diferente das alergias. Nesse último caso as reações do organismo podem ser mais graves e o limite de ingestão não tem como ser definido.

Leia também:

Alergia à Proteína do Leite de Vaca tem cura!

Intolerância à Lactose e Alergia à Proteína do Leite de Vaca são a mesma coisa?

Dieta de Exclusão: algumas dicas para quem tem filho APLV

Pesquisa aponta benefício na inclusão de leite e ovos na alimentação do bebê

Pediatras pedem liberação de injeção de adrenalina para alérgicos

Nestle é condenada a pagar indenização após criança ter reação alérgica a ingrediente não informado na embalagem

Como fazer bolo integral!

As mais acessadas da semana!

03 de fevereiro de 2017 0

Todas as sextas, nós postamos pra você um resumo dos assuntos que geraram maior interesse dos nossos leitores e ouvintes na semana. Fique bem informado acompanhando o Top5 do blog Fralda Cheia.

CURTA NOSSA PÁGINA NO FACEBOOK

SIGA O FRALDA CHEIA NO TWITTER

SIGA DICAS DE MÃE NO INSTAGRAM

Mãe de primeira viagem tem bebê de 6kg por parto normal

Brian virou sensação nas redes sociais

Brian virou sensação nas redes sociais

9 fatos que ninguém conta sobre o parto

Foto: Jornal Zero Hora

Foto: Jornal Zero Hora

Bebê gigante não é normal e pode esconder um sério risco à saúde

Reprodução/Facebook

Reprodução/Facebook

Além de ingerir uma parte, Bela Gil transformou placenta em cápsulas. Entenda o motivo

Bela Gil 22922629

Foto: Andréa Graiz

 

Belly Cast: a barriga da gestante eternizada em gesso

Divulgação

Divulgação

Acompanhe as reportagens mais acessadas da semana passada!

Mãe de primeira viagem tem bebê de 6kg por parto normal

25 de janeiro de 2017 5

Por Sibeli Fagundes

Brian virou sensação nas redes sociais

Brian virou sensação nas redes sociais

Já imaginou dar à luz a um bebê de mais de 6kg? Nem Natashia Corrigan, de Preston, na Austrália imaginava isso quando Brian Jr nasceu nesta terça-feira (24) no Mercy Hospital, em Melbourne. O menino nasceu com 6,07kg e 57 centímetros.

 
Em uma entrevista ao 7 News , Natashia afirmou que estava esperando por um bebê pequeno e gordo, mas o tamanho dele a surpreendeu e ela postou as imagens nas mídias sociais para expressar a alegria.

 
Disse que ela e o parceiro, Brian Liddle, ficaram chocados com o tamanho do garoto, nascido com quase 41 semanas por parto normal. E é o primeiro filho do casal.

 
Natashia conta que a equipe do hospital e o marido a ajudaram. “… ele era tão grande, era um pouco difícil tirá-lo para fora, e eles tinham que conseguir alguns funcionários extras para entrar e ajudar”.

10 perguntas e respostas sobre o desfralde do bebê

22 de novembro de 2016 0

Por Marcela Panke

Foto: Adriana Franciosi / Agencia RBS

Foto: Adriana Franciosi / Agencia RBS

O momento do desfralde é delicado e tenso para os pais, mesmo sendo esperado! Segundo a neuropsicopedagoga Viviani Zumpano, que integra a equipe interdisciplinar da NeuroKinder, clínica dedicada ao neurodesenvolvimento infantil, o processo só deve ser feito quando os pais estiverem seguros.

É fundamental que estejam conscientes que os escapes vão ocorrer e precisam estar preparados para lidar com essas situações da melhor maneira possível, para não causar traumas na criança.

Confira as respostas a 10 dúvidas recorrentes sobre o desfralde:

1- Qual a idade certa para o desfralde?

O ideal é começar o desfralde a partir dos 18 meses. A criança nessa fase já está cognitivamente mais desenvolvida para compreender o processo. Antes disso, o sofrimento é maior, tanto para a criança, quanto para os pais.

2- A criança precisa estar falando para desfraldar?

Depende. O ideal é que o desfralde seja feito quando a criança já fale algumas palavras para facilitar o processo. Mas não é uma condição mandatória para começar, pois é possível tirar as fraldas de bebês com atraso na fala.

3- A escola pode recusar a criança porque ela ainda usa fraldas?

Vemos muitos casos de escolas que não aceitam crianças maiores de dois anos que ainda usam fraldas. Isso não é correto. Na verdade, a escola deve ser uma facilitadora do processo do desfralde, aceitando essa criança e auxiliando-a. A criança na escola vai aprender por meio do outro, ou seja, ao ver os colegas usarem o banheiro, ela irá observar e imitar.

4- O que é melhor: penico ou adaptador de vaso?

Para começar, o ideal é usar um penico ou privadinha. É importante que a mãe ou o cuidador realize os rituais, como jogar o xixi no vaso sanitário, dar descarga, limpar-se com o papel higiênico e lavar as mãos. Quando a criança já estiver bem segura no uso do penico, os pais podem incentivar o uso do vaso sanitário com o adaptador. Dica: deixe a criança ver os pais usarem o banheiro, isso é um ótimo incentivo e modelo de imitação.

5- Como agir nas saídas de casa?

Ninguém precisa parar de sair por causa do desfralde. A recomendação é usar a fralda e levar a criança ao banheiro várias vezes. Isso evita frustração ou situações embaraçosas para a criança e para os pais quando vão a lugares públicos.

CURTA NOSSA PÁGINA NO FACEBOOK

SIGA O FRALDA CHEIA NO TWITTER

SIGA DICAS DE MÃE NO INSTAGRAM

6- Quem vem primeiro, o “número 1” ou o “número 2”?

O ideal sempre é começar pelo xixi. O controle da urina é mais fácil para a criança. Depois, os pais podem começar o processo das fezes, que pode levar mais tempo.

7- Há diferença entre o desfralde de meninos e meninas?

Sim, há diferença. Os meninos costumam levar mais tempo para desfraldar, por conta de uma pequena diferença nos marcos de desenvolvimento entre meninos e meninas. Mas, vale lembrar que o processo de desfralde é único, pode variar de uma criança para outra, de um filho para o outro, independente do sexo.

8- Elogiar ou não?

Elogiar sempre. A criança precisa ser elogiada e incentivada sempre que conquistar algo importante. Ela vai entender que está fazendo algo bom e tende a repetir o processo, e isso vale para qualquer atividade, incluindo o desfralde.

9- Como lidar com os escapes?

De forma natural, jamais brigar ou xingar a criança por causa de um escape. Muitas podem chorar e ficar ansiosas quando fazem xixi em lugares inapropriados. Cabe aos pais acalmar, explicar que isso acontece, limpar e incentivar o uso do penico ou do banheiro. Aqui fica uma dica valiosa: a criança não tem a noção de usar o banheiro quando tem vontade, por isso, no processo de desfralde é preciso oferecer o penico várias vezes por dia ou a ida ao banheiro várias vezes também, até a criança perceber esse movimento para imitar.

10- Quando tirar a fralda noturna?

Este é o último passo e pode demorar bastante tempo. Somente depois do processo diurno estar firmado, ou seja, sem escapes, é que os pais podem começar a retirada da fralda noturna. Porém, precisarão levantar de três a quatro vezes por noite para levar a criança ao banheiro no início, para criar o que chamamos de autorregulação. Depois de um tempo, a criança começará a ir sozinha.

Leia também:

Qual a melhor marca de fralda?

Qual a melhor marca de lenços umedecidos?

Quanto custa um filho?

Fralda de pano x descartável – 70 mil bebês usam fraldas de pano no Brasil

O que fazer quando o bebê tenta bater nos pais e familiares?!

18 de novembro de 2016 0

Por Marcela Panke

Foto: arquivo pessoal

Foto: arquivo pessoal

Há algumas semanas, o Nícolas começou a tentar bater no meu rosto, no rosto do pai e de alguns familiares. Isso acontece, em geral, quando ele está irritado após uma frustração, e nos deixa com dúvida sobre como agir, afinal, ele tem apenas 1 ano e 3 meses e nunca viu os pais batendo em ninguém!

Isso já aconteceu com você? Para saber se é normal e o que fazer, consultei a psicopedagoga Raquel Liane, que é diretora da escola de educação infantil e ensino fundamental Reverendo Olavo Nunes, em Porto Alegre.. Ela trouxe alguns esclarecimentos. Confira:

FRALDA CHEIA: É normal o bebê começar a bater no rosto dos pais e familiares por volta de 1 ano de idade? Por que isso acontece?

RAQUEL LIANE: Normal não é, mas bastante comum. Diante de frustrações, a criança tende a “descarregar” sua tristeza batendo. Quase que instintivamente começa por bater no rosto, mesmo que nunca tenha visto esta cena ou esteja exposta a um ambiente agressivo. A atitude que, inicialmente, quando menor, pode não ser intencional, diante das frustrações/situações em que sua vontade não é correspondida, passa a ter a intencionalidade de machucar o outro.

CURTA NOSSA PÁGINA NO FACEBOOK

SIGA O FRALDA CHEIA NO TWITTER

SIGA DICAS DE MÃE NO INSTAGRAM

FRALDA CHEIA: Como agir quando o bebê se comportar dessa forma?

RAQUEL LIANE: É importante que a criança entenda que esse comportamento não é aceitável. Muitos pais às vezes riem ou até acham engraçadinho o filho ter uma “personalidade forte” e, dependendo da forma como agirem, o ato demorará mais a passar.

Logo na primeira vez que a criança bater, os pais devem ser firmes, dizer que isso não pode, não deve ser feito e que eles não admitirão essa atitude. Se necessário, devem aplicar sanções, do tipo ficar sentado.

Pode ser que a criança tente outras vezes, mas daí já saberá que está infringindo uma regra. O mais importante é que os pais sejam firmes. Muitas crianças poderão ter este comportamento em público, o que poderá constrange-los a uma atitude mais enérgica.

FRALDA CHEIA: Adianta dizer “não”, quando ainda são bebês?

RAQUEL LIANE: Sempre adianta dizer não, talvez sejam necessárias muitas vezes, mas o importante é ter firmeza e passar esses valores com convicção.

A criança precisa ser ensinada sobre todas as coisas, inclusive regras sociais e a forma de lidar com as emoções. Assim, os pais também devem ensinar quais comportamentos não são aceitáveis e, mesmo estando brabos/tristes, há formas aceitáveis de extravasar essas emoções, porém, reações violentas não podem acontecer.

Leia também:

E quando a criança é teimosa? Veja dicas de especialistas

Como lidar com as birras do seu filho

Castigo para criança pequena? Saiba quando é válido

Você sabe por que o Príncipe William sempre se abaixa para falar com o filho?