Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.

Posts com a tag "criança"

Tem uma criança esperando por você: adote!

11 de abril de 2017 0

Por Sibeli Fagundes

Divulgação/TJRS

Divulgação/TJRS

O Rio Grande do Sul tem 573 crianças, a partir dos seis anos de idade, e adolescentes esperando por adoção. A Coordenadoria da Infância e Juventude atualizou a tabela com os dados básicos, como idade, sexo, raça e a situação jurídica. No Estado, há 5.375 pessoas esperando para adotar uma criança.

A lista foi criada em dezembro do ano passado pelo Projeto Busca-Se (r)  para ampliar as possibilidades de adoções que são mais difíceis por tratarem-se de casos como grupos de irmãos, fora da faixa etária mais procurada, ou portadores de deficiências ou doenças.

Quem tiver interesse, deve entrar em contato com a Coordenadoria da Infância e Juventude pelo email cijrs@tjrs.jus.br.

Agora é lei: depoimento de crianças e adolescentes vítimas ou testemunhas de violência tem de ser protegido

04 de abril de 2017 0

Por Sibeli Fagundes

17926878 criança

Crianças e adolescentes, vítimas ou testemunhas de violência, têm o direito à proteção especial em depoimentos. A lei, de autoria da deputado Maria do Rosário, foi sancionada hoje pelo presidente Michel Temer, na abertura do 9º Global Child Forum on South America, em São Paulo.

O texto prevê que não haverá contado algum, nem mesmo visual, com o acusado. As vítimas passam a ser acompanhados por profissionais especializados em saúde, assistência social e segurança pública. Será criado um serviço de atendimento para denúncias de abuso e de exploração sexual.

Quem violar a lei está sujeito a pena que varia de um a quatro anos de prisão.

Apesar de a lei ter sido sancionada hoje, não entra em vigor imediatamente. O governo deverá normatizar o texto em 60 dias. Depois, Estados e Municípios têm  mais 180 dias para adequação.

A lei entra em vigor mesmo, um ano após a publicação.

Brasil fecha mais de 10 mil leitos pediátricos em seis anos

28 de março de 2017 0

Por Sibeli Fagundes

Foto: Rafaela Martins/Agência RBS

Foto: Rafaela Martins/Agência RBS

Mais de 10 mil leitos de internação em pediatria clínica foram desativados na rede pública de saúde desde 2010. O país tinha 48,3 mil vagas destinadas a crianças que precisam permanecer num hospital por mais de 24h horas. Em novembro do ano passado (último dado disponível), o SUS ofereciam 38,2 mil – como se a cada dia cinco leitos fossem fechados.

A análise é da Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP), que também identificou que 40% dos municípios brasileiros não possuem nenhum leito de internação na especialidade.

As informações preocupam os especialistas, mas não surpreendem quem vive com os dilemas das limitações do SUS. “A redução do número de leitos tem um impacto direto no atendimento, provocando atrasos no diagnóstico e no início do tratamento de uma população que vem aumentando bastante”, critica a presidente da Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP), Luciana Rodrigues Silva.

De acordo com ela, as doenças que prevalecem em crianças são sazonais e nos primeiros semestres de cada ano, geralmente, acentuam-se as viroses gastrointestinais. Estas, em muitos casos, demandam internações. Além disso, a presidente destaca que casos mais sérios de dengue, que afetam crianças e adolescentes, bem como o aumento na recorrência dos casos de alergias, infecções respiratórias e pneumonia também contribuem para o crescimento da demanda por internações.

Das 5.570 cidades do Brasil, 2.169 não possuem nenhum leito. Entre as que possuem pelo menos uma unidade de terapia intensiva infantil, um terço tem menos de cinco leitos em todo o território municipal e 66 deles contam com apenas um leito.

Em números absolutos, os estados das regiões Nordeste e Sudeste foram os que mais sofreram redução no período. Na região  Sul, foram fechados 1.873 leitos. O Rio grande do Sul perdeu 521 vagas.

Apenas o Amapá criou vagas de internação pediátrica pelo SUS, passado de 180 leitos pediátricos para 230 no fim do ano passado.

Não é só o SUS

Quem conta com um plano de saúde ou procura atendimento em unidades privadas também viu cair em 1.036 o número de leitos no mesmo período. Ao todo, 20 estados perderam leitos pediátricos. As capitais foram as mais afetadas e perderam, ao todo, pouco mais de 400 leitos, metade deles apenas na capital paulista.

No Rio Grande do Sul, 114 leitos pediátricos privados foram fechados.

Veja a tabela:

tabela

Pediatra toca música e menina em tratamento contra o câncer encanta dançando

26 de março de 2017 0

Por Sibeli Fagundes

dança

Era para ser apenas mais um dia de tratamento contra o câncer para crianças internadas no Hospital das Clínicas da USP de Ribeirão Preto, São Paulo, mas um pediatra fez a diferença. Paulo Martins contou em sua página no Facebook que ao visitar a enfermaria viu que muitos adolescente internados sofriam com a ociosidade, além das agruras do tratamento.

Ele, então, combinou que no outro dia iria levar um ukelele pra tocar. Martins cumpriu a promessa e fez o tour musical pela enfermaria da oncologia, atendendo pedidos dos pacientes. O pediatra foi de quarto em quarto tocando e cantando por duas horas sertanejo, rock e até música gospel.

No caminho, ele notou que um menininha acompanhava os passos dele com o olhar, dançando do lado de fora da porta de um dos quartos. Quando o pediatra saiu do último local, ela estava na porta esperando, curiosa.

Paulo Martins disse que ficou envergonhado quando pediram para cantar para a garotinha, porque não sabia nenhuma música infantil. O pai da menina então falou que ela gostava de Marília Mendonça. Ele tocou e cantou e ela dançou sem parar, uma música após outra.

“Comecei a tocar, baixinho, e na medida que os acordes e a letra iam fluindo, seus passos magicais foram me acompanhando”, relata. “Toquei e ela dançou divinamente bem. ”

Paulo Martins pediu permissão ao pai dela para publicar o vídeo, mas nunca imaginou que ele teria tanta repercussão. Na página dele, havia hoje mais de 217 mil visualizações me mais de 3,2 mil compartilhamentos. Uma clínica de vacinas também compartilhou e as imagens já foram vistas por mais de 8,3 milhões de pessoas.

“Hoje, dias após, vejo que essa tarde, aparentemente tão simples, ganhou uma repercussão que eu jamais imaginaria. Mensagens, ligações, apoio. Me lembrei de todas as vezes em que meu jeito foi criticado, desde a graduação, até mesmo na residência. Mas não há dúvidas: quando a gente faz o que gosta, do jeito que gosta, dá certo. Nesta tarde, todos ganhamos.”

Pais ficam furiosos por escola enviar bilhetes dizendo que filhos estão obesos

21 de março de 2017 5

Por Sibeli Fagundes

Reprodução/Mirror

Reprodução/Mirror

Você ficaria furiosa se a escola do seu filho enviasse um bilhete com um alerta sobre o sobrepeso ou obesidade dele? Os pais de estudantes de uma escola primária de Plymouth, na Inglaterra, ficaram. As crianças têm quatro anos de idade e foram avaliadas seguindo regras do serviço público de saúde do Reino Unido.

Na avaliação enviada aos pais, havia as medidas da criança a avaliação do IMC (índice de massa corporal). Também indicava o serviço de saúde para que pudessem procurar auxílio.

O pai de Roxanne, Martin John Tall, considerada com excesso de peso, desabafou. Disse que ficou chocado e questionou que a atitude da escola, que poderia desencadear um complexo em uma criança tão nova sobre o peso dela.

Reprodução/facebook

Reprodução/facebook

Kelly Franklin, mãe de Jake, também ficou indignada. Disse que o filho, além de ter passado recentemente por um cirurgia no cérebro (nasceu com Sagittal Craniosynostosis, que provoca o fechamento das placas ósseas do crânio mais cedo ) e tem outras doenças, que afetam o processamento sensorial, além de déficit de atenção.

Olhando as fotos das crianças, nenhuma parece obesa. No entanto, pela calculadora de IMC, estão realmente acima do peso, mas nada que não possa ser revertido facilmente. A escolas, inclusive, pede atenção à alimentação e à prática de atividade física.

Quando meu filho tinha 4 anos, o pediatra também alertou que estava acima do peso. Quem o via, enxergava um criança magra (o excesso era pequeno, mas havia). Eu dei atenção ao alerta e cuidei mais ainda da alimentação dele. Hoje, está dentro da normalidade.

Talvez tenha havido falta de sensibilidade da escola. Procurada pelo jornal Mirror, a direção não se pronunciou.

Leia também:

Brasil tenta frear obesidade infantil

Avó é a 'culpada' pela invasão de crianças em entrevista ao vivo na TV

11 de março de 2017 1

Por Sibeli Fagundes

Foto: reprodução youtube

Foto: reprodução youtube

O vídeo viral das duas crianças entrando no cômodo em que o pai dava uma entrevista ao vivo para a BBC tem uma explicação agora. A avó da dupla e mãe do entrevistado Robert Kelly, Ellen Kelly, contou o motivo ao jornal Daily Mail.

Morando em Cleveland, Ohio, ela e o marido Joseph usam o Skype para falar com o filho, a nora Jung-a Kim, e Marion, de quatro anos, e James, nove meses. Ellen acredita que as crianças ouviram o pai falando e acharam que ele estava conversando com os avós e, por isso, protagonizaram a cena hilariante.

Robert Kelly mora na Coreia do Sul, é especialista em política sul-coreana e estava dando entrevista sobre o impeachment da presidente Park Geun-hye.

A mulher que aparece no vídeo, chamada de “ninja” por vários internautas, e confundida com uma babá também, é a esposa dele, Jung-a Kim, ex-professora de ioga.

reprodução blog asiansecurityblog

Leia também:
Entrevistado é surpreendido por filhos durante transmissão ao vivo na TV

Bebê 'roqueiro' surpreende pais durante ultrassom fazendo sinal

01 de março de 2017 0

Por Sibeli Fagundes

Pais ficaram surpresos com o gesto Reprodução/Facebook

Pais ficaram surpresos com o gesto Reprodução/Facebook

Muitos pais já se emocionaram ao fazer ultrassom durante a gravidez, e alguns ficaram surpresos com alguns gestos ou posição da criança. Para um casal de Utah, nos Estados Unidos, o filho fez um sinal digamos, inusitado. Makelle Ahlin e o marido Jared, estavam acompanhando as imagens do bebê quando ele apareceu fazendo o sinal típico dos roqueiros, principalmente dos fãs de heavy metal.

“Eu acho que o bebê definitivamente gosta de música”, brincou a mãe. Makelle disse ainda que a primeira vez que o bebê chutou ela estava ouvindo Edward Sharpe e os Zeros Magnéticos e os Lumineers em Spotify. E, segundo ela, sempre há música na casa e ele costumam fazer festas com sons pops no porão para os outros dois filhos.

Ainda assim, ela disse à rede de TV norte-americana CBS News que está surpresa ao ouvir estranhos chamarem o filho de “punk rocker”.

“É tão surreal para nós, mas estamos amando este pequeno rockstar!”

Alimentos e bebidas terão alerta sobre presença de lactose

07 de fevereiro de 2017 0

Por Sibeli Fagundes

Medida traz mais segurança Divulgação/Anvisa

Medida traz mais segurança Divulgação/Anvisa

Aos poucos, a legislação está se adaptando à restrição de certos tipos de alimentos que causam alergias ou intolerâncias a algumas pessoas. Agora, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária estipulou que a declaração da presença de lactose será obrigatória nos alimentos com mais de 100 mg de lactose para cada 100 gramas ou mililitros do produto. Ou seja, qualquer produto que contenha o ingrediente em quantidade acima de 0,1% deverá trazer a expressão “Contém lactose” em seu rótulo.

O limite de 100 mg foi definido com base na experiência de outros países que já adotam esta regulação há bastante tempo, como Alemanha e Hungria. De acordo com a Anvisa, esse limite tem se mostrado seguro para as pessoas com intolerância à lactose.

CURTA NOSSA PÁGINA NO FACEBOOK

SIGA O FRALDA CHEIA NO TWITTER

SIGA DICAS DE MÃE NO INSTAGRAM

Os fabricantes de alimentos poderão também empregar a expressão “baixo teor de lactose” nos casos em que a quantidade de lactose for reduzida para valores entre 100 mg e 1 g por 100 g ou mililitros do alimento pronto conforme instruções do fabricante.

Com a instituição dessas regras, o mercado brasileiro de alimentos terá três tipos de rotulagem para a lactose: “zero lactose” ou “baixo teor”, para os produtos cujo teor de lactose tenha sido reduzido e “contém lactose”, nos demais alimentos com presença desse açúcar.

Mas isso não é para já e não abrange todos locais. A indústria tem até 24 meses para se adaptar e esgotar os estoques já existentes. Estabelecimentos que preparam os alimentos, sejam eles sem embalagens ou embalados no próprio ponto de venda a pedido do consumidor, não estão obrigados a informarem sobre o conteúdo de lactose.

O que é lactose?
A lactose é o principal açúcar presente no leite de mamíferos. Quando alimentos contendo lactose são ingeridos, esse açúcar é processado pela enzima lactase e transformada em glicose e galactose. Na maioria das pessoas, a atividade da lactase diminui após o desmame e leva as pessoas a se tornarem menos tolerante à enzima com o passar dos anos.
Os principais sintomas da intolerância são abdominais, como dor e distensão, flatulência, diarreia, náusea, vômitos ou constipação. A intolerância é diferente das alergias. Nesse último caso as reações do organismo podem ser mais graves e o limite de ingestão não tem como ser definido.

Leia também:

Alergia à Proteína do Leite de Vaca tem cura!

Intolerância à Lactose e Alergia à Proteína do Leite de Vaca são a mesma coisa?

Dieta de Exclusão: algumas dicas para quem tem filho APLV

Pesquisa aponta benefício na inclusão de leite e ovos na alimentação do bebê

Pediatras pedem liberação de injeção de adrenalina para alérgicos

Nestle é condenada a pagar indenização após criança ter reação alérgica a ingrediente não informado na embalagem

Como fazer bolo integral!

As mais acessadas da semana!

03 de fevereiro de 2017 0

Todas as sextas, nós postamos pra você um resumo dos assuntos que geraram maior interesse dos nossos leitores e ouvintes na semana. Fique bem informado acompanhando o Top5 do blog Fralda Cheia.

CURTA NOSSA PÁGINA NO FACEBOOK

SIGA O FRALDA CHEIA NO TWITTER

SIGA DICAS DE MÃE NO INSTAGRAM

Mãe de primeira viagem tem bebê de 6kg por parto normal

Brian virou sensação nas redes sociais

Brian virou sensação nas redes sociais

9 fatos que ninguém conta sobre o parto

Foto: Jornal Zero Hora

Foto: Jornal Zero Hora

Bebê gigante não é normal e pode esconder um sério risco à saúde

Reprodução/Facebook

Reprodução/Facebook

Além de ingerir uma parte, Bela Gil transformou placenta em cápsulas. Entenda o motivo

Bela Gil 22922629

Foto: Andréa Graiz

 

Belly Cast: a barriga da gestante eternizada em gesso

Divulgação

Divulgação

Acompanhe as reportagens mais acessadas da semana passada!

Não diga a meu filho que homem não chora!

17 de janeiro de 2017 1

Por Sibeli Fagundes

Campanha incentiva o choro de meninos Reprodução/Youtube

Campanha incentiva o choro de meninos Reprodução/Youtube

Um dia meu filho começou a chorar por ter se machucado e um conhecido que estava perto veio com a maldita frase “homem não chora”. Depois de fuzilar a pessoa com o olhar, disse ao Vicente: “Está doendo? Então chora!”. E aviso: ele também é livre para derramar lágrimas quando estiver triste, com medo, feliz demais… e por aí vai. Estou criando um ser humano, não a Muralha da China. Estou criando uma fortaleza que não vai desmoronar por não saber lidar com os sentimentos.
Não quero que depois meu filho vá parar em algum divã porque não consegue enfrentar a vida, porque quer chorar mas mandaram ele engolir o choro. Ele poderá frequentar um divã, por outros motivos, não porque não pode chorar.
Aliás, já pararam para pensar no que está implícito em “engolir o choro”? Você está dizendo à criança para engolir as frustações da vida, para engolir os sentimentos, para engolir a dor, para não se expressar. O choro, lembrem bem, a primeira forma de expressão de um ser humano.
Quem não chora por perdas, perderá sempre. Quem não chora por amor, vai deixar o amor escapar. Quem não chora de dor, tatua uma cicatriz na alma. Quem não chora na vida, pode achar que a vida não vale a pena.
Na Austrália, o problema de suicídio entre homens é tão grave que a Man Up fez uma campanha para incentiver os homens a chorar.