Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Posts com a tag "cuidados"

Pais ficam furiosos por escola enviar bilhetes dizendo que filhos estão obesos

21 de março de 2017 5

Por Sibeli Fagundes

Reprodução/Mirror

Reprodução/Mirror

Você ficaria furiosa se a escola do seu filho enviasse um bilhete com um alerta sobre o sobrepeso ou obesidade dele? Os pais de estudantes de uma escola primária de Plymouth, na Inglaterra, ficaram. As crianças têm quatro anos de idade e foram avaliadas seguindo regras do serviço público de saúde do Reino Unido.

Na avaliação enviada aos pais, havia as medidas da criança a avaliação do IMC (índice de massa corporal). Também indicava o serviço de saúde para que pudessem procurar auxílio.

O pai de Roxanne, Martin John Tall, considerada com excesso de peso, desabafou. Disse que ficou chocado e questionou que a atitude da escola, que poderia desencadear um complexo em uma criança tão nova sobre o peso dela.

Reprodução/facebook

Reprodução/facebook

Kelly Franklin, mãe de Jake, também ficou indignada. Disse que o filho, além de ter passado recentemente por um cirurgia no cérebro (nasceu com Sagittal Craniosynostosis, que provoca o fechamento das placas ósseas do crânio mais cedo ) e tem outras doenças, que afetam o processamento sensorial, além de déficit de atenção.

Olhando as fotos das crianças, nenhuma parece obesa. No entanto, pela calculadora de IMC, estão realmente acima do peso, mas nada que não possa ser revertido facilmente. A escolas, inclusive, pede atenção à alimentação e à prática de atividade física.

Quando meu filho tinha 4 anos, o pediatra também alertou que estava acima do peso. Quem o via, enxergava um criança magra (o excesso era pequeno, mas havia). Eu dei atenção ao alerta e cuidei mais ainda da alimentação dele. Hoje, está dentro da normalidade.

Talvez tenha havido falta de sensibilidade da escola. Procurada pelo jornal Mirror, a direção não se pronunciou.

Leia também:

Brasil tenta frear obesidade infantil

Grávidas podem tomar vacina contra a febre amarela?

07 de março de 2017 0

Por Sibeli Fagundes

 

Foto: Rafaela Martins / Agencia RBS

Foto: Rafaela Martins / Agencia RBS

A recomendação de especialistas é de evitar a vacina e também ir a regiões endêmicas. No entanto, se a viagem a esses lugares for inevitável, a gestante deve tomar a vacina, devido ao risco significante de a febre amarela levar à morte.

A vacina é preparada a partir de um vírus vivo, atenuado. A febre amarela é uma doença infecciosa severa com alta morbidade e mortalidade. O risco da vacina para a saúde embrio-fetal é desconhecido. Por isso, o American College of Obstetricians and Gynecologists classifica a imunização como contra-indicada na gestação, exceto se a exposição da gestante em áreas endêmicas é inevitável.

Um estudo realizado no Brasil em 2007, avaliando 304 recém-nascidos de mães que receberam a vacina da febre amarela na gravidez, concluiu que a imunização com a vacina para febre amarela não aumenta o risco de malformações maiores.

As informações são do site gravidez-segura.org , mantido pelo Sistema Nacional de Informação sobre Agentes Teratogênicos,  projeto de extensão do Departamento de Genética e do Programa de Pós-Graduação em Genética e Biologia Molecular da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS).

Antes de tomar uma decisão, discuta os prós e contras com seu obstetra.

Leia também:
Saiba se o seu filho precisa fazer a vacina contra a Febre Amarela
Tire suas dúvidas sobre a Febre Amarela

Um ano após epidemia de zika, governo decide distribuir repelente a gestantes

17 de fevereiro de 2017 0

Por Sibeli Fagundes

 Risco a partir do terceiro trimestre de gestação é considerado insignificante

Sem repelente, risco de contrair zika vírus é maior

Um ano (!!!!)  após a epidemia de zika e o crescimento expressivo dos casos de microcefalia em recém-nascido relacionada ao vírus , o governo federal decidiu distribuir repelentes para gestantes beneficiárias do Bolsa Família em todo o Brasil. As informações são da Agência Brasil.

De acordo com o Ministério do Desenvolvimento Social e Agrário, a partir de março (!!!!) , mais de 484 mil gestantes do programa receberão os repelentes. Ao todo, serão distribuídos 15,9 milhões de frascos. Serão sete lotes, sendo que o último será distribuído em dezembro.

“Na primeira etapa, serão entregues quase 1 milhão de unidades. As prefeituras ficarão responsáveis por escolher a melhor forma de distribuição – ou no Centro de Referência de Assistência Social [Cras] ou na unidade de saúde”, diz nota divulgada pelo ministério.

Em 2015 e 2016 foram notificados 10,2 mil casos de crianças nascidas com alterações no crescimento e desenvolvimento relacionadas à infecção pelo vírus zika no Brasil, sendo 2,2 mil confirmados. Neste período, foram concedidos 1,9 mil Benefícios de Prestação Continuada (BPC) para pessoas com microcefalia.

Leia também:

Como as grávidas podem se proteger do mosquito transmissor da zika

Estudo brasileiro relaciona zika vírus com surdez em bebês

Pesquisa mostra que efeitos do zika vírus vão além da microcefalia

Evitar a proliferação do Aedes aegypti é a melhor forma de prevenção

9 dicas para proteger seu filho das picadas de mosquito!

Meu filho foi picado por mosquitos: e agora? Que sintomas exigem atenção?

Alimentos e bebidas terão alerta sobre presença de lactose

07 de fevereiro de 2017 0

Por Sibeli Fagundes

Medida traz mais segurança Divulgação/Anvisa

Medida traz mais segurança Divulgação/Anvisa

Aos poucos, a legislação está se adaptando à restrição de certos tipos de alimentos que causam alergias ou intolerâncias a algumas pessoas. Agora, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária estipulou que a declaração da presença de lactose será obrigatória nos alimentos com mais de 100 mg de lactose para cada 100 gramas ou mililitros do produto. Ou seja, qualquer produto que contenha o ingrediente em quantidade acima de 0,1% deverá trazer a expressão “Contém lactose” em seu rótulo.

O limite de 100 mg foi definido com base na experiência de outros países que já adotam esta regulação há bastante tempo, como Alemanha e Hungria. De acordo com a Anvisa, esse limite tem se mostrado seguro para as pessoas com intolerância à lactose.

CURTA NOSSA PÁGINA NO FACEBOOK

SIGA O FRALDA CHEIA NO TWITTER

SIGA DICAS DE MÃE NO INSTAGRAM

Os fabricantes de alimentos poderão também empregar a expressão “baixo teor de lactose” nos casos em que a quantidade de lactose for reduzida para valores entre 100 mg e 1 g por 100 g ou mililitros do alimento pronto conforme instruções do fabricante.

Com a instituição dessas regras, o mercado brasileiro de alimentos terá três tipos de rotulagem para a lactose: “zero lactose” ou “baixo teor”, para os produtos cujo teor de lactose tenha sido reduzido e “contém lactose”, nos demais alimentos com presença desse açúcar.

Mas isso não é para já e não abrange todos locais. A indústria tem até 24 meses para se adaptar e esgotar os estoques já existentes. Estabelecimentos que preparam os alimentos, sejam eles sem embalagens ou embalados no próprio ponto de venda a pedido do consumidor, não estão obrigados a informarem sobre o conteúdo de lactose.

O que é lactose?
A lactose é o principal açúcar presente no leite de mamíferos. Quando alimentos contendo lactose são ingeridos, esse açúcar é processado pela enzima lactase e transformada em glicose e galactose. Na maioria das pessoas, a atividade da lactase diminui após o desmame e leva as pessoas a se tornarem menos tolerante à enzima com o passar dos anos.
Os principais sintomas da intolerância são abdominais, como dor e distensão, flatulência, diarreia, náusea, vômitos ou constipação. A intolerância é diferente das alergias. Nesse último caso as reações do organismo podem ser mais graves e o limite de ingestão não tem como ser definido.

Leia também:

Alergia à Proteína do Leite de Vaca tem cura!

Intolerância à Lactose e Alergia à Proteína do Leite de Vaca são a mesma coisa?

Dieta de Exclusão: algumas dicas para quem tem filho APLV

Pesquisa aponta benefício na inclusão de leite e ovos na alimentação do bebê

Pediatras pedem liberação de injeção de adrenalina para alérgicos

Nestle é condenada a pagar indenização após criança ter reação alérgica a ingrediente não informado na embalagem

Como fazer bolo integral!

Como evitar e tratar as brotoejas nas crianças?

30 de dezembro de 2016 0

Por Marcela Panke

Foto: Sirli Freitas / Agencia RBS

Foto: Sirli Freitas / Agencia RBS

As brotoejas, aquelas bolinhas vermelhas, são bem comuns no verão. Para entender melhor o que são, como evitar e qual o tratamento indicado, o blog recorreu à médica dermatologista pediátrica e integrante da Sociedade de Pediatria do Rio Grande do Sul, Ana Elisa Kiszewski Bau. Confira as orientações:

FRALDA CHEIA – O que é brotoeja?

DRA ANA ELISA – A brotoeja é o nome popular da miliária. É bastante comum nos meses de verão e mais frequente em crianças pequenas.

FRALDA CHEIA - O que causa a brotoeja?

DRA ANA ELISA - O excesso de transpiração pode levar a obstrução e inflamação dos ductos sudoríparos écrinos (parte da glândula que produz o suor), causando a brotoeja. Em geral, isso ocorre na vigência de sudorese excessiva por calor e umidade extremas (clima tropical, incubadoras e febre).

Os lactentes são particularmente suscetíveis pela imaturidade da glândula sudorípara écrina.

FRALDA CHEIA - Quais são os sintomas mais comuns?

DRA ANA ELISA - O sinal encontrado são numerosas pápulas eritematosas (minúsculas bolinhas vermelhas) que medem de 1 a 4 mm de diâmetro. O sintoma mais frequente é o prurido (as lesões podem causar coceira).

As lesões se localizam principalmente no dorso superior, região do pescoço, e tórax superior.

Há uma tendência a resolução espontânea após alguns dias (principalmente se ocorrer mudança do clima), mas em alguns casos, as lesões podem durar várias semanas.

FRALDA CHEIA - Como tratar e como evitar? Medidas caseiras como uso de maizena ou aveia podem ser utilizadas?

DRA ANA ELISA - Medidas para evitar o excesso de sudorese devem ser estimuladas como utilizar ar condicionado, usar somente roupas de algodão leves, tomar vários banhos ao dia (somente com água) e limitar a atividade física.

O uso de maizena ou talco líquido pode ajudar, mas não irá resolver o problema se as outras medidas não forem tomadas simultaneamente.

Caso as lesões persistam apesar desses cuidados, alguns medicamentos podem ser utilizados com prescrição médica.

Leia também:

Dermatite de fraldas: o que é, como prevenir e como tratar?

Amido de milho para assadura de bebê funciona

#FornoGrandeDoSul – Com a previsão de temperaturas escaldantes, veja como aliviar o calor das crianças

9 dicas para proteger seu filho das picadas de mosquito!

Mãe relata susto ao receber 11 sanduíches após filho fazer pedido no seu celular

29 de dezembro de 2016 0

Por Marcela Panke

Reprodução / Facebook

Reprodução / Facebook

A advogada Ana Paula Peniche, de Belém, no Pará, compartilhou no Facebook uma situação engraçada, com a qual certamente muitas mamães vão se identificar! Quem nunca descobriu uma “arte”, uma “traquinagem” que o seu filho fez enquanto brincava com o seu celular?

O filho da Ana Paula caprichou! O Pedro, de 4 anos, pegou o celular dela e pediu 11 – eu disse ONZE – sanduíches por um aplicativo de tele-entrega! A mamãe tomou um susto quando o motoboy chegou com 11 Cheese Bacon!

O blog conversou com a Ana Paula, que nos contou que o Pedro justificou o pedido com a intenção de deixar a mãe e o pai feliz, “porque um lanche sempre é legal”. Muito fofo, né?!

“Eu fiquei atordoada! Não conseguia nem olhar para os sanduíches”, contou a Ana Paula.

Mas afinal, o que foi feito com os 11 sanduíches?

O papai do Pedro comeu um deles na hora e outros dois no dia seguinte. O resto, foi dividido com a família, que se solidarizou com a situação!!!

Leia também:

Sociedade de Pediatria do RS orienta que pais não proíbam acesso a tecnologias

Sociedade de Pediatria divulga recomendações sobre tempo de exposição a mídias digitais

Afinal, apesar dos boatos, a Peppa e outros desenhos deseducam as crianças?

Entidade médica sugere que bebês durmam no quarto dos pais até 1 ano de idade

Alerta aos pais: 10 dicas para proteger os pequenos e prevenir a pedofilia!

Criança se machuca com pacote de lencinhos e mãe faz alerta que viraliza na internet

14 de dezembro de 2016 0

Por Elisandra Borba

Foto: Reprodução

Foto: Reprodução

Um alerta feito por uma mãe no Facebook já foi compartilhado milhares de vezes desde segunda-feira (12). O fato chama a atenção, pois é comum deixar com que os bebês brinquem com os pacotes de lenço umedecido durante a troca de fraldas. No alerta, Taati Souza conta que a filha Manu brincava com o pacote quando caiu de ponta sobre o olho da bebê.

“ela começou a chorar muito, sem parar e não conseguia abrir o olho e eu peguei ela no colo para acalma-lá ai foi que o meu mundo desabou. Ela veio a desmaiar no meu colo de tanta dor que sentiu ela não aguentou e desmaiou. Eu estava sozinha em casa. Entrei em desespero… Corri com ela para o pronto socorro de oftalmo… foi detectado que o lencinho cortou a córnea do olhinho ponta a ponta. E que o corte foi superficial, graças ao Senhor”.

Veja o relato completo:

Bebê é internado na Inglaterra após ser beijado por uma pessoa com herpes

23 de setembro de 2016 0

Por Marcela Panke

Reprodução / Facebook

Reprodução / Facebook

Um bebê de apenas 1 ano e 3 meses teve que ser internado na cidade de Portsmouth, na Inglaterra, após ser beijado por uma pessoa com herpes. O alerta foi feito no Facebook pela mãe da criança, Amy Stinton, que destacou que nao quer culpar ninguem, mas alertar as pessoas.

“Pense antes de beijar um bebê na próxima vez”, pediu em sua publicação. O pequeno Oliver ficou com diversas lesões doloridas pelo corpo e teve que ficar quatro dias internado.

Em pouco mais de uma semana, desde a publicação do desabafo, o post desta mãe teve mais de 10 mil compartilhamentos. Há exatamente um ano, o blog contou a historia de outro bebê que foi internado também na Inglaterra, em função de um beijo que transmitiu herpes. Nesse caso, a criança quase morreu.

Fica o alerta para o perigo da herpes e a necessidade de cuidado e parcimônia nos beijos em bebês!

Leia também

Em boca de criança não se beija

Bebê quase morre após contrair herpes ao ser beijada

Como reforçar a imunidade das crianças?

Quando o bebê deve fazer o primeiro exame de sangue?

Cuidado ou exagero? Saiba quando a sujeira é inofensiva para o seu filho

Dr Bactéria: brincar no chão e ter contato com animais e terra cria "contaminação positiva"

06 de setembro de 2016 0

Por Marcela Panke

Foto: Felipe Carneiro / Agencia RBS

Foto: Felipe Carneiro / Agencia RBS

Brincar na terra ou na areia, botar na boca os brinquedos – e até a chupeta – que caíram no chão e ter contato com os animais de estimação é saudável! Quem garante é o Dr. Bactéria, o biomédico Roberto Martins Figueiredo.

Para o médico, o contato com a “sujeira” pode ser benéfico para a criança. Perguntei para ele se os pais devem procurar higienizar brinquedos que o bebê atira no chão – pergunta de total interesse meu, já que o Nícolas faz isso o tempo todo e depois leva tudo para a boca! A dica que ele dá para as mães e para os pais é relaxar:

“Sendo o piso limpo de uma casa – não indico tapete ou carpete -, não é necessário higienizar. Nos parques, os bebês brincando com areia, grama, etc, dificilmente não vão levar o brinquedo até a boca. Isso pode ser até benéfico, pois vai contaminar positivamente a criança, são bactérias do bem“.

O biomédico defende que as crianças devem ter contato com o chão, com a terra e os animais desde cedo.

“As crianças tem que ter contato com tudo isso a partir do seu nascimento. Se, dentro dos três primeiros meses de vida, a criança for privada deste contato, poderá ter problemas de asma e outras alergias para toda sua vida”.

E quando a sujeira prejudica?

Questionei o Dr. Bactéria sobre possíveis consequências do contato do bebê com alimentos ou brinquedos que caíram no chão, como vômitos ou diarréia. A resposta:

“Depende muito de onde caiu. De modo geral, isso deve fazer parte da criação da criança e da formação de sua resistência”.

O biomédico Roberto Martins Figueiredo assinala que a resistência do bebê é menor no primeiro ano de vida, porque “a microbiota da boca e intestinos não está formada”. No entanto, ele estimula o contato das crianças com “animais, vegetais, terra e areia para contaminar positivamente a criança“.

Higienização de chupetas

Perguntei ao Dr. Bactéria sobre a higienização das chupetas. Afinal, o que fazer quando elas caem no chão? O biomédico responde:

“Basta lavar com água corrente e detergente. Nunca devem ser passados na boca de alguma pessoa (geralmente dos pais). Esse costume pode levar muitos germes patogênicos para a criança, dando várias doenças como mononucleose infecciosa, candidíase (sapinho), cárie dental, gripe, resfriado, herpes e até gastrite”.

Com relação aos bicos das mamadeiras, a orientação é que antes do bebê completar um ano de idade, eles sejam fervidos após a lavagem.

Regra dos 5 segundos não vale!

Quem nunca usou a técnica dos cinco segundos? Não conhece?! É aquela segundo a qual, se você juntar o alimento do chão até cinco segundos depois que ele caiu, você pode ingeri-lo. O Dr. Bactéria discorda:

“Bactérias e outros germes não têm cronômetro ou relógio! Caindo no chão, os alimentos devem ser descartados. No chão, existem vários contaminantes vindos de poeira, terra, sapatos, animais, insetos, etc”.

O biomédico também afirma que pais e mães não devem experimentar a comida do bebê antes de oferecer a ele, para evitar a contaminação dos alimentos com a saliva dos pais. Isso pode causar doenças como as já citadas.

Limpeza das mãos do bebê que engatinha

Eu me preocupo bastante com o Nícolas, que ainda engatinha. As mãozinhas acabam sempre ficando bem sujas. Mas aí vem o dilema: o que fazer? Limpo toda hora? E como limpo? Dr. Bactéria responde:

“Deve-se lavar as mãos da criança antes de comer, antes de dormir, antes e pós os passeios, depois de brincar ou tocar em animais”.

CURTA NOSSA PÁGINA NO FACEBOOK

SIGA O FRALDA CHEIA NO TWITTER

SIGA DICAS DE MÃE NO INSTAGRAM

Dicas do Dr. Bactéria:

Mamadeiras e chupetas:
Enxaguar em água morna
Imergir em água quente com gotas de detergente por 10 minutos
Lavar com água morna e detergente em água corrente com escovas próprias
Enxaguar em água quente
OBS.: se a criança tem menos de 1 ano, ferver por 5 minutos.

Bichinhos de Pelúcia:
Preparar um balde com água mais detergente (fazer bastante espuma)
Com uma esponja – do lado macio -, pegar somente a espuma e passar por todo o bichinho
Pegar um pano umedecido em água e bem torcido e passar pelo bichinho
Deixar secar na sombra, em local bem ventilado
Para eliminar ácaros, colocar dentro de um saco plástico e deixar dentro de um freezer por 8 a 12 horas
Repetir esse processo a cada 15 dias.

Leia também:

Cuidado ou exagero? Saiba quando a sujeira é inofensiva para o seu filho

Saiba como fazer a higienização correta das mãos e evitar doenças

Como reforçar a imunidade das crianças

O que é a doença mão-pé-boca

A tal vitamina “S”

Confira 10 dicas para prevenir a bronquiolite no seu bebê

04 de agosto de 2016 0

Por Marcela Panke

Foto: Mateus Bruxel / Agencia RBS

Foto: Mateus Bruxel / Agencia RBS

A Sociedade de Pediatria do Rio Grande do Sul divulgou 10 dicas para prevenir a bronquiolite em bebês. De acordo com a entidade, na maior parte das vezes a doença não requer hospitalização. No entanto, a maioria das internações em unidades pediátricas neste período do ano é de bebês com bronquiolite.

O grupo de maior risco são crianças com menos de seis meses, inclusive os recém-nascidos. O alerta permanece para os maiores porque a bronquiolite não produz imunidade, o que significa que o mesmo paciente pode ter a infecção mais de uma vez.

CURTA NOSSA PÁGINA NO FACEBOOK

SIGA O FRALDA CHEIA NO TWITTER

A Sociedade de Pediatria alerta que os bebês devem ser mais protegidos, porque os mesmos vírus que causam sintomas leves em adultos e crianças maiores podem causar bronquiolite em menores de um ano de idade. Esses vírus impregnam o ar e as mãos das pessoas.

Por isso, a entidade elaborou as seguintes dicas:

1 – Incentivar o aleitamento materno;

2 – Restringir visitas, sobretudo de pessoas com sintomas respiratórios;

3 – As visitas devem ser breves e o contato físico deve ser mínimo com os bebês;

4 – Evitar ao máximo as saídas de casa, sobretudo a ambientes com aglomerados;

5 – Lavar as mãos repetidamente e, se possível, todas as pessoas que lidam com o bebê devem usar álcool gel;

6 – Manter a casa higienizada e ventilada;

7 – Exposição ZERO do bebê ao cigarro;

8 – Bebês com sintomas respiratórios não devem frequentar a creche, nem receber “xaropes para a tosse” sem orientação médica;

9 – Crianças maiores, ainda que irmãos, não devem ter contato direto com bebês, se apresentarem sintomas respiratórios;

10 – A avaliação com o pediatra é necessária sempre que aparecerem sintomas respiratórios, especialmente acessos persistentes de tosse ou qualquer sinal de dificuldade respiratória.

Bronquiolite: causa e sintomas

O Vírus Sincicial Respiratório (VSR) é responsável por 70% das bronquiolites. A doença também pode ser causada por outros vírus, como rhinovírus, adenovírus, metapneumovírus (MVP), influenza, parainfluenza, enterovírus e bocavirus.

Os sintomas iniciais são semelhantes a de um resfriado: febre, coriza, espirros ou tosse. Depois, aparece a dificuldade para respirar.

Leia também:

Vírus Sincicial Respiratório causou morte de dois bebês em 2016 no Estado

Inverno: saiba quais doenças são mais comuns e como proteger os bebês

Aquecedores e condicionadores de ar fazem mal à saúde das crianças?

Especialista tranquiliza mães: “não há circulação do vírus chikungunya no sul”

Como proteger as crianças da gripe e outras doenças

Febre, o que é e quando devo medicar?

Meningite: Saiba mais sobre a doença

Prematuro: o que fazer quando o bebê nasce antes da hora?