Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.

Posts com a tag "maternidade"

Tem uma criança esperando por você: adote!

11 de abril de 2017 0

Por Sibeli Fagundes

Divulgação/TJRS

Divulgação/TJRS

O Rio Grande do Sul tem 573 crianças, a partir dos seis anos de idade, e adolescentes esperando por adoção. A Coordenadoria da Infância e Juventude atualizou a tabela com os dados básicos, como idade, sexo, raça e a situação jurídica. No Estado, há 5.375 pessoas esperando para adotar uma criança.

A lista foi criada em dezembro do ano passado pelo Projeto Busca-Se (r)  para ampliar as possibilidades de adoções que são mais difíceis por tratarem-se de casos como grupos de irmãos, fora da faixa etária mais procurada, ou portadores de deficiências ou doenças.

Quem tiver interesse, deve entrar em contato com a Coordenadoria da Infância e Juventude pelo email cijrs@tjrs.jus.br.

Pais ficam furiosos por escola enviar bilhetes dizendo que filhos estão obesos

21 de março de 2017 5

Por Sibeli Fagundes

Reprodução/Mirror

Reprodução/Mirror

Você ficaria furiosa se a escola do seu filho enviasse um bilhete com um alerta sobre o sobrepeso ou obesidade dele? Os pais de estudantes de uma escola primária de Plymouth, na Inglaterra, ficaram. As crianças têm quatro anos de idade e foram avaliadas seguindo regras do serviço público de saúde do Reino Unido.

Na avaliação enviada aos pais, havia as medidas da criança a avaliação do IMC (índice de massa corporal). Também indicava o serviço de saúde para que pudessem procurar auxílio.

O pai de Roxanne, Martin John Tall, considerada com excesso de peso, desabafou. Disse que ficou chocado e questionou que a atitude da escola, que poderia desencadear um complexo em uma criança tão nova sobre o peso dela.

Reprodução/facebook

Reprodução/facebook

Kelly Franklin, mãe de Jake, também ficou indignada. Disse que o filho, além de ter passado recentemente por um cirurgia no cérebro (nasceu com Sagittal Craniosynostosis, que provoca o fechamento das placas ósseas do crânio mais cedo ) e tem outras doenças, que afetam o processamento sensorial, além de déficit de atenção.

Olhando as fotos das crianças, nenhuma parece obesa. No entanto, pela calculadora de IMC, estão realmente acima do peso, mas nada que não possa ser revertido facilmente. A escolas, inclusive, pede atenção à alimentação e à prática de atividade física.

Quando meu filho tinha 4 anos, o pediatra também alertou que estava acima do peso. Quem o via, enxergava um criança magra (o excesso era pequeno, mas havia). Eu dei atenção ao alerta e cuidei mais ainda da alimentação dele. Hoje, está dentro da normalidade.

Talvez tenha havido falta de sensibilidade da escola. Procurada pelo jornal Mirror, a direção não se pronunciou.

Leia também:

Brasil tenta frear obesidade infantil

Bebê 'roqueiro' surpreende pais durante ultrassom fazendo sinal

01 de março de 2017 0

Por Sibeli Fagundes

Pais ficaram surpresos com o gesto Reprodução/Facebook

Pais ficaram surpresos com o gesto Reprodução/Facebook

Muitos pais já se emocionaram ao fazer ultrassom durante a gravidez, e alguns ficaram surpresos com alguns gestos ou posição da criança. Para um casal de Utah, nos Estados Unidos, o filho fez um sinal digamos, inusitado. Makelle Ahlin e o marido Jared, estavam acompanhando as imagens do bebê quando ele apareceu fazendo o sinal típico dos roqueiros, principalmente dos fãs de heavy metal.

“Eu acho que o bebê definitivamente gosta de música”, brincou a mãe. Makelle disse ainda que a primeira vez que o bebê chutou ela estava ouvindo Edward Sharpe e os Zeros Magnéticos e os Lumineers em Spotify. E, segundo ela, sempre há música na casa e ele costumam fazer festas com sons pops no porão para os outros dois filhos.

Ainda assim, ela disse à rede de TV norte-americana CBS News que está surpresa ao ouvir estranhos chamarem o filho de “punk rocker”.

“É tão surreal para nós, mas estamos amando este pequeno rockstar!”

Um ano após epidemia de zika, governo decide distribuir repelente a gestantes

17 de fevereiro de 2017 0

Por Sibeli Fagundes

 Risco a partir do terceiro trimestre de gestação é considerado insignificante

Sem repelente, risco de contrair zika vírus é maior

Um ano (!!!!)  após a epidemia de zika e o crescimento expressivo dos casos de microcefalia em recém-nascido relacionada ao vírus , o governo federal decidiu distribuir repelentes para gestantes beneficiárias do Bolsa Família em todo o Brasil. As informações são da Agência Brasil.

De acordo com o Ministério do Desenvolvimento Social e Agrário, a partir de março (!!!!) , mais de 484 mil gestantes do programa receberão os repelentes. Ao todo, serão distribuídos 15,9 milhões de frascos. Serão sete lotes, sendo que o último será distribuído em dezembro.

“Na primeira etapa, serão entregues quase 1 milhão de unidades. As prefeituras ficarão responsáveis por escolher a melhor forma de distribuição – ou no Centro de Referência de Assistência Social [Cras] ou na unidade de saúde”, diz nota divulgada pelo ministério.

Em 2015 e 2016 foram notificados 10,2 mil casos de crianças nascidas com alterações no crescimento e desenvolvimento relacionadas à infecção pelo vírus zika no Brasil, sendo 2,2 mil confirmados. Neste período, foram concedidos 1,9 mil Benefícios de Prestação Continuada (BPC) para pessoas com microcefalia.

Leia também:

Como as grávidas podem se proteger do mosquito transmissor da zika

Estudo brasileiro relaciona zika vírus com surdez em bebês

Pesquisa mostra que efeitos do zika vírus vão além da microcefalia

Evitar a proliferação do Aedes aegypti é a melhor forma de prevenção

9 dicas para proteger seu filho das picadas de mosquito!

Meu filho foi picado por mosquitos: e agora? Que sintomas exigem atenção?

Não há perigo em comer durante o trabalho de parto

13 de fevereiro de 2017 0

Por Sibeli Fagundes

Não é preciso passar fome quando está dando à luz Foto: Carlos Macedo / Agencia RBS

Não é preciso passar fome quando está dando à luz
Foto: Carlos Macedo / Agencia RBS

Quem já teve filho ou está perto de ter um deve ter ouvido a recomendação para ir ao hospital em jejum, se possível, na hora do parto. Isso pode virar passado. Um novo estudo está mostrando que a proibição de mulheres em trabalho de parto se alimentarem ou beberem pode ser abandonada. Mas nada de ‘comer um boi’ antes de ir para o hospital, viu?

De acordo com um dos autores da revisão publicada na revista “Obstetrics and Gynecology”, Vincenzo Berghella, da Universidade Thomas Jefferson, na Filadélfia, Estados Unidos, a análise mostrou que mulheres que puderam comer antes de dar à luz tiveram um trabalho de parto mais curto (em média 16 minutos) do que aquelas que ficaram restritas a gelo e água. O estudo, porém, não pode provar que a comida fez com que a mulher desse à luz antes.

De acordo com reportagem da agência de notícias Reuters, a preocupação com o assunto surgiu na década de 1940, quando um estudo concluiu que mulheres que davam à luz sob anestesia geral tinham risco de inalar alimentos no estômago e se engasgar.

 “Se estamos bem hidratados e temos quantidade adequada de carboidrato em nosso corpo, nossos músculos funcionam melhor”, disse Berghella. O útero de uma mulher é em grande parte feito de músculo.

Hoje, o uso de anestesia geral durante o parto é muito menos comum, mas as diretrizes ainda recomendam evitar alimentos sólidos durante o parto, segundo os pesquisadores.

Além de observar  a reação de mulheres que puderam comer durante o parto e aquelas que não ingeriram alimentos, foram analisados 10 estudos que, juntos, observaram 3.982 gestantes dando à luz, nenhuma delas com risco de cesariana.

As mulheres com dietas menos restritivas não tiveram maior risco de outras complicações, incluindo vômitos ou asfixia, durante o uso da anestesia geral.

Leia também:

Mãe de primeira viagem tem bebê de 6kg por parto normal

Vereadores da Capital rejeitam proposta que permitia presença de doulas em partos

Como prevenir o parto prematuro

Quais são as dúvidas mais comuns sobre parto normal? Confira e esclareça aqui!

Publicadas regras de alerta à lactose nos rótulos de bebidas e alimentos

12 de fevereiro de 2017 0

Por Sibeli Fagundes

Rótulo terá de seguir regras Divulgação/Anvisa

Rótulo terá de seguir regras Divulgação/Anvisa

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária publicou as novas regras para rotulagem de produtos com lactose. São duas resoluções. A primeira é a RDC 135/2017 que inclui os alimentos para dietas com restrição de lactose no regulamento de alimentos para fins especiais. A segunda é aRDC 136/2017 que define como as informações devem ser colocadas no rótulo.

CURTA NOSSA PÁGINA NO FACEBOOK

SIGA O FRALDA CHEIA NO TWITTER

SIGA DICAS DE MÃE NO INSTAGRAM

Como há um prazo de até dois anos de transição, os fabricantes serão obrigados a cumprir as resoluções a partir de 2019. Qualquer alimento que contenha lactose em quantidade acima de 0,1% deverá trazer a expressão “Contém lactose” no rótulo.

Os fabricantes de alimentos poderão também empregar a expressão “baixo teor de lactose” ou “baixo em lactose” nos casos em que a quantidade de lactose estiver entre 100 mg e 1 g por 100 g ou mililitros do alimento pronto .

Com as novas regras, o mercado brasileiro de alimentos terá três tipos de rotulagem para a lactose: “zero lactose“, “baixo teor”, ou “contém lactose”.

O rótulo dos alimentos que contém lactose devem trazer a informação desta forma:

  • Ser escrito em caixa alta e em negrito.
  • A impressão deve ser em contraste com o fundo da caixa.
  • A altura mínima deve ser de 2mm e não pode ser menor que a letra utilizada na lista de ingredientes.
  • A declaração deve ficar em um local da embalagem que não seja encoberto, que seja removível pela abertura do lacre ou de difícil visualização, como área de selagem e de torção.

Leia também:
Alimentos e bebidas terão alerta sobre presença de lactose

Intolerância à Lactose e Alergia à Proteína do Leite de Vaca são a mesma coisa?

Intolerância à lactose: Anvisa proíbe venda de duas enzimas

Alimentos e bebidas terão alerta sobre presença de lactose

07 de fevereiro de 2017 0

Por Sibeli Fagundes

Medida traz mais segurança Divulgação/Anvisa

Medida traz mais segurança Divulgação/Anvisa

Aos poucos, a legislação está se adaptando à restrição de certos tipos de alimentos que causam alergias ou intolerâncias a algumas pessoas. Agora, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária estipulou que a declaração da presença de lactose será obrigatória nos alimentos com mais de 100 mg de lactose para cada 100 gramas ou mililitros do produto. Ou seja, qualquer produto que contenha o ingrediente em quantidade acima de 0,1% deverá trazer a expressão “Contém lactose” em seu rótulo.

O limite de 100 mg foi definido com base na experiência de outros países que já adotam esta regulação há bastante tempo, como Alemanha e Hungria. De acordo com a Anvisa, esse limite tem se mostrado seguro para as pessoas com intolerância à lactose.

CURTA NOSSA PÁGINA NO FACEBOOK

SIGA O FRALDA CHEIA NO TWITTER

SIGA DICAS DE MÃE NO INSTAGRAM

Os fabricantes de alimentos poderão também empregar a expressão “baixo teor de lactose” nos casos em que a quantidade de lactose for reduzida para valores entre 100 mg e 1 g por 100 g ou mililitros do alimento pronto conforme instruções do fabricante.

Com a instituição dessas regras, o mercado brasileiro de alimentos terá três tipos de rotulagem para a lactose: “zero lactose” ou “baixo teor”, para os produtos cujo teor de lactose tenha sido reduzido e “contém lactose”, nos demais alimentos com presença desse açúcar.

Mas isso não é para já e não abrange todos locais. A indústria tem até 24 meses para se adaptar e esgotar os estoques já existentes. Estabelecimentos que preparam os alimentos, sejam eles sem embalagens ou embalados no próprio ponto de venda a pedido do consumidor, não estão obrigados a informarem sobre o conteúdo de lactose.

O que é lactose?
A lactose é o principal açúcar presente no leite de mamíferos. Quando alimentos contendo lactose são ingeridos, esse açúcar é processado pela enzima lactase e transformada em glicose e galactose. Na maioria das pessoas, a atividade da lactase diminui após o desmame e leva as pessoas a se tornarem menos tolerante à enzima com o passar dos anos.
Os principais sintomas da intolerância são abdominais, como dor e distensão, flatulência, diarreia, náusea, vômitos ou constipação. A intolerância é diferente das alergias. Nesse último caso as reações do organismo podem ser mais graves e o limite de ingestão não tem como ser definido.

Leia também:

Alergia à Proteína do Leite de Vaca tem cura!

Intolerância à Lactose e Alergia à Proteína do Leite de Vaca são a mesma coisa?

Dieta de Exclusão: algumas dicas para quem tem filho APLV

Pesquisa aponta benefício na inclusão de leite e ovos na alimentação do bebê

Pediatras pedem liberação de injeção de adrenalina para alérgicos

Nestle é condenada a pagar indenização após criança ter reação alérgica a ingrediente não informado na embalagem

Como fazer bolo integral!

As mais acessadas da semana!

27 de janeiro de 2017 0

Todas as sextas, nós postamos pra você um resumo dos assuntos que geraram maior interesse dos nossos leitores e ouvintes na semana. Fique bem informado acompanhando o Top5 do blog Fralda Cheia.

CURTA NOSSA PÁGINA NO FACEBOOK

SIGA O FRALDA CHEIA NO TWITTER

SIGA DICAS DE MÃE NO INSTAGRAM

1º Mãe de primeira viagem tem bebê de 6kg por parto normal

Brian virou sensação nas redes sociais

Brian virou sensação nas redes sociais

 2º Bela Gil ingeriu a placenta do último parto, em maio deste ano

Foto: Reprodução Instagram

Foto: Reprodução Instagram

3º 9 fatos que ninguém conta sobre o parto

Foto: Jornal Zero Hora

Foto: Jornal Zero Hora

4º O que levar na mala da maternidade? Confira dicas!

Foto: Jean Pimentel / Agencia RBS

Foto: Jean Pimentel / Agencia RBS

5º Bebê nasce na Free Way

Reprodução Facebook

Reprodução Facebook

Acompanhe as reportagens mais acessadas da semana passada!

Mãe de primeira viagem tem bebê de 6kg por parto normal

25 de janeiro de 2017 5

Por Sibeli Fagundes

Brian virou sensação nas redes sociais

Brian virou sensação nas redes sociais

Já imaginou dar à luz a um bebê de mais de 6kg? Nem Natashia Corrigan, de Preston, na Austrália imaginava isso quando Brian Jr nasceu nesta terça-feira (24) no Mercy Hospital, em Melbourne. O menino nasceu com 6,07kg e 57 centímetros.

 
Em uma entrevista ao 7 News , Natashia afirmou que estava esperando por um bebê pequeno e gordo, mas o tamanho dele a surpreendeu e ela postou as imagens nas mídias sociais para expressar a alegria.

 
Disse que ela e o parceiro, Brian Liddle, ficaram chocados com o tamanho do garoto, nascido com quase 41 semanas por parto normal. E é o primeiro filho do casal.

 
Natashia conta que a equipe do hospital e o marido a ajudaram. “… ele era tão grande, era um pouco difícil tirá-lo para fora, e eles tinham que conseguir alguns funcionários extras para entrar e ajudar”.

Não diga a meu filho que homem não chora!

17 de janeiro de 2017 1

Por Sibeli Fagundes

Campanha incentiva o choro de meninos Reprodução/Youtube

Campanha incentiva o choro de meninos Reprodução/Youtube

Um dia meu filho começou a chorar por ter se machucado e um conhecido que estava perto veio com a maldita frase “homem não chora”. Depois de fuzilar a pessoa com o olhar, disse ao Vicente: “Está doendo? Então chora!”. E aviso: ele também é livre para derramar lágrimas quando estiver triste, com medo, feliz demais… e por aí vai. Estou criando um ser humano, não a Muralha da China. Estou criando uma fortaleza que não vai desmoronar por não saber lidar com os sentimentos.
Não quero que depois meu filho vá parar em algum divã porque não consegue enfrentar a vida, porque quer chorar mas mandaram ele engolir o choro. Ele poderá frequentar um divã, por outros motivos, não porque não pode chorar.
Aliás, já pararam para pensar no que está implícito em “engolir o choro”? Você está dizendo à criança para engolir as frustações da vida, para engolir os sentimentos, para engolir a dor, para não se expressar. O choro, lembrem bem, a primeira forma de expressão de um ser humano.
Quem não chora por perdas, perderá sempre. Quem não chora por amor, vai deixar o amor escapar. Quem não chora de dor, tatua uma cicatriz na alma. Quem não chora na vida, pode achar que a vida não vale a pena.
Na Austrália, o problema de suicídio entre homens é tão grave que a Man Up fez uma campanha para incentiver os homens a chorar.