Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Fiat Mobi Like On, um urbano que também encara a estrada

23 de julho de 2016 0

Sub-compacto, típico carro para enfrentar as ruas das cidades com tranquilidade

MOBI WAY ON - PRISCILA NUNES 6

Desafio da mobilidade nas metrópoles paradas (FOTOS PRISCILA NUNES/ESPECIAL)

   Versátil, o Mobi é o próprio conceito de mobilidade no trânsito congestionado das cidades e que também enfrenta a estrada em pequenas viagens. Com condutor e acompanhante oferece bom conforto e desempenho compatível às características do motor 1.0 Fire Evo Flex. Modelo de entrada da Fiat no mercado brasileiro, agrada quem precisa de um carro rápido para a cidade e roda sozinho, com um ou dois passageiros em trechos curtos de tráfego pesado. As duas versões avaliadas por mais de mil quilômetros corresponderam à expectativa para o uso de um sub-compacto nas vias urbanas e nas rodovias dentro de suas limitações típicas. O Fiat Mobi Like On custa R$ 42.300.

   Linhas fluidas, o visual remete à nova identidade da Fiat já adotada na picape Toro com generosa grade, faróis e capô elevados, linha de cintura alta e recortes laterais.  Grandes lanternas arredondadas ressaltam a traseira. A pequena tampa do portas malas é em vidro preto. Já o interior remete ao do Uno, com saídas de ar quadradas no centro e redondas nas pontas e diversos porta-objetos. A posição de dirigir é boa e lembra a do Uno. Os bancos acomodam bem o condutor e acompanhante dentro da limitação do espaço. O porta-malas leva 235 litros.

   O Mobi roda traquilo. A direção hidráulica precisa, responde bem. Com a posição do volante e os bancos confortáveis permitem uma boa condução na cidade e em trechos curtos na estrada. A suspensão macia ajuda enfrentar as irregularidades do pavimento das ruas como buracos e lombadas, comuns em cidades como Porto Alegre. Claro, dentro da velocidade adequada. Preciso, o câmbio manual de cinco marchas aproveita bem os até 75 cv do motor 1.0 Fire Evo Flex. Os 895 quilos do sub-compacto ajudam mas o propulsor sente o peso quando exigido em condições adversas. Exige frequentes trocas de marchas e acelerações mais fortes, principalmente em ultrapassagens.

   A versão avaliada é bem completa. O quadro de instrumentos vertical conta com marcadores analógicos e digital de fácil visualização. O  display de 3,5 polegadas é simples, e traz  informações básicas. O Like On conta direção hidráulica, volante funcional com regulagem de altura, ar-condicionado, banco do condutor com regulagem de altura, computador de bordo, vidros e travas elétricos, rádio Connnect integrado ao painel com RDS, viva-voz Bluetooth e função Audio Streaming, sistema de conectividade para smartphones iOS e Android via Bluetooth.

    Também freios ABS com EBS e duplo airbag, faróis de neblina, rodas de liga leve de 14 polegadas, tecidos diferenciados em duas cores com costuras brancas retrovisores elétricos e sensores de estacionamento, entre outros itens.

   O Mobi Like On, a versão mais completa do sub-compacto Fiat, atende às necessidades de quem anda sozinho ou principalmente com um acompanhante, e precisa de um carro para enfrentar o trânsito congestionado das cidades com conforto e segurança dentro das limitações do espaço e da potência do motor.

Novo Ford Edge, maior e com avançada tecnologia, custa R$ 229.900

23 de julho de 2016 0

O crossover médio chega em agosto com inovações de condução semi autônoma

Ford Edge (31)

Reestilização valorizou a esportividade com destaque para a generosa grade cromada

 Campos do Jordão (SP)

  O visual atualizado com linhas mais esportivas, maior e com novos recursos eletrônicos de condução semi autônoma, o novo Edge chega com a proposta de avançar no segmento de crossovers concorrendo com marcas premium de luxo. A Ford aposta na alta tecnologia, no valor agregado e no amadurecimento da decisão racional do consumidor para ganhar espaço. Quer concorrer com modelos como o Jeep Cherokee, Land Rover Discovery Sport, Range Rover Evoque, Audi Q5, BMW X3 e X5, Volvo XC 90 ou VW Touareg.  Apresentado nesta semana, em Campos do Jordão, na versão única Titanium, o Ford Edge 2016 chegará aos concessionários em 1º de agosto com preço de R$ 229.900.

Ford Edge (40)

Frente robusta, linha de cintura alta e rodas de aro 20 destacam porte avantajado

   Com a nova plataforma, o Edge cresceu, ganhou mais espaço, conforto e sofisticação interna. A generosa grade trapezoidal cromada, os faróis afilados e a assinatura da marca em LEDs valorizaram a frente. As laterais combinam efeitos de luz e sombra e com as rodas de 20 polegadas destacam o porte avantajado. O aerofólio integrado no teto e lanternas em LEDs unidas por uma linha horizontal completam  o novo design. Com 4,782 metros, 10 centímetros a mais no comprimento em relação ao modelo anterior, o crossover fabricado no Canadá também ficou mais alto 4 centímetros e tem agora 1,744 m enquanto o entre eixos cresceu 3 centímetros e passou para 2,85 m.

Ford Edge interior

Revestimento em couro com detalhes cromados, em alumínio fosco e preto brilhante

  O interior ficou mais silencioso com o uso de vidros acústicas e aperfeiçoamentos no isolamento acústico.  O acabamento combina couro com apliques cromados, em alumínio fosco e preto brilhante. As tonalidades preto , Soft Ceramic com tons claros e escuros e o Dark Ceramic, com a cor ocre nos bancos e os painéis das portas combinam com a luz ambiente e, LEDs que pode ser personalizada em sete cores.

Ford Edge interior 2

O teto solar panorâmico com acionamento elétrico é opcional (Fotos Ford, DV)

   O crossover conta com bancos dianteiros  com comandos elétricos,  aquecidos e refrigerados. Os traseiros, reclináveis,  também são aquecidos.  O volante é multifuncional com ajuste elétrico da coluna e memória. O ar-condicionado automático digital de duas zonas, tem saída para os bancos traseiros. A central multimídia e o sistema de conectividade SYNC tem tela digital de 8 polegadas sensível ao toque e comandos de voz para áudio, telefone, ar-condicionado e navegador, Bluetooth, entradas USB, som Sony e assistência de emergência. No quadro de instrumentos, o mostrador analógico tem nas laterais duas telas de 4,2 polegadas configuráveis e personalizadas. O freio de mão é  elétrico. O porta-malas conta com sistema de abertura inteligente, que pode ser acionado passando o pé embaixo do para-choque. O freio de mão é elétrico.  Ainda acendimento automático dos faróis e limpadores do para-brisa, farol alto automático, chave presencial e partida por botão.

O Edge recebeu avançados recursos eletrônicos que facilitam a condução, aumentam o conforto e a segurança.  A direção elétrica tem assistente dinâmico que ajuda o esterçamento do volante com o carro em baixa velocidade. São oito airbags – frontais, laterais de cortina e joelhos -, cintos de segurança infláveis. Também controles eletrônicos de estabilidade, de tração, de anti capotamento, de velocidade de cruzeiro adaptativo, alerta de faixa e risco de colisão, monitoração de pontos cegos, assistente de estacionamento e câmera frontal com visão de 180 graus que detecta a aproximação de pedestres e carros na transversal.

No conjunto propulsor permanece o motor  V6  3.5 de  284 cv que atua com a transmissão automática de seis velocidades e aletas para troca sequencial, e tração nas quatro rodas.

 Os únicos opcionais são o teto solar panorâmico e as telas do DVD embutidas nos encostos de cabeça dos bancos dianteiros que custam R$ 10 mil.

O Edge terá as três primeiras revisões (a cada 12 meses ou 10 mil km) com preços fixos de R$ 124, R$ 340 e R$ 400. O comprador poderá estender a garantia e contratar a  quarta revisão por R$ 2.607 ou ainda a quinta revisão e cinco anos de garantia por  R$ 3.220.

 Viagem a convite da Ford

Novo Honda Civic chega em agosto com preços a partir de R$ 87.900

21 de julho de 2016 0

Na décima geração, o sedã médio utiliza novas plataforma e conjunto propulsor

NOVO CIVIC 8

  São cinco opções com destaque para a Touring de motor 1.5 turbo (Fotos Honda, DV)

Visual arrojado, novas plataforma e conjunto propulsor, mais tecnologia e maior em relação ao anterior, o Honda Civic na décima geração ganhou 11 centímetros no comprimento que agora tem 4,63 metros,  cinco centímetros na largura que passou para 1,80 m,  mas ficou 2,5 centímetros mais baixo, com 1,41m. O entre eixos aumentou quatro centímetros  e com 2,70 m melhorou o espaço interno para os ocupantes. O sedã também ficou mais 22 quilos enquanto a rigidez torcional aumentou 25%. O porta-malas passou a levar 525 litros. O novo Honda Civic c,apresentado nesta quarta-feira, 20 de julho, chegará aos concessionário em 25 de agosto com preços a partir de R$ 87.900.

O Civic será equipado com o motor 2.0 flex de até 155 cv, que equipava a geração anterior, que atua em conjunto com o câmbio CVT (contínuo variável) nas versões EX, EXL. A Sport pode receber o câmbio manual de seis marchas. O novo propulsor 1.5 turbo a gasolina de 173 cv, que também atua com o câmbio CVT, será exclusivo da versão Touring.

Ar-condicionado digital, controlador eletrônico de velocidade, câmera de ré, sistema de som com entrada USB e conexão Bluetooth e freio de estacionamento eletrônico, entre outros itens, são de série em todas as versões. Também controles eletrônicos de estabilidade e tração, sistemas de partida em aclives e de vetorização de torque, lanternas de LEDs e air bags frontais, laterais e do tipo cortina. Nas opções com câmbio CVT, a troca sequencial de marchas (o sistema simula sete) pode ser feitas por aletas atrás do volante.

Versões e preços

SportMT R$ 87.900, CVT R$ 94.900
Valoriza o visual esportivo, grade exclusiva, rodas escurecidas de 17″ e sistema de som

EXR$ 98.400

Grade frontal cromada, retrovisores rebatíveis, sistema de som com tela de 5 polegadas, velocímetro digital, bancos em couro e as rodas de 17 polegadas diamantadas.

EXLR$ 105.900

Mais ar-condicionado automático digital de duas zonas, central multimídia com tela de 7 polegadas com navegação por GPS e interativa com smartphones Android Auto e Apple Car Play.

TouringR$ 124.900

Banco do condutor com comandos elétricos, quadro de instrumentos analógico digital, sistema que projeta imagens de câmeras na tela central reduzindo os pontos cegos, partida por botão, chave por aproximação e teto solar.

Versão          Preço

Sport manual – R$ 87.900
Sport CVT – R$ 94.900
EX – R$ 98.400
EXL – R$ 105.900
Touring – R$ 124.900

Fonte: Honda Automóveis

Nissan Kicks, muita tecnologia para enfrentar a selva urbana e as estradas

20 de julho de 2016 0

Crossover compacto traz o DNA japonês com ousado visual, conforto e desempenho

Nissan Kicks (79)

Visual marcado pela grade, faróis, vincos, teto flutuante e lanternas (Fotos Nissan, DV)

São Paulo

    A ideia nasceu em 2011. Evoluiu, foi testada e consolidada num projeto de crossover global, desenvolvido para atender às características brasileiras antes de avançar no mundo. O Kicks, apresentado nesta terça-feira, em São Paulo, chega para mudar a história da Nissan no mercado brasileiro. Bonito, visual arrojado marcado por linhas fortes, sofisticado interior e muita tecnologia, o compacto que num primeiro momento chegará importado do México e, a partir de abril de 2017 será produzido no complexo da Nissan, em Resende. Com o DNA de qualidade, tecnologia e inovação, a proposta da montadora japonesa será mexer com o segmento e enfrentar cara a cara os principais concorrentes, o também japonês Honda HR-V e o ítalo-americano Jeep Renegade. O Nissan Kicks SL custa R$ 89.900.

    A arquitetura V do March e do Versa passou por profundas modificações para ser compartilhada com o crossover. A chefe de produto Sachiko Aoki , prefere definir a V Extended como uma nova plataforma, que com o uso de aços de alta resistência, garantiu uma estrutura mais rígida.  A medida permitiu a redução do peso –  o Kicks tem 1.142 quilos – que Aoki enfatiza, cerca de 100 quilos menor em relação ao H-RV e mais de 200 sobre o Renegade. As suspensões dianteira, tipo McPherson,  e traseira com eixo de torção, são novas dentro das características de um utilitário esportivo.

    O conjunto propulsor permanece o mesmo dos hatch e sedã compactos mas com calibrações específicas. O motor 1.6 16V flex gera 114 cv tanto com etanol quanto com gasolina. O câmbio automático continuamente variável CVT Xtronic, tem relações próprias e traz o sistema de simulação de marchas em altas rotações.  As rodas de liga leve são de 17 polegadas e os pneus 205/55 R17.

    A ampla grade robusta com aplique cromado, identidade visual da marca, os faróis alongados e a iluminação diurna em LEDs valorizam o robusto visual que tem o capô e as laterais marcados por vincos e lanternas tipo bumerangue na traseira. Com 4,29 metros de comprimento por 1,76 m de largura e 1,59 m de altura, o Kicks tem  2,61 m de entreeixos, dimensões próxima do HR-V, o líder do segmento de crossovers. No porta-malas leva  432 litros. A altura livre do solo é de 20 centímetros.

    O interior chama a atenção com o acabamento em três opções que combinam com a cor da carroceria: preto, marron (macchiato) e bege (sand).  Bancos, parte do painel e laterais das portas são revestidos em couro com costuras aparentes. Os detalhes são em plástico e aço. São de série direção com assistência elétrica, volante multifuncional, quadro de instrumentos com mostradores analógico e digitais e tela de TFI personalizável e que mostra  funções e informações do veículo.Também sã de série ar-condicionado digital, acionamento elétrico de vidros, travas das portas e reetrovisores, chave presencial, partida por botão, central multimída com tele de 7 polegadas sensível ao toque, navegação por satélite, câmera de ré, auto-radio, Bluethoof, som e sistema de câmera de 360 graus – uma na frente, duas nos retrovisores e uma atrás – que auxiliam em manobras e detectam movimentos.

     O Kicks enfrentou tranquilo o test-drive por quase 300 quilômetros pelas ruas e avenidas de São Paulo e rodovias da região metropolitana  com trechos de até 120 km/h. Rodou macio na cidade e ignorou irregularidades do pavimento ou os quebra-molas, comuns em muitas ruas. A posição elevada de conduzir e a direção elétrica facilitam as manobras e dão sensação de pleno domínio do veículo.  Na estrada, com condutor e acompanhante, os 114 cv e o câmbio CVT atenderam bem às necessidades do crossover. Em velocidades mais elevadas, o baixo nível de ruído chamou a atenção. Os controles eletrônicos de estabilidade e tração aumentam a segurança em curvas mais acentuadas. Os freios com ABS param bem o veículo.

Viagem a convite da Nissan

Nissan apresenta o Kicks que tem preço a partir de R$ 89.000

19 de julho de 2016 0

Crossover compacto acompanha a Tocha Olímpica pelas cidades brasileiras

NISSAN KICKS 1

Visual forte marcados por vincos, amplo espaço  interior sofisticado (Fotos Nissan. DV)

 Depois da mostra estática no Rio de Janeiro e do lançamento de dois lotes de pré-venda, a Nissan apresenta nesta terça-feira o que chegará aos concessionários em 5 de agosto, dia da abertura dos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro, que tem a Nissan omo patrocinadora oficial. As mil unidades da série especial Rio que traz detalhes exclusivos aos Jogos Olímpicos e que custou R$93.500 foi toda vendida. O mesmo ocorreu também com o lote inicial de mil unidades do Kicks SL com três novas opções de cores: preto, prata e cinza. O novo modelo acirrará a disputa entre os crossovers e utilitários esportivos compactos que tem no Honda HR-V, Jeep Renegade, Ford EcoSport e Renault Duster seus principais concorrentes. O Nissan Kicks SL custa R$ 89.000 .

Os primeiros Kicks virão do México e, a partir de abril de 2017, começará a produção no complexo industrial da Nissan em Resende. Montado sobre a mesma plataforma do March e do Versa, o crossover é um carro urbano com 4,29 metros de comprimento, 1,76 m de largura, 1,59 de altura e 2,61 m de entre-eixos. O Kicks será equipado com motor 1.6 flex  de 114 cv e câmbio automático contínuo variável. O interior  conta com revestimento colorido, quadro de instrumentos analógico digital e, conforme a versão, câmera com imagem de 360º, sensores de monitoração do movimento externo, central multimídia com tela de sete polegadas sensível ao toque com sistemas de informação e entretenimento, ar-condicionado digital e partida por botão. O volante tem a base reta.

Jeep,o herói de guerra completa 75 anos

18 de julho de 2016 0

Mítico veículo norte-americano originou uma família em permanente atualização

_Jeep_75-anniversario_06

Versátil veículo norte-americano se integrou à história militar e civil de diversos países

     Em 15 de julho de 1941  nasceu um veículo que foi protagonista da Segunda Guerra Mundial. Há 75 anos o exército dos Estados Unidos assinava o contrato com a Willys-Overland para o fornecimento de um  novo carro leve de reconhecimento, que era conhecido como Jeep. O nome foi registrado e o pequeno 4×4 militar passou a ser vendido para o público civil, originando uma linha de veículos que se tornaria uma marca presente em todo o mundo, inclusive no Brasil. Responsável por vários pioneirismos como a criação do segmento de veículos 4×4, dos conceito de utilitários esportivos (SUV) com tração nas quatro rodas e de luxo e ainda da reinvenção do segmento com os compactos.

     Para servir ao exército norte-americano, o primeiro Jeep foi desenhado e criado para testes em apenas 49 dias pela American Bantam Car Company. Sua versatilidade foi provada pelos aliados nas frentes de batalha na Europa como Willys MB (M de militar e B por ser o segundo projeto) que teve 645 mil unidades produzidas entre 1941 e 1945. Não por acaso, para o general Dwight Eisenhower, o Jeep, o (avião C-47) Dakota, e o porta-aviões foram as três ferramentas que venceram a Segunda Guerra Mundial. A origem do nome  Jeep é polêmica, Poderia ter derivado da pronúncia inglesa das letras GP, a sigla para General Purpose (uso geral). Mas a  teoria mais aceita é de que o nome originou de um personagem de histórias em quadrinhos chamado Eugene the Jeep, da turma do Popeye. Criado em 1936, ele podia fazer qualquer coisa e ir para qualquer lugar.

    O termo Jeep relacionado ao veículo foi usado pela primeira vez publicamente por Katherine Hillyer no jornal Washington Daily News, em 16 de Março de 1941. Duante entrevista, alguém perguntou ao piloto de teste da Willys Irvin Hausmann como ele chamava aquele veículo e ele respondeu: It’s a Jeep! Encerrada a guerra, milhares de Jeep ficaram em diferentes países do mundo, o que contribuiu para presença global da marca. Com poucas modificações, ainda em 1945, a  Willys transformou o MB no CJ-2ª no primeiro veículo liberado pelo Exército dos EUA para produção civil.

    O símbolo da marca Jeep, a grade frontal de sete aberturas verticais, surgiu em 1945 com o CJ-2ª. O modelo militar MB tinha nove fendas frontais. Para colocar os faróis maiores foi preciso diminuir a grade dos carros. Já a banda de rodagem dos pneus do Jeep MB foi feita de forma simétrica, para que quem olhasse o rastro deixado não soubesse para qual direção o carro estava seguindo. Como carro civil, por sua versatilidade e durabilidade o jipe passou a ser usado por fazendeiros, quando ficou conhecido como o AgriJeep, pela tomada de força que permitia compartilhar o movimento do sistema de transmissão a um implemento agrícola.

160106_Jeep_Storico_01

Para comemorar os 75 anos do Jeep, a montadora reuniu os modelos da antiga família

      O Jeep desembarcou no Brasil, pelo Rio de Janeiro, na década de 1940. A família Jeep cresceu com a chegada da primeira picape, que também foi produzida no Brasil  entre 1962 e 1982, e posteriormente por outras caminhonetes. Pela dificuldade de produzir novas estamparias, a Willys Wagon, surgido em 1946, foi desenhado para que as chapas da carroceria pudessem ser feitas por fornecedores de estamparias de geladeiras. O tamanho das estampas e a quantidade de curvaturas e de profundidade foram limitados. Além disso, o painel das portas era oco. Em 1949, a Wagon foi a precursora do utilitário esportivo 4×4 e o primeiro com a carroceria em aço. Em 1952 surgiu outro modelo militar, o M-38A1 (ou MD) que depois originou a geração civil CJ-5. Produzido em diversos países e também no Brasil entre as décadas de 1950 e 1980.

160106_Jeep_75-anniversario_01

Os Jeep atualmente em produção têm série comemorativa ao pioneiro (Fotos FAC, DV)

    O primeiro passeio para donos de modelos da Jeep pela antiga trilha Rubicon, nas Montanhas Rochosas do norte da Califórnia, foi organizado em 1953. Foi o embrião da Jeep Jamboree, empresa que promove passeios pelas principais trilhas fora de estrada  dos EUA.  Em 1954, o Jeep CJ-3B começou a ser montado pela Willys-Overland do Brasil, em São Bernardo do Campo (SP). A Willys Wagon, aqui chamada de Perua Jeep, originou a Rural, montada no país em 1956, com o design do modelo americano.

Novo Honda Civic, mais arrojado, motor turbo e muita tecnologia

16 de julho de 2016 13

Totalmente novo, na décima geração, sedã médio, que ficou maior, chega em agosto

16_Civic_Sedan_144

Visual agressivo com linhas e vincos marcantes e aerodinâmicas (Fotos Honda USA, DV)

    Um dos principais lançamento do ano no mercado brasileiro, o novo  Civic está na contagem regressiva para o lançamento. A Honda criou um site com teasers sobre o sedã médio,  como cadastro de dados para receber informações sobre o carro. O visual arrojado chama a atenção com destaque para a frente robusta.

   Maior em relação ao anterior, ganhou 11 centímetros no comprimento que agora tem 4,63 metros,  cinco centímetros na largura que passou para 1,80 m,  mas ficou 2,5 centímetros mais baixo, com 1,41m. O entre eixos aumentou quatro centímetros  e com 2,70 m melhorou o espaço interno para os ocupantes. O porta-malas passou a levar 427 litros. O  novo Civic foi desenvolvido para a produção em diversos marcados  e a venda começou pelos Estados Unidos, no segundo semestre de 2015. No Brasil, acirrará a disputa com o também japonês Toyota Corolla, atual líder do segmento e quinto carro mais vendido no primeiro semestre com mais de 30 mil unidades.

   O modelo recebeu novo conjunto propulsor e mais recursos eletrônico. O  Civic terá como destaque a opção do novo motor 1.5 turbo, mais econômico e menor índice de emissões. Com turbocompressor e injeção direta, flex, deverá gerar em torno dos 176 cv, e atuará em conjunto com o câmbio continuo variável (CVT).

    O interior todo novo ganhou painel com linhas horizontais. O quadro de instrumentos combina informações analógicas e digitais com um mostrador central e dois laterais.  A central multimídia conta com tela sensível ao toque. O volante é multifuncional.

Land Rover Discovery Graphite chega ao país por R$ 363.784

16 de julho de 2016 0

Edição limitada em 56 unidades traz personalização exclusiva externa e no interior

Discovery_Graphite-1

Série especial destacada pela cor é baseada na versão SE (Fotos Jaguar Land Rover, DV)

Acabamento cinza grafite na grade frontal, saídas de ar laterais, maçanetas das portas, retrovisores externos e rodas de liga leve de 19 polegadas são exclusivas do Land Rover Discovery Graphite. No interior, a edição limitada em 56 unidades destinadas ao mercado brasileiro, é baseada na versão SE e  traz revestimento em couro creme preto ou creme nos bancos, painel central, volante e painéis das portas, sistema de informação e entretenimento in Control Touch com som Meridian e teto solar panorâmico. Sete lugares, conta com saídas do ar condicionado nas três fileiras de bancos, controle eletrônico de velocidade, sensores de estacionamento dianteiro e traseiro, monitor de ponto-cego e câmera de ré.  O sistema Terrain Response que ajusta automaticamente o comportamento do veículo de acordo com o tipo de terreno em que se trafega, ao simples toque em um botão. O Land Rover Discovery Graphite custa R$ 363.784.

Discovery-Graphite 2

Chevrolet Cobalt 2016, visual valorizado, amplo espaço interno e mais tecnologia

14 de julho de 2016 0

O sedã compacto ficou mais bonito e recebeu novos recursos do segmento premium

COBALT - PRISCILA NUNES 16 - Cópia

Frente traz a nova identidade visual da marca (FOTOS PRISCILA NUNES/ESPECIAL)

     A atualização do design, a sofisticação do acabamento premium e a introdução de novos recursos eletrônicos deram  um novo posicionamento ao Cobalt 2016. A primeira modificação de peso mexeu com o  sedã compacto Chevrolet lançado em 2011. Na frente, os aperfeiçoamentos remetem ao Malibu e ao novo Cruze 2017, recém lançado, como a releitura da identidade global da marca com a grade hexagonal, os faróis mais afilados, auxiliares de neblina e vincos no capô. Na traseira, as traseiras horizontais invadem a tampa do porta-malas que perdeu o vinco. No interior, além do revestimento aprimorado, destaques para o  MyLink de segunda geração que interage com smartphones dos sistemas CarPlay (IOS) e Android Auto e o sistema OnStar. O conjunto propulsor permanece inalterado com o motor 1.8 de 108 cv e o câmbio automático de seis velocidades. Avaliado por cerca de 700 quilômetros por ruas e estradas gaúchas, o Chevrolet Cobalt Elite 2016 custa R$ 67.990.

    Se por fora as modificações foram importantes para a valorização visual, por dentro o Cobalt surpreende. O acabamento combina marrom e cinza, que a General Motors chama de bronwstone, com detalhes cromados no painel, nos bancos em couro, e nas laterais das portas, que remetem a sedãs do segmento superior.

    No uso diário na cidade ou na estrada em viagens mais longos, recursos como sensores de chuva e crepuscular, sensor de estacionamento traseiro, câmera de ré facilitam a condução. Como também a coluna de direção com regulagem de altura, volante funcional, ar-condicionado, trio elétrico, controle eletrônico de velocidade e a central multimídia Mylink com tela de sete polegadas sensível ao toque.  Para completar, o sistema OnStar de assistência, informação e serviços remotos. O entre-eixos de 2,62 metros garante bom espaço interno e o amplo porta-malas de 563 litros acomoda a bagagem da família.

    O conjunto propulsor fica limitado aos 106 cv (gasolina) a 108 cv (etanol) do motor 1.8 Flex que atua em conjunto com o câmbio automático de seis velocidades. Atende às necessidades de um sedã compacto familiar na cidade. Mas sente o peso, principalmente na estrada, com cinco ocupantes e bagagem. Em ultrapassagens ou subidas mais acentuadas exige pressão mais forte no acelerador para manter a velocidade ou retomadas. Para quem prefere, a troca sequencial de marchas pode ser feita por botão na palanca. A suspensão macia no asfalto absorve irregularidades mais leves do pavimento irregular. Os freios a disco seguram bem o sedã compacto.

Honda CB 650F e CBR 650 F 2017 chegam atualizadas e preços a partir de R$ 37.000

13 de julho de 2016 0

Motos esportivas têm aperfeiçoamentos visuais e mecânicos

CBR 650F 2

Design dos dois modelos remete as motos de competição da Honda

O novo grafismo que remete ao Team HRC, a equipe de competições da Honda, e aperfeiçoamentos no sistema de controle de emissões são as principais novidades das motocicletas CB 650F e CBR 650F linha 2017. Montadas em Manaus, a Naked e a Sport têm grafismo exclusiso para o mercado brasileiro. As cores vermelha, branca e azul, com rodas douradas, e vermelha e preta, com rodas pretas, foram inspirados nas motos de corrida e esportivas mais potentes. Com versões únicas equipadas com freio ABS, base estado de São Paulo, sem despesas com frete e seguro, a Honda CB 650F tem preço sugerido de R$ 37.000 e a Honda CBR 650 de R$ 38.800.

O motor, compartilhado pelos dois modelos, teve o sistema de controle de emissões aprimorado para atender as todas as normas do Programa de Controle da Poluição do Ar por Motociclos e Veículos Similares (PROMOT 4). Quatro cilindros em linha, 649 centímetros cúbicos, DOHC (Double Over Head Camshaft), duplo comando de válvulas no cabeçote e arrefecimento líquido desenvolve 87 cv. O câmbio é de seis marchas e  a transmissão   por corrente.

CBR 650F

Esportiva CBF 650R (Fotos Honda. DV)

O chassi do tipo Diamond em aço fixa o motor em posicionamento levemente adiantado para melhor distribuição do peso e equilíbrio dinâmico mais eficiente. A suspensão dianteira conta com garfo telescópico convencional de 41 milímetros curso de 120 mm. As rodas são de 17 polegadas e pneus 120/70-ZR17M/C. O freio tem dois discos duplos de 320 mm, com cáliper duplo. A balança traseira é do tipo monochoque em alumínio fundido. O curso de 43,5 mm permite sete estágios de configuração na pré-carga da mola. As rodas traseiras são de 17 polegadas com pneus 180/55-ZR17M/C.

O grupo óptico é protegido por semi carenagens, com para-brisa incorporado à CBR 650F. As duas motos compartilham o quadro de instrumentos com mostradores analógicos e digitais e avisos luminosos sobre o funcionamento dos componentes elétricos. Os bancos, em dois níveis, são revestidos em espuma. A rabeta acompanha o design esportivo. A CB 650F e a CBR 650F têm garantia de três anos e o Honda Assistance, sem limite de quilometragem.

%d blogueiros gostam disto: