Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros
Capa ZH ZH Blogs Assine agora

Posts de agosto 2015

A Copa do Brasil é a nossa prioridade

31 de agosto de 2015 20
Grêmio decide vaga com Flu na Arena.

Grêmio decide vaga com Flu na Arena.

Por Guilherme Mazui / @guilhermemazui

Quem sonhava com Gre-Nal vai ter de esperar. O Grêmio pegará o Fluminense nas quartas de final da Copa do Brasil, a partir de 23 de setembro. Tem quatro semanas para reencontrar seu melhor futebol e chegar voando no mata-mata. E tem time para classificar. A Copa do Brasil é a nossa prioridade.

As patinadas contra Ponte Preta e Coritiba transformaram o título brasileiro em miragem. O Corinthians abriu oito pontos e o Atlético-MG quatro. Sem uma nova sequência de vitórias, o Grêmio não encosta nos líderes. Com os desfalques das próximas rodadas, a briga será para conservar a gordura do G-4. Assim, a chance de taça real está na Copa do Brasil.

Estou ansioso pelo reencontro com Ronaldinho. Será lindo passar por R10 no caminho do penta. Em 2001, uma das equipes que decepamos na trajetória do tetra foi o Fluminense. Também eliminamos o Coxa . Quem sabe as coincidências sejam o futuro voltando a sorrir.

Enfrentar R10 é uma motivação extra, que aditiva o apetite pela Copa do Brasil. Vem um confronto duro pela frente, diante de  uma equipe com Cavalieri, Jean, Cícero e Fred. O Grêmio vai precisar jogar mais do que vem jogando nas últimas cinco partidas. Como as quartas só começam em 23 de setembro, temos quatro semanas para recuperar o viço.

A equipe de Roger Machado cansou, sentiu a maratona – que também afeta os demais clubes. A equipe de Roger Machado continua ruim de pontaria, um problema crônico. O pé torto custou as vitórias sobre Ponte e Coxa. Dois aspectos que precisam ser melhorados em meio à rotina de jogos quarta e domingo. Dureza.

Um fato que está a favor do Grêmio. A decisão da vaga na semifinal será na Arena, que vem empilhando grandes públicos. Até o dia 30, espera-se que a aquisição da administração plena do estádio esteja concluída. O Grêmio poderá chegar ao confronto com o clima de mobilização capaz de fazer a diferença.

Bora, Grêmio! Rumo ao penta!

De novo, a crônica do desperdício

30 de agosto de 2015 35

Por Juliano Rodrigues – @julianorodrigue

O que há de comum entre Coritiba e Ponte Preta? Por óbvio, não são as cores dos seus uniformes nem o tamanho das suas torcidas: os dois times medianos fizeram o Grêmio perder, até agora, 9 pontos no campeonato. Na ensolarada manhã deste domingo, foi a vez do Coritiba amarrar o desgastado Tricolor e arrancar um empate em 0 a 0. Contra o Coxa, o Grêmio teve uma derrota no primeiro turno e um empate no segundo. Cinco pontos perdidos. Diante da Ponte Preta, um empate na Arena e outro em São Paulo. Mais quatro pontos perdidos. Um time que pretende ser campeão pode se dar o luxo de deixar pelo caminho pontos totalmente “ganháveis”? Claro que não.

É verdade que os jogadores do Grêmio estavam cansado e tiveram de encarar o ápice do veranico de agosto no sol de meio-dia. Apesar disso, o time criou ótimas chances de gol e, mais uma vez, não conseguiu converter as oportunidades. Marcelo Oliveira, Geromel, Giuliano e Luan participaram de lances em que poderiam tranquilamente marcar. Infelizmente, o Grêmio pecou no detalhe e viu escapar pontos muito importantes. Luan teve o gol escancarado em duas oportunidades: em uma, chutou em cima do zagueiro e na outra se atrapalhou com a bola. Até a metade do segundo tempo, a equipe não demonstrou o cansaço que se imaginava. Depois, o time caiu bastante e poderia até ter sofrido um gol.

Para quem olhava a tabela e imaginava uma sequência de vitórias contra Joinville, Ponte Preta, Coritiba, Figueirense e Goiás, é melhor repensar essa projeção. Já escorregamos contra a Ponte e o Coritiba. É obrigatório recuperar esses pontos contra o Figueirense, mas teremos vários desfalques. Além de Luan, Grohe e Erazo (nas seleções), Douglas levou o terceiro cartão. É hora da superação, hora de vencer de qualquer jeito, mesmo que com um golzinho chorado em uma bola parada.

A nota positiva da manhã de hoje foi o show da torcida: 46 mil pessoas na Arena. Pena que, desta vez, a massa teve de ver um empate. Tenho certeza que algo de bom está guardado para a gente neste ano. É importante recuperar os jogadores e encontrar alternativas no grupo. Não podemos aceitar passivamente que, em setembro, o Grêmio já esteja sem pernas. O jogo de hoje foi atípico, em um intervalo muito curto de tempo. Daqui a um mês, teremos os confrontos das quartas-de-finais da Copa do Brasil e precisamos estar inteiros.

Força, Grêmio!

Mais fôlego para o fim da temporada

29 de agosto de 2015 14

00b17041


Por Juliano Rodrigues – @julianorodrigue

Alguns já tinham até esquecido da existência de Ramiro, outros questionam a sua qualidade e muitos aguardam com otimismo o seu retorno aos gramados. Estou entre os últimos. Para minha alegria e dos que gostam do seu futebol, em algumas semanas o volante/meia/lateral deverá voltar a atuar e reforçará o Grêmio na reta final da temporada. É claro que Ramiro não é nenhum salvador da pátria e não conseguirá correr por todos os atletas desgastados pela sequência de jogos. Mas é inegável que o seu retorno dará uma nova opção a Roger e renovará o gás do meio-campo.

Quando sofreu a lesão no joelho que o tirou de boa parte da temporada em uma partida contra o Juventude, na Serra, Ramiro estava jogando na lateral-direita. Não será para lá que ele voltará. Em um primeiro momento, Ramirinho não tem lugar no time titular, mas ele pode ser uma opção fundamental para substituir Maicon, já que tem um passe mais qualificado do que Edinho e Walace, e também para o lugar de Giuliano. Com Renato e Felipão, Ramiro chegou a ser escalado em uma posição mais avançada e foi bem. Além de ter muito fôlego (algo que precisaremos nessa sequência de partidas), o ex-jogador do Ju marca bem. É uma alternativa importante para os momentos em que não teremos Giuliano (seja por cansaço, lesão ou suspensão) ou algum dos volantes. Segundo os setoristas do Grêmio, Ramiro deve retornar no fim de setembro, talvez já nas quartas-de-finais da Copa do Brasil.

Com o profundo desgaste que o Grêmio vem apresentando, é fundamental que Roger encontre alternativas para oxigenar o time e manter as atuações no melhor nível possível. É muito difícil alcançar essa meta, já que o Grêmio tem um grupo limitado, com bons jogadores para formar uma equipe, mas com poucas opções de qualidade equivalente no banco. É ilusório pensar que é possível ter, no banco, um atleta do mesmo nível do titular. Aí que entra a criatividade da comissão técnica e da direção para encontrar alternativas. Às vezes é um meia que está esquecido nas categorias de base (lembram do Lincoln?), um volante que quer mostrar serviço, um reserva que clama por uma chance… Roger começou a fazer isso quando escalou Fernandinho. Esse não pode reclamar de desgaste. Edinho também não. Então, aos poucos vão sendo encontradas opções que oxigenam o time e nos mantêm no topo.

Um recado para os corneteiros do Ramiro: Roger conseguiu extrair futebol de jogadores que haviam se mostrado insuficientes, como Galhardo, Erazo, Marcelo Oliveira, o próprio Maicon, Pedro Rocha e por aí vai. Alguém acredita que o nosso comandante não vai fazer Ramiro resgatar o seu melhor?

Saudações tricolores!

Roger, torcida e jogadores: contra o Coritiba devemos começar um trimestre épico!

28 de agosto de 2015 8

Roger chama

 

Léo Gerchmann – @Leogerchmann

Uma má notícia para nossos jogadores: os próximos três meses serão de sacrifícios.

Uma ótima notícia para nossos jogadores: os próximos três meses, sendo encarados como meses de sacrifício, podem nos levar a alguma glória suprema que os tornará eternos ídolos na nossa espetacular Arena.

(perdão por eu sempre me referir à nossa Arena como “espetacular” – é que ela é…)

Agora, eu lhes pergunto: vale a pena o tal sacrifício?

Parafraseando o Mário Fofoca (lembram?), eu mesmo respondo: vale. E muito!

Fiz a introdução acima pra dizer: domingo é dia de decisão.

Mais uma decisão. A primeira de 18, sem contar as da Copa do Brasil.

Precisamos pisar fundo, enlouquecer rumo à glória.

Fazer um trimestre épico!

Monotonia e jogo morno é coisa pros

É essencial vencer o Coritiba em casa. Essencial!

Vamos provar para o técnico deles, o Ney Franco, que a estratégia confessa dele, de nos desgastar para ganhar no domingo, não vai colar. Uma estratégia que me provoca desconforto, aliás.

Cansar o adversário? Até pode ser legítimo, mas me soa mal.

Vamos mostrar que somos o clube da superação. Vamos pra cima!

O Roger disse: “Energia que faltar virá da arquibancada. Peço ao meu torcedor que venha”.

Vamos atender ao chamado do ex-craque/atual técnico/eterno ídolo.

Provemos a esse Ney Franco que golpe baixo não cola com a gente.

O Grêmio está envolvido em duas competições importantíssimas.

A Copa do Brasil depende de mais seis jogos pra gente dar aquele grito trancado na garganta há 14 anos: o grito de campeão!

O Brasileirão é mais difícil pelas suas características, mais desgastantes.

Mas é assim pra todos, e, na boa, ninguém é melhor que nós.

A estratégia é simples: manter a pegada, a intensidade, a gana.

Vamos com força, vamos com raça!

Douglas

Recebi, por e-mail, carta de um leitor, um texto bem bom.

Vou publicar parte dele, porque concordo com cada letra ali escrita.

Sei que posso provocar alguma contestação. Vá lá…

Faz tempo que sustento isto que vou dizer agora.

É o seguinte: o Douglas é fundamental.

Bebe a cervejinha dele, adora um chinelinho, até fuma.

Mas talvez até essa irreverência faça parte do quadro.

Venho dizendo isso bem antes de esse time começar a brilhar.

Perguntem pros companheiros deste blog, se não é verdade.

Até lamento o seguinte: se o Barcos tivesse o Douglas armando as jogadas, teria se destacado muito mais. Quem sabe até não teria nos dado um título importante no ano passado.

O Douglas é o atleta (sim, atleta) que mais jogou pelo Grêmio este ano.

Ah, ele parece meio barrigudo. Mas sabe jogar! Sabe se colocar!

No golaço contra o Atlético-MG, ele partiu de trás, correu o campo inteiro, e concluiu.

A bola no pé dele desconcerta a defesa adversária. É passe de qualidade.

O Douglas, de mansinho, vai se consolidando como ídolo.

Se nos der um título, entrará para a história como “o 10″!

Aliás, o meio-campo com ele, o Maicon vindo de trás e o Giuliano bem do púbis faz toda a diferença.

Lembram no ano passado? Era bola rifada o tempo todo. Pobre Barcos!

O Barcos tinha de voltar pra armar as jogadas. Não tinha quem fizesse.

Também acho que os laterais são uma boa nova. Mas o meio-campo nos deu outra vida.

Dada a minha opinião, reproduzo o texto do gremistão Sandro Ristov.

Aqui:

Prezado,

Boa tarde!

Temos em nossas mãos um dos últimos meias clássicos em atividade.
Falo do Douglas, que independente de barriga, preparo físico, idade e cabelos brancos, a cada jogo deixa os atacantes na cara do gol, pelo menos umas 3 vezes.
No Grêmio, ninguém mais faz isso…
Fora Dalessandro, Zé Roberto, e…( não consegui lembrar de mais ninguém) vejo uma escassez enorme no Brasil e até fora…
Douglas tem muito pra dar e acho que pelo que fez até agora, já deveria ter seu contrato renovado para 2016.
Daqui a pouco alguém chega na frente e vamos ficar na mão.
O custo/benefício dele é excelente, visto que não deve ganhar mais de R$ 200 mil/mês.
Inclusive ele e todos do time deveriam ganhar uma placa, pelo gol feito no Mineirão.

Se sua opinião for igual a minha, por favor externalize-a ( existe?), pois para denegri-lo, já existe um pelotão…

Abraço.

Sds

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Faltam seis jogos

28 de agosto de 2015 38

Por Guilherme Mazui / @guilhermemazui

O Grêmio classificou para as quartas de final da Copa do Brasil, despachou o Coritiba. Agora é reparar os erros e chegar voando no final de setembro, quando volta o mata-mata. Temos a chance de título.

Para carimbar o penta, o Grêmio terá de jogar bem mais. O Imortal levou sustos desnecessários contra o time reserva do Coritiba, apesar da vitória por 3 a 1. Se os titulares do Coxa brigam para não cair no Brasileirão, os suplentes têm nível de Estadual. A equipe de Roger Machado completou a quarta partida seguida com desempenho apagado, o que preocupa. Domingo, diante do mesmo Coxa, será preciso um futebol mais eficiente.

Era jogo para golear sem dó, mas o primeiro tempo terminou tenso após uma falha idiota de Marcelo Oliveira na saída de bola. O Grêmio cometeu muitos erros na saída e deu espaços, dois pontos a melhorar. Levou uma bola no travessão no final, quando já atuava com um homem a mais.

Fernandinbo começou o jogo e só acelerou na etapa final. Deu um passe maravilhoso para Luan no gol de Douglas – Luan ainda guardou mais um de pênalti no fim. Pecamos um pouco na finalização, Luan perdeu um cara a cara, Pedro Rocha chutou outra torta.

Se o desempenho deixou a desejar, a vaga está garantida, temos um mês até as quartas, que por sinal, podem ter Gre-Nal. O sorteio na segunda-feira define os confrontos. Só ficou pedreira – São Paulo, Fluminense, Santos, Vasco, Grêmio, Inter, Palmeiras e Figueirense.

Vamos aguardar o sorteio, mas quem deseja ser campeão não escolhe adversário. A sorte pode ajudar, será bem-vinda, porém temos de ser competentes. Bora, Grêmio! Rumo ao penta! Faltam seis jogos.

Roger, leia nosso apelo! Hoje, não é Copa do Brasil. É essencial! É Copa do Mundo!!!

27 de agosto de 2015 11

Roger Machado

 

Léo Gerchmann – @Leogerchmann

Há um jargão jornalístico que define o texto da véspera de um jogo: é a “apresentação”.

Pois vou, aqui, subverter essa lógica. O que escrevo, neste momento, é um APELO.

Apelo ao Roger Machado e aos nossos 11 gloriosos defensores.

Não vão atrás da onda que tenta se formar, dizendo que a classificação está assegurada.

O Coritiba venceu as últimas três partidas e terá jogadores pedindo passagem.

Em Curitiba, vencemos. Mas eles vieram pra cima no início, não foi um mar de rosas.

Mais: o Coritiba é bem mais time que o Criciúma.

E o Criciúma, da Série B, ganhou da gente aqui na Arena. Quase nos tirou do torneio!

Por que isso ocorreu, apesar da nossa superioridade?

Por dois motivos:

1) O juiz anulou de forma indevida um lindo gol do Pedro Rocha, que fez uma cavadinha, correu pro abraço certo e… o auxiliar tinha sérios problemas de visão, na melhor das hipóteses. Se tivessem validado aquele gol legítimo, teríamos até goleado.

Mas o Criciúma, incrivelmente, nos derrotou, e tivemos de buscar a classificação nos pênaltis em Santa Catarina.

2) Este é o motivo principal: houve uma natural afrouxada contra o Criciúma. Por quê? Porque o discurso da véspera era o de que se tratava de um time fraco, que não teria qualquer pretensão maior.

Vai o clichê: não existe jogo jogado!!!

Precisamos ter muito foco.

Tenho batido nessa tecla: o jogo desta quinta não é de Copa do Brasil.

Pra nós, é Copa do Mundo. É essencial.

Pena não termos o Maicon e o Giuliano.

No caso do Giuliano, quero crer que ele não está sendo poupado.

Este é o jogo para NÃO se poupar!

Simplificando, uso a matemática:  Na Copa do Brasil, temos algo como 20% (talvez mais…) de chances para conquistar o título e dar o grito preso há 14 anos. No Brasileirão, temos algo como 10% de chance.

Defendo que busquemos os dois. Seria a maior glória pôr as duas taças no armário.

Bah, imaginem. É quase impossível. Mas acho que essa deve ser nossa meta.

Só que a Copa do Brasil está mais à feição. Tudo o que não podemos é relaxar.

Ah, e vai aqui o recado: lugar de gremista, hoje, é na nossa espetacular Arena!

Querem entender o motivo de tanta insistência?

Aqui, reproduzo o que tenho escrito neste blog:

Este post é um apelo: comandante Roger Machado, nosso ídolo, não dê ouvidos a quem diz que devemos poupar jogadores na próxima quinta-feira. Pelo contrário: é nesse jogo que precisamos dar nossa maior entrega.

Veja bem: o Brasileirão ainda é viável, mas seria necessária uma panaceia para conquistá-lo. A meta de fazer uma campanha digna já está praticamente assegurada. Se vier o título, pô, maravilha. Mas é bem improvável.

Já a Copa do Brasil, um título importantíssimo, é viável.

O jogo desta quinta-feira, contra o Coritiba, pra nós, é uma Copa do Mundo. É pela Copa do Brasil que poderemos pavimentar o caminho que, quem sabe, nos levará à glória da Avenida Goethe.

Ando ouvindo coisas…

São colorados? São equivocados? Não sei.

Ambos costumam ser um só.

Precisamos lutar pelos dois títulos, mas a conquista da Copa do Brasil é uma possibilidade que precisa ser levada muito a sério. É a nossa chance de redenção, é o nosso grito represado há 14 anos.

Vejam bem: contra o Criciúma, eu defendi ardentemente, aqui, que o Grêmio não se desmobilizasse. Tinha gente pregando que o melhor seria disputar aquela mediocridade que é a Sul-Americana.

Perdão para quem defende essa tese, mas, na minha modesta opinião, a Sul-Americana, apesar da grana e da projeção internacional, é um torneio disputado entre perdedores. Se ganhamos, damos uma vibradinha básica e vamos pra cama dormir, porque no dia seguinte trabalhamos cedo. Legal é. Não mais que isso.

O que foi que aconteceu naquela ocasião? Perdemos pro Criciúma em casa!

O Criciúma! Um time fraco, bem mais fraco que o Coritiba.

O jogo de quinta-feira não está ganho.

Abramos o olho! Joguemos com toda a intensidade!

A classificação para as quartas-de-final não está garantida.

Por favor, torcida, dirigentes, Roger, jogadores: precisamos comer grama na quinta-feira.

Aqui, o que escrevi no dia anterior a esse respeito:

Sobre o próximo jogo, ESSENCIAL!

Sobre nosso próximo jogo: mais do que nunca, é Copa do Mundo.

Não é Copa do Brasil, é Copa do Mundo.

Ouvi gente falar em time misto.

Por Deus, até o Romildo precisa entrar em campo!

Absolutamente nada está decidido!

Precisamos carimbar a classificação.

O Brasileirão é uma meta quase impossível agora.

Temos chance de levantar o caneco da Copa do Brasil.

E ir pra Goethe soltar um grito preso na garganta há 14 anos.

Concentração total contra o Coritiba!

É o jogo do ano.

Por ora.

Quero repetir essa expressão nas quartas-de-final.

E depois na semifinal.

E depois… meu Deus! Por favor, concentração total!

A classificação na quinta-feira é a passagem para o nosso futuro.

A Copa do Brasil é o título viável.

No Brasileirão, a tendência é de termos só uma gloriosa classificação para a Libertadores.

A não ser que no Itaquerão…

PS: Braian, se tu tiveres a oportunidade, cale nossa boca, nos dê alegrias e até, quiçá, te credencies a vestir a “Celeste”. Uma vaidade que não tenho é a de ser dono da verdade. Por favor, Braian, surpreenda-nos. Supere-se. E depois me mande longe pelas críticas que eu fiz ao teu futebol. Não tem problema. É tudo o que eu quero.

Pedro Rocha é o titular

26 de agosto de 2015 17
Pedro Rocha tem oito gols em 2015. Foto: Lucas Uebel/Grêmio

Pedro Rocha tem oito gols em 2015. Foto: Lucas Uebel/Grêmio

Por Guilherme Mazui / @guilhermemazui

Roger Machado arriscou Fernandinho na vaga de Pedro Rocha contra a Ponte Preta. O rendimento não agradou. O time todo – inclusive Fernandinho – teve uma atuação apagada. Creio que o caminho é voltar com Pedro Rocha.

Fernandinho é um jogador veloz, de vitória pessoal, que joga a redonda na frente e ultrapassa o adversário. Um papa-léguas. Que leva vantagem quando encara a defesa adversária já desgastada no segundo tempo. Ajuda a amassar o rival e levanta o torcedor.

Prefiro Fernandinho voando na etapa final. Foi assim que ele reencontrou seu bom futebol, que andou sumido por quase dois anos. O experiente atacante retornou ao Grêmio, após semestre pífio na Itália, fez alguns jogos meia-boca e fez um partidaço no Gre-Nal do 5 a 0, com um gol e meio.

A oportunidade como titular concedida a Fernandinho foi merecida, porém o resultado prático não agradou. Sei que foi apenas um jogo, mas não gostei do que vi. Ao entrar na vaga de Pedro Rocha, Fernandinho gastou combustível marcando a subida do lateral rival. Foi visto na defesa dando carrinho, movimento que Pedro Rocha também executa.

Costumo ter pouca paciência com Pedro Rocha, um achado da direção, que andou perdendo alguns gols fáceis. Fico profundamente irritado quando vejo um atacante gremista rasgar uma chance fácil, como Braian Rodríguez fez domingo.

Perder gol fácil, cara a cara, implode a tese de que “a bola não chega”. Quando chega com açúcar, tem de morrer na rede. Grandes centroavantes se consagram empilhando gols fáceis. Pedro Rocha precisa melhorar a pontaria urgente, porém é guri, tem margem para crescer.

Pedro Rocha subiu ao profissional com salário de R$ 7 mil mensais. Braian Rodríguez ganha, pelo menos, 10 vezes mais. O guri marcou oito gols em 2015, o uruguaio dois. O custo benefício do piá – e seu potencial de valorização - é ótimo.

O Grêmio fez suas melhores atuações com o quarteto Douglas-Giuliano-Lua-Pedro Rocha. Se todos estão disponíveis, vale escalá-los outra vez. A começar pela decisão pela classificação na Copa do Brasil, contra o Coritiba.

***

Maicon fica duas semanas de molho, lesionado. Pela lógica, entra Edinho. Opção acertada. Enquanto Ramiro segue fora, Edinho fecha a porteira com Walace. A ideia de William Schuster não agrada, tampouco de Marcelo Oliveira. O lateral subiu de produção quando fixou posição, deixando os bicos de volantes e zagueiro.

Apelo ao Roger: não ouça quem diminui o jogo de quinta. É a nossa Copa do Mundo! Foco total, por favor! Lembre-se do Criciúma!

25 de agosto de 2015 16

Zagueiraços

 

Léo Gerchmann – @Leogerchmann

(antes do texto que vem a seguir, uma explicação sobre a foto acima: foi meu amigo Roger Canal quem a enviou. Temos ali o “Pavilhão” Aírton – que meu pai dizia ser superior a qualquer zagueiro -, o Mauro Galvão – o maior zagueiro que vi jogar em meu meio século de vida -, o Luís Eduardo – grande zagueiro – e o Ancheta – eterno capitão charrua, elegante no futebol e no trato pessoal, aliás como os outros da foto. Faltaram o De León, o Oberdan e alguns outros. Obs: o Geromel, por vezes, faz eu me lembrar do Galvão, com seu senso de colocação, facilidade de antecipação e técnica apurada)

Agora, ao post propriamente dito.

Este post é um apelo: comandante Roger Machado, nosso ídolo, não dê ouvidos a quem diz que devemos poupar jogadores na próxima quinta-feira. Pelo contrário: é nesse jogo que precisamos dar nossa maior entrega.

Veja bem: o Brasileirão ainda é viável, mas seria necessária uma panaceia para conquistá-lo. A meta de fazer uma campanha digna já está praticamente assegurada. Se vier o título, pô, maravilha. Mas é bem improvável.

Já a Copa do Brasil, um título importantíssimo, é viável.

O jogo desta quinta-feira, contra o Coritiba, pra nós, é uma Copa do Mundo. É pela Copa do Brasil que poderemos pavimentar o caminho que, quem sabe, nos levará à glória da Avenida Goethe.

Ando ouvindo coisas…

São colorados? São equivocados? Não sei.

Ambos costumam ser um só.

Precisamos lutar pelos dois títulos, mas a conquista da Copa do Brasil é uma possibilidade que precisa ser levada muito a sério. É a nossa chance de redenção, é o nosso grito represado há 14 anos.

Vejam bem: contra o Criciúma, eu defendi ardentemente, aqui, que o Grêmio não se desmobilizasse. Tinha gente pregando que o melhor seria disputar aquela mediocridade que é a Sul-Americana.

Perdão para quem defende essa tese, mas, na minha modesta opinião, a Sul-Americana, apesar da grana e da projeção internacional, é um torneio disputado entre perdedores. Se ganhamos, damos uma vibradinha básica e vamos pra cama dormir, porque no dia seguinte trabalhamos cedo. Legal é. Não mais que isso.

O que foi que aconteceu naquela ocasião? Perdemos pro Criciúma em casa!

O Criciúma! Um time fraco, bem mais fraco que o Coritiba.

O jogo de quinta-feira não está ganho.

Abramos o olho! Joguemos com toda a intensidade!

A classificação para as quartas-de-final não está garantida.

Por favor, torcida, dirigentes, Roger, jogadores: precisamos comer grama na quinta-feira.

Aqui, o que escrevi ontem a esse respeito:

Sobre o próximo jogo, ESSENCIAL!

Sobre nosso próximo jogo: mais do que nunca, é Copa do Mundo.

Não é Copa do Brasil, é Copa do Mundo.

Ouvi gente falar em time misto.

Por Deus, até o Romildo precisa entrar em campo!

Absolutamente nada está decidido!

Precisamos carimbar a classificação.

O Brasileirão é uma meta quase impossível agora.

Temos chance de levantar o caneco da Copa do Brasil.

E ir pra Goethe soltar um grito preso na garganta há 14 anos.

Concentração total contra o Coritiba!

É o jogo do ano.

Por ora.

Quero repetir essa expressão nas quartas-de-final.

E depois na semifinal.

E depois… meu Deus! Por favor, concentração total!

A classificação na quinta-feira é a passagem para o nosso futuro.

A Copa do Brasil é o título viável.

No Brasileirão, a tendência é de termos só uma gloriosa classificação para a Libertadores.

A não ser que no Itaquerão…

PS: Braian, se tu tiveres a oportunidade, cale nossa boca, nos dê alegrias e até, quiçá, te credencies a vestir a “Celeste”. Uma vaidade que não tenho é a de ser dono da verdade. Por favor, Braian, surpreenda-nos. Supere-se. E depois me mande longe pelas críticas que eu fiz ao teu futebol. Não tem problema. É tudo o que eu quero.

O problema do gol perdido pelo Braian foi a forma como ele chutou. Aquilo nos custou muito! A VIDA se decide na quinta-feira!

24 de agosto de 2015 27

jonas

Léo Gerchmann – @Leogerchmann

Amigos tricolores de todos os rincões, este blogueiro é um entusiasta de todos os jogadores que vistam nosso sagrado manto e tem uma paciência muito generosa – às vezes, até demais. Acabou mudando de opinião a respeito do Marcelo Oliveira (na verdade, a prevenção não era contra ele, mas contra o time horroroso do Palmeiras em 2014, do qual ele veio) e sempre defendeu o Galhardo, em quem identificava as qualidades.

O Luiz Zini Pires é testemunha: quando o saudoso Jonas (foto) veio da Lusa, ninguém dava nada por ele. Eu comentei com o Zini: cara, olha o jeito que o Jornas domina uma bola, ele joga pra caramba. Aí o Jonas começou a empilhar gols, a demonstrar uma habilidade de futsal e a nos encantar. O Zini passava pela minha mesa aqui na redação de Zero Hora e me dizia: pô, Léo, até que tu entende do riscado…

Sério, não me acho um expert em estratégia, mas tenho boa intuição e sensibilidade. Sempre tive. E fiz toda essa introdução para, com muita dor, dizer: Braian Rodríguez não tem condições de jogar no Grêmio.

O David Coimbra, outro amigo, costuma dizer, com grande sabedoria: o problema de um jogador fraco que está no grupo é que, estando no grupo, ele pode entrar em campo e, claro, jogar mal.

Por isso, gente, digo que não dá! E fico triste, porque eu sou um cara, que, se tivesse talento, defenderia o Tricolor por um salário menor que os outros clubes pagassem. Só não jogaria de graça porque não vivo de renda. Também fico triste porque acho o Braian um cara que se entrega em campo. Tem alma! Mas não dá.

O gol que ele errou contra a Ponte Preta não foi só o desperdício da chance de continuarmos pontuando. O problema foi a forma como ele errou. O chute que ele deu. Era só dar um porrada a meia altura e ir pro abraço. Não tinha como errar aquele gol. No Twitter, escrevi o seguinte:Grêmio merecia perder. Quase ganhou. Campeões ganham até quando devem perder. A chance esteve nos pés de Braian. O problema é esse.”

Repito: o problema é esse.

O Grêmio está acertando em quase tudo neste ano. Mas o Brasileirão é ganho no detalhe. E o erro na contratação de Braian, um centroavante com escassos gols na carreira, mesmo defendendo clubes de pouca expressão, foi acachapante. Um cara que chuta daquele jeito, naquele momento, não tem condições de defender o Grêmio.

Se o goleiro tivesse feito uma defesa épica ou o zagueiro tivesse tirado da risca, vá lá. Mas o problema do Braian foi a forma como ele chutou. Como disse bem o Gui Mazui, ele pediu licença pra fazer o gol.

Não, não dá!

Não condeno o Roger por, em tese, ter posto no jogo um atacante com as características do Braian. A bola que sobrou pra ele naquele lance, a bola do jogo, provou que Roger acertou. Mas Braian não tem habilidade. Talvez Bobô fizesse aquele gol. Vi pouco o Bobô jogar e não formei um conceito. Mas a verdade é que qualquer um faria.

É triste. Mas não dá. O Grêmio jogou mal. Se vencesse – e teve a chance nos pés inábeis do Braian -, estaríamos agora dizendo que o time está com jeito de campeão. Ganha jogando mal. Mas, com um atacante assim, não dá.

Agora, um recado pro Braian: por favor, mostre que estou errado!

É tudo o que eu quero! A crítica está longe de ser pessoal.

Sobre o próximo jogo, ESSENCIAL!

Sobre nosso próximo jogo: mais do que nunca, é Copa do Mundo.

Não é Copa do Brasil, é Copa do Mundo.

Ouvi gente falar em time misto.

Por Deus, até o Romildo precisa entrar em campo!

Absolutamente nada está decidido!

Precisamos carimbar a classificação.

O Brasileirão é uma meta quase impossível agora.

Temos chance de levantar o caneco da Copa do Brasil.

E ir pra Goethe soltar um grito preso na garganta há 14 anos.

Concentração total contra o Coritiba!

É o jogo do ano.

Por ora.

Quero repetir essa expressão nas quartas-de-final.

E depois na semifinal.

E depois… meu Deus! Por favor, concentração total!

A classificação na quinta-feira é a passagem para o nosso futuro.

A Copa do Brasil é o título viável.

No Brasileirão, a tendência é de termos só uma gloriosa classificação para a Libertadores.

A não ser que no Itaquerão…

 

 

 

 

Depois dos sustos, Grêmio deixou de vencer em Campinas

23 de agosto de 2015 45
Braian perdeu a bola do jogo. Foto: Lucas Uebel/Grêmio

Braian perdeu a bola do jogo. Foto: Lucas Uebel/Grêmio

Por Guilherme Mazui / @guilhermemazui

Quase no apito final, Galhardo cruzou para o meio da área e Braian Rodríguez apareceu livre. Era guardar e confirmar três pontos. Contudo o uruguaio bateu fraco, quase pedindo desculpas. Mostrou porque é um centroavante sem gols na carreira. O Grêmio esteve a um chute de confirmar a máxima que todo campeão brasileiro segue em um torneio de 38 rodadas: por vezes, joga mal, mas ganha. Porém Braian falhou. E o Grêmio deixou de encostar no Corinthians.

No mesmo jogo, o Grêmio deixou de perder e deixou de ganhar em Campinas. Levou duas bolas na trave e teve em Marcelo Grohe seu melhor jogador. E Braian Rodríguez desperdiçou uma chance ridícula no final. O Imortal levou um empate contra a Ponte Preta. Pela atuação apagada, ficou de bom tamanho.

O Grêmio segue no G-4, soma 37 pontos, excelente campanha. Mas seu desempenho recente preocupa. Depois de atuações de gala contra Inter e Atlético-MG, acumula três jogos de desempenho chocho, de raras chances de gols. A nota positiva: nas três partidas venceu duas e empatou uma.

O gramado ruim e o calor em Campinas prejudicaram o Grêmio, que não mostrou o menor apetite ofensivo. Uma falta para fora no primeiro tempo e a finalização de Braian no fim. É nada. Em 90 minutos, um chute que acertaria o arco. Já a Ponte pressionou, acertou duas bolas na trave e parou em Grohe, que atuou gripado.

A falta de ímpeto na frente destoa do padrão intenso da equipe de Roger Machado. Luan fez turismo em Campinas, não produziu nada. Fernandinho, na vaga de Pedro Rocha, pouco rendeu. Tem feito mais quanto entra no segundo tempo.

A defesa foi bem com Geromel e Erazo, enquanto os laterais foram envolvidos. O time parece sentir a maratona de jogos, que não é exclusiva ao Grêmio. Como a fase é boa, fica mais fácil para reencontrar o bom rendimento.

No meio da semana e no domingo tem Coritiba, uma vez pela Copa do Brasil e outra pelo Brasileirão. Acelera de novo, Grêmio! Estamos no páreo em dois campeonatos.