Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros
Capa ZH ZH Blogs Assine agora

Posts de setembro 2015

Bola na rede, Grêmio!

30 de setembro de 2015 19

Por Guilherme Mazui / @guilhermemazui

Chegou a hora. Sem adiamentos. O Grêmio precisa fazer um jogo exemplar e eliminar o Fluminense. Terá o apoio de uma Arena rugindo.

A vaga na semifinal da Copa do Brasil passa por um confronto delicado. O Flu tem Fred, um atacante sempre perigoso. O Flu tem Cícero, que aparece na área e conclui. A defesa azul será testada, já que o empate com gols favorece os cariocas. 

Também prego cuidado com o favoritismo. Salto alto custará a classificação. Se entrar em campo com sentimento de “já ganhou”, sem a devida intensidade, o Grêmio ficará pelo caminho. Em um jogo como o de hoje, é pecado aquela conversa de “entramos desligados”. Foco, concentração, bola na rede, Grêmio!

O time merece nossa confiança. E espero que Roger mantenha Pedro Rocha no ataque. O piá define o lance e ainda ajuda a recompor. Produz mais do que Fernandinho. Se a vaga só vira com gols, é mais do que lógico escalar quem balanças as redes com maior frequência. Pedro Rocha é titular.

A noite pode representar  a continuidade do sonho do penta da Copa do Brasil. É classificar e manter a boa performance no Brasileirão. O Grêmio faz uma temporada capaz de marcar a história do clube. Um novo capítulo positivo será hoje na Arena. Avante, Grêmio!

Cuidado com o favoritismo

29 de setembro de 2015 19

Por Juliano Rodrigues – @julianorodrigue

É difícil não declarar o favoritismo do Grêmio na partida de amanhã pela Copa do Brasil contra o Fluminense: o time está embalado, jogamos em casa, com público de 45 mil pessoas, diante de um adversário com campanha mediana no Brasileiro e após um empate na casa deles em 0 a 0. Porém, todo o alardeado favoritismo pode se constituir em uma armadilha para o Grêmio se esse ambiente encontrar eco no vestiário. Acredito que Roger, um treinador realista, tenha consciência disso, mas não custa reforçar: o jogo de amanhã é de alto risco.

Não podemos esquecer que os últimos jogos de casa cheia na Arena foram uma derrota para o São Paulo, empate com o Coritiba e uma vitória na bacia das almas contra o Goiás, que jogou um tempo inteiro com um homem a menos. Não vejo uma relação muito nítida entre o estádio cheio e as dificuldades do time para superar retrancas, mas há um inegável componente de ansiedade que afeta o Grêmio em algumas ocasiões. Tudo indica que Eduardo Baptista, ex-técnico do Sport, que arrancou um empate na Arena no primeiro turno do Brasileirão, montará o seu time na defesa para jogar por uma bola. Um gol do Fluminense obriga o Grêmio a marcar dois. Portanto, todo cuidado é pouco.

Estamos muito próximos de mais uma semifinal de Copa do Brasil (seria a quarta nos últimos cinco anos), mas com um time infinitamente mais confiável e embalado do que o Grêmio de Silas (2010), de Luxemburgo (2012) e de Renato (2013). O adversário na próxima fase pouco importa. A hora é de garantir a vaga e, para isso, é preciso cerrar os ouvidos para o favoritismo citado por alguns comentaristas e levar muito a sério o jogo de amanhã.

Saudações tricolores!

Grêmio busca uma sequência quase perfeita para sonhar com o tri

28 de setembro de 2015 23
Acelera, Grêmio! Foto: Diego Vara

Acelera, Grêmio! Foto: Diego Vara

Por Guilherme Mazui / @guilhermemazui

O Grêmio foi competente e a rodada colaborou. Faltando 10 jogos para o final do Brasileirão, o Imortal ainda enxerga o Corinthians e consolidou gordura no G-3. Vai embalado para o jogo decisivo contra o Flu, pela Copa do Brasil.

Depois da nova vitória do Corinthians, ficamos a nove pontos do líder (60 a 51). Para sonharmos, temos de ganhar, ao menos, oito dos 10 jogos que restam, o que ainda pode ser insuficiente. A chance de título é pequena, mas graveto também é lenha, tem bola para rolar. Dependemos de uma arrancada perfeita.

Já a classificação à Libertadores fica cada vez mais próxima. Estamos em terceiro com 51 pontos, a seis do quarto Palmeiras e a oito do quinto São Paulo. O Grêmio terá a vaga com mais cinco vitórias em 10 jogos, chegando aos 66. Se ganhar cinco partidas, o Imortal obriga os rivais a ganharem sete ou oito. Se vencer seis, terá o G-3 certo. Em um Brasileirão equilibrado, é difícil empilhar tantas vitórias.

O Grêmio precisa arrancar nas próximas rodadas. Visita o Cruzeiro, que está melhorando com Mano Menezes, e depois fará duas partidas em casa diante de Santos e Chapecoense. Aliás, título ou vaga na Libertadores exigirão competência extrema em casa.

Dos cinco jogos na Arena, quatro são contra clubes grandes e um contra a Chape, que luta contra a queda. Santos, Flamengo, Fluminense e Atlético-MG vão cobrar aquela cumplicidade entre time e torcida. Das partidas fora, apenas a rodada final contra o Joinville parece barbada, pois a tendência é enfrentar um rival rebaixado. No mais, pedreiras.

O Vasco, que parecia morto, acordou. O Sport ainda tem chance de G-4 e virá um Gre-Nal com os vermelhos sedentos por revanche após o 5 a 0. O roteiro até o final do Brasileirão mostra que o Grêmio não pode baixar a guarda. Fez o mais difícil, construiu uma excelente campanha em ano de cortes. Não pode repetir 2014, quando faltando cinco rodadas degringolou e se confirmou com a queda na tabela. Acelera, Grêmio! Chegou a fase quente da temporada!

>> Classificação
Corinthians 60
Atlético-MG 53
Grêmio 51
Palmeiras 45
Santos 43
São Paulo 43
Flamengo 41
Inter 41
Ponte Preta 40
Sport 40

>> Jogos que faltam – 10
Cruzeiro (F), Santos (C), Chapecoense (C), Vasco (F), Flamengo (C), Sport (F), Fluminense (C), Inter (F), Atlético-MG (C) e Joinville (F)

Giuliano entra na área e define a vitória tricolor

27 de setembro de 2015 28

Por Guilherme Mazui / @guilhermemazui

Giuliano ganhou a braçadeira de capitão e comandou o Grêmio. Fez o que se espera de um jogador que custou milhões de euros e recebe polpudo salário a cada 30 dias. O Giuliano que entra na área para concluir é o meia que todos os gremistas querem.

Giuliano marcou dois belos gols na vitória sobre o Avaí (3 a 1), um resultado estratégico em uma rodada na qual rivais jogam fora de casa ou entre si. O Grêmio voltou a concluir com frequência em vez de trocar passes à exaustão sem acabar o lance. O primeiro tempo animou o torcedor, é a postura para o jogo decisivo contra o Flu na Copa do Brasil.

Roger Machado voltou a dar chance para Pedro Rocha. E acertou. O piá voltou e a produção ofensiva cresceu. Sua movimentação abre mais espaços, seus lances são mais verticais. O primeiro gol nasceu de um passe de Pedro Rocha, que auxiliou puxando a marcação no segundo.

O Grêmio não sentiu a falta de Douglas, criou jogadas, trocou passes, dominou o Avaí, que vai brigar até o final para não cair. Edinho deu assistência de armador clássico no segundo gol de Giuliano.

A defesa tricolor cochilou no gol do Avaí, mas até o tento rival valeu a pena. A comemoração de André Lima com os cinco dedos esticados, a lembrar do Gre-Nal do 5 a 0, só reforçou a identificação com o Guerreiro Imortal. Que por sinal segue metendo seus golzinhos no Brasileirão.

Outra boa notícia da noite na Arena foi o golaço de Maxi Rodríguez, em um chute colocado de esquerda que encobriu o goleiro. Maxi tira esses coelhos da cartola, é ousado e tem qualidade. Peca na regularidade, o que pode corrigir. Um Maxi inspirado e com pé afiado é bem-vindo na reta final da temporada.

O Grêmio animou o torcedor às vésperas de jogo decisivo. Fez a gordura no Brasileirão e vai confiante para cima do Flu. Rumo à semifinal da Copa do Brasil!

Apelo: urge vencermos os dois próximos jogos. São decisivos pro nosso futuro

25 de setembro de 2015 20

Nós na Arena

Léo Gerchmann – @Leogerchmann

Bom dia, gremistada querida! Por uma série de motivos, este blogueiro, que já administra o blog Território Latino e está muito próximo de lançar novo livro sobre o Grêmio, afastou-se um pouco deste nosso espaço tão nobre. Mas, generosos que são meus amigos Guilherme Mazui e Juliano Rodrigues, eles me deixaram à vontade pra eventualmente entrar aqui.

Pois bem. Exercerei agora esse direito que me foi concedido. Por quê? Porque acho necessário neste momento.

Estou incomodado: o senso comum está pondo o Grêmio numa posição confortável, e isso está longe de ser verdade. Faço deste texto um apelo: Roger, jogadores e demais torcedores: não podemos nos acomodar. Mais: este é nosso instante mais decisivo no ano. Os dois próximos jogos, por duas competições diferentes, são cruciais para o nosso futuro.

A seguir, a explicação, em ordem cronológica:

1) Grêmio x Avaí é um jogo essencial. Se fizermos o chamado dever de casa e vencermos na nossa estonteante Arena, obrigatoriamente o São Paulo e o Palmeiras vão se devorar, porque jogam entre si. Ou seja, caso vençamos o Avaí, que não é um time fraco (lembram que fez 3 a 0 no nosso principal rival?), estaremos encaminhando firmemente a classificação no G-4. Nossa distância em relação ao quarto e ao quinto colocados será bem longa, e isso nos dará tranquilidade para disputar os jogos (toctoctoc) da Copa do Brasil. Com isso, quero dizer que uma competição não é alheia à outra.

2) Grêmio x Fluminense é assunto pra semana que vem. Mas adianto aqui uma preocupação: o empate em 0×0 com o Fluminense, ao contrário do que andam dizendo por aí, não foi um bom resultado. Foi um resultado razoável. O ideal dos mundos seria termos o Geromel como surpresa, porque do outro lado está o Fred, e um gol do Fluminense na nossa espetacular Arena nos deixaria em péssimos lençóis. Teremos, portanto, um jogo dificílimo, no qual teremos de ter extremo cuidado. Temos de esquecer do tal de saldo qualificado. É essencial vencer. A Copa do Brasil é nosso destino.

Pronto. Era isso que eu queria dizer.

Obs: contra o Fluminense, precisamos nos lembrar de jogos como Grêmio x Joiville e Grêmio x Goiás. Levamos gols bobos e tivemos de buscar o resultado de forma nervosa e atabalhoada. Outra: contra o Coritiba, houve o mesmo oba-oba antes do jogo, e o time nitidamente entrou desconcentrado. Não podemos repetir isso neste momento. Aprendamos!

Muito obrigado, queridos amigos Guilherme e Juliano.

Resultado bom, mas nem tanto

24 de setembro de 2015 30

Por Juliano Rodrigues – @julianorodrigue

Não fazer gols na casa do adversário no primeiro jogo nunca foi um grande negócio na Copa do Brasil, mas a atuação do Grêmio diante do Fluminense nesta quarta-feira não permitiu a nós, torcedores, pensar em algo muito melhor do que o empate em 0 a 0. Mais uma vez, faltou inspiração aos homens de frente e o Tricolor pouco criou. O futebol do Grêmio foi bastante burocrático e o resultado acabou sendo bom. Na quarta-feira que vem, precisaremos vencer o Flu, na Arena. O empate com gols dá a classificação ao time carioca.

Apesar do desempenho mediano do Grêmio, a classificação é totalmente possível, já que o Fluminense demonstrou um futebol deficiente. É difícil imaginar que o time carioca vá criar grandes dificuldades na Arena, mas tudo é possível. No jogo desta noite, o Grêmio voltou a desperdiçar oportunidades, porém, dessa vez, criou menos do que em outros jogos. Em alguns momentos, a equipe de Roger parece confundir “valorizar a posse de bola” com “tocar a bola lateralmente sem objetividade”. Na hora de dar o passe final, houve muitos erros e o time dava sinais de estar fora de lugar no posicionamento ofensivo.

A vaga na semifinal está próxima, mas o Grêmio precisa recuperar o seu melhor futebol. Hoje, Roger resolveu inventar e tirou o melhor jogador do time (Luan) da posição que mais rende (como falso 9) para abrigar Bobô no time titular. Em um jogo dentro de casa, com a equipe mais avançada, essa é uma ótima alternativa. Porém, para enfrentar um clube grande no seu estádio, não é a melhor opção. O time ficou sem velocidade e só foi melhorar mesmo na metade do segundo tempo, com a saída de Bobô e o ingresso de Fernandinho. Aliás, por que Roger arquivou Pedro Rocha, vice-artilheiro do Grêmio no Brasileirão?

Vejo que tem muita gente comemorando o empate de hoje como se fosse garantia de classificação. Precisamos ter cautela e jogar com muita seriedade o jogo da volta. O Fluminense anda meio capenga, mas é perigoso. Com concentração e mais esmero na frente, temos tudo para passar de fase.

Saudações tricolores!

É hoje! Pra cima do Flu, Grêmio!

23 de setembro de 2015 19

Por Guilherme Mazui / @guilhermemazui

Chegou o dia. Começam as quartas de final da Copa do Brasil. Grêmio reforçado e animado para visitar o Fluminense. É dia de colocarmos bola na rede carioca. Pra cima do Flu!

Estou confiante. O Grêmio tem jogado melhor fora de casa do que na Arena no returno do Brasileirão. O estilo de jogo de toque de bola, tabelas e ultrapassagens funciona bem como visitante. O Grêmio cozinha o adversário, toca na boa até achar o espaço para matar. Funcionou bem contra Figueirense e Atlético-PR, quase trouxe vitórias contra Corinthians e Ponte Preta.

O espírito é esse: controlar o ímpeto do Flu e ser cirúrgico nas conclusões. Tarefa que pode ser facilitada com os retornos de Marcelo Grohe, Galhardo, Giuliano e Maicon. O time fica mais segura no gol e encorpado na linha, os toques fluem, Luan ganha companhia mais qualificada.

O Grêmio precisa ter cuidado com Fred. O centroavante se movimenta pouco, porém não costuma perder gols. Bobear para Fred é pedir para levar. Outro jogador perigoso é Cícero, um misto de volante e meia que aparece direto na área para concluir. Já R-10 começa no banco e espero que fique lá até criar mofo.

O caminho mais curto para Libertadores pode ser abreviado a partir de hoje. O Grêmio tem time para encaminhar uma situação confortável na partida de volta, na Arena. Bora, Grêmio! Rumo ao penta!

A classificação pode vir dos pés de Luan

21 de setembro de 2015 21
Luan tem 15 gols no ano. Foto: Lucas Uebel/Grêmio

Luan tem 15 gols no ano. Foto: Lucas Uebel/Grêmio

Por Guilherme Mazui / @guilhermemazui

Copa do Brasil é torneio que se joga com regulamento embaixo do braço. E o Grêmio sabe muito bem que gol fora de casa pode definir a classificação. A esperança contra o Fluminense no Rio de Janeiro é mais uma atuação de gala de Luan.

Revelado na temporada passada, o guri se converteu no principal jogador do Grêmio em 2015. É o artilheiro do time, tem 15 gols no ano, sendo oito no Brasileirão, três na Copa do Brasil e quatro no Gauchão. A qualidade e a lucidez de Luan podem decidir qualquer jogo a favor do Grêmio.

Luan terá marcação especial, por isso, é salutar que seus companheiros também apareçam. É aquela presença surpresa na área de Douglas e Giuliano, um gol santo de Fernandinho. Por falar em Fernandinho, Roger Machado insiste em mantê-lo como titular, apesar da baixa produção.

Titular no returno do Brasileirão, Fernandinho ainda não marcou gol. Tem um no campeonato. Seus reservas marcaram mais: Pedro Rocha tem cinco gols, Mamute três e Everton dois. Gostaria de ver Pedro Rocha de volta ao time titular, mas creio que Roger manterá a mesma formação.

O Grêmio precisa ser cirúrgico no Rio de Janeiro, não pode perder gol fáceis. A Copa do Brasil não perdoa desperdício. Pé na forma, Grêmio! Pé na forma, Luan! Contamos com o teu talento!

A defesa tricolor virou motivo de preocupação

21 de setembro de 2015 30
Time sente a falta de Geromel. Foto: Lucas Uebel/Grêmio

Time sente a falta de Geromel. Foto: Lucas Uebel/Grêmio

Por Guilherme Mazui / @guilhermemazui

Desde que Pedro Geromel deixou o gramado do Itaquerão lesionado, a defesa gremista perdeu a solidez. Pior, começou a falhar com frequência. Para quarta-feira, contra o Flu pela Copa do Brasil, Erazo e Rafael Thyere terão de reerguer o paredão tricolor.

O Grêmio tem a segunda melhor defesa do Brasileirão, seu sistema é decisivo na excelente campanha que faz. Só que a performance recente preocupa.

Nos quatro jogos sem Geromel, o Grêmio sofreu sete gols – um do Corinthians, dois do São Paulo, um do Furacão e três do Palmeiras. Nos quatro anteriores, levou um – do Goiás. Os números preocupam, em especial porque não há tempo para treinar.

O nível dos adversários ajuda a explicar a diferença, mas não pode ser o único motivo. O Grêmio sofreu gols de ataques mais poderosos, de equipes do alto da tabela. Antes, brecou ataques mais modestos – Ponte Preta, Coritiba, Figueirense e Goiás.

Quando a dificuldade aumenta, as deficiências tendem a aparecer. E o sistema defensivo tricolor passou a falhar mais. As trapalhadas contra o Palmeiras servem de exemplo. Houve falha básica do goleiro, falha de posicionamento da zaga, erro de saída de bola. O Grêmio não pode repetir tantos vacilos diante do Fluminense.

Evidentemente, a dupla Erazo e Thyere (Bressan não disputa Copa do Brasil, pois já atuou pelo Fla) não fará milagres sozinha. O sistema defensivo sentiu. Os laterais dão muito espaço nos lados, Marcelo Oliveira perdeu o ritmo, é driblado com facilidade, abriu uma avenida na esquerda, deixa a impressão de que está esgotado.

Walace oscila atuações consistentes com outras abaixo do seu potencial. Maicon segue fora, Edinho o substitui com mais força do que inspiração. E o período sem Marcelo Grohe (seleção e lesão) joga contra. Ou seja, o banco modesto em opções cobra seu preço. 

Com a venda de Rhodolfo, a defesa teve em Geromel seu esteio. Ao lado dele, Erazo fez atuações destacadas. Mas Geromel lesionou e o equatoriano sofre para liderar a zaga.

De cofres ralos, a direção investiu no retorno de Bressan. O guri é esforçado e sério, mas jamais pode ser considerado uma reposição para saída de Rhodolfo – e ainda não pode jogar a Copa do Brasil. Quarta-feira, as opções são Erazo e Thyere como titulares, com reservas desconhecidos.

Parte do sucesso tricolor em 2015 foi erigido com a solidez defensiva. Não podemos perder esta virtude na reta final da temporada.

EDITADO – Sugerir ao Grêmio buscar um novo zagueiro, mas o prazo de inscrição se encerrou na última semana. Assim, nada de reforços, o time é esse.

Força máxima na Copa do Brasil

19 de setembro de 2015 53
Roger, vamos pra cima do Flu! Foto: Lucas Uebel/Grêmio

Roger, vamos pra cima do Flu! Foto: Lucas Uebel/Grêmio

Por Guilherme Mazui / @guilhermemazui

O Grêmio abusou dos erros. Mesmo desfalcado, tinha time para mais, porém sofreu uma derrota justa. Queimou a gordura que tinha no Brasileirão, vai secar os rivais. Quarta-feira é Copa do Brasil.

Faltou banco e sobraram erros na derrota para o Palmeiras. O Grêmio fez bem em preservar quem estava meia-boca, já que vem o começo das quartas de final da Copa do Brasil no meio da semana. É chance de título e não podemos bobear.

Em outras rodadas, os reservas deram belas respostas. Neste sábado em São Paulo não foi assim. Misto, o Grêmio lutou, fez um bom primeiro tempo, mas sentiu a queda de qualidade. Materializada em falhas individuais. Tiago faz o torcedor ansiar pela volta de Marcelo Grohe.

Com a deficiência permanente na saída do gol, Tiago não tem condições de ser goleiro do Grêmio. Falhou de novo em um lance fácil. Errou o soco em um lançamento de frente, que sempre é do goleiro. Erro bobo, erro de campeonato amador.

Tiago entregou pontos contra Sport, Corinthians e Palmeiras – contra o Goiás, complicou um jogo fácil. Tiago é um goleiro muito bom em lances cara a cara e debaixo das traves. Sabe jogar com os pés melhor do que Grohe e sua reposição é muito boa. Mas a saída do gol é triste.

Entre um goleiro que sabe sair do gol e um que sabe jogar com os pés, fico com o arqueiro que sabe usar as mãos. Tiago não tem tempo de bola, cata borboleta. Sair do gol é movimento básico do jogo. Ou aprende ou deixa o clube. Roger Machado erra ao insistir em um arqueiro que comete erro tão banal.

Moisés foi tímido na vaga de Maicon/Edinho. É guri, tem muito para mostrar. Na lateral-direita, Lucas Ramon fez o tricolor sentir saudades de Galhardo. Chegou do Londrina dando esperança ao torcedor, mas joga bem menos do que o titular. Galhardo apoia bem e marca mal. Lucas Ramon deixa a desejar em ambos.

Na zaga, Bressan mostra rodada a rodada porque foi liberado pelo Flamengo. Difícil engolir que Bressan é reforço para suprir a venda de Rhodolfo. O guri é esforçado e sério, mas falha demais. Quase entregou contra Figueirense e Corinthians, falhou em dois gols do Palmeiras.

Se Roger erra ao insistir em Tiago (e Fernandinho que mais uma vez não fez nada como titular), acerta no padrão. Seu trabalho merece palmas. Mesmo desfigurado, o Grêmio repetiu mecânica, toque de bola e exigiu esforço de um Palmeiras que tem elenco mais recheado, gasta muito mais em folha salarial e produz menos na tabela. Nosso custo beneficio, no momento, é muito melhor.

Na derrota, a nota positiva vai para Luan, que marcou dois gols. É o artilheiro do time no Brasileirão e na temporada. Mesmo com os cochilos, é o melhor gremista de 2015. Luan é nossa esperança de título. Que na quarta-feira, contra o Flu, ele esteja deveras inspirado, junto com Grohe, Maicon e Giuliano. Força máxima na contra Flu.