Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros
Capa ZH ZH Blogs Assine agora

Posts de dezembro 2015

Que venha um 2016 de conquistas

31 de dezembro de 2015 18

Por Guilherme Mazui / @guilhermemazui

Conclamo a gremistada a acreditar. A torcer. A perseverar. A jamais se entregar. Em 2016, o Grêmio pode fazer história uma vez mais.

As renovações já chegaram (Grohe, Geromel e Maicon), os reforços ainda não. O elenco tricolor deixa muito torcedor sem fé no tri da América, porém é nas adversidades que o Imortal se impõe. Foi assim no Brasileirão, poderá ser na Libertadores. Foi assim em 1995, com um time de garotos e refugos contra a máquina do Palmeiras da Parmalat. Poderá ser em 2016. Temos bola para superar o Grupo da Morte.

O 2015 que se despede terminou bem melhor do que esperávamos. Roger Machado com material humano e financeiro limitado montou um time. Tem estilo de jogo, cada peça sabe o que precisa fazer. Entra em 2016 sabendo quais reforços precisam chegar – a direção precisa correr.

Confio que nosso técnico terá bala para conduzir o Grêmio numa trilha de conquistas. Gauchão, Libertadores, Copa do Brasil, Brasileirão. Vamos acreditar, sem morrer de véspera. É a mensagem para 2016.

Em 31 de dezembro, escrevo de Santa Cruz do Sul, onde visito meus pais. Em dezembro de 2016, pretendo escrever do Japão, onde nosso Grêmio buscará o bi mundial. Podem dizer que se trata de um devaneio, de um sonho de um tricolor. Pois é um sonho capaz de ser materializado. Sonhar é o primeiro passo, precedido do trabalho diário.

Estamos na Libertadores, temos um belo estádio, uma das torcidas mais fanáticas do planeta, um técnico promissor e um time disposto a sair da fila. Eu entro em 2016 acreditando. Desistir antes da hora não faz parte da história tricolor.

Um excelente ano para todos e que venham novas conquistas em 2016.

Giuliano pode ainda mais em 2016

27 de dezembro de 2015 25
Giuliano pode ser o cara na Libertadores. Foto: Carlos Macedo

Giuliano pode ser o cara na Libertadores. Foto: Carlos Macedo

Por Guilherme Mazui / @guilhermemazui

Giuliano tem condições de fazer história no Grêmio em 2016. As lesões ficaram em 2014, nosso meia teve um belo 2015 e pode render ainda mais no ano que bate à porta. Terá de chamar a responsabilidade.

A temporada que se encerrou marcou o retorno de Giuliano ao futebol competitivo. O torcedor que se animou em 2014, quando foi ele contratado, pôde ver em 2015 seu bom futebol. Recuperado da lesão no púbis, o meia se tornou um dos pilares do time de Roger Machado, terceiro colocado no Brasileirão. Continuará como peça fundamental na disputa da Libertadores.

Critiquei o futebol de Giuliano na reta final do Brasileirão, pois deixou de aparecer na área para concluir e passou a concentrar seu jogo nas tabelas na lateral, que pouco progrediam. Com Maicon de volta, penso que ele pode repetir as boas jornadas.

O sucesso do meia dependerá do seu posicionamento, parceria e poder de decisão. Nada de pipocar e tocar de lado. Quando a chance aparecer, será o momento de concluir. Em um grupo encardido na Libertadores, os cascudos, mais qualificados e mais bem pagos terão de ser o diferencial do Grêmio. Giuliano reúne as três características.

Espero e torço por um grande 2016 de Giuliano porque ele tem condições de concretizar a melhor temporada de sua carreira. Cobro de quem tem condições de entregar. Giuliano tem futebol, dedicação e foco de sobra. Que arrebente no próximo ano.

 

Sem medo do Grupo da Morte

23 de dezembro de 2015 56
Luan é fundamental para Libertadores. Foto: Diego Vara

Luan é fundamental para Libertadores. Foto: Diego Vara

Por Guilherme Mazui / @guilhermemazui

Medo em Libertadores é um sentimento que não compactua com a história tricolor. Caímos no Grupo da Morte (6), com três pedreiras. Basta ter respeito, cerrar dentes e jogar bola. O Grêmio intimida os adversários. Não terá peleia ganha tampouco perdida antes de a bola rolar. Avante, Grêmio!

O Imortal foi terceiro colocado no Brasileirão, o campeonato mais disputado do continente. É mais fácil vencer a Libertadores do que obter uma vaga direta via Brasileirão. Quem mira a escalação tricolor vê um goleiro de seleção (Grohe), um zagueiro em ótima fase (Geromel), um volante de seleção olímpica (Walace), um meia de experiência internacional (Giuliano), um dos atacantes mais promissores do país (Luan) e o técnico revelação do Brasil (Roger).

O Grêmio, a Arena cheia e sua história intimidam. É preciso aprender a usar esses fatores em um grupo encardido. LDU, San Lorenzo e Toluca merecem respeito, farão jogos difíceis, mas não são Barcelonas dos trópicos. Disputaram torneios de qualidade inferior. São adversários fortes para uma primeira fase de Libertadores. Nada de tremer a perna.

Sou criticado por ser pessimista. Pois estou otimista para 2016, apesar da demora nas renovações e reforços. Vou olhar o copo meio cheio. Muito forte em Quito, a LDU perdeu o Equatoriano para o Emelec, eterno freguês de brasileiros. Perder um campeonato para o Emelec não pode ser considerado um grande predicado.

O San Lorenzo nos eliminou em 2014, tem um time cascudo, com remanescentes do título da Libertadores e nomes fortes, em especial na defesa. Deve perder jogadores na janela de transferências. O time do Papa foi vice no Argentino, segundo torneio mais peleado do continente. Será um jogo encardido, porém vencemos rivais mais qualificados no Brasileirão, como Corinthians e Atlético-MG.

O Toluca vem de um segundo lugar no Mexicano. Pouco se conhece da equipe. Na olhada geral, não há jogadores com a qualidade de Geromel, Giuliano ou Luan. Na média, mexicanos fazem bons jogos e entregam a rapadura, vide o Tigres, que amassou o Inter e foi moído pelo River Plate. 

Cair em um Grupo da Morte não é novidade. Em 2014, fizemos caretas com Nacional, Atlético Nacional e Newell’s. Classificamos com folga após uma primeira fase de luxo. E fomos eliminados nas oitavas para o San Lorenzo, que não era mais time. Isso é um ponto crucial para 2016: poder de decisão. Menos toque de lado e mais responsabilidade, mais vontade de definir o lance. A chave exigirá um Grêmio decisivo.

O Imortal pegou o grupo mais equilibrado da Libertadores, uma chave em que pode ser líder ou lanterna. Não haverá tempo para ir ajeitando o time ao longo do torneio, vamos começar a busca pelo tri da América no pau. Vai exigir da direção mais esforços para anunciar contratações de qualidade. Vamos aguardar e cobrar.

Gostei das primeiras entrevistas de Roger Machado, Romildo Bolzan Jr e Rui Costa depois do sorteio. Nada de lamentações, pelo contrário, um discurso para frente, vencedor. O presidente cobrou “toque de bola” e “sangue nos olhos”. Eis o espírito para reconquistar a América. Sem o blá blá blá de medo do Grupo do Morte. O Grêmio tem bola para classificar.

Geromel e Maicon: as principais renovações

22 de dezembro de 2015 28

Por Guilherme Mazui / @guilhermemazui

A direção anunciou, enfim, boas notícias. Renovou com quem mais interessava: Pedro Geromel, seguido de Maicon. Fico receoso pelo fato de que a direção aguarda a documentação de ambos para selar o negócio. Dando o crédito aos dirigentes, o Grêmio garante a espinha dorsal de sucesso na temporada passada.

Geromel, melhor zagueiro no Brasil em atividade, era a prioridade. Agora precisamos buscar um companheiro para ele. Uma zaga sólida é fundamental para vencermos a Libertadores.

Maicon também garante qualidade no meio-campo. Espero que se lesione menos, já que passou a reta final do Brasileirão de molho. Sua qualidade no passe facilita o futebol de Giuliano e Luan, por exemplo.

Confirmadas as duas principais renovações, ficamos no aguardo pelos reforços. Repito, um zagueiro é vital, além de um meia veloz e de um atacante que faça gols com regularidade.

Falando de Libertadores, temos o sorteio. É esperar que a sorte auxilie, pois é sempre bem-vinda uma mãozinha. Questiono o critério do ranking. É dose ver Olimpia, Peñarol e Nacional como cabeça de chave. Os dois primeiros foram finalistas de edições recentes – o Grêmio também foi em 2007 – e peleiam em campeonatos nacionais mais fracos. Vai entender.

O fato é que, independente do grupo sorteado, é preciso jogar bola e vencer. Em 2014, caímos no Grupo da Morte e passamos com folga. No ano anterior, foi um parto eliminar o Huachipato. Então, bora jogar bola. Avante, Grêmio!

 

Férias frustradas (até o momento)

21 de dezembro de 2015 35

Por Guilherme Mazui / @guilhermemazui

A direção do Grêmio se especializa em frustrar o torcedor quando o assunto é contratar reforços. Revela os nomes pretendidos, o torcedor busca informações, olha vídeos e estatísticas, por vezes se anima, mas acaba desapontado. Eis a sina tricolor no recesso do futebol.

Foi assim com o argentino Zelarayán e o paraguaio Fernando Fernández, ambos contratados pelo Tigres (MEX). Caminha para se repetir com o zagueiro Henrique, que negocia com o Flamengo.

A direção gremista repete o erro em todos os casos: torna público o interesse no atleta, fomenta o leilão e, sem recursos, vê o jogador acertar com outro clube. Flerta com o amadorismo perder negociações em série, em especial com a Libertadores para jogar.

Vejo o que ocorre no recesso tricolor e busco na lembrança o clássico Férias Frustradas (1983). Consigo imaginar Chevy Chase trajado de azul, preto e branco, como patriarca da família Griswold em viagem ao Walley Park. É uma peraltice em cima da outra. Por ora, as férias dos gremistas estão frustradas. Espero que as coisas mudem.

O caso de Fernández azeda a paciência alheia. Há uma semana a direção confirmou o interesse no guri e adiantou que aproveitaria a viagem do sorteio dos grupos da Libertadores para fechar o negócio. Parecia que Assunção era Dubai, no outro lado do mundo. Se havia interesse no atacante, bastava pegar um voo logo. Optou-se por protelar.

Pela movimentação de mercado, parece que o Grêmio só tem o Gauchão para jogar até maio. Ninguém chegou, ninguém renovou. Não se sabe ao certo se Pedro Geromel, Galhardo, Maicon e Douglas ficam. Nossos rivais já anunciaram um lateral, dois volantes e renovaram com Vitinho.

Vamos abrir a temporada com o time cheio de dúvidas, o que desanima o torcedor que busca esperança na Libertadores. A direção não parece animada em disputar o torneio. Sei que, como diz o ditado, “a pressa é inimiga da perfeição”. E sei também que letargia em demasia chama derrota. Temo que a direção conduzida por Romildo Bolzan Jr esteja demorando demais. O ponto positivo: ainda há tempo para encontrar reforços.

No aguardo das renovações e contratações

17 de dezembro de 2015 57

Por Guilherme Mazui / @guilhermemazui

O mercado brasileiro está em marcha lenta. E o Grêmio não é exceção, o que preocupa o torcedor. O Natal se aproxima, a Libertadores está na mira e nada de renovações de contrato ou reforços. A direção está paralisada há duas semanas.

Tenho visto a direção conversar demais e contratar de menos. Sobram entrevistas sobre negociações e faltam confirmações. Os nomes vazam, começam os leilões e o Grêmio, sem grana, perde. Foi assim com Zelarayán. Espero que seja diferente com Henrique. Com o dólar em alta, o mercado sul-americano deixa de ser interessante como foi em anos anteriores.

Tento manter o otimismo para 2016, mas a letargia tricolor na busca por reforços dificulta. Romildo Bolzan Jr, Rui Costa e César Pacheco não empolgam, parece que a direção segue na mesma banguela que o time pegou na reta final do Brasileirão.

O torcedor ainda não viu empolgação e ambição pelo tri da América. Eis um fato preocupante. O conformismo deve ser isolado do Grêmio, em especial quando se joga Libertadores, um torneio afeito aos azarões.

Espero que o Grêmio rompa a paralisia das últimas semanas e dê cara ao time. Olhando o copo meio cheio, os guris despontam, quem sabe a falta de reforços seja suprida com a base. É por isso que teremos de torcer. O Grêmio de 2016, por ora, não tem fotografia definida.

 

 

 

Douglas não pode ser titular absoluto

14 de dezembro de 2015 41

Por Guilherme Mazui / @guilhermemazui

O Grêmio faz bem ao buscar jogadores para o meio-campo. Ter Douglas como titular absoluto é flertar com o fracasso em 2016.

Douglas fez uma boa temporada em 2105, dentro da média dos meias do Brasileirão. O camisa 10 não encheu os olhos, passou longe do desempenho de Jadson e Renato Augusto, por exemplo, mas foi titular de um time que chegou em terceiro no Brasileirão. Merece o crédito.

Douglas pode ser muito útil em 2016. Só que útil não significa titularidade inquestionável. Como torcedor, gostaria de ter uma opção mais veloz e intensa do que Douglas no meio-campo.

A idade já pesa e Douglas tem dificuldade para manter o ritmo nos 90 minutos. O veterano Danilo segue no Corinthians, costuma dar contribuições importantes na temporada, porém sem cadeira cativa no time.

O argentino Lucas Zelarayán viria para aumentar as opções de Roger Machado. O gringo agregaria qualidade e poderia tornar a equipe mais vertical. Gosto do esquema de posse de bola tricolor, porém critico o excesso de toques de lado.

Os reforços ainda não pintaram na Arena, continuamos em processo de espera. Torço para que a direção acerte a mão em 2016.

 

Quem vai reforçar o Grêmio?

10 de dezembro de 2015 61
Erazo ajudou, mas queria ganhar demais. Foto: Fernando Gomes

Erazo ajudou, mas queria ganhar demais. Foto: Fernando Gomes

Por Guilherme Mazui / @guilhermemazui

O início das férias no futebol é a temporada de especulações e de poucas chegadas. O mercado brasileiro carece de dinheiro, logo, aquecerá para contratações mais robustas a partir da janela na Europa. Se entrar dinheiro com vendas, haverá dinheiro para compras.

Nesta lógica, o presidente Romildo Bolzan Jr acerta ao priorizar a permanência nos principais nomes do elenco, leia-se, Grohe, Geromel, Maicon, Giuliano e Luan. Só que nas renovações teremos de investir. Apesar da Bola de Prata, considero dinheiro fora pagar a fortuna que pedem por Galhardo.

Erazo vai ser feliz em outro lugar. Foi útil, superou nossas expectativas, mas entregou uma bola ridícula em um Gre-Nal e tem um empresário que valoriza demais seu atleta. Erazo é bom zagueiro, só. Não amarra a chuteira do Geromel. O caso do equatoriano lembra Marinho (que foi muito bem no Grêmio), foi campeão da Copa do Brasil, pediu demais para renovar e foi parar na Ponte Preta.

Sobre reforços, por ora, só ouvimos especulações ou aquelas contratações “quase” certas. Quase não serve pra nada. Se fechar com Henrique, o Grêmio terá um baita reforço. Ao lado de Geromel, Henrique poderá formar melhor dupla de zaga do Brasil. Também são especulados nomes de gringos, que hablan e nunca vimos jogar direito.

Gostaria de ver Nenê com a camisa tricolor. É um jogador experiente e que chama a responsabilidade. Fez um Brasileirão bem acima de Douglas e Giuliano, por exemplo. Gosto do jovem Henrique Almeida, do Coxa, autor de 13 gols no campeonato (Luan fez 10). É jovem, busca seu espaço. Não se trata de um medalhão que viria pendurar as chuteiras em Porto Alegre.

E vocês? Que reforços gostariam de ver no Grêmio? É preciso reforçar para buscar o tri da América.

 

Libertadores 2016, eu vou!

06 de dezembro de 2015 54

Por Guilherme Mazui / @guilhermemazui

Se você vai para Libertadores, leia o texto e solte um sorriso. Se você sonhou até os acréscimos da rodada final e não deu,veja pela TV o Imortal em 2016 na busca do tri da América.

Nos pampas, o Brasileirão premiou quem foi mais regular, mesmo investindo menos. O Grêmio passou mais de um turno no G-4, logo, encerrou com vaga direta na Libertadores. Nossos rivais jamais estiveram neste seleto grupo, bateram na trave na última rodada.

O Grêmio entrou para um amistoso na chuva em Santa Catarina. Beliscava o vice, mas sabíamos que seria difícil, não valia sofrer. Assim foi. A vitória por 2 a 0 sobre o lanterna Joinville era aguardada. O jogo em si não empolgou, a chuva prejudicou. Marcelo Oliveira abriu o placar cedito. A trave e a poça d’água foram amigas, decisivas no segundo gol, marcado por Bobô.

O segundo lugar e a premiação não vieram, mas o Grêmio encerrou com vitória um ótimo Brasileirão, em especial pelo custo-benefício. Poupamos, vendemos medalhões e rendemos mais. O Grêmio cravou 68 pontos. Superou São Paulo, Inter, Santos, Cruzeiro, Palmeiras, Fluminense, Flamengo… Deixou para trás uma galera que gastou muito mais em salários.

Entres explosões de euforia e de decepção, típicas do eletrocardiograma do humor de uma longa temporada, nós gremistas podemos celebrar. Encontramos um técnico promissor, lançamos as bases de um time que pode mais em 2016. Geromel e Luan ficaram entre os melhores do Brasil, integram a espinha dorsal da próxima temporada, juntos com Grohe, Walace e Giuliano – e Maicon se ele ficar.

Pois agora vamos para as férias de olho nos reforços que o Grêmio tanto precisa. Recesso de boa, na expectativa positiva, na esperança de grandes conquistas. Afinal, estamos na Libertadores.

 

O tri da América é possível

03 de dezembro de 2015 77
Luan é fundamental para Libertadores. Foto: Diego Vara

Luan é fundamental para Libertadores. Foto: Diego Vara

Por Guilherme Mazui / @guilhermemazui

Gremistas de todas as querências, vamos acreditar! O tri da América não pode ser visto como utopia antes mesmo do sorteio dos grupos, das chegadas e partidas dos jogadores, da pré-temporada, enfim, da bola rolar. Desistir antes da hora é prática que não combina com a nossa imortalidade.

É evidente que o Grêmio precisa melhorar, mas condeno um pessimismo exagerado e antecipado que vejo em parte da torcida. Não gostei do desempenho do time na metade final do returno, em especial da postura afeita aos “pontinhos fora” que nos trouxe derrotas contra Sport e Inter. Sobrou gordura e carimbamos a vaga. Agora há tempo para corrigir erros e se fortalecer.

É mais fácil ganhar a Libertadores do que o Brasileirão. O tour pela América é afeito a surpresas, vide os últimos campeões, San Lorenzo e River Plate. Vocês imaginam o River desistindo na primeira fase porque Corinthians e Boca Juniors tinham elencos melhores? Claro que não! O River cerrou dentes, jogou bola e brigou por cada palmo de grama. Na final, surrou o Tigres que engoliu nosso rivais vermelhos.

A Libertadores consome um semestre. Há tempo para o time encaixar, bagunçar e encaixar de novo. Equipes decolam e pousam feito Corinthians e Boca no mata-mata, equipes desacreditadas arrancaram para o título. É possível levar o taça de novo. Basta se reforçar e mudar a mentalidade.

Desde a épica Batalha dos Aflitos, em que o Grêmio ratificou sua vocação por jamais desistir, a média de classificações à Libertadores é muito boa. Em 2006, 2008, 2010, 2012, 2013 e 2015 o Imortal ficou no G-4. Em média, a cada dois anos cravamos o passaporte via Brasileirão.

Se o Grêmio repete campanhas regulares para brigar por G-4, apenas em 2008 teve chances reais de título. Sempre faltou o “algo mais”, sempre sobraram pontos perdidos contra equipes de menor tradição, sempre pesou aquela avaliação de que “com esse time fomos longe demais”. Essa mentalidade precisa ser implodida.

Cansamos de falar que o atual elenco carece de reforços (laterais, meias e atacantes goleadores), uma obviedade que a direção e a comissão técnica compreendem. Também cobro uma postura vencedora, aquele poder de decisão que sobrou ao Palmeiras na Copa d Brasil e faltou ao Santos, de atuação apagada no jogo mais importante da temporada.

O Grêmio tem tempo para qualificar sua boa base, tem tempo para que seu técnico se aprimore. E conta conosco para apoiá-lo em 2016. O tri da América é possível!