Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros
Capa ZH ZH Blogs Assine agora

O G-6 entrou no horizonte

06 de outubro de 2016 29

Por Guilherme Mazui / @guilhermemazui

Aleluia! Enfim, voltamos a vencer fora de casa. O Grêmio bateu o Vitória, encerrou um jejum de três meses e ficou mais próximo do G-6. Vieram boas notícias.

Foi um resultado justo. O Grêmio mereceu ganhar porque jogou mais. Levou apenas um susto, em grande defesa de Grohe. No mais, deixou de aplicar um escore folgado em razão do eterno pé torto.

Só no primeiro tempo foram três oportunidades. Na mais clara, logo no início, Walace pifou Henrique Almeida, que bateu no local com a maior probabilidade de erro: no meio do goleiro. Ocorreu o óbvio, ou seja, a bola estourou em Fernando Miguel.

No segundo tempo, Everton também perdeu chance clara, sozinho. Seria o 2 a 0 e a tranquilidade. Como o rapaz reproduziu a especialidade do nosso ataque, tivemos de administrar o frio na barriga até o final.

Com um ataque que briga com as redes, o gol veio de Jailson na bola parada. Douglas bateu a falta e o piá, de bela atuação com Walace e Ramiro, desviou. Foi o suficiente para voltarmos a ganhar fora de casa. A boa jornada dos três volantes coloca a titularidade de Maicon em discussão.

Se a turma da frente deixou a desejar, a defesa foi bem. Geromel e Kannemann seguros, os laterais firmes na briga com um atacantes perigosos. No feijão com arroz, Iago ficou na média de Marcelo Oliveira, reforçando que o titular não pode ter cadeira cativa na equipe.

Como boa notícia não vem sozinha, além da vitória, teremos tempo para descansar e treinar. E o próximo jogo é confronto direto na Arena. Em uma semana, o Grêmio pega o Atlético-PR com a chance de ingressar no G-6.

 

Comentários (29)

  • Marcelo SM diz: 6 de outubro de 2016

    Não pude ver o jogo.
    Gostaria de saber mais sobre a atuação de Iago.

    Com essa vitória, temos que fazer os 3 pontos (meio a zero serve) contra o Atlético-PR para podermos poupar contra o Santos. Assim, vamos com tudo contra o Palmeiras e no grenal.

  • LAERT diz: 6 de outubro de 2016

    É o tipo de vitória sobre o Vitória que só no final do campeonato saberemos se valeu ou não à pena.

    Para a maioria da torcida, acredito que foi positiva, mas tem aqueles que prefeririam
    uma derrota porque assim dificultaria a vida do tradicional adversário.

    Na minha opinião, acho que qualquer time de futebol tem que entrar em campo com o objetivo de vencer, independentemente das consequências que a vitória represente.

    Foi bom ter vencido. Um clube de futebol de nível como o Grêmio tem sempre que buscar
    um lugar mais alto na tabela e no mínimo, conseguir uma vaga na Libertadores, já que agora são mais 80 mil vagas. Assim tem que fazer força para não se classificar.

    E por falar em fazer força, como este ataque gremista faz força para não ganhar.
    É uma incompetência total dos atacantes. Acho que o Renato, um dos maiores atacantes do mundo de todos os tempos, deveria ensinar como se faz gols. Não é mais possível
    que se perca 2 ou 3 gols feitos por jogo, no mínimo.

    Enfim o esquema é esse: 3 volantes e meio gol por jogo. O importante é ganhar.
    É o que faz a grande torcida azul feliz.

  • Carlosabreu diz: 6 de outubro de 2016

    importante vitória até que enfim fora de casa eu já nem esperava mais. infelizmente para descontentamento da maioria dos torcedores que preferiam ver o grêmio perde para prejudicar o rival do que lutar pelos próprios objetivos.eu prefiro o grêmio ganhando sempre sem se importar com o vizinho ao lado. o grêmio tem problemas demais para resolver principalmente neste ataque que perde gols por atacado. Henrique Almeida definitivamente não serve para ser titular. luan fez falta. o mais importante é que o sistema defensivo melhorou muito com Renato gaúcho que como colocou na coletiva prefere marcação homem a homem sem deixar sobras .ao contrário da marcação por zona do antigo treinador que sempre deixava buracos na defesas onde sempre infiltrava alguém para concluir. perdemos um pouco na qualidade de passe mas ganhamos na entrega e no posicionamento defensivo .passamos a ter uma equipe mais sólida. ainda temos grandes chances de g6 é só não vacilar nesta reta final do campeonato.

  • João Agrário diz: 6 de outubro de 2016

    O Grêmio foi um time mais objetivo porque jogou com apenas um meia armador. Douglas e Luan deveriam brigar por posição. Com os dois juntos o time fica muito tico tico, toque toque e pouca infiltração.

    A tese do falso nove derrubou o Roger. Luan é meia. Tem 10 gols por ano na carreira. Douglas e Luan tem as mesmas características.

  • Benedito diz: 6 de outubro de 2016

    Não foi uma atuação empolgante, mas serve para calar alguns anti-gremistas que visitam este blog.
    O Henrique Almeida acha que o goleiro tem um buraco no meio (buraco grande) por onde a bola poderia passar. Mas não é assim. Temos perdido muitos gols na frente dos goleiros e com atacantes habilidosos. Precisam treinar mais e ser mais ousados. Não são todos que tem um Douglas para deixar os atacantes na cara do gol.
    O mais importante, parece que o Renato está arrumando o setor defensivo. O Kaneman poderá ser a figura que o Grêmio precisa para não deixar que os adversários manipulem os árbitros.
    Agora, é ganhar do Atlético-PR e se preparar para eliminar o Palmeiras.
    O Maicon poderia ganhar um banco de reservas para ficar mais esperto.
    Com os retornos de Luan e Bolanos (espero que comece jogar) poderemos enfrentar a Copa do Brasil e se manter no G6.
    O Ramiro não é craque, mas pode ser útil e não pode ser desprezado como alguns fazem.
    Se tivéssemos um lateral esquerdo…
    E os colorados estão desesperados. Se não ganharem hoje a soberba do Fernando Carvalho poderá engasgá-lo. O golpe de misecórdia poderá ser no Grenal. Já estão vendendo os direitos de TV até 2024. As dívidas estão sendo cobradas. É o reflexo de um ano sem Libertadores.
    Por isso, gremistas, vamos valorizar a conquista da vaga para a LA.
    Arena nova, clube saneado financeiramente e manutenção do eelenco. Um dia vai dar.

  • Ricardo C diz: 6 de outubro de 2016

    O jogo foi horrível, valeu pelos 3 pontos. Venceu o menos pior. Alguém precisa perguntar ao Wallace onde ele deixou seu futebol, enquanto ele procura um banco não faria mal nenhum.

  • Rogerio diz: 6 de outubro de 2016

    Ganhamos é o que importa!!

    Nosso futebol esta regredindo, que sofrimento para ganhar de um timinho como o Vitória.

    O motivador já começou com a teimosia com Henrique Almeida, talvez pare, ontem provou não ser tudo aquilo.

    Continuamos a jogar um futebol mediocre,sem a minima pretensão e o pobre do Renato esta pior do que antes, dessa vez só motivação não vai,falta qualidade, e o menino do Rio vai ter de inovar nas palestras.

  • Gilmar Gonçalves diz: 6 de outubro de 2016

    Essa palhaçada da Conmebol, inchando a Libertadores e levando a CBF a criar o tal G6, vem em péssima hora para desviar o foco do Grêmio na possibilidade de um título (Copa do Brasil) para mirar numa vaga através de esmola à Libertadores, onde o Grêmio se acostumou a fazer turnê pela América Latina. De quebra, ajudará o Inter a se manter na série A. E a maior parte da torcida comemora.

  • Travis diz: 6 de outubro de 2016

    Aos poucos vou entendendo porque o Roger preferia usar o Bobô e não dava oportunidades pro Henrique Almeida.

    Ontem fizemos uma atuação ruim, como tem sido a tônica nas partidas longe da arena. Coloco os três pontos na conta do Renato pois treinou a bola parada que com o Roger não servia pra nada.

    Por maior que seja o desânimo da nossa torcida, somos gremistas e não podemos no entregar!

  • Cassandro diz: 6 de outubro de 2016

    Vitória garantida pelo Grohe! Que defesa!!
    O Henrique Almeida merece sequência. E precisa dela, porque não é craque, mas já mostrou que é da posição.

  • amaury cruz diz: 6 de outubro de 2016

    O time do Grêmio é simplesmente ridículo, deplorável, etc. Com relação a LA, sou do tempo em que participavam da mesma apenas campeão e vice de cada país, ou seja, havia qualidade. Hoje é um festival de mediocridade.

  • Volnei diz: 6 de outubro de 2016

    Pra que G6? pra continuar passando vergonha na LA? valeu por ser jogo fora de casa, pelos 3 pontos, pra nos afastar da degola.
    A primeira coisa que a nova direção que assumir, é providenciar 3 atacantes para 2017 de qualidade média, que saibam pelo menos chutar em gol, nossos atacantes atuais, todos, são simplesmente uma vergonha.
    Wallace Rebola, jogador com imenso potencial, mas continua mascarado,se acha o tal, rebola e faz firula o jogo todo, esses são os jogadores comprometidos ao clube.
    Douglas pança, de 20 jogadas acerta uma e …..o melhor do jogo.
    Agora eu entendo porque temos de aguentar a ferida do M.Oliveira, porque seu substituto Iago, consegue ser pior, sem senso de marcação é cara do Oliveira da direita.
    O Bolagnos e o chinelinho do Maycon voltam qdo? 30 de novembro em forma e arrastando a bunda pra garantir o 2017?

  • Rodrigo (RJ) diz: 6 de outubro de 2016

    Saudações Tricolores!
    Entre endeusamentos e demonizações, o Grêmio véio vai avançando do seu jeito para ter alguma compensação ao fim do ano, para uma torcida que há seis anos não grita “é campeão!” nem em Gauchão.
    Mas o jogo foi desanimador. Não que o Grêmio não tenha se defendido bem após o gol, mas a falta de opções e de gente com fome de gol desempolga a gente quanto à Copa do Brasil. Alguém percebeu que faltou, outra vez, alguém para aparar aquele cruzamento do Edílson? Coisa linda se atirar na grama e empurrar a bola na rede, mas isso é coisa de quem está babando para fazer gol, tipo o Kaneman baba para pegar a canela do atacante na nossa defesa. Falta reflexo de goleador aos nossos atacantes.
    Ademais, o ano se precipita. Vamos garantir ao menos uma vaguinha na Liberta, porque pensar em Copa com esse time é difícil, ainda que não impossível.
    Aquele abraço.

  • CristianoH diz: 6 de outubro de 2016

    o que me preocupa é :

    jogamos tão mal ontem porque queriamos perder? ou jogamos tudo que podemos para vencer?

    Se foi a segunda opção estamos perdidos….pois foi um sofrimento ganhar deste Vitoria de quinta serie!

    Gostaria de acreditar que jogamos para perder (prejudicar os morangos) e que o Henrique almeida e o everton erraram aqueles gols feitos porque o Renato mandou!

  • ATÉAPÉ diz: 6 de outubro de 2016

    Amigos:

    OPEROU-SE O MILAGRE!

    Voltamos a ganhar fora de casa(?) com gol de bola parada(?) do Douglas(?). O q mais pode acontecer?

    Fora isso, a falta de mira, de força, de jeito, de técnica para bater na bola por parte dos nossos atacantes é exasperante.

    Fora a falta de faro de gol, pois Edilson faz das tripas coração para cruzar bola rasteira na área com a força necessária para tirar do goleiro e fazer com q um dos nossos empurre para as redes. Mas cadê q alguém aparece???

    Enfim, vitória fora e dane-se se isso ajuda o saci quase rebaixado. Eles vão afundar independente de nós. São ruins demais para sobreviver dessa vez.

    Outra coisa, parem de xororô se formos para a Liberta. Ano q vem é outro time, espero, com novos jogadores e talvez outro treinador, vá saber. Então, é outra história!

    Dá neles, Imortal!

  • Rui Barbo diz: 6 de outubro de 2016

    assistir a uma partida deste time do gremio, beira a insanidade, puro masoquismo….jogadores mediocres sem iniciativa que choram de ruins, desconto com alguma ressalva, pra Douglas e Geromel, o resto envergonham peladeiros de fim de semana…..

  • Rafael Alves diz: 6 de outubro de 2016

    Só esperemos que a diferença entre Inter e Vitória não fique em um ponto na última rodada…mas falando do Gremio o simples fato de fazer já dois gols de bola parada com Renato já mostra o inútil que era o estagiário Roger

  • MARCIO WILK diz: 6 de outubro de 2016

    No primeiro tempo vi o Grêmio do Renato, uma várzea, só balão. No segundo o Grêmio do Roger, tocando abola e chegando até a área do adversário. No primeiro caso a defesa levou um banho de bola do Marinho, e teve sorte e teve Marcelo Grohe milagreiro. No segundo ficou claro que Pedro Rocha é um retardado mental, que não tem noção do local em que se encontra. Em ambos o adversário é muito ruim, e o Grêmio acompanhou essas ruindade.

  • Gaúcho do Paraná diz: 6 de outubro de 2016

    Podemos até jogar feio mas sem o MARCELO OLIVEIRA fica bem mais difícil tomar gol.
    Ele sai e nós ganhamos.
    Estes 3 pontos foram treinos em bola parada. ponto pro Renato.
    Eu gostaria de ver o BATISTA neste mesmo esquema no lugar do H. Almeida desde o começo.

  • Sérgio LM diz: 7 de outubro de 2016

    João Agrário, até que enfim alguém que vê Luan como eu, mas discordo em um ponto: não só acho que 2 armadores podem jogar juntos, como gostaria de um time com 4 armadores; ou seja, 4 meio-campos, como eram chamados antigamente. Depois viraram centro-médio, meia-direita e meia-esquerda; até que ficaram volantes e meia-atacantes, com um meia-de-ligação, cada vez mais raro.
    Esses esquemas que só tem volantes e meias-atacantes (4132, 4141, 4231), que são usados até nos juniores, estão fazendo com que não se formem mais armadores, que, p/ mim, seriam meias com visão de jogo, passe, marcação e finalização – que ajuda a desarmar, armar e finalizar. Mesmo Luan e Douglas, se esforçam p/ marcar, mas se vê que não gostam, provavelmente não o faziam no time júnior. Lembrando Giuliano: no Inter, era meia-atacante, mas voltou da Europa melhor e saiu do Grêmio como meio-campo completo (com ajuda do Róger se as funções no esquema), o que Tite reconheceu.
    Quanto ao jogo de ontem, sendo eu o treinador, exigiria treino de finalização de todos que jogam do meio p/ frente, todos os dias, 1h extra por dia, até aprenderam a pôr a bola na rede, com qualquer pé.

  • MIRO diz: 7 de outubro de 2016

    Eles vão escapar, viram o que deu afrouxar o jogo contra o Cruzeiro, só não afrouxamos ontem porque mudou a regra da LA, temos que pensar em nos e deixar os outros, cada um resolve os seus problemas, se eles tiverem que cair, vao cair independente de resultados nossos, nos somos grandes demais para ficar se preocupando em secar eles,. precisamos urgentemente ganhar um titulo, e não ficar desejando mais as derrotas deles do que as nossas vitorias pelo amor de deus, vamos agir como torcedores de time grande que somos.

  • Benedito diz: 7 de outubro de 2016

    Mazzui, muitos dos seguidores deste blog demonstram revolta com a alteração para 6 o número de classificados para Libertadores. Não consigo entender, já que o Grêmio dificilmente se classificará entre os 4.
    Criticar o time até é admissível. Mas ficar revoltado por que vai participar da Libertadores não dá para entender. Veja o Internacional, um ano sem Libertadores e a dificuldade financeira já se instalou.
    Afinal, é um blog gremista?

  • Gustavo Koch diz: 7 de outubro de 2016

    Se nenhum destes dois objetivos nos bastasse isoladamente, Copa do Brasil ou vaga no G6, poderia ainda haver um objetivo maior em 2016? Parece que não. Mas sim. A vaga obtida pelo título e pela classificação no Brasileirão (“teríamos chegado por aqui também”) traria um sentimento de folga com um mínimo. Como, porém, olhar para os dois lados?Não foi este tipo de hesitação que liquidou com as nossas melhores aspirações em 2016?

    Estes dias, provocado por um amigo, levei um tempo danado para me dar conta de uma distinção importante: nestes últimos anos, tivemos elencos reforçados, de porte, com destinos opostos. Alguns deram em campanhas promissoras, abortadas tardiamente ou encerradas em partidas eliminatórias. Houve também plantel que nunca deslanchou; o fato de que tenha, depois disso, sido descrito como fraco, em função da campanha decepcionante, não altera a avaliação inicial, respaldada talvez por desempenhos superiores destes jogadores mais adiante em outros clubes. Ao vestir outra malha, passaram a jogar mais do que aqui em Porto Alegre, invertendo uma tendência histórica do sul: o lugar de reabilitação em alto estilo de jogadores tidos como em declínio irreversível.
    Sei que é assunto dos mais interessantes: não seria a nossa identidade futebolística uma extensão da acolhida cosmopolita do náufrago, salvo em momento derradeiro? Em vez da alma castelhana, da bravura na ponta da chuteira, outra coisa: a hospitalidade e a neutralização do estigma externo. Aqui: em casa! O resto? Esquece.
    Não quero, contudo, entrar de novo neste vespeiro (como um participante do blog, entre muitos outros, poderia remeter, sem risco de presunção, ao que escreveu antes?); minha preocupação é outra. Quando, nos últimos tempos, o Grêmio, com elenco encorpado, deu pinta que poderia chegar longe e parece não ter seguido esta rota por um triz? Consegue imaginar? Com Luxemburgo, na Libertadores.
    Digo tudo isso porque vi este treinador, na televisão, ser acuado por “bons-amigos-da-Onça”. A história conhecida: o modernoso entrevistador empenhado em destruir o velho mito, na hora do seu máximo desgaste. Os fracassos recentes de Wanderley seriam decorrentes, é o que se diz, da sua não-atualização e para afirmar, na linguagem do futebol, que ele estaria “superado” eis que se lança mão do velho ardil de elites: ele não saberia línguas. Como sabem Mourinho, Ancelotti e Guardiola! Curioso, no mínimo. A língua, sempre ela!
    Wanderley, com muitas contradições e êxitos atrás de si, foi ali muito corajoso, lembrando que a filosofia do 7×1, de Parreira e Felipão, foi abraçada por muito tempo pelos seus críticos. Poderia ter dito mais. Ele parece sofrer da mesma maldição de Ronaldinho e Renato: leva a culpa pelo que não fez, Ronaldinho é visto como o paradigma da decadência do futebol brasileiro. Logo ele! Como se ele tivesse jogado mal nas Copas em que foi criminosamente excluído. Foram dois conterrâneos seus, Dunga e Scolari, que, em nome de vagos e suspeitos “princípios” disciplinares, deixaram de fora o craque. O fora-de-série que os poliglotas treinadores europeus mencionados acima jamais deixariam de levar. Renato leva fama de malandro do Leblon (na verdade, da Barra) e nunca teve o reconhecimento merecido por um tripé de respeito: uma Copa do Brasil pelo Flu, um vice da Libertadores pelo mesmo time e o acesso a duas Libertadores. Sacado precocemente da seleção, o último título de campeão do mundo poderia ter sido com ele, Luxemburgo, já que o mérito maior de Felipão (e isso não é pouco) foi ter deixado os “Rs” jogarem sem engessamentos táticos. Com Luxa, a chance de tífulo teria sido grande também!
    Não tivesse Vargas isolado uma bola vencedora, não tivesse Cris, outro poliglota, feito aquele pênalti infantil no jogo de ida, talvez hoje Wanderley estivesse, entre nós, no mesmo panteão de um Abel. Aliás, não foi por este último saber francês e estar atualizado que os nossos rivais maiores bateram o Barcelona de um holandês. Que têm, holandeses, por sinal, a mesma vocação para línguas que nós (ainda?) temos para o futebol.

  • Paulo Bala diz: 7 de outubro de 2016

    libertadores pra que, tem é que começar por baixo, aprender a ganhar gauchão, arrumar o ataque sem desmanchar o meio de campo, consertar a zaga mantendo o que funciona e não ficando com as nabas e mandando os que funcionam embora, ou então chega de iludir o torcedor, e assumam de uma vez por todas, que somos meros vendedores de promessas….

  • GILMAR GONÇALVES diz: 8 de outubro de 2016

    Benedito,

    Impressionante como tu tens agido infantilmente aqui no blog, sempre fazendo súplicas ao Mazui contra quem expressa opinião diferente da tua. Já estou achando que involuíste do gremista da paixão cega para o torcedor chato.

    Vamos fazer o seguinte: abrir uma campanha para que a Conmebol faça uma Libertadores com 126 clubes e a CBF adote o G18. Assim, numa eventualidade de irmos para a Série B ficando na 17ª posição, soltaremos foguetes pela vaga na Libertadores.

    Outra: é sério esse papo de que o Inter está em dificuldade financeira por não ter participado da Libertadores no ano passado? Cara, não consigo acreditar que alguém, de sã consciência, escreva um absurdo desses! É exatamente o contrário: o Inter se endividou com contratações caras e de grife justamente por adotar a imagem enganadora do “time grande” que vai ao mercado irresponsavelmente a fim de montar time para ser tricampeão do torneio latino-americano. Exatamente o que fez o Grêmio quando gastou tufos em Cris, Vargas, Barcos, Marcelo Moreno, Kleber, André Santos e Bolaños. Daqui a alguns anos, aparecerá a conta, como está aparecendo agora para o Inter, sendo cobrado por Scocco e Forlan.

  • Benedito diz: 9 de outubro de 2016

    Boas férias, Mazzui.
    Mas parece que a política beneficia até os jornalistas. É a 3ª vez de férias neste ano, Mazzui?

  • Cláudio / RS diz: 9 de outubro de 2016

    Mazzui, te larguei de mão.
    Estas sempre de férias.
    Postas um comentário por jogo do Grêmio, ou seja, cerca de 4 comentários por mês.
    Vou procurar comentaristas mais responsáveis com seus leitores…
    Tchau, até nunca mais!!!!

Envie seu Comentário