Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros
Capa ZH ZH Blogs Assine agora

Posts com a tag "Werley"

Mais cuidado com a defesa

15 de janeiro de 2015 41
Werley ganha espaço. Foto: Lucas Uebel/Grêmio

Werley ganha espaço. Foto: Lucas Uebel/Grêmio

Por Guilherme Mazui | @guilhermemazui

O equatoriano Erazo não vem. O Grêmio faz bem ao barrar a novela. Agora, fico preocupado ao saber que Werley ganha espaço novamente. As outras opções são dois garotos de 19 anos. A direção está brincando com o perigo.

A situação da zaga indica uma direção perdida, o popular cego em tiroteio. Tenho apoiado a reformulação e o corte de gastos, mas o caso Geromel ilustra incompetência exagerada. O clube anuncia a compra do defensor na véspera do Natal e semanas depois informa o torcedor que o negócio não foi fechado. Como assim? Beira o amadorismo, cheira a Obino.

Pelo visto, depois do episódio da compra fajuta da administração da Arena, virou costume anunciar o desfecho de negociações inconclusas. Isso é estelionato com o torcedor. Aos poucos, no repeteco de trapalhadas e anúncios falsos, o presidente Romildo Bolzan incinera sua credibilidade .

O Grêmio teve a melhor defesa do Brasileirão. Marcelo Grohe segue no gol, Rhodolfo ficou. E só. Chegou um lateral-esquerdo quase rebaixado e um direito que caiu. Geromel se recupera de lesão e só há garantia verbal de permanência. Enquanto isso, Werley pode ser o titular.

Concordo que as pessoas merecem uma segunda chance. Só que, neste caso, será a décima chance. Werley falhou nos Gre-Nais do Gauchão, falhou no primeiro Gre-Nal do Brasileirão, foi parar no banco, movimento que ajudou a melhorar o desempenho defensivo do time. Werley falha pelo alto, erra o posicionamento. Espero que a temporada no banco tenha aperfeiçoado alguns fundamentos.

Gabriel Silva e Lucas Costa, ambos com 19 anos, também disputam espaço. Entendo e apoio a opção de fazer do começo da temporada um vestibular prolongado para garotada da base, contudo, a direção vai indicando pouco cuidado com um dos patrimônios do atual elenco. Peço, encarecidamente, mais cuidado com a defesa tricolor.

Vale manter os três zagueiros sem Werley?

10 de setembro de 2013 33

Vamos com um time em retalhos contra o Náutico, amanhã. São nove desfalques. O que dificulta uma partida que teríamos condições plenas de ganhar.

Werley fica cinco semanas fora. Foto: Ricardo Duarte

Werley fica cinco semanas fora. Foto: Ricardo Duarte

A lista envolve lesionados, poupados e jogadores a serviço de seleções. Estão fora Elano, Riveros, Vargas, Werley, Alex Telles, Adriano, Marcelo Grohe, Yuri Mamute e Matheus Biteco. E Rhodolfo ainda será reavaliado antes do jogo .

Dos desfalques, destaco Werley, de fora por cerca de cinco semanas, em virtude de lesão no tornozelo. Ou seja, só volta aos gramados na segunda quinzena de outubro, lá pelo meio do returno do Brasileirão e depois do primeiro confronto com o Corinthians pela Copa do Brasil.

A ausência chega a colocar na dúvida a manutenção do esquema com três zagueiros. Vale a pena voltar ao 4-4-2? Ficamos no 3-5-2, com Rhodolfo, Bressan e Gabriel, tendo Saimon como reserva imediato? Ou após a volta de Riveros puxamos Souza para a zaga, posição em que ele não costuma atuar?

Difícil a missão de Renato. E difícil será a missão de bater o Náutico em Pernambuco, mesmo que o rival ocupe a lanterna do campeonato. Por exemplo, quem sabe o nome do reserva do Alex Telles? É o Wendell, jovem de 19 anos que trouxemos do Londrina. Vamos de Wendell ou Renato puxa o Pará para esquerda e escala o Moisés na direitas? Complicado.

A lista de ausências aumentará a responsabilidade do trio Zé Roberto, Kleber e Barcos. Maxi Rodríguez precisará estar atento no banco para entrar concentrado, sem a afobação que tem demonstrado. Teremos de nos superar amanhã.

 

 

Bressan no divã

05 de setembro de 2013 100

Os comentários aqui no blog, as cornetas de bar com os amigos tricolores, as conversas no Facebook evidenciam: o torcedor está perdendo a paciência com Bressan. Vale a pena discutir sua presença entre o trio de zaga. A titularidade de Bressan vai para o divã.

O jovem zagueiro trazido do Juventude surpreendeu no começo da temporada. Debutou numa decisão de Libertadores contra a LDU e deu conta do recado. Chamou atenção pela seriedade, por não ter vergonha de dar balão, por chegar junto. Diante das barbeiragens em série do Cris Furada, em poucas atuações o guri da Serra teve o nome pedido pelo torcedor.

Bressan ganhou a posição por mérito, por jogar mais do que o limitado Cris. Porém, não é suficiente. O zagueiro anda intranquilo, erra passes na saída de bola, complica a defesa em lances bobos. A confiança do primeiro semestre se foi. Bressan quase entregou a classificação na Copa do Brasil, diante do Santos, ao recuar uma bola errada para Dida. Contra o Goiás, levou um chapéu de Walter Tonelada. Está até agora procurando o Shrek.

Bressan é sério, trabalhador, jovem, tem potencial para progredir. Gosto dele. Mas o cidadão tem escorregado demais. Em contrapartida, outro zagueiro com selo do Interior gaúcho ganhou espaço. Gabriel, ex-Lajeadense, tem entrado bem, demonstrado seriedade. Em Goiânia, fazia uma partida melhor do que Bressan quando foi sacado por Renato. Acho válido pensar sua entrada na equipe para atuar ao lado de Werley e Rhodolfo.

E vocês, o que acham? Sai Bressan e entra Gabriel? E o Saimon, alguém lembra e acredita nele?

 

Acreditamos até o final! E a pontaria foi perfeita

29 de agosto de 2013 44

Claaaassificados! Justinho, com gol no final, quase enfartando, com um Santo Expedito na mão, com a cara do nosso Grêmio. Fizemos o 2 a 0 necessário, viramos pra cima do Santos, estamos nas quartas de final da Copa do Brasil. Agora é o Corinthians.

A exibição na Arena passou longe de ser estupenda, porém o Grêmio não se desesperou, manteve a tranquilidade e a pegada até os minutos finais. Desta vez, a pontaria foi perfeita. As duas chances claras morreram na rede. Ambas de homens mais defensivos (Souza e Werley), que tiveram tranquilidade e precisão para concluir. Werley, por exemplo, finalizou sem esforço, com carinho, como o pai que embala um berço.

Não fomos um vertedouro de criatividade, mas, diferente do que ocorreu na Vila Belmiro, as oportunidades viraram gols. Na verdade, quem teve pontaria zirolha foi o Santos, que rasgou três chances claras, a principal queimada por Gabriel, com a goleira vazia após a lambança do Bressan. O Peixe errou e nos deu sobrevida. Fomos competentes e classificamos.

Voltando à criação, o esquema com três zagueiros e três volantes teve a dificuldade esperada. O Grêmio ficava com a bola, contudo o lance não fluía, o jogo parecia amarrado, o perde e ganha prevalecia. Tanto, que Aranha pouco trabalhou, não chegou a executar uma defesa brilhante. As conclusões bem endereçadas entraram.

Nossa dificuldade em criar acomodou o Santos, que não sofreu um massacre, uma sucessão de chuveirinhos na área, de arremates de média e longa distância. Assim, Barcos – de boa atuação – surpreendeu a todos quando girou feito ponta na marcação e deu o gol ao Souza. No lance redentor de Werley já pressionávamos mais, porém chegamos com lucidez, bola de pé em pé até o destino final, o gol da classificação. Jogada puxada pelo Pará, vale registrar.

Sigo com a dúvida sobre a condição de atacar, de propor o jogo do esquema com três zagueiros e três volantes. Mas isso a gente pensa daqui a pouco. A ordem é degustar a virada, o bom momento do time, os resultados em série, o trabalho do Renato que vai dando resultados. É comemorar, aplaudir nosso Grêmio. Na Ponte Preta, adversário de sábado, a gente começa a pensar na tarde de quinta-feira.