Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
 

Desabafo

05 de dezembro de 2013 1
Foto: Paulo Bento Spindola/Arquivo Pessoal

Foto: Paulo Bento Spindola/Arquivo Pessoal

“Eu vinha pela Rua 1.931 quando um skatista virou a esquina no meio da rua. Para não colidir joguei o carro para a calçada e perguntei se ele estava querendo se matar. Assim que toquei o carro para entrar na Avenida Brasil ele deu com o skate no vidro traseiro esquerdo, amassando a lataria e quebrando um o vidro menor. Minha filha de nove anos recebeu estilhaços de vidro, que provocaram pequenos cortes no rosto e no braço”.

O relato indignado é do leitor Paulo Bento Spindola, morador de Balneário Camboriú, que enfrentou a situação na noite de quarta-feira. Com o carro estragado e a filha assustada e ferida ele procurou a Guarda Municipal, mas o responsável pelo estrago não foi localizado.

Paulo diz que também anda de skate e não vê problema em o rapaz estar circulando pela rua. O que incomoda é a reação exagerada do skatista, que ele protegeu de um atropelamento.
Trânsito, hoje em dia, virou praça de guerra.

Comente e compartilhe

comentários

Comentários (1)

  • Juliana Desterro diz: 5 de dezembro de 2013

    Se o senhor concorda que ele ande pelas ruas da cidade,então aguenta o prejuízo.
    Que eu saiba o skatista não pode andar pelas ruas,junto aos carros.
    Ma se o senhor concorda . . .

Envie seu Comentário