Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
 

Botos dão show em Itajaí

20 de março de 2014 4
Fotos: Programa Botos do Itajaí/Univali

Fotos: Programa Botos do Itajaí/Univali

Uma família de botos deu um show na saída do molhe em Itajaí, na manhã de quarta-feira. Os nove animais _ entre eles um filhote recém-nascido, com no máximo 15 dias de vida _ foram fotografados por membros do Programa Botos do Itajaí, mantido pela Univali.

Os botos se aproximam da foz do Itajaí-açu para pescar. Na quarta-feira, foram vistos pelos pesquisadores jogando peixes para o alto e empurrando para a superfície cardumes que tentavam fugir.

Os animais passaram mais de três horas nadando no canal, por onde passam os grandes navios cargueiros que aportam nos terminais da região. André Barreto, doutor em Oceanografia Biológica e coordenador do programa, tem observado o comportamento dos botos quando estão próximos dos navios. Ele relata que no momento em que os cargueiros passam, os animais mergulham e ficam um tempo mais longo que o normal em baixo d’água. Mas voltam às atividades quando o navio sai dos molhes.

De acordo com Barreto, isso indica que há um efeito no comportamento dos golfinhos, mas é momentâneo e aparentemente não problemático.

_ Se houvesse navios saindo a cada 10 minutos, seria um problema sério. Mas como há um intervalo grande na passagem das embarcações, aparentemente os animais conseguem lidar com essas interrupções.

 

O Programa Botos do Brasil monitora a atividade dis botos junto ao molhe para identificar o reflexo do ambiente no comportamento dos animais. O projeto mantém uma página do Facebook para que qualquer pessoa que registre a passagem dos botos pela região possa enviar fotos e ajudar no monitoramento dos bichinhos.

Comente e compartilhe

comentários

Comentários (4)

  • SACI diz: 21 de março de 2014

    O único problema do nosso planeta é o bicho homem……..

  • Dalton A. Matzenbacher Chicon diz: 21 de março de 2014

    Sr. Revisor,

    A grafia correta do advérbio de lugar, para o Brasil, é EMBAIXO. Em Portugal admite-se a forma utilizada pelo redator. No entanto, cá estamos.
    Se, no caso relatado, os animais se afastassem para as proximidades da margem, talvez aguardassem ‘em baixo d’água’, considerando eventual lâmina d’água de pequena espessura em relação aos tamanhos dos seus corpos. Porém, tendo em conta que eles “… mergulham e ficam um tempo …”, não há alternativa senão embaixo.

  • robson da silva diz: 25 de março de 2014

    estes botos podem ser de laguna, pois o comportamento de jogar os peixes para pescadores sao os delaguna, no qual sao patrimonio historico de lagunda desde 1997

  • Mariana diz: 7 de abril de 2014

    Caro Robson, esses animais não são os mesmo de Laguna, eles são grupos diferentes. Esses animais são observados e monitorados no Rio Itajaí Açu desde 2001. O comportamento de jogar os peixes não é exclusivo dos animais de lá, muito pelo contrário, é um comportamento normalmente observado em diversos grupos de botos.

Envie seu Comentário