Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
 

Saia-justa na Via Expressa

01 de maio de 2014 3

A informação divulgada pelo deputado federal Marco Tebaldi, de que segundo o DNIT as obras da Via Expressa Portuária de Itajaí estão paradas por demora nas desapropriações _ que são responsabilidade da prefeitura _ provocou uma saia-justa. Isto porque o município tenta há um ano e meio que o órgão federal amplie os recursos para o pagamento das indenizações e, até agora, não houve acordo.

O problema todo ocorre porque os imóveis que estão no caminho da Via Expressa valorizaram desde a enchente de 2008, por estarem em raras áreas não alagáveis. As primeiras avaliações são de 2009, e de lá para cá os valores ficaram defasados.

O DNIT já pagou R$ 12 milhões ao município, mas o recurso é insuficiente para dar conta dos 55 imóveis que ainda faltam.

Há ainda o problema dos imóveis que estão sem documentação _ e que, portanto, não podem ser indenizados. O município estuda a realocação das famílias em programas habitacionais.
Leia nota da prefeitura de Itajaí sobre o caso:

Em relação a nota publicada no Jornal Sol Diário – edição nº 545 de 30 de abril do corrente ano, temos a esclarecer em nome da Secretaria de Planejamento, Orçamento e Gestão do Município de Itajaí.

Desapropriação da Via Expressa Portuária

1)A Via Expressa Portuária é uma obra Federal cuja responsabilidade quanto à execução compete ao Governo Federal, sendo que o DNIT, por intermédio de convênio, solicitou ao Município que administrasse as desapropriações.

2)Devido à exponencial valorização imobiliária da região e do tempo decorrido desde a  assinatura do convênio (2010), se faz necessário o aditivo de valores, pois sem a atualização, não há como dar continuidade às desapropriações, razão pela qual, desde 2012, o Município aguarda a aprovação do aditivo ao convênio e o consequente repasse dos novos valores.

 

Comente e compartilhe

comentários

Comentários (3)

  • Schell diz: 1 de maio de 2014

    KKKKKKKKKKKKKKKKKK. “Chupim” é pouco. Quer dizer que foi só começarem as desapropriações que os preços “dispararam”? Ou seja, o município (ou alguns munícipes) colaborou para tal “valorização”? E o governo federal é quem “paga o pato” ou é colocado de “pato a ganso”? Está passando da hora de o TCU dar uma incerta nesses “valorosos imóveis”.

  • Incompetência Generalizada diz: 1 de maio de 2014

    É INCRIVEL TAMANHO DESCASO COM O POVO…. SE OS IMOVEIS VALORIZARAM, PAGUEM DE UMA VEZ E FAÇAM ESTA VIA, TENHAM VERGONHA NA CARA, SEUS INAPTOS…

  • superpedrinho diz: 1 de maio de 2014

    Que balela. Um bando de incompetentes e uma retórica inadmissivel. Por que nao viajam um pouco, como por exemplo, Balneario Camboriu, estado de Santa Catarina, e aprendam como o prefeito periquito fez desapropriacoes ainda piores e encheu a cidade de binarios…Ninguem aguenta mais esta historia de que somos o segundo PIB-SC, pra quê, pra quem afinal?. INCOMPETENTES!!!

Envie seu Comentário