Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
 

Bacia de evolução a perigo

11 de julho de 2014 2
Foto: Marcos Porto

Foto: Marcos Porto

 

A região passou perto de perder o prazo para licitação da nova bacia de evolução e atrasar mais uma vez as obras, que devem começar só no ano que vem. Isto porque o convênio entre Estado e Porto de Itajaí, que deveria ter sido formalizado até 4 de julho, devido ao período eleitoral, não foi assinado pelo governador Raimundo Colombo.
Diante da possibilidade de um novo impasse nas obras, consideradas essenciais para a economia da região, o governo decidiu licitar a obra sozinho, sem a parceria do porto, que ficará com o acompanhamento técnico dos trabalhos.

O problema ocorreu porque, embora o Estado tenha previsto a obra de R$ 129 milhões no pacote do Pacto por Santa Catarina, com recursos do BNDES, a empreitada não estava na dotação orçamentária para este ano. Não seria possível, portanto, fazer o convênio com o porto – mas não há impedimento para o governo licite a obra sozinho.
Murilo Flores, secretário de Estado da Infraestrutura, disse que a obra não entrou no orçamento de 2014 porque, diferente do que havia sido previsto, o projeto e o licenciamento ambiental não ficaram prontos em 2013 (ambos foram entregues este ano).

A expectativa agora é que o Estado dê conta de lançar o edital de licitação até o próximo mês, conforme era previsto pela superintendência. Murilo Flores garante que a obra está entre as mais importantes do Pacto por SC, e os prazos, agora, serão cumpridos.

Uma confusão atrás da outra

Não é a primeira vez que a obra é alvo de impasse. Em junho descobriu-se que o recurso havia entrado no pacote de financiamentos do Pacto por SC no Banco do Brasil, e não no BNDES. O processo precisou ser refeito às pressas e a previsão de início das obras, que era para este ano, ficou para 2015.
A nova bacia de evolução, que será aberta na região do Saco da Fazenda, possibilitará a entrada de navios maiores e mais carregados nos terminais de Itajaí e Navegantes, que juntos correspondem à 2ª maior movimentação de cargas conteinerizadas no país, e a maior no Estado.

Duas etapas

O Estado considera duas hipóteses para licitar a bacia de evolução: via Secretaria de Desenvolvimento Regional ou Secretaria de Infraestrutura. As obras financiadas pelo Estado são apenas a primeira parte da obra.
A segunda, avaliada em R$ 170 milhões, foi incluída no pacote de investimentos da Secretaria Especial de Portos (SEP) para o ano que vem. Como um trabalho é atrelado ao outro, o atraso da licitação no Estado pode, eventualmente, prejudicar a execução da segunda etapa.

Previsão de perdas

A estimativa do Complexo Portuário era que, sem as obras da bacia de evolução, as perdas chegassem a R$ 30 milhões mensais a partir do próximo ano, com queda de aproximadamente 75% no movimento de navios. Recentemente a superintendência do Porto de Itajaí voltou atrás nas previsões e deixou de mensurar o prejuízo em números: a preocupação é com a credibilidade perante o mercado.

Comente e compartilhe

comentários

Comentários (2)

  • Mellmann diz: 12 de julho de 2014

    Olha, é uma comédia… Tudo que tem governo envolvido acaba nisso, atraso, disse me disse, era BNDES, depois BB, depois Orçamento e blá, blá, blá…. O que mais me chama atenção é que Itajaí sofre constantemente com essa questão das chuvas e agora a Barra do canal de acesso ao Porto fecha a cada meia duzia de pingos que caem. Então meus amigos, não brinquem com essa situação, pois, cada vez mais as grandes empresas que utilizam o Porto de Itajaí/Navegantes para escoar suas cargas ficam temerosas em não embarcar suas cargas dentro dos prazos, comprementendo balanços mensais, trimestrais, semestrais e tudo mais (até rimou).

  • os patetas a saga continua diz: 14 de julho de 2014

    Depois dos patetas do futebol, os patetas governantes, parece filme de terror. ?.

Envie seu Comentário