Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
 

Ministério Público pede explicações a órgãos públicos sobre demolição da fábrica de papel

19 de agosto de 2014 1
Foto: Marcos Porto

Foto: Marcos Porto

 

O inquérito instaurado pelo promotor de Justiça Luis Eduardo Couto de Oliveira Souto para investigar a legalidade da demolição da centenária fábrica de papel de Itajaí traz uma série de questionamentos a órgãos municipais e estaduais. O Ministério Público quer saber da  Fundação Catarinense de Cultura, por exemplo, por que o processo de tombamento histórico do prédio  nunca foi concluído.

O promotor pede ainda que a Fundação Cultural de Itajaí informe sobre a importância histórica do prédio, e que a prefeitura diga quem são os donos e quem derrubou a construção.

Ocorrida no fim de semana, sem autorização da Secretaria de Urbanismo (que multou os proprietários em R$ 3,8 mil), a derrubada provocou polêmica na cidade. Ontem a fiscalização da Secretaria de Urbanismo esteve no local e, segundo o secretário Paulo Praun Cunha Neto, deverá ser expedida nova multa porque não houve suspensão dos trabalhos.

Comente e compartilhe

comentários

Comentários (1)

  • José Adriano diz: 19 de agosto de 2014

    Não é muito tarde agora? Por que os órgãos intervenientes não se manifestaram antes e até não tomaram alguma medida preventiva cautelar para inibir a demolição do edifício até que se houvesse uma decisão oficial? Desde que o O Sol Diário divulgou a matéria há uma semana, era previsível que a demolição iria ocorrer. Na minha opinião, qualquer esforço agora é em vão… a não ser que a nossa preocupação agora seja com a “poeira” causada pela demolição do centenário! Conseguimos ser lentos mais uma vez… lamentável!!
    Faltam mesmo políticas claras e eficazes para protegerem a nossa história. Apenas declarar que este ou aquele prédio é um patrimônio histórico, não é o suficiente, precisamos também provisionar recursos para o restauro e manutenção dos ditos patrimônios históricos… do contrário, sucumbirão a ação do tempo por falta de recursos… é como deixar um paciente na UTI a espera da morte que vem lentamente! Que sirva de alerta para as autoridades governamentais e que este alerta, resulte em alguma ação eficaz!

Envie seu Comentário