Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
 

Hospital não avisou a polícia sobre morte de torcedor

26 de setembro de 2014 1

As investigações sobre a morte do torcedor do Avaí, João Grah, que foi vítima do arremesso de uma pedra contra o microonibus onde estava, demoraram mais de 12 horas para começar porque a polícia não havia sido informada do caso pelo Hospital Ruth Cardoso.

A diretora do hospital, Leila Cabral, diz que a equipe não tinha como saber que se tratava de uma tentativa de homicídio.

Chamar a polícia em casos como este é obrigação prevista em lei.

Não é a primeira vez

O delegado Osnei Valdir de Oliveira informou que já representou contra a diretora do Ruth Cardoso à Justiça porque ela havia se negado a passar à polícia dados sobre um homem que havia chegado ao hospital baleado.

Comente e compartilhe

comentários

Comentários (1)

  • RuD diz: 30 de setembro de 2014

    Uma vergonha ainda não ter saído a prisão preventiva desses marginais, cada vez mais vimos que esse país é uma bagunça e que nossas leis é que dão margem para que cada vez mais aconteça coisas desse tipo!

Envie seu Comentário