Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
 

Posts do dia 1 novembro 2014

Manifestação por impeachment em Balneário reúne público bem abaixo do esperado

01 de novembro de 2014 6
Fotos: Dagmara Spautz

Fotos: Dagmara Spautz

O protesto marcado para este sábado para pedir o  impeachment da presidente reeleita Dilma Rousseff (PT) na Praça Almirante Tamandaré, em Balneário Camboriú, mostrou que o suposto engajamento das redes sociais não tem refletido nas ruas. Menos de 100 pessoas participaram _ um público bem menor do que as 12 mil que haviam confirmado presença no evento pelo Facebook.

Vestidos de verde e amarelo, alguns com as caras pintadas ao estilo do movimento que culminou com a saída do então presidente Fernando Collor, na década de 90, os participantes seguravam cartazes pedindo, além da queda da presidente, também  auditoria nas Eleições e intervenção militar.

Segundo a organização, entre os manifestantes havia moradores de outras cidades da região. Um casal de Curitiba (PR) também se uniu ao protesto.

A Polícia Militar informou que não houve registro de incidentes.

Royalties de uma possível exploração de petróleo em Navegantes irão para SP

01 de novembro de 2014 1

A localização do poço de petróleo que será perfurado a partir da próxima semana pela empresa australiana Karoon é uma linha reta a partir de Navegantes, a 260 km da costa.  Mas de acordo com as demarcações feitas pelo IBGE, pertencerá a área do estado de São Paulo.

Isto significa que dos esperados royalties provenientes da exploração, nenhuma gota deve pingar nos cofres de Santa Catarina.

A ação movida pelo Estado para rever as demarcações é antiga, vem do início dos anos 2000. Sustenta que os critérios usados pelo IBGE na demarcação não obedeceram preceitos legais e que, em caso acidente ambiental envolvendo os poços, como um vazamento, por exemplo, Santa Catarina seria diretamente prejudicada.

Itajaí sedia hoje a Unidade de Exploração e Produção Sul da empresa estatal (UO-Sul), a 5ª em volume de operação no país com uma movimentação de US$ 7,5 milhões por dia. A cidade dá nome inclusive a um dos mais novos navios-plataforma em exploração na costa brasileira pela Petrobras. Tudo sem que os royalties passem por aqui.

Esta semana o presidente da Associação Empresarial de Itajaí (ACII), Eclésio da Silva, disse ao blog que vai discutir a questão da briga pelos royalties com o governador reeleito Raimundo Colombo.

 

É dia do sushi!

01 de novembro de 2014 0
Foto: Luciano Dias/Divulgação

Foto: Luciano Dias/Divulgação

Este sábado é dia internacional do sushi, que de comida típica japonesa ganhou status de refeição-desejo por aqui. O Brava Sushi, na Praia Brava, vai aproveitar a data para apresentar parte do novo cardápio, com peças contemporâneas.

O lançamento também ocorre em Blumenau, onde a casa abriu filial este ano.

História

Dizem que o sushi nasceu como uma maneira de conservar o pescado. O peixe era envolto em arroz para que durasse mais. Acabou conquistando o paladar dos japoneses.

Ao espalhar-se pelo mundo o sushi ganhou novas versões e no Brasil não é diferente. Acabou incorporando até as frutas tropicais.

O Dia do Sushi é comemorado em 1º de novembro no Japão desde 1961.

Nas alturas

01 de novembro de 2014 0
Foto: Marcos Porto

Foto: Marcos Porto

Um morador do Bairro Cidade Nova, em Itajaí, parece ter descoberto uma maneira de ficar livre dos prejuízos causados pelas enchentes na região. Usando uma tecnologia construtiva nem tão nova assim, conseguiu deixar a casa “nas alturas”.

Sem previsão para decolar

01 de novembro de 2014 0

A Secretaria Nacional de Aviação Civil diz que não tem ainda previsão para licitar a ampliação do Aeroporto de Navegantes.

Como segue o impasse em relação às desapropriações, que não serão pagas pela Infraero, a data de entrega do Estudo de Viabilidade Técnica do projeto, que era prevista para setembro, será revista.

Funcionários ganham ação contra hotel

01 de novembro de 2014 0

A Justiça deu ganho de causa aos funcionários do antigo Hotel Mariner, de Itajaí, em uma ação movida pelo Sechobar avaliada em mais de R$ 400 mil. O sindicato pedia os depósitos de FGTS correspondentes aos últimos 30 anos.

A ação beneficia 450 trabalhadores e cada um deve receber um valor diferente, que pode chegar a R$ 11 mil. Ainda cabe recurso.

Direto do seu bolso

01 de novembro de 2014 0

Enquanto o pessoal se engalfinha nas redes sociais discutindo a presidência, o Congresso planeja aumentar os próprios salários para R$ 35,9 mil, valor pleiteado pelos ministros do STF.  Isto num país onde tem gente mantendo a família com salário mínimo.

Aliás, um senador catarinense custa aos cofres públicos R$ 145 mil por mês. Um deputado federal, R$ 144 mil. Daria para comprar um apartamento ou um carro de luxo a cada 30 dias.

Balneário Camboriú tem mais cremações do que enterros

01 de novembro de 2014 0

Dona de uma área diminuta e disputada de 46 km², com população estimada de 124 mil habitantes, Balneário Camboriú tem apenas um (já lotado) cemitério, no Bairro da Barra. O resultado é que, na contramão do que ocorre na maioria dos municípios brasileiros, a cidade hoje registra mais cremações do que sepultamentos.

De acordo com a Secretaria de Obras de Balneário Camboriú, que administra o cemitério da Barra, são em média 16 enterros por mês. Menos de um por dia, contra uma média de até duas cremações diárias.

Nem todas as cremações são de moradores da cidade, já que o crematório atende toda a região, e muitos sepultamentos de habitantes de Balneário ocorrem em cidades vizinhas como Itajaí. Mas o comparativo entre os índices chama atenção pela tendência cultural dos brasileiros em preferir as sepulturas às cinzas.

A média de crescimento do crematório em Balneário é de 30% e a opção leva em conta a praticidade e o estilo de cerimonial. Mas embora não seja fator preponderante na escolha, o quesito preço faz a diferença. Com túmulos em falta, cremar chega a ser até quatro vezes mais barato do que o enterro em cemitério particular.

Comércio ilegal

No maior cemitério público de Itajaí, o da Fazenda, não há mais nenhum terreno disponível. Mesmo assim, sepulturas são vendidas num mercado clandestino e ilegal.

Como não reconhece as transações, a administração não fala sobre a quantidade de túmulos negociados e nem sobre valores. Mas o preço cobrado chegaria a R$ 18 mil.

Último desejo

No Crematório Vaticano, em Balneário, vez ou outra aparecem pedidos inusitados feitos por quem compra pacotes com antecedência.

O mais curioso é de uma jovem empresária que quer ter as cinzas misturadas à purpurina e coladas em carros alégorigos no Carnaval. No lugar das lágrimas, muito brilho.