Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
 

Balneário Camboriú tem mais cremações do que enterros

01 de novembro de 2014 0

Dona de uma área diminuta e disputada de 46 km², com população estimada de 124 mil habitantes, Balneário Camboriú tem apenas um (já lotado) cemitério, no Bairro da Barra. O resultado é que, na contramão do que ocorre na maioria dos municípios brasileiros, a cidade hoje registra mais cremações do que sepultamentos.

De acordo com a Secretaria de Obras de Balneário Camboriú, que administra o cemitério da Barra, são em média 16 enterros por mês. Menos de um por dia, contra uma média de até duas cremações diárias.

Nem todas as cremações são de moradores da cidade, já que o crematório atende toda a região, e muitos sepultamentos de habitantes de Balneário ocorrem em cidades vizinhas como Itajaí. Mas o comparativo entre os índices chama atenção pela tendência cultural dos brasileiros em preferir as sepulturas às cinzas.

A média de crescimento do crematório em Balneário é de 30% e a opção leva em conta a praticidade e o estilo de cerimonial. Mas embora não seja fator preponderante na escolha, o quesito preço faz a diferença. Com túmulos em falta, cremar chega a ser até quatro vezes mais barato do que o enterro em cemitério particular.

Comércio ilegal

No maior cemitério público de Itajaí, o da Fazenda, não há mais nenhum terreno disponível. Mesmo assim, sepulturas são vendidas num mercado clandestino e ilegal.

Como não reconhece as transações, a administração não fala sobre a quantidade de túmulos negociados e nem sobre valores. Mas o preço cobrado chegaria a R$ 18 mil.

Último desejo

No Crematório Vaticano, em Balneário, vez ou outra aparecem pedidos inusitados feitos por quem compra pacotes com antecedência.

O mais curioso é de uma jovem empresária que quer ter as cinzas misturadas à purpurina e coladas em carros alégorigos no Carnaval. No lugar das lágrimas, muito brilho.

 

Comente e compartilhe

comentários

Envie seu Comentário