Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
 

Ministério Público recorre à Justiça para garantir Parada da Diversidade em Balneário Camboriú

13 de novembro de 2014 9
Foto: Rafaela Martins, Arquivo

Foto: Rafaela Martins, Arquivo

 

O promotor Rosan da Rocha, responsável pela 6ª Promotoria de Justiça de Balneário Camboriú, ingressou um mandado de segurança para garantir a realização da Parada da Diversidade, marcada para este domingo na Avenida Atlântica. O evento, que tem previsão de reunir 10 mil pessoas, corre o risco de não ocorrer porque um decreto assinado na semana passada pelo prefeito Edson Piriquito (PMDB) proíbe a realização de eventos em via pública _ com exceção dos que já fazem parte do calendário oficial do município.

Nesta quarta-feira a juíza Adriana Lisbôa, da Vara da Fazenda Pública, determinou que Piriquito se manifeste em até 72 horas, prazo que termina no sábado. O promotor enviou, nesta quinta, um pedido de reconsideração à juíza para evitar que a decisão seja tomada às vésperas do evento.

Esta não seria a primeira vez que o município coloca entraves à realização da Parada da Diversidade.

_ O município sempre se mostrou relutante. Havia sempre restrição de lugar e data, foi me chamando atenção. Há forte possibilidade de discriminação _ afirma Rosan.

Esta é a terceira vez que Balneário terá uma Parada da Diversidade, e a organização relata que nos anos anteriores o município também negou-se a apoiar o evento. Nesta edição o evento promete atingir o dobro do público que compareceu no ano passado porque não haverá parada na capital. A ministra dos Direitos Humanos, Ideli Salvatti, e o ministro do Turismo, Vinícius Lages, confirmaram presença no evento.

Proibições

O promotor Rosan afirma que o direito a manifestação é constitucional, o que invalidaria o decreto da prefeitura. A justificativa do documento assinado pelo prefeito Piriquito é o “expressivo aumento populacional (…) em um espaço inversamente proporcional a esta demanda”.

O texto afirma que o fechamento de vias públicas interfere na mobilidade urbana e na prestação de serviços de segurança e saúde, e prevê a realização apenas do Réveillon, Carnaval, Encontro dos Amigos, comemorações do aniversário da cidade, desfile de 7 de Setembro, Atlântica Ativa, Abertura Oficial da Temporada de Verão e eventos esportivos que tenham apoio do município. Se validado, outras passeatas como a cãominhada e as caminhadas evangélicas também estão banidas.

Comente e compartilhe

comentários

Comentários (9)

  • pantaneiro diz: 13 de novembro de 2014

    É o fim! Tá tudo dominado! Uma pergunta, só uma: porquê parada gay? Por que mostrar o que é, o que esta à vista, o que as pessoas na sua maioria aceitam como normal? Preconceito sempre existiu, existe e existirá, deixemos a hipocrisia de lado; logo, logo, os baixinhos, gordinhos, velhos, jovens, homens, mulheres, os escambaus também vão querer fazer passeatas para exibirem as suas frustações, qualidades… parem com isso, vamos TODOS, SEM PRECONCEITO, curtir a nossa Bela Camboriú! E assim, CAMINHA A HUMANIDADE!!!!!!!!

  • Gay tambem eh gente diz: 13 de novembro de 2014

    ja dizia o poeta mamona dinho: gay tambem eh gente, ate o vaticano concorda… Sou gay, da torcida do mengo, a mengay..

  • Pàulo Henrique Domingues diz: 14 de novembro de 2014

    Nada contra a diversidade. Apenas um comentário sobre a afirmação da Vossa excelência promotor Renan de que manifestação é direito constitucional que invalidaria o decreto da prefeitura.
    Trabalho em uma grande escola no centro de Balneário Camboriú, e presenciei momentos de terror durante um mês com assaltos em frente a esta escola, onde pude ver a própria Diretora correndo atrás dos meliantes.
    Gostaria de fazer uma indagação aos representantes da justiça em Balneário Camboriú:

    Vamos também trabalhar em prol dos direitos constitucionais dos cidadão quanto a EDUCAÇÃO, SAÚDE E SEGURANÇA PÚBLICA, que não são respeitados constitucoinalmente!

  • Sergio diz: 14 de novembro de 2014

    Não entendo esta “parada da diversidade”,isto serve pra que? O que eles querem dizer com isto? Estou com o prefeito, via pública não é para este tipo de manifestação, se a moda pegar, vamos ter parada de todos estilos e qualquer um vai se achar no direito de se manifestarem utilizando as mesmas vias.
    Quanto ao MP, acho que ele deveriam cuidar de coisas mais relevantes e importantes.

  • Daniel diz: 14 de novembro de 2014

    Concordo com o prefeito, vocês que não moram na Atlântica, não sabem como é complicado trancar a rua que você mora, meus avós são de idade e tem dificuldade em se locomoverem, quanto menos interditarem a rua melhor, INDEPENDENTE DO EVENTO, isso deveria ocorrer em um local apropriado tipo um centreventos que a cidade deveria de ter!

  • alberto brasi diz: 14 de novembro de 2014

    O piriquito vai a contramao na cidade mais gay de Santa Catarina. Fora homofobia

  • Roberto Ribeiro Jr diz: 14 de novembro de 2014

    APOIO O PREFEITO… A mobilidade é baixa, e ainda mais um evento deste, a mobilidade vai a Zero! Bom senso é bom!

  • fe diz: 14 de novembro de 2014

    quer dizer q ha aumento populacional e não ha investimentos na saúde educação transporte publico energia eletrica e agua , ao inves de assinar algo q PARE a construção civil, geradora de todo esse caos e coloque a cidade em ordem ( com os serviços acima citados para todxs) esse pirica é mesmo um fanfarrão brincando de jogar com a vida dos outros e enchendo os bolsos de poucos!!!!

  • waltencir jose da silva diz: 14 de novembro de 2014

    as manifestações são livres, parada diversidade, protestos e marcha para jesus, tudo pode ser feito, para atrair coisas positivas para a cidade.

Envie seu Comentário