Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
 

Sobre armas e riscos

21 de janeiro de 2015 5

Um policial, supostamente treinado para portar uma arma (e se portar com ela), tirou a vida do surfista Ricardo dos Santos de forma estúpida. E ainda tem gente que acha que armar a população é uma boa ideia.

Comente e compartilhe

comentários

Comentários (5)

  • João diz: 21 de janeiro de 2015

    Todos 60.000 brasileiros morrem vítimas de acidentes de trânsito. E ainda tem gente que acha que permitir que a população tenha acesso ao automóvel é uma boa ideia.
    Querida, “Introdução ao Pensamentos Complexo”, Edgar Morin, para ti! Já!

  • Armas não matam; quem mata são as PESSOAS. diz: 21 de janeiro de 2015

    Nosso problema é CULTURAL.

    A nossa autoimagem de um povo pacífico e festeiro é invenção de pseudo-intelectuais e tão verdadeira quanto uma nota de quatro reais.

    Temos que reconhecer: somos um povo mal-educado, mal-humorado e VIOLENTO. O brasileiro ainda acha que a solução dos seus problemas passa por pedrada, paulada, facada ou, se possível, tiros. Qualquer motivo é motivo para um homocídio banal.

    Somado a isto, nosso país vive uma epidemia de violência causada pela IMPUNIDADE, filha de uma legislação arcaica (Código Penal de 1940) e que reconhecidamente é uma das mais BRANDAS do mundo.

    Em país sério, um homicídio é punido pelo menos com 25 anos de prisão; já no Brasil, se for homicídio simples, réu primário, é punido com SEIS anos. E, se não bastasse, graças a progressão de regime, com 1/6 (um sexto) da pena cumprida. Com 1/3, o condenado tem direito a liberdade condicional.

    Ou seja: um homicida pode passar apenas UM ANO realmente preso; e com apenas três anos, já está nas ruas de novo. E o condenado trabalhar enquanto estiver preso, o tempo cai ainda mais.

    Por isto se mata tanto por aqui: porque FICA BARATO.

    E, voltando às armas, vou dar o exemplo da Suíça: lá praticamente todos os homens são reservistas do exército. Quando terminam o período de alistamento, levam o seu FUZIL DE ASSALTO devidamente municiado para casa. Só não leva se não quiser. A população da Suíça é armada até os dentes para defender o seu pequeno país e, só por isto, não sofrem uma invasão a seiscentos anos.

    Mas lá ninguém sai matando. Porque as LEIS são severas.

    Já aqui se forçou o desarmamento da população e, ora vejam só, os homicídios continuam a SUBIR. Agora, os homicídios com armas brancas (facas, etc.) estão substituindo os homicídios por arma de fogo nas estatísticas.

    Do jeito que a coisa vai, logo logo, vão querer proibir as facas de cozinha também…

  • Armas não matam; quem mata são as PESSOAS. diz: 21 de janeiro de 2015

    Corrigindo…

    ” E, se não bastasse, graças a progressão de regime, com 1/6 (um sexto) da pena cumprida o preso avança para o regime semi-aberto, onde pode sair para trabalhar e estudar.”

  • MARCELO IVO MELO VANDERLINDE diz: 22 de janeiro de 2015

    Em função do ocorrido a PM e Governo do Estado devem repensar os exames psicológicos e treinamentos realizados com os policiais. Não é aceitável que entrem ou permaneçam na corporação pessoas psicologicamente incapazes de dela fazer parte. Se algo fosse feito nesse sentido, o assassino do Ricardinho já teria sido identificado como alguém emocionalmente instável e afastado da corporação.

  • Felipe Smith diz: 25 de fevereiro de 2015

    É triste ver um tipo de comentário assim em um blog ligado a RBS, a pessoa ataca um tema tão complexo com 2 parágrafos.

    Enfim, você já viu um carro bêbado? Um carro andando sozinho pela cidade, provocando acidentes com vítimas fatais?

    Da mesma forma que é necessário um motorista imprudente atrás de um volante, é necessário uma pessoa despreparada com uma arma para causar um acidente fatal.

    Quando se fala em armar a população, ninguém está falando em sair distribuindo fuzis, pistolas e revolver pelas ruas. Ninguém está lutando para “armar a população”, estão lutando para que o cidadão tenha o “direito de escolher” se quer ter uma arma ou não.

    Você acha justo que casos isolados sirvam de parâmetro para manter a população desarmada? Você acha justa a situação atual? Onde o criminoso tem acesso irrestrito à armas e o cidadão de bem espera meses, e muitas vezes não consegue adquirir uma arma para proteger seu patrimônio e sua família?

Envie seu Comentário