Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
 

Comissão analisa lentidão nas obras da Passarela da Barra

20 de fevereiro de 2015 4
Foto: Marcos Porto

Foto: Marcos Porto

A comissão formada por servidores da prefeitura de Balneário Camboriú para fiscalizar a obra da Passarela da Barra deve concluir nos próximos dias um estudo sobre a situação da empreitada, que segue a passos lentos desde que foi deflagrada a Operação Trato Feito, em setembro do ano passado.
Há serviços pagos e não executados, outros executados e não pagos, e ainda outros concluídos mas que sequer apareciam no projeto. A bagunça é grande.

A tendência, segundo informou a procuradoria jurídica do município, é que a prefeitura notifique a construtora Helpcon para que apresente prazos de conclusão para a obra, que, segundo os últimos levantamentos feitos antes da Operação Trato Feito, já havia chegado ao custo de R$ 28 milhões e acumula mais de dois anos de atraso.

A comissão que fiscaliza a passarela foi nomeada no fim de novembro, em substituição à comissão anterior, que teve membros entre os presos na época pelo Gaeco, sob suspeita de fraude em licitação. Outras comissões avaliam, dentro da prefeitura, as licitações do canal do Marambaia e do viaduto da Quarta Avenida, ambas suspensas após ter estourado a operação.

O trabalho tem sido agilizado desde que o Ministério Público liberou, em janeiro, os documentos que fazem parte dos processos de licitação e estavam em poder do Gaeco. Desde dezembro a procuradoria jurídica do município tem acesso à íntegra do inquérito.

Comente e compartilhe

comentários

Comentários (4)

  • rafael diz: 20 de fevereiro de 2015

    Realmente “A bagunça é grande”.
    Imagine que os membros da comissão de fiscalização foram presos… é bárbaro o roubo que fazem contra o nosso dinheiro.
    Se a justiça for feita, parte deste 28 milhões de reais devem ser devolvidos aos cofres publicos.
    O prefeito, no minimo, fez vistas grossas.

  • Renato diz: 20 de fevereiro de 2015

    Pior não é o caso de superfaturamento, mais o descaso que ocorre logo após a denuncia de todo o esquema. A obra para, ninguém faz nada… depois de 2 anos retomam as obras (possivelmente num ano de eleição pra alguma coisa), gastam mais uma fortuna para concluí-la as pressas. Concluem a obra a facão e fazem uma mega inauguração! Coisas que acontecem do lado de baixo do equador…

  • José Marcos P.Castellain diz: 20 de fevereiro de 2015

    Como 99,9% das vezes acontece, vai sobra para os cofres público, a conta da Passarela trato feito; ou alguém duvida? vergonha.

  • Marcelo diz: 23 de fevereiro de 2015

    Uma vergonha sem precedentes! Além de toda esta exorbitância gasta para se fazer tal ponte na qual sequer passarão carros e motos, o projeto merecia um prêmio pela absurda proporção adotada. Se, de um lado, a cabeceira da ponte avança sobre os prédios, ameaçando algum indivíduo curioso cair dentro dos condomínios mais próximos, do outro lado a situação é ainda pior. Encravada na bucólica pracinha da Barra, o trambolho mais parece uma engenhoca colocada no lugar errado, já que em nada combina com a pitoresca vila. Um dos poucos lugares da cidade que ainda não haviam se rendido aos megalomaníacos arranha-céus, que brotam da imaginação das construtoras locais (com aval das autoridades), agora vai ser obrigado a conviver com tamanho elefante branco, símbolo da alienação e improbidade. Não é preciso ser iniciado em arquitetura ou design para entender que esta obra, além de nada bonita, peca no quesitos funcionalidade, estética e proporcionalidade. Uma lástima para a população que vai de ter de conviver com tamanha prova de mau-gosto e ainda pagar esta estrondosa conta.

Envie seu Comentário