Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
 

"Não sou um deputado da Idade Média", diz Marco Feliciano ao falar sobre política, sexo e religião em Camboriú

02 de maio de 2015 12

 

Foto: Marcos Porto

Foto: Marcos Porto

 

Em meio à imensa lista de pastores que fazem parte do programa do Congresso de Gideões Missionários, em Camboriú, nenhum nome é tão emblemático quanto o do deputado federal Marco Feliciano (PSC). Representante da ala mais conservadora do Congresso Nacional, o pastor que fala à multidão de evangélicos defende posições polêmicas como a redução da maioridade penal, afirma-se contra o casamento homoafetivo e a adoção de crianças por casais do mesmo sexo e se diz representante de uma parte do eleitorado brasileiro que não tem voz “porque trabalha muito”.

Feliciano, que se apresenta neste sábado no palco dos Gideões, com direito a palhinha de seu novo CD (sim, ele também canta), recebeu o blog para uma entrevista exclusiva na quinta-feira, no hotel simples em que ficou hospedado durante o congresso evangélico. Falou sobre política, sexo e religião e admitiu: quer ser presidente do Brasil.

Leia a entrevista completa:

O senhor tem planos de abrir uma sede da Catedral de Avivamento em SC?

Fundei esse ministério há oito anos por uma demanda que faltava no interior de São Paulo. Minha igreja, a Assembleia de Deus, é bem ortodoxa e respeitada, são mais de 100 anos no país. E nos interiores o povo ainda é muito fechado em questão de uso e costumes. Existem lugares em que as mulheres não cortam o cabelo, não passam maquiagem, não colocam calça comprida, os meninos não jogam bola, tem pessoas que não assistem televisão. Essa é uma doutrina antiga da igreja. Eu moro em uma cidade pequena, de 30 mil habitantes. Saio dessa cidade pro mundo, e de repente encontro minha esposa e minhas filhas com dificuldade de entender que, quando vou para os eventos e trago as filmagens, as mulheres são mais bonitas, porque elas se cuidam melhor. Eu tive problemas dentro de casa. Juntamos um grupo de pessoas que pensavam como eu, pedi a benção do meu pastor e fundei  o ministério. Nesses últimos oito anos temos cerca de 15 igrejas pequenas. Foi só pra atender aquele grupo ali. Se eu abrisse as portas, já tive mais de duas mil denominações querendo filiar-se a mim.

Houve resistência?

E muita. Fui chamado de rebelde, de menino de calça curta, de teólogo de botequim. Superamos isso a duras provas, ainda há uma ala muito resistente da igreja, mas quando o assunto é fé, são valores, não mudamos em nada. A doutrina é única. Mas foi bom o embate, até porque as pessoas que me acham extremamente radical vão ver que dentro da nossa igreja eu sou chamado de liberal. Um liberal ponderado, tá? Comedido.

O senhor escreve livros. Tem algum para ser lançado?

Está no prelo um, em que eu falo sobre o poder dos sonhos e como superar as crises. Acho que fui o homem que viveu talvez a maior turbulência política do nosso país e sobrevivi. Dei entrevista para mais de 40 emissoras fora do Brasil acerca do pensamento conservador. Depois de tudo isso, voltar pro parlamento com o dobro de votos é porque aconteceu algum fenômeno. Quero contar isso em livros.

O brasileiro é conservador?

O Brasil, na sua grande maioria, é conservador. Só que é feito de conservadores silenciosos. Talvez falte a eles oportunidade de ter vez e voz porque trabalham muito, porque têm que cuidar da sua família, porque não cuidam da vida dos outros. Como eles não têm tempo, não se envolvem. Mas as urnas provaram isso. Eu, Jair Bolsonaro, Celso Russomano, são três políticos de ala conservadora que tiveram uma votação expressiva. O que falta no país hoje, e eu acho que as pessoas buscam isso, são políticos de posicionamento. O político não pode ser maria-vai-com-as-outras, não pode ficar em cima do muro e chutar com os dois pés, não pode ser um político-prostituto, que se vende. Tem que saber o que quer ser, se um político ou um estadista. O político sacrifica o futuro pelo momento. Eu sempre quis ser estadista.

O senhor tem pretensões de ser presidente?

Que político não tem? Quem fala que não tem é mentiroso.  As eleições de 2014 mostraram um novo quadro, nós temos a maior bancada conservadora da história desde 1964.

Seu eleitorado é o conservador ou o evangélico?

Os dois. Represento aqueles que dizem – eu queria falar o que ele fala, mas não tenho voz. Virei porta-voz da liberdade de expressão, porque desafio qualquer pessoa a provar que sou intolerante, que tenho discurso de ódio ou que tenho feito ameaça a qualquer pessoa.

Por que o senhor é contra a união homoafetiva?

Ser contra ou não é uma questão de foro íntimo. Alguns projetos estão na Câmara dos Deputados há 20 anos e não são votados porque não há consenso. Porque o debate, mesmo sendo polêmico, não há acordo. Todo projeto que não tem acordo não é votado. Nunca passou pela Câmara o assunto da união homoafetiva. O que tá por trás de toda essa luta dos direitos dos homossexuais não é esse pano de fundo de coitadismo, de vitimismo. Isso é uma luta mundial que vem de cima pra baixo, é uma pressão da ONU. A princípio foi aprovada a união estável. Antes disso fui à tribuna e fui profeta: vai se aprovar a união estável, na sequência a união civil, e na sequencia vão querer a união religiosa. E essa começa a ferir direitos. Já acontece isso hoje em boa parte da Europa.

Essa diferenciação entre heterossexuais e homossexuais não vai contra o cristianismo?

Estou falando como deputado. Deputado não pode tocar em assunto de Bíblia.Como deputado meu livro de cabeceira é a Constituição Federal. O artigo 226, parágrafo 3, foi estuprado pela Suprema Corte do nosso país e ninguém fala nada. As pessoas não querem tocar nesse assunto. É um assunto nojento, que você vai debater com um grupo que não tem nada a perder.

Nojento?

Ninguém quer tocar no assunto da sexualidade. Isso é que falei de ser nojento, nada sobre preconceito, mas não é um assunto confortável. Mas tem que ser debatido, os homossexuais existem.  Sentei inúmeras vezes com a Marta Suplicy, que era relatora do projeto que criminalizava a homofobia, e eles são radicais. O texto deles diz que homofobia é preconceito. A pergunta que faço é como você mensura preconceito. Tenho hoje no STF processos só porque eu disse que sou contra o casamento gay.

Se o senhor fala como deputado, os direitos não são iguais perante a Constituição?

Já são garantidos. Mas a Constituição compreende o casamento, porque ele dá direitos, aposentadoria, pensionato, adoção de crianças. Só que o Estado quer alguma coisa em troca, a manutenção dele. Os pais deixam filhos, que deixam netos, que deixam bisnetos. Por isso a Constituição reconhece como união entra homem e mulher. Porque somente essas duas células podem gerar filhos. Dois homens não geram filhos, duas mulheres não geram filhos.

Mas adotam…

Aí partimos pro vitimismo.temos no país uma fila de 30 mil casais heteros esperando pra adotar. Tem cinco mil crianças na fila que não conseguem ser adotadas. Como você vai dar a essas crianças a falta do direito de crescer sem uma visão de um homem e uma mulher dentro de casa pra construção do seu caráter?

E isso é decisivo na construção do caráter de uma criança?

Sempre foi, desde que o mundo é mundo. Querem mudar isso agora. Acontece que eles não querem debater a problemática do assunto. A homossexualidade é um transtorno, não é doença. Até a história da cura gay foi uma maldade criada pela mídia, que são mestres em pinçar palavras e criar subtemas.

O senhor não propôs a cura gay?

Nunca. Não existe cura porque não é doença. É um transtorno, um fenômeno comportamental. A Organização Mundial da Saúde arrancou da categoria de doenças a homossexualidade por pressão do movimento gay internacional, porque ninguém aguenta debater com eles. Mas continua dizendo que é um transtorno. Se é transtorno, tem que ser estudado. Se há uma orientação sexual, pode haver uma desorientação sexual. Como pode haver uma reorientação sexual. Os ex-gays existem. Propus uma audiência e comecei a receber vídeos do Brasil inteiro, de meninos e meninas que casaram, têm filhos, que nunca foram bissexuais.

E o que o senhor vai propor com essa audiência?

Não sei, quero ouvi-los.

A cura gay?

Não existe cura porque não é doença. Se a imprensa soubesse a maldade que fabrica ao falar em cura gay… expõe a gente ao ridículo, como se eu fosse um deputado da idade média, e eu não sou isso. Se me perguntar o que acho da união estável, acho constitucional, duas pessoas constroem um patrimônio juntas, nada mais justo do que terem direitos. Só que o problema é que da união estável vem a união civil. O gayzismo, e não falo de homossexuais, falo de homofascistas, dessa turma que fica na internet criando o ódio. Esse pessoal tem que ser brecado.

O senhor é a favor da redução da maioridade penal?

Em gênero, número e grau. Precisa ser aprovada urgentemente. Não podemos usar outros problemas para evitar que se faça justiça. Os esquerdistas, os esquerdopatas, vão dizer que se diminuir não temos lugar pra colocar. Então que o Estado se vire, que crie condições. O Estado tem uma máquina pública com muito dinheiro, que vem abastecendo falcatruas.

Enquanto religioso, o senhor acredita que a prisão é a solução?

A correção é o melhor caminho.

Tem que ser na prisão?

A pessoa tem que começar a ser punida a partir de uma certa idade. Nosso país é paternalista com os presidiários e com a mão de ferro em cima daqueles que querem fazer justiça, como os policiais. Isso é um pensamento de esquerda. Ontem (na quarta-feira) tivemos aquele problema no Paraná, a polícia como se fosse um monstro da história. Em São Paulo no ano passado mataram mais de 15 policiais e ninguém fala nada. Aí morre um preso, vem a Comissão de Direitos Humanos. A redução da maioridade penal é um clamor das ruas. No Brasil o crime compensa. A pessoa foi presa, tem filhos, a esposa entra no Justiça e o Estado dá o auxílio reclusão.

A esposa tem culpa no crime do marido?

O Estado tem que pagar por isso? E a vítima do cidadão que matou?

O senhor sabe que há prerrogativa legal para que o dinheiro vá para a vítima?

O cidadão matou meu filho, eu sou velho, meu filho cuidava de mim. O Estado não dá uma bolsa pra mim. Mas dá uma bolsa pra esposa do bandido. Então tá tudo virado.

Isso não vai contra o seu discurso como pastor? Contra sua formação cristã?

Não, eu prego sobre o perdão. O pecado é o pecado. A lei da semeadura é cristã também, quem planta colhe. O perdão é incondicional, é liberado, tanto que fazemos trabalhos em presídio, mas deixamos ele (o presidiário) saber que errou. O cidadão que não tem consciência de que errou vai viver continuando a cometer os mesmos crimes.

Essas suas posições causam problema quando o senhor prega em presídios?

Não, o preso brasileiro sabe que nosso país é paternalista.

No ano passado, um pouco antes do Congresso de Gideões, o senhor concedeu uma entrevista polêmica à revista Playboy. Inclusive disse que já cheirou cocaína. Se arrependeu dessa afirmação?

Não, mostrei que Cristo liberta. Foi um recado que mandei pras autoridades, pros governos de esquerda que lutam pra fechar as unidades terapêuticas porque 90% das casas são religiosas e eles dizem que fazem uma lavagem cerebral na pessoa. Desafio o governo a me mostrar uma pessoa que tenha sido curada por outra via que não tenha sido a igreja.

O senhor experimentou ou foi usuário?

Fui usuário por mais de um ano e Jesus me libertou.

Um vídeo que mostra o senhor pedindo a senha do cartão de crédito de um fiel, feito aqui no Congresso de Gideões, viralizou na internet. Isso não é mercantilizar a fé?

A maldade das pessoas não tem limite. Existe mercantilização quando um programa de TV como o Teleton pede pras pessoas mandarem dinheiro pra ajudar uma pessoa, uma criança? Existe mercantilização quando o Criança Esperança deixa os telefones pras pessoas doarem dinheiro? Não. Era um evento missionário, cuidava de mais de mil e trezentas famílias. Os evangélicos sofrem preconceito, não temos ajuda de ninguém. Aquele evento era pra angariar fundos. Uma pessoa, na hora da coleta das ofertas, jogou o cartão lá dentro. Três vezes eu chamei ela pra ir buscar. Li o nome da pessoa três vezes. O processo durou mais de uma hora, só que alguém pega só os últimos minutinhos e coloca pra fazer maldade. E eu fiz uma brincadeira, porque também temos senso de humor. Doar o cartão sem doar a senha não adianta, precisamos é da oferta pra ajudar as crianças. Vai perder sua benção, vai perder o milagre. Tanto é que todo mundo riu.

O senhor fala do preconceito contra os evangélicos, mas fez uma afirmação em relação aos católicos e à adoração de imagens, dizendo que era coisa de satanás?

Isso faz 20 anos. Havia uma rixa entre a igreja católica e a igreja evangélica. O padre falava na missa que os pastores são heréticos, são lobos travestidos de ovelhas, doutrinas de demônios, de enganadores. Eles atacavam nossa fé e a gente revidava. Só que revidava dentro da igreja, dentro de um culto. As pessoas pegam a fita, cortam um pedacinho e colocam como se fosse hoje, isso é maldade. Hoje eu não falaria, até porque caminhamos juntos. A bancada evangélica e a bancada católica caminham juntas.

 

Comente e compartilhe

comentários

Comentários (12)

  • Monique diz: 2 de maio de 2015

    Quanto absurdo, desrespeito, intolerancia, supremacia… Um mau exemplo! Faltam líderes gererosos, tolerantes, altruístas, que saibam a valiosidade do todo e não somente das somas das partes. Faltam líderes que representem, respeitem, governem e lutem pelos direitos TODOS os cidadãos de bem, e não somente de parte da populacao que se acha acima do bem e do mal.

  • Flávio Borges diz: 2 de maio de 2015

    Eu concordo com o pastor, o Congresso Nacional é o mais conservador desde 1964. O pastor é o maior representante desta bancada reacionária, que deveria ser estirpada do país…que se aproveita da ingenuidade dos humildes para enriquecer suas contas bancárias…haja visto investigações do ministério público a esses representantes de igrejas evangélicas. O país deve ser laico e não uma teocracia fundamentalista.

  • Flavio diz: 2 de maio de 2015

    Pastor com opinião polêmica? onde? o que ele diz é o que eu, minha família, meus amigos, colegas de trabalho acreditam, e nenhum, mas nenhum é da seita dele.

    Ué, polêmico não seria defender casamento para dois homens? polêmico não é uma mulher tomar hormonio, cortar partes do corpo e se vestir igual a um macho? polêmico não é o Estado dar dinheiro do INSS para familia de bandido enquanto velhinhos que contribuiram a vida toda perdem 35% do salário ao se aposentar?

  • Flavio diz: 2 de maio de 2015

    Pastor com opinião polêmica? onde? o que ele diz é o que eu, minha família, meus amigos, colegas de trabalho acreditam, e nenhum, mas nenhum é da seita dele.
    Ué, polêmico não seria defender casamento para dois homens? polêmico não é uma mulher tomar hormonio, cortar partes do corpo e se vestir igual a um macho? polêmico não é o Estado dar dinheiro do INSS para familia de bandido enquanto velhinhos que contribuiram a vida toda perdem 35% do salário ao se aposentar?

  • Renato diz: 2 de maio de 2015

    Referente a seguinte pergunta do repórter: “Essa diferenciação entre heterossexuais e homossexuais não vai contra o cristianismo?”, o entrevistado, como Pastor, deveria ter-se se posicionado no sentido que a Bíblia, como norma de Deus, veda categoricamente o relacionamento homossexual. Deus criou homem e mulher!…
    A Lei de Deus, Este como detentor da vida e da morte, está acima de qualquer legislação humana.

  • waltencir diz: 2 de maio de 2015

    políticos envolvidos com religião, são a escória da escória, o lixo dos lixos, estes desmiolados querem trazer para o brasil a idade das trevas, já não basta tanto problemas que temos, ainda mais isso? quem pode deveria ir embora deste país.

  • Carla diz: 2 de maio de 2015

    Para Flavio: você, sua família e seus amigos devem ser “as pessoas mais perfeitas” do mundo, devem ser daquelas pessoas que acham que não tem defeitos, que são os melhores que os outros, que defeito quem tem são os outros, tipo moralistas, que muitas vezes são “piores” que esses que vocês julgam. você tem filhos, não julgue os outros, porque um dia essas atitudes que você acha errada podem ser cometidas pelos seus filhos, e daí como vai ser? respeite, tolere.

  • Diego diz: 2 de maio de 2015

    Engraçado, tem gente que condena o pastor mas vive falando mau de homossexual no seu dia-a-dia (local de trabalho, etc..). Eu tenho minhas divergencias sobre algumas ideias do Feliciano. mas dou meus parabéns a ele por dar a cara p/ bater em meio a uma mídia tão opressiva em favor dos milionários homossexuais que querem fazer uma lavagem cerebral no povo(vide novelas). Daqui a pouco o pedófilo terá seus próprios direitos..pensem nisso, pensem como familia, pensem nos seus filhos e filhas.
    Brasil, se nosso país se considera um pais temente a Deus, devemos ouvir o que Sua palavra diz Rm 1:27-28 – Deus ama o pecador mas odeia o pecado.

  • Paulo diz: 2 de maio de 2015

    Ridículo. Não é (não deveria ser) da alçada dele o que duas pessoas adultas fazem de comum acordo e não afeta mais ninguém. Evangélicos tem que entender que a fé deles se restringem A ELES, e que não se deve empurrar isso para mais ninguém. A gente vive em um país que amor dá polêmica. Chega a ser macabro pensar que a vida de pessoas está sendo discutida por esse tipo de gentinha, que quer impôr mandamentos desse livro anacrônico em pessoas que de fato não acreditam nessa baboseira.

  • Rodrigo Araújo diz: 3 de maio de 2015

    Caro Sr. Waltencir… É correto o Estado ser laico, mas o seu comentário é ridículo, por pior que existam algumas “seitas” (essas sim são um problema), podes ter certeza que a humanidade não está pior graças a religião, sem religião o que está ruim poderia ser muitoooo pior, quem não enxerga isso é cego.

  • Márcia diz: 4 de maio de 2015

    Parabéns Deputado, não votei no senhor, nem costumo apoiar a bancada conservadora, entretanto nunca vi opiniões tao bem dispostas quanto as suas. Concordo realmente com o senhor que a intolerância por parte dos grupos que defendem os direitos dos homossexuais praticamente impede qualquer tipo de argumentação, definhando o debate.

  • Fé nos novos tempos: Máquinas de cartão recolhem doações em congresso evangélico em Camboriú | Guarda-sol diz: 5 de maio de 2015

    […] semana passada, em entrevista exclusiva ao Grupo RBS, ele explicou o ocorrido e disse que estava […]

Envie seu Comentário