Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
 

CDL emite nota de repúdio contra igreja católica que alugou calçada para camelôs

05 de maio de 2015 8
Foto: Marcos Porto

Foto: Marcos Porto

 

O Congresso dos Gideões Missionários, em Camboriú, terminou nesta segunda-feira à noite mas deixou um rastro de polêmica envolvendo a igreja matriz da cidade e a Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL). A igreja católica “alugou” a calçada do templo para ambulantes durante o evento evangélico, o que provocou a ira dos comerciantes locais.

A CDL emitiu nota de repúdio em que classifica a atitude da igreja como “ganância” e reclama que a matriz deveria zelar pela proteção dos comerciantes locais já que recorre a eles em períodos de festas católicas “pedindo brindes”.

::: Fé nos novos tempos: Ofertas no cartão de crédito no Encontro de Gideões

Além de prejudicar o comércio, a CDL afirma que a multiplicação das barraquinhas pela cidade (em área pública, diga-se de passagem) afeta o direito de ir e vir, especialmente dos portadores de necessidades especiais.

_ Estamos brigando pelo correto _ diz o presidente da CDL, Eriberto Rocha.

Padre Márcio, pároco da igreja matriz de Camboriú, não foi localizado na manhã desta terça-feira para comentar o caso.

Leia a nota da CDL:

“A Câmara de Dirigentes Lojistas de Camboriú vem a público informar que repudia a ação da Igreja Católica da cidade, que prega o correto e, visando lucro, aluga espaço público com a autorização da prefeitura e conivência da Câmara de Vereadores, durante o encontro evangélico dos Gideões Missionários da Última Hora. Por pura ganância ocupam esses espaços públicos, prejudicando o comércio local, cadeirantes e pessoas portadoras de necessidades especiais, visto que grande parte das barracas alugadas estão obstruindo a guia de deficiente visual.

A CDL de Camboriú reforça que em momento algum posiciona-se contra o Encontro Religioso dos Gideões Mmissionários, que abre divisas ao município, mas não pode compactuar com o erro e com o que fere a lei e o bom senso, prejudicando a comunidade e os lojistas pois, além da obstrução ao passeio público, o amplo comércio que forma-se nesses 10 dias de festa prejudica covardemente o comércio local, que arca com pesados impostos e dá emprego à população o ano todo.

É lamentável vermos que a mesma Igreja Católica que, por ganância, repetimos, prejudica toda a comunidade e o comercio local alugando espaço público; em período de suas festas USA o comércio da cidade pedindo brindes. O papel da igreja deveria ser de proteger e zelar pelo comércio local, que sempre ajudou e não alugar espaço público para comerciantes, de forma desleal.

A CDL acredita que em 2016 vai ser diferente, pois se continuarmos nesse ritmo iremos alugar as calçadas das nossas lojas e casas, e as pessoas terão que caminhar no meio da rua. Esperamos que esse erro não se repita mais, pois devemos dar bons exemplos”.

 

Comente e compartilhe

comentários

Comentários (8)

  • Fé nos novos tempos: Máquinas de cartão recolhem doações em congresso evangélico em Camboriú | Guarda-sol diz: 5 de maio de 2015

    […] […]

  • claudio tanaka diz: 5 de maio de 2015

    Nos tempos de Jesus, o Mestre expulsou o comércio de ofertas sacrificais de dentro do templo. Algo que a ‘igreja’ já fazia, desde aquele tempo, transformando em covis de serpente, gananciosos e inescrupulosos. Ao invés de ensinar o evangelho, as boas novas de Cristo, tenta ganhar dinheiro. Nada mudou. Palavras e frases para a época ainda servem para hoje. Por isso o Reino de Deus esta próximo. Vide o Sr. ex-padre Fábio de Melo. Tentando ensinar o correto e os católicos fervorosos revoltados com suas falas sobre mariologia.

  • Carlos diz: 5 de maio de 2015

    Como disse Henry Ford: ” O dinheiro não transforma as pessoas, apenas as revela.”

  • Jonas Glauco Santos diz: 5 de maio de 2015

    Moradores sempre locaram as calçadas, terrenos baldios, garagens, casas e até banheiros, a maioria dos comerciantes filiados ao CDL (principalmente os do centro) desmontam e desativam suas lojas temporariamente, para locar as salas comerciais para os gideões e até os bancos (HSBC e Banco do Brasil) disponibilizam suas calçadas nesta época. O CDL nunca reclamou nos anos anteriores por quê ?

  • Edson M. Lessa diz: 6 de maio de 2015

    É… Faltou um Jesus corajoso, para expulsar do templo, esses comerciadores. E, se tivesse, esse não seria crucificado. Seria eleito deputado federal.

  • Indignada diz: 6 de maio de 2015

    Acho engraçado… todo mundo pode lucrar com o Gideões, e porque a Igreja católica não pode??? A igreja evangélica arrecada milhões com este evento!!! No entanto é bom lembrar que não foi só a igreja católica que alugou as calçadas, pois eu fui e vi que tudo estava alugado, foram : lojas, calçadas e até o meio da rua alugaram… uma sujeira, um fedor e o maior transtorno para nós moradores que sofremos com o transito, e até com a simples tarefa de ir a mercado… gente VAMOS ORGANIZAR ISSO!!! Chega de Gideões no meio da cidade!!!

  • Crítico diz: 6 de maio de 2015

    No meu entender, a Igreja Católica, que é atacada pelos crentes como adoradora de estátuas, não deveria, por uma questão moral e ética, auferir qualquer tipo de vantagem ou lucro em cima dos crentes. Ao fazer, isso, desceu ao nível deles.

  • james diz: 16 de maio de 2015

    Vamos construir um centro de eventos de 300 milhões de Reais…..

Envie seu Comentário