Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
 

"A cabotagem ainda é incipiente, mas vai acontecer", diz Valério Gomes

11 de maio de 2015 1
Foto: Alvarelio Kurossu

Foto: Alvarelio Kurossu

 

Valério Gomes é um homem de negócios versátil. O empresário, vencedor do prêmio Personalidade de Vendas ADVB 2015, comanda a Multilog, em Itajaí, e o empreendimento Pedras Brancas, em Palhoça. Nesta entrevista, falou sobre suas perspectivas no setor logístico.

Em que mercados atua a Multilog?
Estados Unidos, Alemanha e China, são responsáveis por 90% dos nossos negócios. Estou me preparando para ir à Coreia do Sul, de onde vêm marcas como Hyundai, Kia, Samsung, LG. É nosso mercado de interesse.

A abertura de uma unidade em Joinville causou preocupação no setor em Itajaí. A empresa está tomando outro caminho?
Existem oportunidades para os para os dois portos. Itajaí é hoje o maior movimentador de contêineres, mas Itapoá vem crescendo e ocupando posição. É um divisor de águas e há espaço para todos no futuro. Imbituba também, vai ser o 4º em movimento de contêineres. É inexorável que os três endereços, Itajaí, Baía da Babitonga e Imbituba, componham o complexo catarinense.

Há infraestrutura para esse desenvolvimento?
Uma das grandes discussões é a ferrovia. A infraestrutura é a grande demanda de todos nós.

E a bacia de evolução?
Tivemos dois grandes eventos em Itajaí, um deles a assinatura da ordem de serviço da Bacia de Evolução e outro a Volvo Ocean Race. Itajaí se configura como polo náutico do Brasil, além de economia o rio também pode proporcionar lazer com a marina, com a Volvo. Tenho o sonho de fazer uma marina em Florianópolis, assim como a de Itajaí.

Quais os projetos para Itajaí?
Estamos trazendo o entreposto fiscal da Zona Franca de Manaus para Itajaí junto com a Komlog, e isso deve nos trazer um bom momento. A cabotagem ainda é incipiente, mas com o Litoral que o país tem, ela vai acontecer. Não tem sentido levar uma carga de Santa Catarina para o Nordeste por via rodoviária, tem que ser num contêiner, usando a cabotagem. Itajaí continua sendo a nossa matriz. É o nosso grande complexo de logística.

Comente e compartilhe

comentários

Comentários (1)

  • Schell diz: 11 de maio de 2015

    Fiquei inseguro: ele é um homem versátil de negócios, ou um homem de negócios versáteis? Considerando-se que fica difícil conceituar “negócios versáteis (e não, versátil), creio ser melhor a primeira opção. Abraços.

Envie seu Comentário