Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
 

Pacotão de cortes promete economizar R$ 13 milhões na prefeitura de Itajaí

25 de agosto de 2015 2
Foto: Maikeli Alves

Foto: Maikeli Alves

 

Em meio a uma coletiva de imprensa tensa, realizada enquanto o Gaeco fazia busca por provas dentro da prefeitura, o prefeito Jandir Bellini (PP) anunciou ontem as medidas que serão tomadas a partir de setembro para reduzir os custos do município. Até o fim do ano, a intenção é economizar cerca de R$ 13,3 milhões – uma média de quase R$ 4 milhões por mês.

A medida de maior reflexo no orçamento será a renegociação de contratos de prestação de serviços, estimada em R$ 1,25 milhão por mês. Mas a que mais terá impacto será a dispensa de cerca de cem comissionados, o equivalente a 20% do total. Jandir classificou o pacote de exonerações como um “calo”, entendendo que deve ser essa a mais impopular das ações de contenção.

Só as demissões renderão uma economia de R$ 2,4 milhões por mês – valor idêntico à estimativa de economia com a implantação de turno único. A partir de setembro os servidores (com exceção dos que atuam em serviços estaduais) trabalharão das 13h às 19h, sem redução de salários. De acordo com as contas feitas pela prefeitura, a redução no consumo de energia elétrica, telefone, combustível, material de consumo e vale alimentação deve render R$ 600 mil por mês de economia.

O prefeito confirmou a redução de 30% no salário – de R$ 28,3 mil, vai passar a receber R$ 19,8 mil. Os comissionados que ficarem também terão desconto de 10% ou 20% nos vencimentos, dependendo da função. Uma economia de R$ 480 mil por mês. Também entrou na lista da economia o corte de 50% nas gratificações por função, devolução de celulares funcionais (será mantido apenas um por Secretaria), e revogação do decreto que autorizava ressarcimento para servidor que usasse carro particular em serviços de fiscalização.

Por fim, foi cortado de 59 para 28 o número de veículos alugados pela prefeitura – inclusive os carros a serviço do prefeito e da vice-prefeita, que serão devolvidos.

O motivo

Itajaí perdeu 5% de receita no primeiro semestre. Mas apesar da queda nos repasses de impostos federais e estaduais, conseguiu equilibrar as contas nos últimos meses, com um pequeno crescimento de 1%.  Ontem, o prefeito disse que a decisão de fazer os cortes neste momento foi porque os custos não param de crescer. O orçamento da prefeitura para este ano é de R$ 1 bilhão.

A prefeitura vai instituir um programa de recuperação fiscal como parte da segunda etapa do plano de economia. O município tem R$ 250 milhões a receber.

O corte de custos em Itajaí ocorre apenas três meses após a prefeitura ter cedido à pressão dos servidores e reajustado os salários em 10% – o aumento foi em duas parcelas e a segunda, de 5%, começa a valer em novembro. O fato é que o reajuste, que acabou com a greve dos servidores, se transformou em um tiro no pé para o prefeito.

Ontem, Jandir não quis falar em arrependimento, mas disse que já havia alertado o sindicato dos servidores de que a política salarial poderia tornar Itajaí “ingovernável”. Mas estimava que isso ocorresse nos próximos anos.

Hoje a folha de pagamento da prefeitura é de R$ 33 milhões. Mas as incorporações – as chamadas promoções horizontais – elevam em 1% o custo todo mês, o que equivale a 12% em um ano.

Comente e compartilhe

comentários

Comentários (2)

  • Jackson diz: 25 de agosto de 2015

    vamos lembrar, uma determinação judicial para reduzir os comissionados !

  • thiago da silva diz: 25 de agosto de 2015

    Como é que é?!! Dizer que a culpa da Prefeitura está no vermelho foi o aumento de 10% dado aos servidores em 2 parcelas?? É piada ne?! Tanta corrupção estourando, dinheiro vazando pra todo lado, a administração cheia de cargos comissionados e a culpa é do aumento salarial dos servidores?! kkkk Melhor escutar isso que ser surdo !!

Envie seu Comentário