Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
 

Moradores denunciam que Costeira de Zimbros pode ser ocupada em Bombinhas

21 de setembro de 2015 8
Foto: Patrick Rodrigues, Arquivo

Foto: Patrick Rodrigues, Arquivo

 

Depois de ter sido pivô da discussão sobre abertura de uma estrada em área de preservação, a Costeira de Zimbros volta a ser alvo de uma polêmica ambiental.

Moradores denunciam que a área, que inclui quatro praias, ribeirões e cachoeiras circundados por Mata Atlântica pode ter autorização para construções, que a transformariam, segundo informações da comunidade, em um bairro nas dimensões de Mariscal e Canto Grande.

A permissão seria fruto da conclusão do plano de manejo da área, que é considerada de Relevante Interesse Ecológico ( ARIE). Moradores lançaram um abaixo-assinado para tentar impedir a ocupação.

Construções em áreas que deveriam ser protegidas em nosso litoral são uma constante. Fruto de políticas públicas retrógradas e de curto prazo, que desconsideram, inclusive, que a vocação turística da região vem das belezas naturais preservadas.

Em Bombinhas, que instituiu um pedágio pra proteger o meio ambiente, um possível movimento como esse ganha dimensão ainda maior.
Não se espera da administração pública menos do que um absoluto respeito à natureza que se propôs a preservar.

Comente e compartilhe

comentários

Comentários (8)

  • Silvério diz: 21 de setembro de 2015

    Não adiante, no final da história, o dinheiro vai falar mais alto…

  • Manoela diz: 21 de setembro de 2015

    Isso que cobram uma TPA (Taxa de Preservação Ambiental) pra “preservar” as praias, e aí agora querem verticalizar as poucas áreas que ainda tem relativa proteção. Absurdo.

  • fer diz: 21 de setembro de 2015

    parabens srta! um artigo com vossa opinião defendendo os interesses da população e não dos patrocinadores. continue neste caminho que a população a natureza e o futuro lhe darão muito mais que $.

  • Renato diz: 22 de setembro de 2015

    Brasileiro tem mania de achar que qualquer empreendimento vai acabar com o mundo, meio ambiente etc etc. Recentemente fui para África do Sul… Vi hotéis, restaurantes, construções em locais que poderiam ser impensáveis aqui no Brasil. Pode sim se investir em turismo aproveitando áreas de preservação. O que falta é educação e respeito. No caribe, nas ilhas do mediterrâneo, pacífico sul chega-se a construir hoteis no meio do mar, em encostas etc etc e não é por isso que destroem toda a natureza, pelo contrário, atraem cada vem um número maior de turistas.

  • Claudio diz: 22 de setembro de 2015

    Realmente nesses lugares(Africa do Sul, pacifico sul, polinesia francesa) a natureza e os empreendimentos hoteleiros convivem harmoniosamente. Porém especificamente no zimbro(Brasil) isso nao pode acontecer, por algumas razões:
    - Área de mata atlantica(restam apenas 8,5% da vegetação original) – Devem ser preservadas ao máximo.
    - Corrupção( aprovação de lincenças,de forma duvidosa, sem o devido estudo de impacto, por orgãos independentes, exigencias ambientais não respeitadas, etc)
    - Projetos executados, diferentes dos projetos originais aprovados.
    Situações que só acontecem nesse país.

  • Celso diz: 22 de setembro de 2015

    Sr. Renato! Nós não somos a África do Sul, EUA, Europa ou qualquer outro país que vc tem como exemplo. NÓS SOMOS O BRASIL!
    PRECISAMOS PRESERVAR NOSSO LITORAL DOS EXPLORADORES IMOBILIÁRIOS!
    NOSSO LITORAL ESTÁ SENDO DESTRUÍDO!
    PARABÉNS A COMUNIDADE DO ZIMBROS QUE SE ORGANIZA PARA IMPEDIR MAIS UMA DESTRUIÇÃO DO NOSSO AMADO LITORAL.
    E NÃO COMPAREM O BRASIL COM QUALQUER OUTRO PAÍS!
    VIVA A BELEZA NATURAL DO NOSSO LITORAL!
    VIVA O BRASIL!

  • fer diz: 22 de setembro de 2015

    Renato, desculpe, mas sua ideia desenvolvimentista está equivocada e atrasada. Se os outros fazem não é por isso que devemos copiar. Essa ideia de “progresso” a base de concreto nos custou e ainda custa toda a mudança climática em andamento e lembre-se que resta menos de 5% da área de floresta atlântica e que se acabarmos com a mata próxima ao litoral mangues corais e etc. a perda de ecossistemas é lastimável. Deve-se pensar , neste caso, de faixa costeira, que além da floresta da terra ha todo um ecossistema oceânico que deve ser preservado. Sugiro a vc repensar e fazer leituras atuais sobre desmatamento e o abuso do ecossistema oceânico que como não é visto não é muito lembrado, mas que também está recebendo uma carga enorme de destruição. Eu indico para você e a todoas os leitores o livro “A queda do céu” de David Kopenawa e artigos e relatórios publicados pelo Instituto sócio Ambiental ISA http://www.socioambiental.org/pt-br Também discordo que resorts e coisas assim atraiam turistas, acho que o turismo relacionado ao meio ambiente é muito mais viável por envolver toda a comunidade e gerar lucro a todos e não somente a um só dono de hotel, pois assim pode-se ter guias de trilhas, passeios pelo mar onde existirá animais marinhos para observação, agua própria, relação com a comunidade tradicional etc etc. Vide o número de turistas que a amazonia e o pantanal recebem. Essa mentira que pode-se destruir e não dá nada é repetida tantas vezes que pode virar uma verdade falaciosa e criminosa para encher os bolsos de poucos.

  • RAGE diz: 22 de setembro de 2015

    Sim renato deixa construir um hotel de 30 andares na na ilha das galés, ou poderiam construir um mar adentro em mariscal, ia ficar lindo, combinando com o meio ambiente e contexto praiano!! Aberrações existem em qualquer país, seja e aos 7 mares, pois existe $$ em todos os lugares e ganância!! A questão não é esse empreendimento ou aquele, mas sim o legado que ele deixa!! Eu prefiro 10 mil hectares de mata intocada com cachoeiras e praias inabitadas do que 10 mil hectares com casas, esgoto, ruas, carros, asfalto… o termo area de preservação é claro: é pra preservar caramba!! Agora se esse termo deve ter outra definição, então puxa a corda que eu quero descer, por que sinceramente essa raça “humana” realmente não deu certo…

Envie seu Comentário