Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
 

Associação Empresarial de Itajaí, OAB e Centro Lojas lançam nota de repúdio à corrupção

02 de outubro de 2015 1

A Associação Empresarial de Itajaí (ACII), a OAB e a Centro Lojas Itajaí lançaram uma nota pública de repúdio contra atos de corrupção na cidade. O manifesto ocorreapós o município ter sido alvo de três operações coordenadas pelo Grupo de Atuação Especial de Combate à Corrupção (Gaeco) em dois meses, e na semana em que o ex-secretário de Habitação Sadi Pires (PMDB), detido da Operação Dupla Face, assumiu vaga no Legislativo _ mesmo sem apoio do partido e sob protesto dos colegas de plenário.

Sem citar nomes, a nota diz que “ao mesmo tempo em que respeitamos as leis e a concessão ao direito da ampla defesa, não podemos comungar, de forma absoluta e veemente, com atitudes que esbarram frontalmente com a moralidade, de assunção a cargo legislativo de agentes do poder público que se encontra em débito com a justiça, seja ela em que âmbito for”.

E completa: “Qualquer assunção a cargo legislativo, contrário a isso, pode até ser legal, mas é diametricamente imoral, e Itajaí não pode estar à mercê de atitudes desse quilate”.

As entidades também apontam para o que chama de “avalanche de prisões” de agentes públicos e empresários e criticam o envolvimento de vereadores em ações “diversas das que deveriam seguir como representantes da população”.

Menos vereadores

O texto lembra ainda que as entidades de classe de Itajaí foram “radicalmente contra” o aumento de 12 para 21 cadeiras no Legislativo. Hoje a mudança é alvo de tentativas de alteração na lei para reduzir a quantidade de vagas na Câmara. Para as associações, o aumento ocorreu “à revelia dos eleitores”.

Por fim, a nota expressa a necessidade de moralização no Executivo e no Legislativo de Itajaí como medida para retomar a credibilidade pública.

Leia a nota na íntegra:

“Itajaí é um município que, além de liderar o ranking das cidades com relação ao PIB do estado de Santa Catarina, tem sido homenageada e premiada por ser uma cidade de porte médio, com melhor qualidade de vida para se morar e trabalhar, como foi eleita recentemente pela Revista Isto É.
Num passado não muito distante, um ato da Câmara de Vereadores de Itajaí elevou a quantidade de Vereadores daquela “Casa do Povo”. A sociedade organizada e as Entidades de Classe, na ocasião, foram radicalmente contra aquela atitude, mas com toda a contrariedade da sociedade civil organizada, os Vereadores daquela legislatura, á revelia dos seus eleitores, elevaram o número de vereadores de 12 para 21.
Hoje, muitos daqueles que votaram a favor na ocasião, se mostram arrependidos de ter aprovado, pois ficou mais do que provado que apenas foi aumentada a quantidade, mas não a qualidade.
A nossa querida Itajaí foi surpreendida recentemente por uma avalanche de prisões de pessoas influentes nos meios políticos/administrativos, no que tange ao serviço público, bem como o envolvimento de representantes do povo (vereadores), por atitudes diversas das que deveriam seguir como agentes públicos e representantes da população.
Nos parece (sic) que as autoridades judiciárias encontraram provas mais que suficientes para processar operações, que resultaram nessas prisões. Sem entrar no mérito de cada uma das acusações, pois esse não é o nosso papel, mas sim das autoridades constituídas, viemos a público, através desse expediente, repudiar todo e qualquer ato de conduta ilícita, seja de agentes do serviço público ou de políticos no exercício de seu mandato ou fora dele, para obter vantagens pessoais, enriquecimentos através de desvios de verbas públicas, se locupletando de cargos obtendo e concedendo vantagens.
De igual modo, ao mesmo tempo em que respeitamos as leis e a concessão ao direito da ampla defesa, não podemos comungar, de forma absoluta e veemente, com atitudes que esbarram frontalmente com a moralidade, de assunção a cargo legislativo de agentes do poder público que se encontra em débito com a justiça, seja ela em que âmbito for, tendo sido denunciados em processos judiciais, e até punidos com prisões carcerárias, sem que sejam absolvidos de seus atos suspeitos. Qualquer assunção a cargo legislativo, contrário a isso, pode até ser legal, mas é diametricamente imoral, e Itajaí não pode estar à mercê de atitudes desse quilate.
Desta forma, esperamos que atitudes de moralidade e civismo sejam tomadas por aqueles que compõem o poder público de Itajaí, seja no Executivo seja no Legislativo, para expurgar todo o ato de corrupção, e que a credibilidade seja retomada em todas as esferas da área pública da nossa querida Itajaí”.

Assinam esta Nota:

Associação Empresarial de Itajaí
Centro Lojas Itajaí

Comente e compartilhe

comentários

Comentários (1)

  • Jackson diz: 5 de outubro de 2015

    reduzir o número de vereadores soa como “golpe” uma vez que o repasse de verbas do executivo para legislativo continuará sendo o mesmo, porque não cobrar a redução de cargos comissionados ? ou esta barganha de vereador ocupar secretarias ? se foi eleito vereador para fiscalizar, não pode estar no executivo

Envie seu Comentário