Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
 

Posts do dia 1 dezembro 2015

Câmara de Itajaí determina perda de mandato do vereador Zé Ferreira

01 de dezembro de 2015 4

foto: Davi Spuldaro, Divulgação CVI

A mesa diretora da Câmara de Vereadores de Itajaí decidiu nesta terça-feira cassar o mandato do vereador Zé Alvercino Ferreira (PP). A determinação foi lida no início da sessão e o presidente da Casa, Luiz Carlos Pissetti (DEM), interrompeu os trabalhos para dar posse ao suplente, Calinho Mecânico.

A justificativa foi feita com base no regimento interno do Legislativo, que determina tempo máximo de licença de 120 dias. O documento, assinado por todos os membros da mesa, define a perda de mandato retroativa, a partir de 15 de novembro.
O documento determina a intimação de Zé Ferreira e seu procurador, e também envio à Justiça.

Zé não chegou a comparecer à sessão nesta terça.

Os advogados do  agora ex-vereador afirmaram que vão entrar com mandato de segurança para tentar reconduzi-lo ao cargo. O pedido deve ser protocolado amanhã e eles não esperam que o assunto seja analisado ainda nessa semana.

— Vamos tomar as medidas legais para reverter isso pois a contagem de prazo (dos 121 dias) foi errada. Foi uma decisão meramente política — disse o advogado Celso Almeida da Silva.

Ação para que mais investigados deixem a Casa

 

Ontem a vereadora Anna Carolina Martins (PSDB) apresentou um documento ao Ministério Público Estadual pedindo que os quatro vereadores investigados nas operações Dupla Face sejam afastados e tenham a função pública suspensa, mesmo antes de irem a julgamento. O principal motivo é a falta de produtividade, devido às paralisações sucessivas das sessões.

 

Anna usou como base uma decisão de um juiz da cidade de Presidente Epitácio (SP), que afastou vereadores alegando que esse tipo de medida não afronta a presunção legal de inocência. Além de Zé, o pedido também é endereçado a Douglas Cristino (PSD), Afonso Arruda (PMDB) e Laudelino Lamim (PMDB), que têm posições em algumas das principais comissões do Legislativo.

 

Faixa e protestos no plenário

 

Com menos público do que nas sessões da semana passada, a reunião da Câmara ainda registrou manifestações ontem. Uma faixa que dizia “Bandido bom é fora da Câmara” foi pendurada e houve comemoração _ e vaias _ durante a confirmação da perda de mandato e também no discurso de posse de Calinho Mecânico. O suplente, inclusive, responde a processo na Comissão de Ética da Casa por ter empregado o cunhado como assessor parlamentar. O relatório da comissão, que sugere a suspensão do parlamentar por duas sessões, será editado em um projeto de decreto legislativo para ser discutido em plenário por todos os vereadores em sessão extraordinária a ser marcada.

 

A segurança reforçada devido às manifestações contra o vereador Zé Ferreira custou caro ao Legislativo de Itajaí. A Câmara já teve que investir mais de R$ 4 mil nas últimas sessões (incluindo a de ontem à noite) para pagar seguranças extras à empresa prestadora de serviço, incluindo 10 agentes a mais e o uso de detectores de metal.

 

Prefeitura de Itapema emite nota oficial sobre operação que levou vice à prisão

01 de dezembro de 2015 1

A prefeitura de Itapema emitiu, nesta terça-feira à tarde, uma nota oficial sobre a Operação Garoupa, deflagrada de manhã pelo Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco). No texto, nenhuma menção à prisão do vice-prefeito, Gilliard Reis (PMDB). A prefeitura afirma apenas que está auxiliando as investigações e colaborando com o que é solicitada.

Confira:

 

O Município de Itapema recebeu na manhã desta terça-feira (01/12), a visita do Grupo de Atuação Especial ao Crime Organizado (GAECO). O Grupo cumpriu mandatos de busca e apreensão de documentos em empresas da cidade e no gabinete do vice-prefeito.

No mesmo instante a administração municipal colocou servidores a disposição dos policiais e toda a documentação solicitada foi disponibilizada de imediato. Também foram feitas coletadas de documentos no Setor de Protocolo e na Secretaria de Planejamento Urbano.

Segundo o Gaeco também foram realizadas 11 prisões preventivas, 30 mandados de busca e apreensão e sequestro de bens, além de 10 mandados de condução coercitiva e outras medidas cautelares. Nenhum nome de envolvido foi confirmado pelo Gaeco que segue com a operação.

 

Vice-prefeito de Itapema é preso em operação do Gaeco

01 de dezembro de 2015 4

Uma operação do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) levou à prisão, na manhã desta terça-feira, o vice-prefeito de Itapema, Gilliard Reis (PMDB). Estão sendo cumpridos ao todo 11 mandados de prisão preventiva, 10 de Itapema e 1 em Balneário Camboriú.

A maior parte dos alvos são agentes particulares, possivelmente empresários.

Segundo informações preliminares, a operação tem como foco crimes relacionados à construção civil em Itapema.

Vereador Zé Ferreira admite possibilidade de renúncia em entrevista

01 de dezembro de 2015 0
Foto: Lucas Correia

Foto: Lucas Correia

Envolto em polêmica após o retorno conturbado à Câmara de Vereadores de Itajaí, e prestes a subir no plenário pela segunda vez desde que deixou a prisão, o vereador José Alvercino Ferreira ( PP) não se importa em tratar dos assuntos espinhosos que pautaram a Operação Parada Obrigatória, responsável por mantê-lo por quatro meses atrás das grades.

Em entrevista exclusiva ao blog, Zé admite ter usado de influência para “ ajudar as pessoas” e garante inocência em relação à venda de motocicletas apreendidas que estavam depositadas no pátio da prefeitura. Comenta a polêmica frase “bandido bom é bandido morto” e diz que não falaria isso novamente.

Pela primeira vez admite a possibilidade de renúncia, mas garante: não deixará o posto até que seja condenado em última instância.
Na CPI da Codetran algo que se repete é que você teria influência no órgão de trânsito mesmo fora do comando. Como explica isso?
Se uma ligação para conversar e para pedir alguma ajuda para um amigo, se ligar pra um órgão público pedindo que agilizasse um alvará, se isso for ter influência, então não sou só eu que tenho. A grande maioria que trabalha em administração pública, que é político, tem.
Estou sendo acusado de advocacia administrativa, que é esse tipo de trabalho. Se isso for ter influência, então eu tinha.

Foram liberados veículos do pátio irregularmente a teu pedido?
Não tinha como eu liberar o veículo. Eu ligava para o funcionário, que por sua vez ligava para o dono do pátio e quem liberava ou não era ele. Eu não tinha essa condição.

Mas reconhece que pediu?
Pedi sim, está lá nas ligações. Mas sempre fui muito direto, ( pedia pra) ver se o veículo tá em dia, se não tem problema de liberação.
Alguns não foram liberados porque tinham problema.

Por que houve mudança no que as testemunhas disseram no decorrer do processo?
Eu não tive influência, porque estava encarcerado. Duas testemunhas haviam sido coagidas financeiramente pra me acusar. Uma não aceitou e outra diz que se arrependeu. As pessoas acabam tendo que falar a verdade.

Por que alguém teria interesse em te acusar?
O delator tinha que contar e depois provar o que contou. Estamos pedindo que seja revista essa delação porque está sendo provado que não havia envolvimento meu com as motocicletas.

O senhor voltou à Câmara aplaudindo, e isso provocou os manifestantes. Acha que esse comportamento foi adequado?
Esse tempo na prisão também faz refletir, pensar que às vezes eu falava demais, poderia ter outra postura Eu estava de frente, no meu lado direito estava o meu pessoal e no lado esquerdo o pessoal que está em todas as manifestações. Que não gosta de mim, ou que são candidatos a vereadores e estão se aproveitando da situação. Quando dei tchau e mandei beijo, mandei pro meu pessoal, agradecendo principalmente a minha família, que não me abandonou em momento algum. Se eu imaginasse que as pessoas achariam que era uma afronta, eu não teria feito.

 

 

Há dois processos pedindo a sua cassação. Você vai continuar na Câmara?
Estou reavaliando o que vou fazer. Não tenho ainda em mente se vou continuar na Câmara, se vou sair. Mas uma coisa é certa, se eu renunciar hoje estarei sendo covarde, assinando uma sentença de culpa. E eu sou inocente.

Mas descarta a possibilidade?
Não descarto a possibilidade de renúncia. Mas também não confirmo. Vou aguardar os acontecimentos pra ver o que posso fazer. Não fui nem condenado ainda, o processo está correndo. A partir do momento em que eu for condenado em primeira e segunda instância, vou renunciar.

Houve apoio do partido para tua permanência na Câmara?
O partido esteve sempre comigo porque eles me conhecem, sabem quem eu sou e têm absoluta certeza da minha inocência. Tenho quase certeza de que será provada minha inocência. Digo quase porque se ajudar as pessoas for crime, talvez cometi algum crime nesse sentido. Se levar alguém pra ajudar na prefeitura, de alguma forma, for um crime, talvez eu tenha cometido. Mas se tem um crime que não cometi foi quanto à venda das sucatas de motocicletas.
Isso tenho certeza absoluta que não fiz, não faria, e ninguém do órgão público sabia.

Que medidas foram tomadas em relação à foto que vazou, que o mostrava vestido com a roupa do presídio?
Minha defesa vai acionar o governo estadual, não se sabe ainda ao certo de onde saiu o vazamento. O presídio tem acesso a uma senha, a Polícia Civil, a Polícia Militar e a Polícia Federal. Saiu de um desses quatro órgãos. Vão descobrir quem vazou.

Você chegou a dizer na Câmara que bandido bom é bandido morto. Ainda pensa assim?
Essa frase é do saudoso Carlos Ely, e eu talvez tenha falado algumas vezes sim. Não mudou nada. Tem pessoas que estão lá que realmente têm que pagar pelo que fizeram. Mas outras não tinham necessidade de estar lá, podiam estar em prisão domiciliar. Talvez agora eu olhe com outros olhos, nem todos que estão lá são bandidos.

Mas bandido bom é bandido morto?
Não sei se nós temos direito de tirar a vida de alguém, seja bandido ou o que for. Esse tempo na prisão também faz tu refletir, pensar que às vezes falava demais, poderia ter outra postura. Não sei se hoje eu falaria essa frase. Quem errou tem que pagar, mas muitos poderiam ter outro tipo de tratamento.

Mobilidade em pauta

01 de dezembro de 2015 0

Um dos cases discutidos hoje no Fórum de Mobilidade Sustentável que ocorre no resort Infinity Blue, em Balneário, será o Inova Amfri – projeto desenvolvido pelo ex-deputado federal Paulinho Bornhausen ( PSB) que integra ações integradas de gestão pública, desenvolvimento econômico e mobilidade para a região de Itajaí.

Aulas no ginásio

01 de dezembro de 2015 0

Interdição A Justiça decidiu não liberar o retorno dos alunos à escola estadual Antônio Rocha de Andrade, em Penha. A unidade foi interditada porque estava com a estrutura em risco e as obras de reforma recém começaram.

As aulas foram retomadas ontem no ginásio do colégio, para mais de mil alunos. Ao todo, 200 dias letivos foram perdidos.

Estreia em Itajaí

01 de dezembro de 2015 0
Foto: Lucas Correia

Foto: Lucas Correia

 

Depois de Porto Belo, ontem foi a vez de Itajaí estrear a temporada de cruzeiros com a chegada do transatlântico Empress, da operadora Pullmantur.
Mais de 500 passageiros embarcaram para um minicruzeiro até Santos – aposta das companhias para esta temporada.

Silêncio na CPI

01 de dezembro de 2015 1

Após pelo menos três convocações, o consultor técnico do órgão de trânsito de Itajaí, Willian Gervasi, compareceu ontem à CPI da Codetran. Acompanhado pelo advogado, ele decidiu não responder aos questionamentos dos vereadores.

Porém, se comprometeu a prestar esclarecimentos assim que for interrogado pela Justiça – a audiência está marcada para 17 de fevereiro.
O primeiro depoente do dia, João Jorge Fernandes Junior, irmão do dono do pátio de veículos apreendidos da prefeitura Julio César Fernandes, não apareceu.

(Por Maikeli Alves)

Estatística

01 de dezembro de 2015 0

Estatística Balneário Camboriú e Itajaí estão entre as cinco cidades que mais registraram casamentos homoafetivos em Santa Catarina no último ano.
Ocupam, respectivamente, o 3 º e o 5 º lugar.

Em Balneário foram 23 registros. Em Itajaí, 15.

Delegado de Navegantes afirma ter sido agredido pela guarda armada de Balneário Camboriú

01 de dezembro de 2015 1
Foto: Reprodução

Foto: Reprodução

 

 

Advogados do delegado Daniel Weber, de Navegantes, preparam uma representação criminal e uma denúncia à corregedoria contra a Guarda Municipal de Balneário Camboriú.

No fim de semana o delegado foi preso por agentes da guarda após discutir com uma enfermeira, quando aguardava atendimento no Hospital Ruth Cardoso.

De acordo com o advogado Rafael Cordova, embora tivesse se identificado como delegado de polícia, Weber foi atingido com chutes e pontapés e “algemado de forma arbitrária”, sob a alegação de desacato e ameaça. Ele chegou a ser levado à delegacia pelos agentes.

_ Ele não estava armado, mas os guardas estavam _ ressalta o advogado, negando a alegação de ameaça por parte de Weber, que teria, inclusive, pedido socorro a colegas delegados através do Whatsapp.

A versão do secretário de Segurança de Balneário Camboriú, coronel Edemir Meister, é outra. Ele diz que, de acordo com o registro da ocorrência, o delegado teria causado tumulto, desacatado funcionários do hospital e resistido à prisão.

Coronel Meister afirmou nesta segunda-feira à tarde que ainda não havia recebido denúncia formal de agressão.