Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
 

Posts de dezembro 2015

Café de la Musique abre sem alvará da Polícia Civil em Itajaí

28 de dezembro de 2015 5

O delegado regional de Itajaí, Angelo Cintra, marcou uma reunião com representantes do Café de La Musique nesta segunda-feira para tratar da documentação da casa, que fez o primeiro evento na Praia Brava no fim de semana. A balada, que funciona junto do recém-inaugurado Fresh Market, funcionou sem o alvará da Polícia Civil, e de acordo com o delegado só não foi interditada porque possuía os outros documentos necessários.

O alvará que falta é justamente o que determina o horário para abrir e fechar o estabelecimento. No domingo, moradores incomodados com o som alto, que seguiu até 22h, procuraram a polícia.

De acordo com Victória Bacchi, proprietária do Fresh Market, o documento que faltou foi uma autorização da Fundação do Meio Ambiente de Itajaí (Famai), emitida no fim da tarde da última quarta-feira, antes do início do recesso. Segundo ela, não houve tempo hábil para entregá-lo às autoridades responsáveis.

A decisão da empresária em manter a programação no fim de semana foi em respeito aos cerca de 60 estabelecimentos que fazem parte do Fresh Market.

Conflito de interesses

Até então praia frequentada por surfistas e pouco habitada, a Praia Brava teve um boom populacional nos últimos anos. E os problemas para conciliar quem busca sossego e a vocação para as baladas ficaram evidentes.

Recentemente a Polícia Civil fez reunião com bares e representantes da associação de moradores para tentar amenizar as queixas de perturbação, principalmente no entorno das baladas. A recomendação da polícia é que os estabelecimentos cuidem da segurança e orientação aos motoristas para evitar incômodo.

Folha de S. Paulo destaca a sombra dos arranha-céus em Balneário Camboriú

28 de dezembro de 2015 16
Foto: Fernando Carnevali/Especial

Foto: Fernando Carnevali/Especial

 

O jornal Folha de S.Paulo destacou pela terceira vez, nos últimos quatro anos, a sombra que os imensos arranha-céus estendem sobre as areias da Praia Central, em Balneário Camboriú. Na edição de fim de semana, o jornal trouxe uma reportagem assinada pelo repórter Felipe Bachtold que fala sobre a corrida das construtoras rumo às alturas e as consequências velhas conhecidas de quem frequenta a cidade, como os corredores de vento que se formam nas estreitas ruas transversais.

No texto, destaque para o Yachthouse, da Pasqualotto em parceria com a Pininfarina, que pretende chegar aos 275 metros de altura e deve ficar pronto em 2019. Em segundo lugar aparece o Infinity Coast, da construtora FG, com previsão de 240 metros de altura e sem data de entrega (vale dizer que a prefeitura informou que alguns projetos ainda estão sob análise).

A lista é completada pelo Millenium Palace, da FG, com 186 metros de altura e atual recordista brasileiro _ seguido de perto pelo Villa Serena, da Embraed, com 141 metros e que ostentou o título de maior residencial do país até a conclusão do Millenium.

A sombra

Douglas Werner Heckman, morador de Rio do Sul, registrou no ano passado em time lapse 24 horas da Praia Central de Balneário Camboriú. O vídeo, com pouco mais de um minuto e meio, mostra a noite agitada, a chegada dos primeiros banhistas e guarda-sóis à orla e o momento em que a sombra dos prédios invade a faixa de areia _ o que ocorre no meio da tarde.

 

 

O plano diretor de Balneário Camboriú não estabelece limites de altura para os prédios, mas os projetos têm que ser aprovados pelo Conselho da Cidade. Em maio a prefeitura derrubou um decreto que proibiu a aprovação de novas propostas de edifícios por dois anos e meio. A ideia era manter a moratória até a conclusão do zoneamento, que segue em discussão _ mas o município optou por autorizar novas construções para evitar paralisação das atividades da construção civil, hoje a principal fonte de renda e geradora de empregos da cidade.

 

Prefeitura de Itajaí quer mais prazo para desapropriações na Via Expressa Portuária

28 de dezembro de 2015 2
Foto: Marcos Porto, Arquivo

Foto: Marcos Porto, Arquivo

 

A prefeitura de Itajaí fez um pedido formal ao DNIT para que estenda o prazo do convênio firmado para as desapropriações necessárias à obra da Via Expressa Portuária. O acordo termina em fevereiro, mas, sem ter recebido o empenho de R$ 16 milhões previsto pelo órgão federal, o município não avançou no pagamento das indenizações – há cerca de 100 imóveis na lista.

A obra está parada desde julho de 2012, quando o Exército, que era responsável pela construção, deixou o serviço por não ter mais para onde avançar por falta de desapropriações. Em 2014 o DNIT decidiu licitar as três etapas da Via Expressa Portuária num só pacote, em uma licitação com Regime Diferenciado de Contratação (RDC).

Mas a demora na análise de projetos e questionamentos do Tribunal de Contas da União sobre o modelo de licitação acabaram empurrando a concorrência para o ano que vem.

O problema é que, com os cortes de orçamento do governo federal, é provável que não haja recursos em 2016. Como se trata de uma ligação entre uma via federal (a BR-101) e um porto que, embora administrado pelo município, é patrimônio da União, por exigência legal nem o governo estadual, nem o municipal, podem intervir e executar os trabalhos.

Mais do que um acesso rápido para escoamento da carga exportada por Santa Catarina, a via promete solucionar os problemas de mobilidade causados pelo trânsito de veículos pesados em ruas centrais da cidade e melhorar a segurança de pedestres e motoristas, evitando acidentes. É essencial para a economia e para as pessoas. Só precisa sair do papel.

Inclusão no calendário

27 de dezembro de 2015 0
Foto: Divulgação

Foto: Divulgação

O calendário anual da DC Logistics Brasil, gigante da logística com sede em Itajaí, ganhou apelo social. As imagens que ilustram os meses do ano, retratam paratletas do Centro Esportivo para Pessoas Especiais (Cepe), de Joinville. Na foto está Aldo Pavesi, atleta do basquete em cadeira de rodas. Foram produzidos 5 mil calendários, que serão distribuídos por todo o país.

Obras da bacia de evolução podem impactar no turismo de transatlânticos em Itajaí

27 de dezembro de 2015 1
Foto: Lucas Correia / Agência RBS

Foto: Lucas Correia / Agência RBS

O avanço das obras da nova bacia de evolução para os portos de Itajaí e Navegantes pode impactar no turismo de transatlânticos em Itajaí na próxima temporada. Isto porque a estrutura do píer Guilherme Asseburg terá que dar espaço para a segunda fase da empreitada.

Caso o governo federal garanta os recursos para o ano que vem, é provável que a cidade tenha que abrir mão dos cruzeiros até viabilizar o novo terminal, que ficará junto à Vila da Regata – espaço onde é montada a estrutura de regatas como a Volvo Ocean Race e a Jacques Vabre.

O início da primeira etapa ainda depende da contratação de uma empresa para fiscalização, que está em fase final de licitação. Mas a segunda fase pode ocorrer paralelo às obras da primeira, caso haja recursos.

O píer turístico de Itajaí completa 15 anos em janeiro, e celebra a marca de mais de 300 mil passageiros. A estrutura, que hoje fica junto ao Marco Zero de Itajaí, na Praça Vidal Ramos – onde está a mais antiga igreja da cidade – receberá nesta temporada 16 escalas de cruzeiros.

O movimento já foi maior. Em 2010, com o mercado aquecido no país, o píer chegou a receber navios 34 vezes. A queda atual segue o ritmo do setor, que vem registrando redução no Brasil devido às taxas, burocracia e ao interesse dos armadores em operar em outros destinos como a Ásia, para onde estão migrando muitos dos navios que navegavam pela costa brasileira no verão.

Ponto turístico

O curioso é que, em Itajaí, a proximidade com o porto – que em alguns lugares é vista como desvantagem estética – é destacada como um dos atrativos e diferenciais do píer turístico. Talvez seja esse fato, aliado à agilidade de processos decorrente da proximidade dos órgãos federais, instalados no porto, que tenham feito a fama de Itajaí. De fato, a passagem e as manobras dos imensos cargueiros viraram ponto turístico. Com direito a espectadores e selfies.

Higino Pio

27 de dezembro de 2015 1

O projeto de lei que dá o nome do primeiro prefeito de Balneário Camboriú, Higino Pio, à principal praça da cidade – a Almirante Tamandaré – terminou o ano em fase de análise nas comissões do Legislativo. Em junho do ano passado a Comissão Nacional da Verdade reconheceu que Higino Pio foi morto pela ditadura militar, em 1969, quando estava sob custódia da Marinha, na Escola de Aprendizes Marinheiros de Florianópolis.

A proposta de homenagem, apresentada pelo vereador Nilson Probst (PMDB), baseia-se na incoerência do município ter, diante dos fatos apontados pela comissão, justamente o nome do patrono da Marinha em sua principal praça.

A pressão para que a mudança não ocorra, porém, tem sido grande. A expectativa é que o projeto seja votado no início do ano que vem.

Mais rapidez

27 de dezembro de 2015 1

Um decreto assinado pelo prefeito Edson Piriquito (PMDB) autoriza os construtores a começarem as obras antes da aprovação do projeto hidrossanitário em Balneário Camboriú. As propostas poderão ser apresentadas no decorrer da obra e a aprovação será obrigatória para concessão do habite-se.

O Sinduscon, sindicato que representa os construtores, comemorou a mudança. Há 30 dias não eram aprovados novos projetos hidrossanitários na cidade, o que vinha atrasando o andamento das obras.

Espertinhos

27 de dezembro de 2015 0

Com as cidades do Litoral próximas da lotação máxima, é intensificada a falta de civilidade dos espertinhos. Gente passando pelo acostamento na BR e furando fila no supermercado, provando que o espírito solidário do Natal deve ter acabado com o fim as festividades.

No fim de semana, quem teve trabalho com os mal educados de plantão foram os funcionários do ferry boat, que evitaram — enfrentando protestos e reclamação —  que muitos apressadinhos passassem na frente de quem esperava na fila.

Adeus a Tante Lolli

25 de dezembro de 2015 3

Isolde Blaese Drews, a Tante Lolli, morreu às 23h30min na véspera de Natal em Bremenhaver, na Alemanha. Fundadora do primeiro jardim de infância de Itajaí, presente nas memórias e no coração de muitos itajaienses, Tante Lolli completaria 92 anos nesta terça-feira. Foi vítima de um súbito tumor cerebral. Atendendo à vontade de Isolde, a família pretende trazer as cinzas dela a Itajaí.

Leia mais: Professora que fundou primeiro jardim de infância em Itajaí faz 90 anos

Professor de Itajaí dá lição de amor ensinando surfe para crianças carentes

25 de dezembro de 2015 1
Foto: Lucas Correia / Agência RBS

Foto: Lucas Correia / Agência RBS

Ney Machado transformou sua paixão pelo surfe em uma maneira de fazer o bem. Só este ano, ensinou as primeiras lições sobre o esporte para mais de 200 crianças carentes – e ajudou centenas de famílias com os alimentos que arrecada toda semana. Um ciclo de solidariedade que tem transformado vidas em Itajaí.

Durante a semana, Ney, que é juiz da Federação Brasileira de Surf, dá aulas particulares na Praia da Atalaia. Boa parte do que recebe com o trabalho é investida no projeto social que mantém: todos os domingos, reúne meninos e meninas que não teriam chance de aprender sobre o esporte em troca de um quilo de alimento. Chega a arrecadar até 50 quilos por aula, que são rapidamente distribuídos entre pessoas que ele conhece e outras que lhe batem à porta.

Decidido a tornar o esporte um meio de inclusão, Ney também passou a ensinar deficientes visuais a surfar. Deu tão certo que ele acabou decidindo expandir o projeto. Nas últimas semanas, com a ajuda do cantor Armandinho e de uma empresa de Itajaí, comprou pranchas especiais para cadeirantes e passou a apresentar o mar e o surfe a quem não pode caminhar.

Pai de três filhos, Ney sabe que o trabalho social que executa ajuda a deixar o mundo um pouquinho melhor.

– Se a gente não ajudar o próximo, o mundo não cresce – afirma.

Ele diz que se sente realizado:

– Não é o dinheiro, é o sorriso no rosto das pessoas. Se eu soubesse o quanto isso é bom, teria feito mais cedo.